Caixa de Pássaros – Josh Malerman

Caixa de Pássaros é do autor Josh Malerman e foi lançado no Brasil em 2015 pela Intrínseca.

SOBRE O LIVRO

Tudo começou no Alasca, depois apareceu em Yakitsky e mais tarde em Omsk, na Rússia. Ninguém sabia explicar direito o que era ou proveniente de que, apenas que após ver algo a pessoa surtava completamente e atacava aqueles ao seu redor, logo depois atacando a si e terminando o ciclo com o suicídio e a tragédia ao seu redor.

O mundo acompanhou as notícias nos primeiros dias esperando respostas, porém, quando começou a acontecer por todos os lugares, inclusive perto de suas casas, o pânico se instaurou. Ninguém mais foi trabalhar, as farmácias e mercados foram saqueados, as pessoas tentavam fugir. Mas pra onde e do que?

Antes de toda essa confusão Malorie morava com a irmã Shannon nos arredores de Detroit, e quando as notícias começaram a aparecer ela descobriu estar grávida. Porém, não deu tempo de pensar sobre isso quando tudo simplesmente virou um caos. As pessoas se trancaram em suas casas e cobriram as janelas. Estava proibido olhar pra fora ou pra qualquer outro lugar em que você não tivesse completamente certeza do que veria. Ninguém que “viu” o que é que causava esse surto sobreviveu para contar a história.

“Seja lá o que for, nossas mentes não conseguem entender. Pelo que parece, as criaturas são como o infinito. Algo complexo demais para nossa cabeça.”

20160910_154052

Após algum tempo Malorie é obrigada a deixar a casa e ir em busca de apoio com um grupo de pessoas que ela viu em um anúncio. Ao encontrá-los, o novo desafio é conviver em grupo e sobreviver em meio a incerteza do que está por vir. Porém, sabemos através dos capítulos no presente que ela está sozinha e com duas crianças, se preparando para uma jornada. O que aconteceu nos quatro anos em que esteve vendada para o mundo? E para onde Malorie está indo?


MINHA OPINIÃO

Desde que esse lançamento foi anunciado no ano passado eu fiquei curiosa. A premissa de não saber ao certo o que está acontecendo e ver as pessoas abrindo mão de sua própria visão por medo é algo muito interessante e certamente brinca com o psicológico do leitor. Vi muita gente reclamando sobre a forma como o livro acaba e a a forma aberta como o autor resolve deixar o livro, mas na minha opinião, esse foi exatamente um dos diferenciais mais bacanas de Caixa de Pássaros.

Todo o clímax do livro é construído do fato de o leitor não saber o que está acontecendo, assim como os personagens. Eles são cegos e, ao ver a história pelos olhos deles, nós também nos tornamos. Quando eles saem para se aventurar no mundo estão sempre vendados e, consequentemente, nós também. Toda a experiência de “ver” do livro vem das sensações, da audição, dos pressentimentos, do cheiro. Não há visão para guiar e não é possível simplesmente abrir os olhos e descobrir o que está lá sem correr o risco de não sobreviver.

“Quantas vezes ela questionou seu dever de mãe enquanto treinava as crianças para se tornarem máquinas de ouvir? “

20160910_154111

Malorie está a quatro anos sem olhar pra fora, vivendo com medo e receio e, treinando seus filhos para serem completamente guiados pela audição. Eles enxergam, mas desde pequenos foram orientados e treinados para abrir mão da visão e “ver” o mundo apenas com os ouvidos. Não foi uma tarefa fácil e não saiu grátis para Malorie. Ela pensa muito sobre o seu papel de mãe e do como ela pode ter sido má ou cruel ou ter pensado coisas horríveis as vezes em todo esse processo de adaptação.

Sabemos que ela estava grávida, mas ver a interação com as crianças é algo curioso. Ela não os chama por nomes, eles são o garoto e a menina e ao encontrar o fim do livro isso acaba fazendo sentido e gerando uma cena emocionante. Eu não consigo imaginar como seria ter que abrir mão de ver pra sobreviver e muito menos como eu criaria crianças perfeitamente saudáveis, tirando-as essa oportunidade. A ameaça que ronda o crescimento deles e o desafio de torná-los fortes e preparados é o que Malorie enfrenta, e ela faz o melhor que pode com a situação.

