Confissões de um Amigo Imaginário – Michelle Cuevas

Confissões de um Amigo Imaginário é da autora Michelle Cuervas e foi publicado originalmente em 2015 e trazido ao Brasil pela Galera Júnior, em 2016.

capa1

SOBRE O LIVRO:

Jacques Papier é um menino como todos os outros que vive com sua família: mamãe, papai e sua irmã gêmea Fleur. Apesar de ser apenas um garotinho ele tem alguns problemas, como por exemplo, muitas vezes se sentir invisível e acreditar que talvez as pessoas não gostem dele já que nunca o respondem e parecem ignorar sua presenta, exceto, é claro, Fleur.

“Sim, como qualquer dupla de melhores amigos, havia um mundo inteiro que só poderia ser visto por ela e por mim.”

Certo dia Jacques se depara com um grande problema: ao ouvir uma conversa de seus pais ele descobre que aparentemente sua irmã tem um amigo imaginário, alguém com quem ela divide todos os segredos e que nunca foi apresentado a ele. E então ele decide que é hora de ter um desses, um “amigo imaginário”.  A partir de então ele passa a levar seu amigo aonde quer que vá. Logo o amigo de Jacques também quer ser apresentado a família, e quando Fleur pergunta aos pais se o amigo do irmão pode ter uma cadeira no cinema também, as coisas começam a mudar. Eles sempre aceitaram o gêmeo imaginário da filha e fingiram acreditar, ele até tinha seu próprio lugar na mesa, sua própria cama… Mas isso?

“Uma garota com um amigo imaginário é uma coisa. Mas um amigo imaginário que tem seu próprio amigo imaginário? Não, é demais.”

Mas é durante um passeio com a garotinha que Jacques conhece, outra amiga imaginária, que a grande verdade vem à tona: Fleur não tinha escondido dele seu amigo imaginário, ele era o amigo imaginário. E é assim que a grande aventura de Jacques Papier em busca do verdadeiro sentido de sua existência começa. Ele ama a companhia de Fleur, no entanto, Jacques não quer ser apenas o amigo imaginário de alguém, não quer existir porque alguém o imaginou, ele quer ser livre, ser alguém de verdade.

Então, ele pede para que Fleur o liberte para que ele possa viver sua própria aventura, mas as coisas não saem como ele esperava. Jacques deixa de ser o amigo imaginário de Fleur, não para existir por si só, mas simplesmente para ser o de outra pessoa.


MINHA OPINIÃO:

Tratar de um assunto tão delicado e inocente como a mente de uma criança é sem dúvida encantador, no entanto, é ainda mais encantador quando essa criança é apenas fruto da imaginação de um igual. Já no início da narrativa somos conquistados pelo personagem principal e somos levados a vivenciar (mesmo que só por imaginação, o que acreditem, não é pouco) todas as experiências passadas por ele, todos os seus conflitos, angustias, descobertas e aventuras.

Ver a separação de Jacques e Fleur é de cortar o coração do leitor, mas todos esses acontecimentos foram necessários para a aprendizagem e amadurecimento do pequeno garotinho, o fizessem amadurecer, e ele foi de grande importância na vida de outras pessoas.

“Todos nós queremos  encontrar aquela pessoa que conhece o nosso eu real, nossas esquisitices, e, ainda assim, nos compreende. Alguém já viu você? Realmente, de verdade, a parte mais profunda que parece invisível ao resto do mundo? Espero que alguém tenha visto você. Alguém me viu. A Fleur sempre me viu.”

map1

Quando surgiu a ideia de um “grupo de apoio para amigos imaginários” fiquei embasbacada, acho que nunca senti tanta ternura em nenhuma outra experiência literária. Perceber quantos assuntos cotidianos “reais” são inseridos em um mundo de fantasia e como são vivenciados e desenvolvidos é fascinante!

Outro ponto relevante é a importância da amizade, do companheirismo e do comprometimento com os próprios sentimentos e emoções que desenvolvemos desde bem jovens. Jacques é, na minha opinião, não só um amigo imaginário, mas sim uma ideia de como seria se pudéssemos colocar todas as nossas ideias mais malucas e bonitas para fora. Ou de uma forma mais interna, ele é, a sua própria consciência.

