Confissões de um Amigo Imaginário – Michelle Cuevas

Confissões de um Amigo Imaginário é da autora Michelle Cuervas e foi publicado originalmente em 2015 e trazido ao Brasil pela Galera Júnior, em 2016.

capa1

SOBRE O LIVRO:

Jacques Papier é um menino como todos os outros que vive com sua família: mamãe, papai e sua irmã gêmea Fleur. Apesar de ser apenas um garotinho ele tem alguns problemas, como por exemplo, muitas vezes se sentir invisível e acreditar que talvez as pessoas não gostem dele já que nunca o respondem e parecem ignorar sua presenta, exceto, é claro, Fleur.

“Sim, como qualquer dupla de melhores amigos, havia um mundo inteiro que só poderia ser visto por ela e por mim.”

Certo dia Jacques se depara com um grande problema: ao ouvir uma conversa de seus pais ele descobre que aparentemente sua irmã tem um amigo imaginário, alguém com quem ela divide todos os segredos e que nunca foi apresentado a ele. E então ele decide que é hora de ter um desses, um “amigo imaginário”.  A partir de então ele passa a levar seu amigo aonde quer que vá. Logo o amigo de Jacques também quer ser apresentado a família, e quando Fleur pergunta aos pais se o amigo do irmão pode ter uma cadeira no cinema também, as coisas começam a mudar. Eles sempre aceitaram o gêmeo imaginário da filha e fingiram acreditar, ele até tinha seu próprio lugar na mesa, sua própria cama… Mas isso?

“Uma garota com um amigo imaginário é uma coisa. Mas um amigo imaginário que tem seu próprio amigo imaginário? Não, é demais.”

Mas é durante um passeio com a garotinha que Jacques conhece, outra amiga imaginária, que a grande verdade vem à tona: Fleur não tinha escondido dele seu amigo imaginário, ele era o amigo imaginário. E é assim que a grande aventura de Jacques Papier em busca do verdadeiro sentido de sua existência começa. Ele ama a companhia de Fleur, no entanto, Jacques não quer ser apenas o amigo imaginário de alguém, não quer existir porque alguém o imaginou, ele quer ser livre, ser alguém de verdade.

Então, ele pede para que Fleur o liberte para que ele possa viver sua própria aventura, mas as coisas não saem como ele esperava. Jacques deixa de ser o amigo imaginário de Fleur, não para existir por si só, mas simplesmente para ser o de outra pessoa.


MINHA OPINIÃO:

Tratar de um assunto tão delicado e inocente como a mente de uma criança é sem dúvida encantador, no entanto, é ainda mais encantador quando essa criança é apenas fruto da imaginação de um igual. Já no início da narrativa somos conquistados pelo personagem principal e somos levados a vivenciar (mesmo que só por imaginação, o que acreditem, não é pouco) todas as experiências passadas por ele, todos os seus conflitos, angustias, descobertas e aventuras.

Ver a separação de Jacques e Fleur é de cortar o coração do leitor, mas todos esses acontecimentos foram necessários para a aprendizagem e amadurecimento do pequeno garotinho, o fizessem amadurecer, e ele foi de grande importância na vida de outras pessoas.

“Todos nós queremos  encontrar aquela pessoa que conhece o nosso eu real, nossas esquisitices, e, ainda assim, nos compreende. Alguém já viu você? Realmente, de verdade, a parte mais profunda que parece invisível ao resto do mundo? Espero que alguém tenha visto você. Alguém me viu. A Fleur sempre me viu.”

map1

Quando surgiu a ideia de um “grupo de apoio para amigos imaginários” fiquei embasbacada, acho que nunca senti tanta ternura em nenhuma outra experiência literária. Perceber quantos assuntos cotidianos “reais” são inseridos em um mundo de fantasia e como são vivenciados e desenvolvidos é fascinante!

Outro ponto relevante é a importância da amizade, do companheirismo e do comprometimento com os próprios sentimentos e emoções que desenvolvemos desde bem jovens. Jacques é, na minha opinião, não só um amigo imaginário, mas sim uma ideia de como seria se pudéssemos colocar todas as nossas ideias mais malucas e bonitas para fora. Ou de uma forma mais interna, ele é, a sua própria consciência.

“Você só se torna invisível se acreditar nisso, imaginário ou não”

cap1

Apesar de ter uma temática “infantil”, acredito que a leitura dessa história traz ensinamentos e reflexões que podem ser levados para a vida inteira, independentemente de quantos anos você tem. A edição da Galera Júnior parece ter levado em consideração exatamente a disponibilidade do livro a qualquer público, especialmente às crianças. Ilustrado, com letras grandes e capítulos pequenos a leitura se torna fácil e gostosa, além é claro de a história criada pela autora já fazer com que tudo seja leve.

Apesar de o final do livro ser fechado e não deixar nenhuma insinuação ou pretensão de continuidade, seria maravilhoso saber o que aconteceu a Jacques Papier depois do fim.

thumb_livro

4estrelasb

CONFISSÕES DE UM AMIGO IMAGINÁRIO

Autor: Michelle Cuevas

Editora: Galera Júnior

Ano de publicação: 2016

Jacques tem uma leve suspeita de que ninguém gosta dele. Professores o ignoram solenemente quando levanta a mão, jamais é escolhido na hora das atividades físicas e até mesmo seus pais precisam ser lembrados de colocar um lugar à mesa para ele. Sorte dele ter Fleur, a irmã e companheira constante, que conhece seus mais íntimos pensamentos… antes mesmo de ele os formular. Mas então Jacques descobre uma verdade devastadora: ele não é realmente o irmão de Fleur; ele é seu amigo imaginário! E aí começa uma tocante e divertida busca pelo seu eu verdadeiro e pelo que o futuro lhe reserva. É possível ser real mesmo quando você não existe… tecnicamente? Uma imperdível jornada em busca do significado da vida leva Jacques de encontro às mais peculiares crianças, imaginárias e reais, e o faz descobrir a incrível e invisível maravilha de ser quem se é.

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Estudante de Direito, 20 anos, mineira, mora em Belo Horizonte e ama o universo literário.