Vamos ver eles saindo de casa e é aterrorizante pensar em sair para o mundo às cegas, tendo como principal guia a audição de duas crianças de quatro anos. A jornada será tensa e vamos intercalando entre o presente e o passado, onde descobrimos o que aconteceu com a protagonista, sua irmã e as pessoas com as quais ela se refugiou logo no começo disso tudo.

“Como pode esperar que seus filhos sonhem em chegar às estrelas se não podem erguer a cabeça e olhar para elas? Malorie não sabe a resposta.”

20160910_154128

Dentre tantas coisas, esse é um livro sobre a natureza humana. Ficar cego muda muita coisa na vida de uma pessoa, mas o caso aqui não é exatamente esse. Não ver é uma condição de sobrevivência, mas você é capaz de abrir os olhos quando está em um ambiente que considera seguro. Exatamente por isso as pessoas não são capazes de dar foco para os outros sentidos, e é o que Malorie aplica nas crianças logo que elas nascem, para que não venham a priorizar ou confiar na visão, mesmo que só a usem em alguns momentos dentro da segurança da casa.

Todo o cenário caótico e as incertezas do que está acontecendo gera uma série de teorias e pensamentos. As pessoas vão formular e confabular e algumas posturas radicais ou loucas vão sair disso, é inevitável. O que está lá fora? É uma criatura? É histeria coletiva? É algo da natureza? São aliens? Não há como saber, somente imaginar através de toda a experiência sensorial dos personagens. Eles pensam ouvir, pensam sentir, mas será que é real? Eles sempre confiaram na visão e não ter isso como apoio faz com que tudo o que os cerca nesse imenso buraco negro que se tornou o mundo seja duvidoso.

Como falei no começo, isso foi a coisa mais legal do livro pra mim. Sempre que o personagem sentia algo ao seu redor eu ficava com aquela vontade de que ele tirasse a venda, olhasse e nos contasse, mas eu sabia que isso não iria acontecer. Que mesmo que ele tirasse, ele provavelmente morreria e não nos contaria nada, não veria nada ou simplesmente seria uma descrição não satisfatória. E é exatamente por isso que eu defendo e compreendo totalmente o final do livro ser aberto.

Por mais que eu tenha formulado teorias, não acredito que nenhuma delas teria sido satisfatória se tivesse sido entregue ao final, se eu tivesse “visto” do que se tratava. Não saber condiz tão mais com a moral da história do que “enxergar” o motivo. Caminhamos cegos com a protagonista e os personagens e acabamos o livro cegos também, aceitando aquilo que conseguimos ver e deixando todo e qualquer desfecho para a nossa imaginação. O autor deixou que cada um de nós colocasse o seu próprio temor como solução pra esse enigma e isso é muito bacana.

Achei a trama instigante e li o livro em apenas algumas horas. Parecia impossível largar a cada página lida. Eu queria saber o que iria acontecer ao mesmo tempo em que não queria. Acredito que para alguns a forma de narrativa possa ser frustrante, mas eu achei genial toda essa dúvida e inquietude que o livro propõe. Há um momento da trama onde um personagem fica cara a cara com algo, com a coisa, para ver é só abrir os olhos… queremos que ele abra, mas não queremos. Queremos ver, mas sabemos que isso marca o fim. É louco e uma experiência diferente para o leitor.

A escrita é bem fácil de ser entendida e Malorie não tem grandes problemas enquanto personagem. Ela amadureceu muito e vemos isso. A Maloria do presente é bem mais seca e por vezes até rude com as crianças, mas aos poucos vamos entendendo como ela chegou até ali e que provavelmente o simples fato de ela ter se mantido lúcida e viva já é o melhor que podemos esperar dela. Sua caminhada e as decisões que precisa tomar não são fáceis e ela ainda tem uma longa jornada até a segurança.

Caixa de Pássaros é instigante, inquietante e diferente. É um suspense psicológico para mexer com você e seus sentidos. É uma história que deixará você intrigado e curioso e que dá ao leitor o poder de decidir sobre o que quer acreditar. Use a sua imaginação, abra sua mente e mergulhe junto com Josh Malerman na escuridão.

thumb_livro

4estrelasb

CAIXA DE PÁSSAROS

Autor: Josh Malerman

Editora: Intrínseca

Ano de publicação: 2015

Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler.
Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.