Boston Boys #1 – Giulia Paim

Boston Boys é primeiro livro da série de estreia de Giulia Paim, republicado em 2016 pela Globo Alt.

Sobre o Livro

Veronica  Adams, mais conhecida como Ronnie, é uma adolescente comum, tem 15 anos, vive em Boston desde que nasceu, tem uma melhor amiga, é muito esforçada nos estudos e costuma se comportar de maneira a obedecer todas as regras impostas, em qualquer lugar onde esteja. Vive com a mãe, uma analista de sistemas super tranquila; e Mary, a irmãzinha de 11 anos que é uma menininha fofa e apaixonada por Boston Boys, uma boy band americana composta pelo trio Ryan, Henry e Mason.

Podemos dizer que Ronnie leva uma vida normal e sem grandes emoções, mas que é exatamente aquilo que ela deseja. Afinal, ela gosta da rotina. Está acostumada a ser uma menina comportada e equilibrada, está satisfeita ao passar os sábados na companhia de um livro ou filme no sofá da sala. Ela está feliz, por assim dizer.

“Várias perguntas e pensamentos catastróficos vieram à minha cabeça ao ouvir aquelas palavras. Não, aquilo não era possível. Minha mãe, uma pessoa que trabalhava com computadores em uma grande empresa, havia se tornado a produtora das três criaturas mais insuportáveis do planeta?!”

Acontece que Suzie, mãe de Ronnie, deixa para trás toda a entediante análise de sistemas e passa a se dedicar ao show business. Torna-se agente de três garotos ricos e integrantes da Boston Boys, a boy band queridinha e que está super em alta no momento. Além da banda, os garotos interpretam eles mesmos em uma série de televisão que mostra o quão legal pode ser a vida de astros adolescentes.  A série passa a ser gravada em Boston e por conta disso o trio se muda para a cidade. Ryan e Henry se mudam com a família, mas Mason apresenta uma situação diferente e precisa de um lugar seguro para ficar.  E que lugar melhor para acolhê-lo do que a casa da sua própria agente?

A vida de Ronny vira de cabeça para baixo quando descobre sobre o novo emprego da mãe. E como se não bastasse o envolvimento com a Boston Boys e tudo o que isso significa, as coisas ficam ainda piores quando a protagonista descobre que Mason, o vocalista da banda e o mais detestável dos três garotos, vai morar justamente em sua casa. Não será mais só ela, a mãe e a irmãzinha. Haverá agora um garoto de 16 anos, aficionado por limonada, com um ego do tamanho do mundo e com o dom de deixá-la frequentemente irritada.


Minha Opinião

Ronnie vive de maneira tranquilamente satisfatória. Acompanhar sites de fofoca para saber de todas as novidades envolvendo ídolos juvenis? Jamais. Achar que cada um deles é bonito e inteligente do seu próprio modo e que têm qualidades que vão além de um sorriso bonito e um físico de causar inveja? Nunca. Ela tem muito mais o que fazer. Precisa manter sua vida organizada, se preocupar com os estudos, manter-se invisível de certa forma… Chamar a atenção para quê? Nada de bom pode acontecer a partir disso. E é justamente isso que ela pensa quando Mason torna-se um hóspede em sua casa, e a partir deste ponto a vida da protagonista realmente se transforma, e não necessariamente de uma maneira positiva. Pelo menos não a princípio.

Giulia Paim escreve de maneira simples e fluida uma história que pretende ser divertida e inusitada. Conta como uma situação que tem tudo para ser a realização dos sonhos adolescentes de diversas meninas, acaba por se transformar no maior pesadelo da protagonista. Ronnie não gosta de ser o centro das atenções. Não entende a obsessão da irmã pela banda, acha um pouco fútil todo o desespero que acomete as fãs da Boston Boys, considera incompreensível a paixão intensa e a necessidade de estar perto destes garotos. Essa resistência em gostar da banda e em lidar com as consequências de viver com um astro adolescente faz com que a protagonista passe por situações complicadíssimas enquanto tenta lidar com essa nova realidade.

