A Cor da Coragem – Julian Kulski

A Cor da Coragem é do autor Julian Kulski, lançado no Brasil em 2016 pela editora Valentina.

Picture_20170116_210856421

Sobre o Livro

Julian Kulskin era apenas um garoto polonês de 10 anos quando a guerra bateu à porta. Seu pai era vice-prefeito de Varsóvia, o que o colocava bem centralizado no conflito político que se instaurou. Anos após, quando a guerra acabou, para lidar com o estresse pós traumático, foi sugerido ao então adolescente que escrevesse suas memórias. Pra isso, ele volta no tempo e começa a relatar desde o começo tudo o que ele viveu.

Mesmo sendo apenas um garoto, desde o final de 1939, quando a Polônia foi invadida, Julian queria lutar. Sendo muito novo, ele tinha o patriotismo aflorado e estava disposto a combater, mesmo sem saber ao certo os horrores que poderia encontrar. O prefeito foi logo deposto e seu pai assumiu a posição, ficando diretamente exposto ao comando nazista. Aos poucos, entre uma informação e outra o jovem se aliava aos amigos para tentar ter alguma participação na luta. Desde o simples fato de arrancar os cartazes alemães a mais tarde, estar no centro da Resistência.

“Qual é a cor da coragem? Vermelho, é claro. Pois em tempos de guerra coragem é arriscar o próprio sangue.”

Com datas próximas e também esparsas vemos o garoto crescer através de sua narrativa e descobrimos como sua vida se desenrolou e como ele se tornou um dos mais jovens oficiais dessa organização de resistência, com apenas 12 anos. Da simplicidade da forma direta como tudo é exposto, aos horrores da guerra, o garoto de 16 anos que termina a narrativa não é mais tão vivo quanto o de 10 que nos é apresentado.


Minha Opinião

Em 2016 tive o meu primeiro contato com um relato sobre a segunda guerra mundial que não fosse de um judeu preso em um campo de concentração ou lutando para se manter escondido e vivo. Vi através dos olhos de um alemão como a guerra se instaurou e como isso refletiu na forma como aquele povo também via as coisas. Agora, através de um menino polonês, olhei um outro viés da tragédia. O lado de quem teve seu país invadido e não era o alvo central da guerra.

A primeira coisa que chama a atenção é a idade do nosso protagonista e narrador. Julian tem apenas 10 anos quando em 1º de setembro de 1939 a Polônia é invadida. Poucos dias depois a luta chega a Varsóvia, e não demora muito para que o pais seja tomado. Desde o início ele demonstra o quão indignado está por ver seu país sob controle de um povo que não é o seu e quer ajudar, porém é apenas um garoto.

“Eu queria gritar, berrar e sobretudo lutar. Mas parece que só podemos esperar e tentar controlar o medo.”

Por seu pai ser um dos governantes da capital polonesa, sua família está diretamente na linha de frente, tanto das punições quanto da informação. E, não demora muito para que ele comece a buscar formas de lutar suas batalhas. Tudo no início é muito irrisório, apenas arrancar uns cartazes ali, derrubar umas placas aqui, mas não demora muito para que ele se junte a resistência, e com apenas 12 anos já vai estar envolvido mais a fundo na questão. Ao longo dos próximos anos ele se tornará um combatente, e estará no centro da batalha quando o levante de Varsóvia ocorrer.

Picture_20170116_211104462

Esse livro foi escrito depois que a guerra acabou e Julian já tinha 16 anos, sendo publicado somente muito depois. O fato das inserções não serem realmente do momento em que são datadas fica muito claro pela forma de escrita. O menino que começa o livro, está apenas na idade estampada no papel, pois a voz já é muito mais velha e calejada. Não há nenhum vislumbre da graça infantil ou de pequenos deslizes que um garoto de 10 anos cometeria em seus pensamentos secretos.

Consequentemente isso gera o questionamento de pensar se realmente foi daquela forma, se todo aquele ardor de se juntar a batalha veio tão cedo mesmo, ou se depois de tudo o que foi vivido a gana pela luta falou mais forte na hora de expor as memórias no relato.

