Abrakadabra: A Fênix Azul – F. B. Vlaxio

Abrakadabra: A Fênix Azul é um livro nacional do autor F. B. Vlaxio, lançado em 2017 pela plataforma Amazon.

Sobre o Livro

Edgar tem 17 anos e divide a casa com 8 mulheres. A mãe, as irmãs, as tias e as primas são sua família e, assim como ele, bruxas. Pertencente a uma das mais famosas famílias da sociedade bruxesca, os Valburgo, o garoto treina para se tornar um curandeiro, especialidade de Àgata, sua mãe. Mas sem pressão, né? O problema é que quando Edgar acha que tem tudo sob controle, um novo garoto chega a cidade e Klaus nocauteia suas barreiras com facilidade.

Sim, Edgar é gay. E junto com o fato de ser bruxo, guarda isso bem escondido dentro do armário, inclusive de sua família. Klaus, no entanto, não sabe dá natureza de seu flerte e desconhece o fato de que pode sofrer um feitiço a qualquer momento. Essa relação, portanto, não vai ser algo fácil, principalmente depois que algumas cartas são adicionadas à mesa.

“Fazer as pessoas acreditarem que eu gostava de garotas deixava a vida menos complicada. E eu não pretendia acabar com aquela ilusão num futuro próximo.”

Contudo, a sexualidade de Edgar e as banalidade do amor acabam por cair em segundo plano quando uma ameaça sombria aponta no horizonte, que poderá por em risco não só aqueles que ele ama, mas toda a sociedade bruxesca, invadindo inclusive o mundo dos humanos. Com mitos que norteiam sua raça, o peso de seu sobrenome e os problemas que caminham em sua direção, Edgar terá de definir rapidamente o tipo de pessoa e bruxo que quer se tornar.


Minha Opinião

Eu não sou uma estranha a nacionais de fantasia, mas esse foi o primeiro LGBT que li, e o sentimento foi de satisfação. Não há nada mais incrível para um leitor do que descobrir uma história que o surpreenda positivamente e o mova através das páginas com leveza. Se for um autor iniciante e que já mostra talento nos primeiros passos, é ainda mais legal.

Acho que a um primeiro olhar a sinopse pode se aproximar de vários livros que bem conhecemos. Afinal, falou em bruxos, lembrou Harry Potter, certo? Porém, o que diferencia essa obra é exatamente a forma como o autor costura esses elementos para criar algo só seu, que reflete um pouco sobre o Brasil também, mas sem tornar a “nacionalidade” algo pesado, o que pra mim é sempre um problema a não ser que o propósito do livro seja esse. São pequenos detalhes aqui e ali que em momentos específicos nos lembram onde estamos.

Há muitas referências à literatura, expressões marcantes e outros itens da cultura pop. Os personagens vivem no mundo real, mas em uma cidade fictícia do nosso país, fazendo com que a apropriação caminhe até certo ponto apenas. Não há escolas de magia, professores, ou aquela logística que se espera pelo já conhecido. Nossos bruxos recebem os ensinamentos da família, que se desdobra pra trabalhar com seu dom sem se mostrar para o mundo real.

“O pior cenário de uma paranoia é quando ela tem um fundo de verdade.”

E Vlaxio brinca com os clichês. Se parece que a história está indo para um caminho ou usando artifícios comuns, porque não expor aos personagens e ao leitor como um fato e aproveitar a onda que isso causa? O efeito é instantâneo. Eu estava lendo e pensava: “hum, é claro que isso ia acontecer”, ai um personagem vira pro outro e diz: “viu como nossa história está se tornando um clichê enorme? precisamos mudar isso”. E ai, o que poderia ser algo ruim, vira um divertimento na trama, a espera pelo ar descontraído que vira toda vez que um artifício assim for utilizado.

Por trabalhar os personagens centrais em um relacionamento homossexual, é claro que me veio à memória Carry On da Rainbow Rowell, que apresenta essa temática em uma “releitura” a lá fan fiction de Harry Potter. Porém lá os elementos centrais eram mantidos, como a escola de bruxos, por exemplo, e os personagens aqui também soam mais adultos e com um ar mais divertido, sem ser escrachado ou fugir de suas responsabilidades.

“A essência mágica de um bruxo é como um músculo. Portanto, quanto mais você exercitá-lo, maior e mais forte ele ficará.”

O livro basicamente se divide em três atos. No primeiro temos um foco maior na relação que se estabelece entre Edgar e Klaus, e a logística da família Valburgo, além de conhecermos algumas regras sobre esse mundo. No segundo ato um problema que ultrapassa essa situação é apresentado, cartas são expostas à mesa e o relacionamento dos personagens deixa de ser foco central pra trabalhar a real problemática do livro. Já na parte final, é hora do confronto. Batalha, feitiços, estratégias e inteligência. É o momento de conhecermos o verdadeiro poder de cada bruxo e no que eles são bons. É aqui que entendemos também o papel de suas classes e entendemos nosso inimigo.

As duas primeiras partes foram mais fáceis pra mim, e essa terceira foi a mais difícil de me fixar. Eu não consegui visualizar muito bem certos pontos e isso acabou por prejudicar um pouco a experiência. Algumas coisas como um grupo parar para planejar um super ataque e conversar por minutos traçando estratégia enquanto parecia que tudo ao seu redor estava indo pros ares não me soou como algo que fizesse sentido no cenário. Porém isso foi apenas um detalhe que pode facilmente não se aplicar aos outros leitores. Quando o livro acaba, em seu “primeiro final” confesso que esperei por mais. Mas ai temos um epílogo que coloca tudo em movimento novamente e finaliza muito bem a história.

