Caraval – Stephanie Garber

Caraval é da autora Stephanie Garber e um lançamento de 2017 da Novo Conceito.

Sobre o Livro

Scarlett e Donatella Dragna sempre ouviram histórias sobre o Caraval, um espetáculo itinerante e comandado por um homem misterioso que passava pelos lugares espalhando magia em um jogo inesperado e exclusivo. Desde que duas irmãs foram abandonadas pela mãe e deixadas à mercê de um pai com temperamento tempestuoso, Scarlett escreveu cartas a Lenda pedindo que ele passasse com o Caraval por sua ilha.

Muitos anos se passaram e assim como os espetáculos, as cartas de Scarlett também. Até que, para contar que está noiva e que de agora em diante realmente não poderá mais participar, mesmo que o espetáculo venha, ela escreve sua última carta, uma despedida. Mas é justamente essa carta que chama a atenção do enigmático Lenda e ele finalmente à responde, enviando três ingressos para que ela, a irmã e o noivo possam comparecer em uma edição muito especial do Caraval.

“Aqui vocês conhecerão mais maravilhas do que a maioria das pessoas vê em toda a sua vida. Poderão beber magia numa taça e comprar sonhos engarrafados. Mas, antes que entrem no nosso mundo, devem recordar que tudo é um jogo.”

Crédito da imagem: DjWrites

Porém, Scarlett sabe que seu pai jamais permitirá e que a viagem irá atrasar seu casamento, colocando em risco o seu futuro. Donatella, por outro lado, que é bem mais desprendida de andar na linha, acha que essa é a oportunidade perfeita para ter acesso a o evento, e não vai descansar até que convença a irmã. E, é no meio de toda a confusão para chegar ao Caraval, que ambas se separam, e Tella acaba ficando desaparecida, impondo a Scarlett muito mais do que apreciar o jogo de Lenda com o qual ela tanto sonhou, mas também encontrar a sua irmã em uma ilha desconhecida, mágica e bastante suspeita.


Minha Opinião

Esse livro é um daqueles casos onde o limite entre o bom e o ruim está no olhar do leitor. Quando Caraval foi anunciado lá fora, eu fiquei bastante curiosa para conhecer a história e sobre o que ele tratava mas, após a onde da boas resenhas, alguns leitores também tinham pontos não tão positivos a ressaltar. Pra mim, um livro com opiniões positivas e negativas me intriga muito mais do que aqueles que só recebem o hype e nenhuma contra opinião. E, eis que o livro veio parar na minha mão bem antes do imaginado. A Novo Conceito, que publicará o título no Brasil em junho, disponibilizou para os parceiros uma leitura antecipada, para que pudéssemos entrar nesse jogo de forma inesperada e exclusiva, assim como Scarlett e Donatella.

Caraval é um livro que possui uma aura diferente que brincará muito com a imaginação e crença do leitor. Stephanie Garber apresenta um mundo que se assemelha muito à Alice no País das Maravilhas e seus desdobramentos. A “Isla de los Sueños” é um lugar mágico e regido pelo poder de Lenda, um cenário criado especialmente para esse jogo. Quando Scarlett, nossa narradora, entra nesse mundo, a forma como ela se confronta com os elementos é muito parecida com Alice em sua jornada. Há a surpresa inicial e logo após uma aceitação latente, como se aquilo sempre fosse algo parte da realidade.

Não espere aqui muitas explicações sobre o que são as coisas, de onde ela vem, ou que mundo é esse. A autora não se preocupou, pelo menos nesse primeiro livro, a nos conceder lógica, e sim a nos apresentar aquela parte de seu universo, onde roupas se moldam ao corpo e mudam de forma, relógios falam, coisas estranhas acontecem e pessoas mudam rapidamente de roupa, forma e personalidade.

“Não sabia dizer em que momento isto havia acontecido, mas deixara de duvidar da magia.”

Toda essa falta de explicação causa uma sensação de mistério constante, que aliada ao desaparecimento de Tella e às regras do jogo, compõem a atmosfera do livro. Lenda nunca foi visto, ele é uma personalidade intrigante, mas monta muito bem seus jogos. Aqueles que adentram o Caraval podem optar por somente assistir ou também correr atrás do prêmio que será concedido a quem seguir todas as pistas e desvendar todos os mistérios. Um desejo. Qualquer coisa que o vencedor desejar. E se há algo que o livro deixa claro desde o início é que as regras desse jogo são bem fora de foco e todos podem ter algo a esconder e a revelar.