Seja da forma que for, esse é um livro longe de vislumbres infantis ou emocionais sobre esse período histórico. Julian é muito direto e frio em suas análises, e é realmente raro ver palavras mais emotivas saindo das páginas. Consequentemente, a emoção que normalmente é contida nesses livros também fica pra trás e temos um relato mais seco sobre os acontecimentos. O que para algumas pessoas é um ponto positivo nesse livro, pois sei que muita gente se afasta de leituras da temática pelo peso que ela normalmente contém.

Picture_20170116_211322803

Em vários momentos fiquei um pouco chocada com a forma como a informação era exposta, direta, sem um comentário mais profundo ou emocional. Há descrições que deixam o leitor tenso, mas o narrador apenas pontua o horror encontrado sem se demorar sobre ele.

Levando em consideração a posição que ele estava quando tudo chegou ao fim, e do propósito inicial do livro que era lidar com o trauma, eu realmente entendo a frieza com que tudo isso é tratado. Parece haver uma necessidade de distanciamento dos horrores maiores e foco na batalha, no que podia ser feito por ele para parar com esses acontecimentos.

“A luta pela liberdade não termina com a vitória ou a derrota em batalhas individuais, pois é eterna.”

A edição está cheia de mapas, imagens e dados extras, facilitando bastante a visualização de todo o cenário pelo leitor. Ao final de cada capítulo há uma área onde é possível acessar via QR Code vídeos relacionados com os fatos descritos anteriormente, acrescentando mais informações ao que nos é passado. Por o livro ser separado por datas e inserções, mais essas imagens e mapas, a leitura se torna muito rápida e as 400 páginas acabam por passar rapidamente. A única coisa que me incomodou um pouco foi o fato de nem todas as inserções parecerem realmente necessárias. Há várias coisas que se repetem e que não sei ao certo se precisavam estar ali.

Picture_20170116_211013545

A Cor da Coragem é um livro focado na visão polonesa sobre o que aconteceu na guerra. É em seu território que vamos travar essa batalha e é pela sua liberdade e de seu povo que ansiamos. Com os olhos desse garoto não tão jovem, vemos os acontecimentos se desenrolar, junto com os problemas ao longo do caminho. A falta de comida, a prisão de familiares, o desaparecimento de conhecidos em campos de concentração e a escassez de informações são coadjuvantes presentes em todas as histórias sobre a 2ª Guerra Mundial, e aqui não é diferente.

Com um foco diferente e um descritivo duro do que aconteceu, Julian Kulski coloca no papel os anseios que viveu e os horrores que presenciou, dando ao mundo um relato pessoal e histórico de um dos períodos mais sombrios de nossa história moderna. Um período que não podemos jamais esquecer.

thumb_livro

A COR DA CORAGEM

Autor: Julian Kulski

Editora: Valentina

Ano de publicação: 2016

Em 1º de setembro de 1939, a Alemanha invade a Polônia. É o início da Segunda Guerra Mundial. Em poucos dias, Varsóvia se rende aos alemães, soldados poloneses depõem suas armas, a cidade já é um amontoado de escombros. Julian Kulski é um menino polonês de apenas 10 anos de idade. Filho do vice-prefeito de Varsóvia, escoteiro ousado e entusiástico, ele tem a firme convicção de que deverá lutar contra o Invasor. A cor da coragem é o diário de Julian Kulski, a história de seu amadurecimento durante os cinco anos da brutal ocupação alemã.
Diferentemente do diário de Anne Frank, narrado a partir da sua clausura no esconderijo de um prédio em Amsterdã, o de Julian Kulski se passa nas ruas de Varsóvia, no front, no combate cara a cara com o inimigo, no infame Gueto onde se encontram seres humanos famintos, desesperados e doentes à mercê de todo tipo de tortura, do enforcamento, do fuzilamento, da câmara de gás.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Gabriela Souza

    Oi Tami! Achei legal um livro sobre a visão de um polonês, e não de um judeu como tu mesma comentou. O fato do menino ser de uma família que ta “na linha de frente” fez com que eu ficasse mais curiosa ainda para saber o que acontece no livro. Beeijos

