A Queda dos Reinos – Morgan Rhodes

A Queda dos Reinos é da autora Morgan Rhodes e é o primeiro livro da série de mesmo nome. Foi publicado no Brasil em 2013 pela editora Seguinte.

Sobre o Livro

O continente de Mítica é dividido em três reinos: Limeiros, gelado e sombrio, onde as leis sobre a religião regulam o povo assim como um tirano rei; Paelsia, o reino do meio e que sofre com a falta de ajuda de seus vizinhos. Vivem do comércio, principalmente de vinho, porém só podem vender ao terceiro reino, já que a bebida alcoólica não é bem vinda em Limeiros; E por fim, Auranos. O reino rico e próspero do sul, onde o verão está sempre presente e a riqueza é vista nas ruas, pra todos os lados.

20160221_175354

Esse mundo está com a magia esquecida a muitos anos e alguns acreditam que ela é somente uma lenda já que muito tempo se passou. Porém, isso começa a mudar. Depois de muitos anos de paz, um acontecimento envolvendo a princesa de Auranos, Cléo e seu noivo prometido Aron, enquanto passeavam por Paelsia acaba criando uma revolta.

“A verdade só é perigosa se puder ferir.”

O rei de Limeiros vê uma oportunidade de se juntar a Pelsia e ir à guerra contra Auranos, em busca da divisão das riquezas. Ao seu lado ele tem seus dois filhos, Magnus – um jovem sombrio que tem um amor escondido pela irmã- e Lucia, a filha mais nova que pode estar guardando um grande segredo. Em Paelsia, quem comanda a revolta e pede ajuda é o jovem Jonas, que viu o irmão ser assassinado no mercado público da cidade pelo esnobe Aron.

Agora o caminho de Cléo, Jonas, Magnus e Lucia vai se cruzar e nada de bom pode vir disso. Alguns motivados pela justiça outros pelo poder, eles marcharão ao encontro e junto com o resultado dessa batalha, poderemos ver a magia se erguer novamente sobre Mítica.

Minha opinião

Essa série estava sendo muito recomendada pelos fãs de fantasia e eu estava muito curiosa pra ler. Num primeiro momento somos apresentados a um mundo novo com vários personagens que parecem importantes e que terão foco. Depois, acabamos descobrindo aos poucos o que realmente vai nortear a história. A questão política e a busca por trazer a magia de volta, além claro, do amor.

“A magia encontra aqueles que tem coração puro, mesmo quando tudo parece perdido. O amor é a maior magia de todas.”

20160221_175431

Porém não é tão simples assim. Logo no começo do livro temos um direcionamento da história para o romance, em vários núcleos, mas especialmente no da Cléo. Ela é de longe a personagem mais chata e inconstante do livro. Ela olha pra alguém e dali a muitas páginas quando nós leitores formos ver o personagem de novo, ela já está perdidamente apaixonada. Além de toda a imaturidade e futilidade de sua personalidade. Ela é uma princesa mimada que nunca teve que se preocupar com nada e isso está bem explicito em sua personalidade, por mais que ela tenha seus próprios conflitos mais sérios.

Magnus e Lucia também travam outra batalha. Pelo que já li nas sequências (parei no 3º livro por enquanto), a presença desse amor do personagem masculino pela irmã não faz muita diferença na história e sequer tem desenvolvimento. Sendo assim, parece um arco trazido somente pra chocar ou causar desconforto e que não tem verdadeira relevância pra história.

E isso é algo que me tira do sério. A história tem muito potencial, mas se volta para romances bobos, que não são relevantes e que logo serão podados, deixando de dar o devido valor para a trama política e mágica que a história a principio se propõe. E vocês sabem, eu tenho um ranço gigantesco com romances ganhando destaque principal em livros que não são do gênero, especialmente se isso for mal construído e atrapalhar a narrativa.

Apesar de eu ter lido o livro de uma vez só, essas coisas me incomodaram bastante e consequentemente influenciaram minha nota do livro. Já adianto que a história cresce e melhora em vários aspectos, mas sem completamente abandonar esses pontos negativos.

Fiquei também pensando que não tivemos nenhuma grande reviravolta na história e que as coisas acabam acontecendo naturalmente, de forma até previsível as vezes e sem plots twist. A Queda dos Reinos é uma fantasia voltada para um público YA, que não busca focar muito na complexidade de seu mundo. Não deixa de ser um livro bom, mas devido a todo o buzz ao redor dele, estava esperando um pouco mais.

Acho que talvez uma das coisas mais empolgantes tenha sido conhecer os Vigilantes e toda a trama que existe entre eles. Saber que esses seres observam a todos e que são capazes de ser corrompidos é muito interessante, mas também acredito que precise ser melhor trabalhado, para os entendermos melhor.

Como falei pra vocês já dei continuidade na leitura e agora estou aguardando pra comprar Maré Congelada, 4º livro, que saiu esse ano aqui no Brasil e acredito que sejam 5 livros no total. Os volumes 2 e 3 ganharam 4 estrelas e espero ter uma ótima surpresa no final dessa história :)

3estrelas

13230938_1095990757108753_693301704_o

Numa terra em que a magia havia sido esquecida e a paz reinara durante séculos, uma agitação perigosa ganha forma quando três reinos começam a lutar pelo poder. Entre traições, negociações e batalhas, quatro jovens terão seus destinos entrelaçados para sempre: Cleo, a filha mais nova do rei de Auranos; Magnus, o primogênito do rei de Limeros; Jonas, um camponês rebelde de Paelsia; e Lucia, uma garota adotada pela família real de Limeros que busca a verdade sobre seu passado.
Em A queda dos reinos, Morgan Rhodes constrói uma mitologia complexa e fascinante, que mistura amor proibido, intrigas políticas e profecias milenares. Narrado pelos pontos de vista dos quatro protagonistas, este é o primeiro volume da série.

 

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.