Carmilla, a Vampira de Karnstein – Sheridan Le Fanu

Carmilla, a Vampira de Karnstein é uma novela gótica, escrita por Sheridan Le Fanu e publicada originalmente em formato de folhetim, entre os anos de 1871 e 1872. Esta edição foi publicada pela Editora Hedra em 2013.

SOBRE O LIVRO

Uma das histórias clássicas de vampiro, e a primeira a ser protagonizada por uma vampira, ela é tida como uma das principais inspirações para o Drácula de Bram Stoker, a única história de vampiros que recebeu mais adaptações para o cinema e TV que Carmilla.

“Ela se recusava a revelar o nome da família, o brasão, o nome da propriedade em que residiam, e até o nome do país que habitavam.”

Carmilla é uma jovem de passado misterioso que acaba indo parar em circunstâncias estranha diante de um pequeno vilarejo da Estíria, estado da Áustria. Ela recusa-se logo a revelar muito de seu passado e de sua família, porém, por seu estado frágil e doente, acaba encontrando abrigo assim mesmo e quanto mais tempo passamos em sua companhia mais suspeita e misteriosa se torna sua presença.


MINHA OPINIÃO

O clima da novela, típico de um romance gótico, é um dos pontos fortes da história. Pois mesmo o subtítulo entregando de cara o que poderia ser um de seus maiores mistérios, o fato de Carmilla ser uma vampira, permanece uma aura que nos instiga a descobrir todos os detalhes dessa história. Até porque encontraremos aqui uma interpretação do que é ser uma vampira bem distinta da que chegou até nós contemporaneamente.

“A jovem me acariciou, deitou-se ao meu lado, e puxou-me para perto dela, sorrindo; acalmei-me deliciosa e prontamente, e voltei a dormir”.

Outra especificidade que chama muito atenção nessa obra é que os interesses de Carmilla são sempre homoeróticas, isto é, são jovens mulheres, e não homens, como certas pessoas poderiam supor. E a forma como a relação entre ela e Laura se desenvolve é tão sutil e bem construído que ficamos, como leitores, absolutamente encantados com as duas e até mesmo torcendo, um pouco, pela Carmilla.

Senti, entretanto, que o livro deixa a desejar um pouco em termos de ritmo, pois tem um final muito apressado, principalmente se comparado com o longo desenvolvimento da relação das personagens. Ele nem precisaria ser muito mais longo; bastaria que o momento da revelação da natureza da personagem fosse um pouco antes e que esse confronto das personagens com quem Carmilla realmente é fosse antecipado (e melhor trabalhado).

“O leitor pode imaginar, também, como me senti enquanto ouvia o general detalhar manias e esquisitices que, deveras, correspondiam àquelas da nossa bela hóspede, Carmilla!”

Mesmo assim, ainda achei uma obra bem impressionante. A narrativa de Le Fanu é boa de ler, a mitologia por trás é uma mistura de diversas lendas e tradições e nos vemos diante de personagens interessantes. Tem seus limites de formato, claro, mas agradar os fãs de novelas góticas de terror, onde a trama gira mais em torno de uma certa aura sombria que em terno de sustos fáceis e passagens feitas para deixar o leitor com medo.

Recomendo muito essa edição, em especial, pois além de uma tradução excelente pelas mãos de José Roberto O’Shea, conta com notas e introdução de Alexander M. da Silva que complementam muito bem a leitura. Além disso, mesmo tendo folha branca e um formato pocket, a leitura é muito agradável.

CARMILLA, A VAMPIRA DE KARNSTEIN

Autor: Sheridan Le Fans

Editora: Hedra

Ano de publicação: Ano

Primeira tradução integral e anotada de uma das mais célebres histórias de vampiro da língua inglesa. Publicada em 1872 e primeira a ser protagonizada por uma vampira, apresenta uma densa atmosfera gótica e um erotismo subjacente que marcaram época e inspiraram Bram Stoker a escrever Drácula . Alicerçada na rica tradição folclórica do leste europeu e nas primeiras produções literárias sobre o tema, Carmilla foi uma das novelas góticas mais populares do século XIX e, desde a filmagem, em 1932, de O vampiro , de Carl Dreyer, é objeto frequente de adaptações para o cinema, superada apenas por Drácula em número de filmes.

Escritora, mestre em Filosofia, mas, acima de tudo, apaixonada por livros. Carioca com preguiça de praia, gosta mesmo de uma tarde aconchegante na companhia de um livro e uma caneca de chá gigantesca.