  • Pamela Liu

    Oi Tami.
    Eu gosto de ler livros que falam sobre guerras e retratam como as pessoas viviam naquela época. Mas acho que não iria gostar tanto desse livro por causa do distanciamento e tristeza de Julian. Gosto mais dos livros mais emotivos, em que o autor retrata o que o personagem sentiu naqueles momentos difíceis.
    Mas, é um livro que mostra outra versão, sob ponto de vista de um polonês, o que é bem diferente dos livros que já li. Talvez eu dê uma chance ao livro mais para frente.
    Achei bom ter informações extras. Quanto mais informações ao leitor para se situar, melhor.

  • Marta Izabel

    Oi, Tamirez!!
    Gostei muito de conhecer esse livro. Já tem muito tempo que não leio nada sobre a segunda guerra mundial, acho que partiu dai o meu interesse em conhecer mais sobre esse livro. Gostei bastante da resenha que despertou minha curiosidade para ler essa história.
    Beijoss

  • rudynalvacorreiasoares

    Tamirez!
    Sou totalmente encantada por livros que falam das guerras.
    E ver aqui que é a visão de uma criança polonesa, com toda sua inocência e tanto sofrimento, deve ser um livro bem fabuloso.
    Já até anotei aqui para comprar.
    Pode trazer sempre resenhas de livros da época, porque amo!
    Obrigada.
    Desejo uma ótima semana!
    “Na juventude deve-se acumular o saber. Na velhice fazer uso dele.” (Jean-Jacques Rousseau)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

  • Daiele

    Oi Tami!
    Cada dia temos mais titulos com o mesmo tema contados de pontos de vista diferente. Isso é bastante interessante se pensarmos que não precisamos estudar livros didáticos e ter aquelas interminaveis aulas de historia se podemos acompanhar atraves de uma leitura (coisa da qual adoramos) as diversas narrativas sobre a Guerra. E assim não viramos aquelas pessoas ignorantes que só enxerga um lado, quando na verdade, existem vários.
    Eu ainda nao li nenhum titulo dessa tema, o que não é um fato feliz. Mas tenho muita vontade, e só estou esperando uma oportunidade.
    Adorei a Resenha, apesar de como vc disse, sera que tudo o que foi relatado realmente foi daquele jeito?! Mas eu acredito que sim, talvez não exatamente as “expressões”, mas também não foi uma historia esquecida, ela foi contada.

  • Lili Aragão

    Fiquei impressionada com a idade que ele começa a se interessar por ter uma participação ativa na guerra, 10 anos é realmente uma idade muito tenra pra essas questões, assim também ficaria me questionando quanto a veracidade dos fatos, mas as guerras interferem na vida das pessoas de maneira muito definitiva e negativa, e como a minha realidade é bem diferente acho que isso me bloqueia de imaginar uma criança com outros pensamentos que não sejam de brincadeiras infantis, o que é triste, assim como deve ser o livro. O livro não faz o tipo dos que ando lendo no momento, mas é uma boa dica pra sair da zona de conforto ;)

  • 1livro1filme

    Oi, Tamirez
    Esse é um tema muito interessante mas também muito chocante e doloroso de se olhar, ainda mais do ponto de vista de uma então criança…
    O fato que mais me interessou foi por vermos a história pelos olhos de um narrador diferente que estamos acostumados, como Anne Frank.
    Curti a dica!

    Beijos,
    Giulia | 1livro1filme.com.br

  • Bruna Prata

    Tenho uma fascinação esquisita por coisas que se tratam da 2ª Guerra Mundial. Geralmente fico ressentida por livros narrados por crianças passado nesse período, pois causa uma certa aflição. Mas, achei interessante um garoto de 10 anos narrar o livro de forma tão fria, nunca vi nada igual.

  • Thaynara Ribeiro

    Tenho um forte medo de ler coisas relacionadas a guerras. Acabo lembrando das histórias reais e me sinto muito triste então não leio nd do tipo