“No fim das contas, os heróis não nascem prontos; são criados em momentos que se deve decidir entre ceder ao inimigo ou seguir em frente.”

Acho isso super importante. Eu já li muitos nacionais que não trabalharam o cliff hanger no fim de seus primeiros livros e, mesmo que na hora sentisse a vontade de segui lendo, com o passar do tempo deixei de lado, porque o anseio de descobrir o que viria a seguir não vinha. Em um mercado onde é difícil de fixar, como o nosso, manter a chama acesa é algo muito relevante e que faz a diferença.

Edgar e Klaus são ótimos e é muito fácil se apaixonar pelos dois. As mulheres da família Valburgo também. Todas de personalidade forte e diferentes entre si. Aliás, a maioria dos personagens aqui é multifacetado, mantendo uma evolução ao longo da narrativa, apontando novos aspectos de sua personalidade, evoluindo. Além dos bruxos também conheceremos outras criaturas que co existem em nosso mundo, e por mais que sejam apenas pinceladas, fica a curiosidade de se veremos mais sobre elas em breve.

O livro é um lançamento pela plataforma digital da Amazon e está concorrendo ao Prêmio Kindle de Literatura 2017, onde o vencedor ganha um prêmio em dinheiro mais a publicação do livro em versão física. Eles está disponível à venda para kindle ou de graça pelo serviço de assinatura unlimited. Por aqui, eu fico na torcida.

Abrakadabra: A Fenix Azul é um livro jovem, divertido, que cria uma mitologia sua que se sustenta, trabalhando a pluralidade em aspectos que vão além da sexualidade. Digo a vocês que fiquei surpresa e aproveitei muito a leitura, que apesar de aparentar ter bastante páginas, passa rapidamente por ter uma fluidez constante na narrativa. Pra quem está atrás de um nacional que cumpra esse papel e que tenha uma história bacana, fica aqui a recomendação.

4estrelasb

ABRAKADABRA: A FÊNIX AZUL

Autor: F. B. Vlaxio

Editora: Amazon

Ano de publicação: 2017

Com seus 17 anos e o plano de não se apaixonar por ninguém, Edgar nunca pensou que sua vida perfeita pudesse ser abalada. Até conhecer Klaus, o cara de outra cidade que agora frequenta a mesma escola que ele.
Klaus, por outro lado, não faz ideia de que a família de Edgar vem de uma linhagem poderosa de bruxos e que, munido do feitiço correto, ele seria capaz transformá-lo numa lagartixa vesga com um único estalo de dedos.
Os dois acabam pulando as etapas da amizade e se apaixonam logo de cara, tendo de arcar com as consequências desse sentimento instantâneo enquanto lidam com a descoberta de um amor proibido.
Para piorar, um bruxo das trevas resolve abrir um portal para o Desmundo, permitindo a invasão de demônios ao plano físico dos humanos. Sem alternativa, inimigos de longa data são obrigados a unir forças para combater ameaças jamais vistas na pacata cidade de Anévoa.
Com bruxos que usam identidades secretas, demônios à beira da crise existencial e uma cidade cheia de seres místicos que não sabem a diferença entre uma perna quebrada e uma perna com fratura exposta, ‘A Fênix Azul’ é uma história sobre o valor da amizade e o nascimento da bravura, que traz em seu repertório rituais mágicos, monstros lendários e disputas por poder capazes de definir o vencedor na batalha entre bruxos e demônios.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Camila Rezende

    Olá Tamirez,
    Quando comecei a ler a sinopse do livro pensei que ia ser uma versão da família Wesley Brasileira, mas depois de ler a sua resenha percebi que não.
    Fiquei curiosa pra conhecer os personagens e saber como o autor trabalhou com a parte da magia no livro.
    Gostei de saber que o autor deu um jeito de finalizar a estória com o epílogo do livro.
    Vou procurar o livro pra ler.

  • Nathi

    Olá!
    Depois de ver seu vídeo-resenha fiquei muito interessada nesse livro nacional. Parando pra pensar, li poucos livros com a temática LGBT, e acho que nenhum que misture LGBT e fantasia (bruxaria), achei bem diferente. Gostei muito da capa, ficou com um toque meio minimalista maravilhoso.
    Fiquei bem curiosa :)

  • Thais M. Costa

    O livro nao me chamou muito a atencao nao. Nao sou muito de ler tematicas Lgbt, mas pra quem gosta me pareceu uma boa historia.

  • Karina Rocha

    Interessante o fato do personagem principal ser gay e viver com várias mulheres em casa, tenho minhas dúvidas até hoje se isso influencia, pois tenho um caso semelhante na minha família..rs..o livro deve ser bacana de se ler o fato de falar de bruxas e sexualidade, dois assuntos distintos que juntos devem dar uma boa trama.

  • Thaynara Ribeiro

    Li a palavra Bruxa e já me encantei num primeiro momento. Já li livros homo e curti o estilo. Isso dele estar no armário já me deixa bem angustiada imaginando se ele é aceito. Gostei de saber que o personagem entende sua sexualidade e não faz disso um drama. Estou curiosa para conhecer os personagens

  • Kristine Albuquerque

    Ótima dica!
    Importante e necessário que livros com a temática LGBTQ+ venham ganhando espaço no mercado editorial.
    Interessante também o cenário de magia e bruxaria. Fiquei curiosa em lê-lo.