“Típico astro com síndrome de Hollywood. Cheio de malas, com um sobretudo preto, óculos escuros, cabelos loiros, pele bronzeada, nariz empinado e um ar de ‘eu sou o máximo’. Era irritantemente lindo, óbvio, se eu não achasse isso não poderia me considerar uma garota. Mas naquele momento fixei na minha cabeça que tudo o que ele tinha de bonito, teria de insuportável, multiplicado por dez”.

Narrado em primeira pessoa, o livro busca mostrar que a adolescência é uma fase complicada, confusa, mas cheia de possibilidades de diversão e aprendizagem. A principio eu imaginava que o foco do livro seria um possível romance entre Ronnie e Mason, e a ideia até que está por ali, mas sempre como um pano de fundo para algo mais importante. A proposta do livro, de maneira geral, me agrada. Acho válido falar sobre autoconhecimento e sobre a importância das descobertas emocionais, principalmente quando os personagens estão vivenciando uma fase da vida que é a epítome da confusão: não são considerados crianças, mas ainda estão longe da vida adulta.  A adolescência às vezes é considerada uma espécie de limbo e toda essa confusão existencial está presente na narrativa.

Este foi meu primeiro contato com o trabalho da Giulia Paim e gostei bastante da escrita da autora. Como disse, ela consegue ser fluida e envolvente. Mesmo assim confesso que não consegui me conectar com os personagens. Achei o comportamento de Suzie, mãe de Ronnie, inconsequente e atrapalhado; em poucos momentos parecia tratar-se de uma mãe de duas meninas. Ela subestimava com frequência a capacidade de  Ronnie de tomar decisões e não levava a opinião da filha em consideração, por isso foi injusta e infantil em diversos momentos da trama. A protagonista por sua vez não me cativou, permissiva em excesso com relação a tudo e todos, acabou se transformando em uma personagem previsível e sem força. Mason segue mais ou menos o mesmo caminho, com a diferença de que apresenta ao leitor – mesmo sem querer – algumas características que podem justificar sua forma de ser.

“Não nasci para brilhar, mas para ajudar os que têm essa vocação. Foi o que fiz a minha vida inteira, e era o que eu ia fazer agora. Para fechar aquela noite especial com chave de ouro, engoli toda a minha timidez e medo de encarar as fãs, e fiz como mamãe pediu: abri a porta dos bastidores e subi ao palco.”

Juntando isso ao fato de ter considerado algumas situações muito forçadas – a mudança de cidade da stalker (quantos anos ela tem?), o comportamento da mãe de Mason, a inserção de Karen na trama – acredito que o livro não me cativou como vem fazendo com tantos leitores. Mas esta é uma opinião muito pessoal e o fato de não ter conseguido um envolvimento maior com os personagens e com a história não significa que eu tenha achado a obra ruim, pelo contrário.

Acredito que o estilo de escrita da autora e os conflitos trabalhados no livro podem ser atrativos para o público que se identifica com questões semelhantes às dos protagonistas. Boston Boys é um livro que pode agradar leitores mais jovens, ou aqueles que estão em busca de uma leitura mais leve e despretensiosa.  Além disso, a história encerra com várias possibilidades em aberto. Isso deixou a sensação de podemos esperar um maior amadurecimento não só da trama em si, mas também dos personagens.

BOSTON BOYS #1

Autor: Giulia Paim

Editora: Globo Alt

Ano de publicação: 2016

O sonho de toda adolescente se realizou para Ronnie Adams: o maior astro pop da TV foi morar na casa dela. Ela deveria estar vibrando, como qualquer garota normal, mas na verdade está odiando a ideia. Ela não vê a menor graça em Boston Boys, programa sobre a vida de três integrantes de uma boyband, e acha os garotos uns babacas.
De fato, Mason McDougal se acha o máximo e está acostumado a ser recebido sempre por meninas histéricas, por isso não faz o menor esforço para ser simpático. Tendo que lidar com o egocentrismo do garoto, além da perseguição de fãs ciumentas, a vida de Ronnie vira de cabeça para baixo.
Agora ela terá que se acostumar com a stalker no 1 dos garotos plantada em seu gramado, frequentar festas glamorosas e lidar com paparazzis, resolver uma guerra de fofocas on-line e até fazer uma viagem internacional. Em meio a tantas novas aventuras, Ronnie se envolve cada vez mais com os Boston Boys e percebe aos poucos que, no mundo da fama, nem tudo é o que parece ser…

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.