Como Falar com Garotas em Festas – Neil Gaiman, Fábio Moon & Gabriel Bá

Como Falar com Garotas em Festas é uma graphic novel adaptada do conto de Neil Gaiman e ilustrada por Fábio Moon e Gabriel Bá. Sua publicação é de 2017 pela Quadrinhos da Cia.

Sobre o livro

Enn e Vic, dois jovens de 15 anos, estão em busca de uma festa para a qual um deles foi convidado. Ouvir música, beber um pouco, conversar e, quem sabe, paquerar garotas está nos planos.

“Vamos logo, disse Vic. Vai ser incrível.”

Ambientado em uma Londres setentista, no auge do movimento punk rock e com todas as referências musicais que os leitores têm direito, os quadrinistas brasileiros transformam em imagem um conto que fala sobre amadurecimento, amizade e descobertas. O realismo mágico de Neil Gaiman dita o tom da história, que une cores, música, poesia e divagações em uma obra que promete surpreender o leitor.


Minha Opinião

Enn e Vic são dois adolescentes que estudam em uma escola só para garotos. Se por um lado esse fato destaca o jeito sociável e namorador de Vic, que costuma se dar bem com as garotas sempre que vai para alguma festa – e elas são muitas – por outro vai deixando cada vez mais explícito que Enn é muito diferente do amigo neste sentido. E em outros também, como fica claro durante a história e conforme acompanhamos os quadrinhos.

Utilizando traços que são agressivos e caricatos, ao mesmo tempo em que respingam sutileza ao fazer uso das cores como uma espécie de aquarela, Moon e Sá entendem a essência da diferença entre os amigos e deixam isso muito claro nas ilustrações. Enquanto o sedutor do pedaço é retratado como um cara alto, forte, loiro e com rosto esculpido, passando a ideia de beleza máscula e com uma postura ereta que aparenta uma sensação de confiança – temperada com um toque de soberba – o outro deixa claro desde o primeiro quadrinho sua insegurança. Ombros curvados combinam com o corpo franzino e o rosto alongado, que só não se destaca mais do que o nariz aquilino e uma postura de derrotado que o acompanha do início ao fim.

Na festa, como era previsto, os amigos se separam. E enquanto Vic sobe para o quarto com a menina mais bonita do lugar, Enn segue o conselho do amigo e, meio sem jeito, resolve puxar conversa com as meninas que estão por ali. Todas bonitas, mas com uma beleza diferente de tudo aquilo que ele estava acostumado. A conversa, ele percebe, também tem um toque de estranheza que ele não esperava encontrar. E conforme a noite avança  as peculiaridades do lugar e das pessoas começam a ficar mais aparentes.

A começar pela música: ali não tocava Bowie, Sex Pistols ou Clash; e sim uma espécie de batida rápida e melódica com a qual ele não estava familiarizado. Segundo: as garotas. O comportamento, suas vozes e o discurso eram ao mesmo tempo poético e desconexo. Mas será que isso importava? Eram garotas, afinal, e estavam conversando com ele. O que poderia ter de mau nisso?

No ápice da história, Vic surge. De maneira confusa determina o final da aventura e puxa o amigo dali, levando-o para o momento em que tudo se transformaria. Enn, aliás, é quem narra esta história. O adolescente agora só existe na memória de quem relembra da noite que aconteceu há 30 anos e que mudou a vida dos amigos. Essa mudança não fica clara, mas nem tudo o é na escrita do Gaiman, certo?

Aqui o autor deixa pistas para que o leitor preencha as lacunas com aquilo que faz sentido para si. Deixa nas mãos de quem acompanha a história a possibilidade de interpretar sua mensagem e assim criar, na própria mente, o final que achar mais adequado. Acredito que aqui, através dos quadrinhos, essa interpretação acontece de maneira muito mais natural do que na leitura do conto original, quando a gente precisa se fiar somente com a própria capacidade imaginativa para criar representações que façam jus ao texto.

Como Falar com Garotas em Festas é uma graphic novel tranquila para ler e com um trabalho gráfico gostoso de acompanhar, mas que me incomodou um pouco ao representar de maneira tão madura dois adolescentes.

De qualquer forma, indico a obra para os fãs de Neil Gaiman e para quem aprecia histórias cheias de simbolismo e fantasia. O texto é curto e após a finalização os leitores têm acesso a um caderno de rascunhos, que dá um panorama bem bacana sobre as ideias que surgiram para a composição dos quadrinhos, um plus para quem gostaria de saber um pouco mais sobre o processo criativo dos irmãos quadrinistas.

COMO FALAR COM GAROTAS EM FESTAS

Autor: Neil Gaiman, Fábio Moon, Gabriel Sá

Editora: Quadrinhos na Cia

Ano de publicação: 2017

Enn é um garoto de quinze anos que nunca se deu bem com as garotas, enquanto seu amigo Vic tem todas a seus pés. Na Londres dos anos 1970, auge do punk rock, os dois estão prestes a viver a aventura mais espetacular das suas vidas. Ao serem convidados para uma festa, conhecem as belas Stella, Triolet e Wain e descobrem mais segredos do que jamais poderiam supor. Do premiado Neil Gaiman, autor de Deuses americanos e Sandman, e adaptado e ilustrado de maneira extraordinária pelos irmãos Fábio Moon e Gabriel Bá, Como Falar com Garotas em Festas é uma graphic novel eletrizante, uma jornada sobre as descobertas do amor, das diferenças e dos mistérios que cercam o amadurecimento.

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.
  • Carolina Santos

    Fiquei um tanto quanto confusa a respeito da estória abordada neste livro, pois pelo título esperava um outro desenrolar da trama, com algo normal, em que um adolescente tímido iria aprender como aborda uma garota em um festa, e desenvolver uma conversa agradável.

  • Natália Costa

    Não conheço nem o trabalho do Neil Gaiman, nem do Gabriel e do Fábio. Mas quero muito conhecer, principalmente da dupla de ilustradores. Só ouço elogios! Mas este não me interessou tanto, pela temática mesmo.