“Você só se torna invisível se acreditar nisso, imaginário ou não”

cap1

Apesar de ter uma temática “infantil”, acredito que a leitura dessa história traz ensinamentos e reflexões que podem ser levados para a vida inteira, independentemente de quantos anos você tem. A edição da Galera Júnior parece ter levado em consideração exatamente a disponibilidade do livro a qualquer público, especialmente às crianças. Ilustrado, com letras grandes e capítulos pequenos a leitura se torna fácil e gostosa, além é claro de a história criada pela autora já fazer com que tudo seja leve.

Apesar de o final do livro ser fechado e não deixar nenhuma insinuação ou pretensão de continuidade, seria maravilhoso saber o que aconteceu a Jacques Papier depois do fim.

thumb_livro

4estrelasb

CONFISSÕES DE UM AMIGO IMAGINÁRIO

Autor: Michelle Cuevas

Editora: Galera Júnior

Ano de publicação: 2016

Jacques tem uma leve suspeita de que ninguém gosta dele. Professores o ignoram solenemente quando levanta a mão, jamais é escolhido na hora das atividades físicas e até mesmo seus pais precisam ser lembrados de colocar um lugar à mesa para ele. Sorte dele ter Fleur, a irmã e companheira constante, que conhece seus mais íntimos pensamentos… antes mesmo de ele os formular. Mas então Jacques descobre uma verdade devastadora: ele não é realmente o irmão de Fleur; ele é seu amigo imaginário! E aí começa uma tocante e divertida busca pelo seu eu verdadeiro e pelo que o futuro lhe reserva. É possível ser real mesmo quando você não existe… tecnicamente? Uma imperdível jornada em busca do significado da vida leva Jacques de encontro às mais peculiares crianças, imaginárias e reais, e o faz descobrir a incrível e invisível maravilha de ser quem se é.

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Estudante de Direito, 20 anos, mineira, mora em Belo Horizonte e ama o universo literário.
  • Lara Caroline

    Oi Ana!
    Li uma resenha ontem sobre este livro e fiquei encantada com a magia e doçura que ele possui. Apesar de ser voltado mais para o público infantil, eu fiquei com muita vontade de ler e conhecer o Jacques. Ótima resenha.
    Beijos

    • Ana Luiza Oliveira

      Oi Lara!
      O Jacques é encantador! Assim como todo o cenário em que o livro foi ambientado e todos os outros aspectos dessa história. Espero que você possa se encantar com ela mais e mais quando tiver a oportunidade. Volta pra me contar o que achou!
      Beeeeijo

  • Lili Aragão

    Oi Ana, a capa desse livro é muito fofa e acho bem legal quando vejo um livro infantil que podemos recomendar, contudo tenho que confessar que essa história de amigo imaginário do amigo imaginário deu até nó na minha cabeça haha, mas pelo que li de sua resenha o livro encanta e nos trás momentos de reflexão e que agrada a todos os leitores sejam eles infantis ou adultos ;) Gostei muito da dica e parabéns pela resenha.

    • Ana Luiza Oliveira

      Olá!
      Eita, não se afobe! Hahahaha.
      Na verdade, vai parecer mais natural do que parece agora, se é que isso também não da um nó .-. hasuahsuhs, desculpa.
      Bom, espero que você tenha oportunidade de conhecer melhor essa história e se encantar com ela tanto quanto eu.
      Volta pra me contar o que achou!
      Beeeeijo

      • Lili Aragão

        rsrsrsrs… se tiver a oportunidade de ler, volto e te conto sim o que achei :D

  • cristiane dornelas

    De vez em quando gosto de ler uns livros assim e fiquei bem interessada nesse quando vi. Ele parece bonito e acho que é desses livros que a gente pode ler com qualquer idade mesmo porque ele consegue passar umas lições legais. A trama parece ser sensível, ressalta a importância da amizade e dos nossos próprios sentimentos e ainda deixa uma reflexão legal sobre a vida. Gostei desse livro.