Cercada por esse cenário temos Scarlett, uma jovem que viu a mãe ir embora e seu mundo se transformar em um inferno com a supervisão do pai. Depois de tantas surras e ameaças, ela só quer se casar e dar o fora da casa dele, de preferência levando Tella com ela. A jovem é temerosa, correta, anda na linhas e teme tudo que possa prejudicar seus planos. Mas, acima de qualquer coisa, ela ama a irmã e vai correr atrás dela até a encontrar.

Para ajudar na jornada temos Julian, um jovem marinheiro que estava de caso com a irmã e que acabou por se meter no meio da história e indo parar no meio do Caraval com Scarlett. Ele é bonito, e se faz de misterioso, o que obviamente vai gerar um romance na trama. E em um outro lado temos Donatella, aquela que parece ter mais a doar a história, mas que desaparece antes de poder dar um gostinho ao leitor.

Apesar de termos personagens com algumas peculiaridades, todos eles são muito fracos em seu desenvolvimento. Há uma falta imensa de dimensão. Você sabendo o estereótipo do personagem, você sabe exatamente o que ele fará, pois ele nunca sairá do seu papel, nunca surpreenderá com algo fora daquilo, e isso prejudica sim o andamento da história. O romance, coisas que eu não curto muito, acaba por tomar um espaço e tem pouca ou quase nada de química, me fazendo revirar os olhos em vários momentos, principalmente pelo tom em que certas coisas ocorrem.

Fonte: Goodreads

Há também uma falta de exploração dos demais participantes do Caraval. O que era para ser algo enorme com inúmeras pessoas, acaba virando um jogo entre meia dúzia, já que são somente as mesmas que vemos durante todo o livro e que limitam muito a história. E ai vem o final… muitos e muitos plot twists, dá até uma sensação de não entender direito o que está acontecendo. E é demais. Não de forma positiva.

A autora brinca com a crença do leitor e com a sua boa vontade também. É isso, não, não é isso. Toma isso agora, mas olha só, não é bem isso também. Até que ela desfaz tudo o que de fato era bacana no final, dando uma direção completamente nova aos fatos, mas que não chega a verdadeiramente convencer. Pareceu maquinado demais, trabalhado demais, quando tudo ao nosso redor nesse livro já era assim, ilógico, mágico e sem explicação.

Caraval não foi pra mim um livro sensacional, mas também não achei a história ruim. Acho que sendo esse o primeiro livro da autora, há espaço pra que ela aprenda a conduzir melhor seus personagens e também a narrativa. Todas as semelhanças com a perspectiva de Alice no País das Maravilhas deu um tom especial pro livro e acabou me satisfazendo também por isso.

Há mistério, há suspense, há magia, há algumas cenas surpreendentes e há muito conflito familiar. A relação das irmãs é muito forte, assim como com o pai. E a mãe que abandonou, vocês anotem ai, provavelmente vai dar às caras mais pra frente nessa trama, sendo também uma peça do tabuleiro. Junto a isso há também uma série de problemas, que como já listei e explorei a cima, pesam sim no conceito final da obra. A escrita da autora é leve e descritiva, fazendo com que o leitor consiga visualizar o que é lido. Pra mim o livro fluiu super rápido.

O livro traz uma aura misteriosa com personagens pouco explorados, e em seu mix de confusão, mesmo com os problemas, ganhou meu voto de confiança para sua continuação. Há um número enorme de possibilidades a serem exploradas dentro dessa história e fiquei curiosa sim pra saber onde Stephanie Garber vai nos levar mais a frente.

