A Árvore da Mentira – Frances Hardinge

A Árvore da Mentira é de Frances Hardinge, mesma autora de Canção do Cuco (2015). O livro é um lançamento de 2016 da editora Novo Século.

Sobre o Livro

A história começa com a família Sunderly deixando Kent, um condado dos arredores de Londres. Faith, a filha mais velha de 14 anos, está cuidando do irmão Howard e observando o que passa ao seu redor. Ela sabe que algo deve ter acontecido para que eles estivessem partindo tão bruscamente e sem dar explicações. Porém, a verdadeira razão só lhe é revelada mais tarde.

A família, mais o tio Miles estão indo para a ilha inglesa de Vane, a convite de um nobre cientista para acompanhar uma escavação. Seu pai, o reverendo Erasmus, tem uma fama conceituada no ramo desde que há muitos anos, com ajuda da própria Faith, descobriu um fóssil raro e jamais visto antes.

“Escolha uma mentira em que as pessoas queiram acreditar. Elas vão agarrar-se a ela, ainda que seja provado que é falsa perante os olhos delas. Se alguém tentar mostra-lhes a verdade, as pessoas vão se virar contra este e lutar com unhas e dentes.”

20160516_194617

Porém, logo que eles chegam a esse local percebem que as noticias que os fizeram sair de Kent já os alcançaram e o pai logo aparece morto, mas não antes de Faith ficar ainda mais curiosa com a forma estranha que ele está agindo e ter algumas respostas. Agora, juntando a sua pequena investigação sobre a torre e o escritório onde ele passava horas, a menina também vai tentar desvendar o mistério em torno de sua morte. E é no meio de sua busca que ela se depara com uma estranha planta que pode conter muitos segredos e revelar grandes verdades.

Minha opinião

Logo que vi o anúncio desse lançamento fiquei com vontade de conferir, pois a premissa de uma árvore que se alimenta de mentiras me pareceu muito intrigante. E é claro que esse mistério é somente uma das coisas que instiga a protagonista Faith.

“Havia um apetite dentro dela, e isso não era coisa de menina. […] Toda a informação – qualquer uma – chamava Faith, e havia um prazer delicioso, venenoso, em roubá-la sem ser vista.”

20160516_194552

Na época em que esse livro se passa as mulheres não tinham voz, uma menina deveria aprender a cuidar da casa, ser recatada, dançar e se portar frente a sociedade. Nada de genialidade ou ambição de ter uma profissão ou algo do tipo. Porém, Faith sempre foi curiosa, e sendo o pai um cientista natural ela tinha acesso aos livros de sua biblioteca, aprendendo por ai tudo o que podia. Mas, a garota que sempre admirou o pai e queria sua atenção e carinho, sabia que toda a glória estava reservada ao irmão, o verdadeiro herdeiro, e não a ela, aquela que custaria ao pai um enorme dote.

Esse conflito social da posição da mulher, por mais que fosse uma convenção da época, me incomodou bastante. Há um momento onde um médico fala sobre medir as cabeças e sempre descobrir a das mulheres menor, nos definindo portanto como menos inteligentes, por causa disso. Ignorando totalmente a lógica de que a estrutura corporal das mulheres normalmente também é menor, o que hoje também já varia muito.

Antes de entrarmos na parte mais sobrenatural da história, onde a árvore realmente aparece, em função da época e da menção à Origem das Espécies, achei o livro com várias semelhanças à Evolução de Calpúrnia Tate (resenhado aqui). Nesse outro livro também temos uma menina curiosa, no mesmo momento temporal da história, aprendendo coisas que meninas não deveriam aprender e lutando contra o preconceito da sociedade para se tornar uma cientista. Porém as semelhanças param ai e é quando Faith começa a investigar sobre a morte do pai que tem seu primeiro contato com a árvore.

20160516_194602

Foi nesse aspecto que o livro deixou um pouco a desejar. Ao contrário do que pensei, a trama não tem como foco descobrir a origem da planta ou como ela funciona, mas sim investigar o assassinato do reverendo, ficando a árvore completamente em segundo plano. As revelações finais trazem apenas um fiapo de teoria sobre o que ela poderia ser ou de onde originalmente veio, deixando todo o mistério de sua origem intacto e somente em teorias na cabeça do leitor. Acho que essa técnica funciona em alguns livros, mas não é bem empregada aqui, principalmente porque a árvore dá o nome ao livro e parece ser a protagonista em um primeiro olhar.

A escrita da autora é boa, mas não tem uma fluidez imediata. Pra mim a trama só engrenou depois da página 120 e até lá tive uma longa jornada, principalmente porque foi nessa primeira parte que as semelhanças com a outra obra prevaleceram. Quase todo o ambiente do livro é bastante sombrio e é possível captar isso através das descrições e narrativa do mesmo. Faith também muda bastante ao longo das páginas e seu contato com a tal árvore deixa uma marca na personalidade da menina.

“A mentira é como uma fogueira, Faith estava aprendendo. Primeiro precisava ser nutrida e alimentada, mas com cuidado e gentileza. Um sopro delicado atiçaria as chamas recém-nascidas, mas uma baforada vigorosa demais as apagaria. Algumas mentiras ganham corpo e se espalham, crepitando de empolgação, e não precisam mais ser alimentadas. Mas então estas não são mais suas mentiras. Tem vida e forma próprias, e não há como controlá-las.”

Apesar dos contrapontos, o livro apresenta uma boa história de mistério e no final revela quem é o assassino do reverendo, mostrando-se ser alguém que eu não tinha apontado o dedo em nenhum momento da trama, ganhando assim alguns pontos comigo. O que realmente me puxou pra baixo foi a falta de atenção dada ao fator que deveria ser principal: a árvore da mentira.

4estrelas

20160516_194541

Na inóspita ilha inglesa de Vane, em pleno século XIX, os Sunderlys desembarcam, atraindo atenções e suspeitas.

Quando o reverendo Erasmus, patriarca da família e proeminente estudioso de ciências naturais, é encontrado morto em circunstâncias obscuras, sua filha, a jovem e impetuosa Faith, está determinada a desvendar o mistério. Para isso, precisará de coragem não apenas para confrontar dolorosos segredos mas também para desafiar as implacáveis tradições da sociedade em que vive.

Investigando os pertences do pai em busca de pistas, ela descobre uma planta estranha. Uma árvore que se alimenta de mentiras sussurradas e dá frutos que revelam verdades ocultas. Quando a espiral das sedutoras mentiras de Faith fica fora de controle, ela compreende que as verdades estilhaçam muito mais.

 

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.