    • Ana Luiza Oliveira

      Oi Cristiane!
      Se tiver uma oportunidade, não perca! Acredito que você pegou a ideia do livro mesmo sem ter lido e por isso vá se encantar mais e mais. Volta pra me contar o que achou hein?!
      Beeeijo

  • Alison de Jesus

    Olá,esta trama é bem original e mesmo que em primeiro momento ela possa parecer infantil demais,há grandes ensinamentos a tirar desta história.Beijos.

    • Ana Luiza Oliveira

      Oi Alison!
      Concordo plenamente com você e, acredito que talvez isso tenha sido o que mais me encantou. Se tiver uma oportunidade de conhecer, volta pra me contar o que achou.
      Beeeijo

  • Bruna Prata

    Acho de uma doçura tão grande livros voltado ao público infantil que atinge todas as faixas etárias. Esse me parece ser um daqueles livros que você quando quer espairecer é uma das primeiras opções. A premissa é encantadora.

    • Ana Luiza Oliveira

      Oi Bruna.
      Acredito que comece exatamente assim, uma leitura leve, doce e encantadora, que no fundo nos traz pequenas reflexões que nos levam a conhecer novos aspectos e pontos aos quais não refletimos muito em nosso dia a dia.
      Espero que você embarque nessa história e volte pra me contar o que achou.
      Beeeijo

  • Aline Lanis

    Que livro amorzinho! Essa capa e essa história meu deus <3

    Adoro livros com temática mais infantil, com ensinamentos que até os adultos podem tirar. É tão lindo, já quero ler. Obrigada pela dica e ótima resenha ;)

    • Ana Luiza Oliveira

      Oi Aline!
      Eu quem agradeço! Sempre fico feliz quando consigo influenciar um pouquinho vocês e dar um pinguinho de vontade de conhecer novas histórias. Eu também adoro histórias infantis, acho que todo mundo já percebeu que eu sou a criança perdida por aqui no Resenhando >< hahaha.

      Espero que você embarque nessa com a gente.

      Volta pra me contar o que achou hein?!

      Beeeeijo

  • Daiele

    Oi Ana!
    Que capa mais linda, e que sinopse mais fofa! Me fez lembrar um pouquinho do tempo em que eu tinha uma amiga imaginaria, apesar de não ser “tão presente” assim, ja que eu tinha conciencia de que era invenção minha. Mas como vc disse, a mente de uma criança é tão delicada que para entrar nela é preciso se sentir igual.
    Adorei a resenha, e acho que é uma leitura muito gostosa

    • Ana Luiza Oliveira

      Oi Daiele!
      O que achei mais interessante foi o fato de que, nessa história enxergamos as coisas como o próprio amigo imaginário, e não como a criança e o imaginou. Achei a ideia simplesmente adorável! Acredito que a maioria de nós (mesmo que eu seja uma exceção) tenha tido um amigo imaginário, e talvez por isso, possamos nos identificar tanto com a história.
      Espero que você faça parte do grupo que amará sempre essa história.
      Volta pra me contar o que achou!
      Beeeijo

  • Marta Izabel

    Oi, Ana!!
    Que livro mais fofo!! Estou apaixonada pela premissa dessa história tão encantadora. Não lembro se na minha infância tive um amigo imaginário só sei que adorei a resenha e que ela foi de uma delicadeza!! Nunca li um livro onde o personagem principal era imaginário. Fiquei muito curiosa para ler esse livro e sem dúvida vou ler.
    Beijoss

  • Gislaine Lopes

    Oi Ana,
    Que sinopse diferente deste livro, nunca li nada que se assemelhasse a ele. Lendo sua resenha deu para entender um pouco sobre a história e muitas coisas me passaram pela cabeça. A questão do amigo imaginário é um assunto delicado, do meu ponto de vista. Para muitas crianças, é só uma fase, algo bem inocente, mas para outras pode representar a forma de ligar com algum problema que ela esteja passando. Vai dos pais ou responsáveis pela criança escolher como irão lidar com isso. Os ensinamentos que se pode tirar dessa história são os mais bonitos, como a lealdade e companheirismo entre a Fleur e Jacques, por exemplo. Sem nem ter lido o livro já sei que irei gostar!!