CARAVAL

Autor: Stephanie Garber

Editora: Novo Conceito

Ano de publicação: 2017

Scarlett nunca saiu da pequena ilha onde ela e sua irmã, Donatella, vivem com seu cruel e poderoso pai, o Governador Dragna. Desde criança, Scarlett sonha em conhecer o Mestre Lenda do Caraval, e por isso chegou a escrever cartas a ele, mas nunca obtivera resposta. Agora, já crescida e temerosa do pai, ela está de casamento marcado com um misterioso conde, e certamente não terá mais a chance de encontrar Lenda e sua trupe, mas isso não a impede de escrever uma carta de despedida a ele.
Dessa vez o convite para participar do Caraval finalmente chega à Scarlett. No entanto, aceitá-los está fora de cogitação, Scarlett não pretende desobedecer ao pai. Sendo assim, Donattela, com a ajuda de um misterioso marinheiro, sequestra e leva Scarlett para o espetáculo. Mas, assim que chegam, Donattela desaparece, e Scarlett precisa encontrá-la o mais rápido possível.
O Caraval é um jogo elaborado, que precisa de toda a astúcia dos participantes. Será que Scarlett saberá jogar? Ela tem apenas cinco dias para encontrar sua irmã e vencer esta jornada.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos. Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo. Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Nathallia dos santos

    Olá Tamirez, surpreendente é a palavra pra essa resenha, me surpreendi, não esperava muita coisa, mas quando comecei a ler a resenha, fiquei muito intrigada para ler essa obra, adorei a premissa, parece ser muito legal. E a parte de sair em busca de sua irmã, uma jornada de aventuras, me conquistou. Obrigada pela indicação.

  • Gislaine Lopes

    Oi Tamirez,
    Tenho vista MUITAS resenhas deste livro, tando de booktubers gringos quanto nacionais e acabei ficando bem curiosa para conhecer a história, mesmo sem entender bem a proposta Stephanie Garber. A criação do mundo é bem diferente e tinha tudo para ser bem explorado, pois a autora conseguiu inovar com alguns elementos e a expectativa para a leitura fica bem alta. Achei interessante a inserção do abuso que as protagonistas sofrem do pai e como isso pode justificar suas ações durante o enredo, principalmente em relação ao Caraval. Não tenho experiência com realismo mágico e, por isso, acabei criando uma ideia um pouco diferente na minha cabeça, mas acredito ser uma leitura boa de se fazer e acho que vale a pena.

  • rudynalvacorreiasoares

    Oi Tamirez!
    Não gosto também de ler sinopses, embora algumas são impossíveis de não seres lidas no nosso mundo literário.
    Tenho lido muitas resenhas do livro, porque a NC está massificando mesmo, mas até agora li apenas boas resenhas.
    Achei
    que o livro estaria mais ligado a magia do evento e nunca imaginaria
    que seria um jogo a ser vivido pelas protagonistas e pelos leitores que
    acompanham todo esse mistério que acontece.
    Como livro de entretenimento deve ser mesmo bom, o ruim é não ter as coisas bem explicada dos porquês…
    Curiosa por saber que explicações incoerentes são essas da autora.
    Curiosa em poder fazer a leitura.
    cheirinhos
    Rudy

  • Bruna Prata

    Não posso negar que essa capa é uma das mais bonitas que já vi. Simplesmente fantástica.
    Meu subconsciente teimou em ler o título desse livro como carnaval hahaha. Eu sou apaixonada pelo mundo da Alice, coisas meios “doidas” sempre me fascinam,essa trama tem uma ótima proposta.

  • Eu meio que sempre leio errado o titulo desse livro,sempre volto pra ver se não é carnaval,eu vi varias blogueiras que eu sigo lendo o livro,mas não sabia que era pela parceria com a novo conceito.BEm se é um pouco Alice,com certeza muitas coisas são meio sem sentido,eu gosto disso,mas com os personagens sendo previsíveis acho que fica meio chato,não sei explicar,eu gosto de surpresas durante a leitura,então quando eu deduzo e acerto é decepcionante,mas após o lançamento eu vou tentar adquiri-lo para ter minha própria percepção!

  • Marta Izabel

    Oi, Tamirez!!
    Pelo que li resenha o livro tem uma áurea de mistério, suspense e magia, três elementos sensacionais que tem tudo para fazer um livro dar certo. Mas que li o livro não é tão bom assim. Espero que a sua continuação seja bem melhor.
    Bjoss

  • suzana cariri

    Oi!
    Esse é um daqueles livros que quando vi a capa, não tinha nem ideia do que poderia esperar da historia, mas lendo a resenha fiquei curiosa sobre esse enrendo, parece que a autora consegue criar um mundo fascinante, mesmo não se aprofundado muito nele, fiquei curiosa para saber mais, mas ainda não sei se esse é um livro que leria !!