Boo – Neil Smith

Boo é um livro do autor americano Neil Smith, lançado aqui no Brasil em 2016 pela Fábrica 231, um dos selos da editora Rocco.

resenha3

SOBRE O LIVRO

Oliver Dalrymple não é como os outros garotinhos de treze anos. Por ter uma aparência diferente, um cabelo espetado e uma pele muito branca, alguns garotos acabaram o apelidando de “Boo” pois essas características o deixam com cara de fantasma. Além da aparência diferente, ele é extremamente inteligente, não é bom de papo e por isso não tem amigos, mas acaba sofrendo na mão de alguns adolescentes da escola onde estuda. Apaixonado por Química e Biologia, Boo sempre gostou de aprender coisas novas sobre ciência, astronomia e biologia. E ele estava na frente do seu armário, recitando em ordem os elementos da tabela periódica quando algo aconteceu…

Ele acorda em um lugar misterioso, sem saber ao certo como chegou lá. Mas percebe que ele está morto. Boo está no céu para garotinhos americanos de 13 anos. Chamada de ‘Cidade’, esse céu não se parece com nada com um Paraíso, e sim com um lugar comum. É basicamente igual a cidade onde vivemos: todos os habitantes têm que comer, dormir, estudar e podem até mesmo arrumar um emprego. Curioso não é? Boo também acha tudo isso bem diferente do que realmente imaginava, apesar dos seus pais serem agnósticos.

“Bom, toda sua vida americana acabou, meu bem. Mas sua vida no além está prestes a começar. ”

Na Cidade, nenhum dos adolescentes envelhece, seus ferimentos curavam-se “magicamente”, porém, ao completar 50 anos, a pessoa tem uma “remorte” e simplesmente desaparece — alguns dizem que voltam para a América, para viver uma outra vida, outros falam que apenas mudam de nível, vai para um céu que é o “Paraíso” mas ninguém tem certeza de nada ao certo.

Boo sabe que tinha um problema no coração, e acha que sua causa da morte foi isso. Porém, quando um colega da escola chega a Cidade, ele conta para Boo que na verdade eles não morreram naturalmente, mas sim, foram Assassinados.


MINHA OPINIÃO

A primeira coisa que me chamou atenção nesse livro, sem dúvidas foi sua capa maravilhosa e bem diferente. Nela, temos os olhos de Boo dentro do armário. A capa tem buracos que formam um armário escolar, super condizente com o livro. Toda diagramação do livro está ótima, e colocar os itens da tabela periódica no inicio de todo capítulo tem tudo a ver com o anseio do personagem por aprender mais e seu gosto por esses temas, simplesmente adorei isso.

“Vocês vão achar isto absurdo, Mãe e Pai, mas esta estagnação no além me entristeceu mais do que a realização da minha própria morte. Eu nunca cresceria, nunca me tornaria um cientista. E, sinceramente, já estava farto do pessoal de 13 anos na América, já tinha visto sua estupidez, crueldade e sua imaturidade.”

resenha2

O livro é narrado em primeira pessoa, é tipo um diário que Boo está escrevendo para seus pais, caso encontre um jeito de entregá-lo. Logo comecei a me apegar aquele garotinho, e ver como ele sofria em sua vida na Terra, antes de morrer e ir para Cidade. Boo é um daqueles pequenos gênios que sofrem por serem diferentes. Vemos hoje em dia, cada vez mais livros, séries e filmes tratando do bullying como algo muito sério, e digo que isso tem que ser levado para as escolas, quem sabe com a conscientização logo cedo, nossas crianças se tornem adolescentes menos cruéis um com os outros. Afinal, ser diferente é totalmente normal.

Assim que Johnny chega a cidade, o livro começa a ficar mais legal, e meu ritmo de leitura aumentou. Logo criei mil e uma teorias de quem poderia ter feito aquilo com os dois, afinal, porque Johnny se lembrava que foi assassinato e Boo não? Adoro livros que carregam mistérios assim durante sua história, isso faz com que eu queria lê-lo o mais rápido possível.

resenha1

Há alguns outros personagens na Cidade, como Telma e Esther. Ambas tratam Boo super bem. Uma delas inclusive é como “uma mãe no céu”. Também gosto da caracterização de Deus, chamado aqui de Zig. Ele de tempos em tempos leva suprimento para eles (seja comida, roupas, bloco de notas). Esse livro é diferente de toda crença, pois Zig é até um pouco macabro em algumas das cenas da história.

Johnny chega parecendo ser um personagem um pouco perturbado, e em alguns momentos pensei que ele estava realmente ficando louco pela vingança de querer encontrar o assassino, mas no fundo, gostei de como o autor retratou a amizade dele com Boo. Algo interessante é que nessa Cidade há uma cadeia, para as pessoas que cometerem algum tipo de crime, e também há um local meio hospital psiquiátrico para os chamados triscons, que seriam as pessoas tristes e confusas.

“A morte muda uma criança. Nós, citadinos, não somos necessariamente as mesmas crianças que deixamos para trás em nossas vidas pregressas. Eu mesmo sou ligeiramente menos inteligente, e ligeiramente mais sociável do que o menino que deixei encolhido no chão do corredor de uma escola em Hoffman Estates, Illinois. Graças a essa mudança de personalidade, posso sentir empatia por outro ser humano, algo que, admito, tinha dificuldade em fazer na América.”

Boo sem dúvidas me fez refletir sobre coisas pós morte, além de falar sobre bullying, vingança e também sobre amizade. Foi uma ótima surpresa, apesar de eu estar super empolgada antes mesmo de começar a leitura. Neil conseguiu me surpreender em diversas partes do livro, e mesmo não tendo nenhum romance, eu amei demais e por isso recomendo essa incrível história de Boo <3

BOO

Autor: Neil Smith

Editora: Fabrica231

Ano de publicação: 2016

Oliver Dalrymple é o típico “looser” americano: aos 13 anos, magro e pálido como um fantasma, está mais interessado em biologia e química do que em esportes e vida social. Um dia, enquanto se recupera de um dos frequentes episódios de bullying de que é vítima recitando a tabela periódica em frente a seu armário, ele desfalece para sempre. E é aí que sua verdadeira vida começa. O “céu” onde Oliver acorda depois do que acredita ter sido uma parada cardíaca em função de um problema congênito chama-se Cidade e é povoado por pessoas que morreram aos 13 anos, como ele e seu colega de escola Johnny Henzel, que chega dias depois de Boo à Cidade, trazendo notícias perturbadoras sobre a causa da morte deles. Notícias que mudam para sempre a percepção de Oliver Boo sobre sua personalidade e seu lugar no mundo. Elogiado pela crítica e adorado pelos leitores, Boo é um romance cativante sobre amizade, confiança, bullying e a difícil tarefa de ser adolescente.

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Nascida no interior Paulista, futura cientista da computação, se apaixonou por literatura quando conheceu o bruxo Harry Potter e o vampiro Edward Cullen. Adora ir no cinema e assistir séries em dias chuvosos.