Coração de Aço – Brandon Sanderson

Coração de Aço é o primeiro livro da trilogia Os Executores, do autor Brandon Sanderson. A publicação é de 2016 pela editora Aleph.

Sobre o Livro

Calamidade, um corpo brilhante de luz vermelha apareceu no céu da Terra e a vida de todos mudou. Algumas pessoas ganharam super poderes, mas por algum motivo não despertaram o lado bom e sim apenas maldade. Esses vilões foram chamados de épicos e matá-los não é nada fácil. Cada um deles tem um ponto fraco único e por vezes peculiar, que precisa ser descoberto para alcançar esse fim.

“Onde existirem vilões, existirão heróis – meu pai disse. – Aguarde. Eles virão.”

Há 10 anos, David, na época apenas um menino, viu seu pai ser assassinado por Coração de Aço enquanto tentava tirar um empréstimo. Nesse mesmo dia o épico banhou Chicago em Aço, deixando livre apenas uma parte da superfície e confinando a população mais pobre ao subterrâneo.

Agora mais velho, David quer vingança. Para isso ele estudou a fundo todos os épicos que pode, principalmente seu inimigo e aqueles que o rodeiam. Porém, ele sabe que não conseguiria fazer isso sozinho, e quando descobre que os Executores, um grupo que caça épicos está na cidade, o garoto vê uma oportunidade em sua frente.


Minha Opinião

Coração de Aço foi o terceiro livro do autor que eu li e o único que não passou muito no teste comigo. Brandon Sanderson já é um nome consolidado dentro da literatura por sua versatilidade e histórias bem escritas. Com a trilogia Os Executores, o autor se dirigiu a um público mais jovem na construção de sua história, trazendo uma distopia young adult. O problema, pra mim, é que o uso de clichês foi colocado de forma pungente de mais, tornando alguns aspectos da história em algo negativo.

O background em que tudo é construído, contudo, é muito rico e interessante. Quando pensamos em pessoas ganhando poderes sempre há a ideia do super herói. Mas como seria o mundo se a maldade predominasse e nos víssemos em meio a um monte de gente que só quer causar problemas e tomar poder? É com esse conceito distorcido que temos essa história desenvolvida. Aqui, de todos que ganharam esses poderes graças a calamidade, ninguém saiu bonzinho, mesmo que hajam pessoas que no começo ainda esperassem por isso.

“Será que os Épicos matavam porque Calamidade tinha escolhido – por qualquer motivo – apenas pessoas horríveis para ganhar poder? Ou matavam porque poderes incríveis como esses deturpavam uma pessoa, tornando-a irresponsável?”

Os questionamentos que isso levanta são muito legais, pois distorce uma visão muito embrenhada na nossa sociedade do bem e do mau, e do poder que cada uma dessas coisas tem sobre nós. A verdade é que somos uma raça esperançosa e otimista, e sempre vamos acreditar em algo melhor e na bondade das pessoas, por mais que sejamos derrubados dia após dia com o oposto disso.

Tendo ressaltado o quanto isso é bacana, vamos falar do que incomodou: David, basicamente. Ele é um garoto que cresceu a sombra do desejo por vingança. Mas ele não é amargurado ou “mau”. Ele é um garoto até ingênuo em muitos pontos, mas muito inteligente, que tomou por sua missão estudar ao máximo todos os épicos. É instaurado desde o começo que ele é meio nerd, inteligente e astuto. Mas ele simplesmente não aceita ser visto assim, porque a visão de nerd é algo “ruim”, principalmente se dito e ressaltado pela mocinha em questão. Sim, temos apenas uma protagonista feminina de relevância, que mantém o estereótipo do mistério, regula de idade com David e, portanto, será seu interesse amoroso. Até ai, tirando o café com leite, não há nada de errado.

O problema fica por conta do fato de que, como estamos vendo tudo pelos olhos do garoto, é extremamente ridículo acompanhar seus pensamentos. Ele não quer ser chamado de nerd, porque isso é pra ele algo pejorativo, mesmo que sinônimo de inteligência; e ele para cenas importantes para admirar as curvas ou os lábios de Megan. O típico caso onde o garoto parece nunca ter visto uma mulher na vida. E ela, é claro, é a bad ass segura de si que fica tirando sarro com o jovem. Não haveria problema algum se a construção da relação dos dois não fosse forçada em cima do leitor dentro dos clichês mais óbvios e se ele não fosse mentalmente tão chato. Porque sim, enquanto tem um monte de gente atirando em você, a coisa óbvia e certa a fazer é não se defender ou prestar atenção, mas admirar os lindos lábios da sua colega de grupo. Wtf?

“Nós matamos Épicos, filho. E somos bons nisso. Mas não coloque na cabeça que somos revolucionários.”

Outro ponto que permeia todo o livro são os pontos fracos de cada épico. Junto com os poderes aleatórios, a forma de matar cada um deles também vária de coisas simples como usar a arma certa, bizarrices extremas e fatores questionáveis. Dá pra sinalizar alguns furos de narrativa nesse aspecto, pois se formos a fundo, algumas coisas não parecem fazer assim tanto sentido. Outra coisa relacionada a isso é o fato de que Os Executores, grupo responsável por caçar esses épicos e que faz isso “como meta”, sempre em movimento, tem menos informações que o garoto adolescente que mal sai do buraco em que vive no subterrâneo.

Talvez o problema pra mim foi ter lido esse livro depois de Mistborn e Elantris, colocando as expectativas em alta, afinal, encontrei histórias ótimas, bem construídas e maduras nos outros dois plots, bem diferente de todo o tom de Coração de Aço. No fim do livro há um twist interessante que engata para o segundo livro e eu provavelmente vou seguir lendo, porém não passou nem perto de ser a leitura espetacular que havia encontrado das outras propostas de Brandon Sanderson.

A edição da Aleph está muito bonita e a capa apresenta o grande vilão da trama que é o Coração de Aço. Apesar de ele estar em destaque e ser o fator motivacional, iremos nos confrontar muito pouco com sua presença.Ele é um personagem bem complexo e que levanta várias perguntas. A principal delas é que mesmo Nova Chicago não sendo algo positivo, também é organizada e social, enquanto outras cidade vivem em completo caos. será que aniquilar esse “vilão” é realmente a melhor escolha ou apenas vai cumpri a vingança de um jovem garoto e deixar toda uma população em uma situação pior?

Coração de Aço não foi tudo o que eu achei que seria, mas também não é um livro ruim, apenas apresenta elementos que não funcionam mais pra mim nesse formato básico do clichê, causando frustração. Se essas coisas não geram problema pra você, vá em frente de boas, porque acho que é uma trama com muito potencial pra se concluir de forma muito legal. A trilogia já foi toda publicada lá fora e a editora anunciou o 2º volume, então logos teremos a sequência por aqui.

CORAÇÃO DE AÇO

Autor: Brandon Sanderson

Editora: Aleph

Ano de publicação: 2016

Tudo começou com Calamidade, que surgiu nos céus como uma estrela de fogo, e que ninguém sabe o que é realmente: seria algo alienígena, ou então um experimento do exército norte-americano? Seus efeitos, entretanto, podem ser sentidos algum tempo após seu surgimento: pessoas comuns passam a ter poderes que desafiam as leis da física e da lógica. Parece que uma nova era está para surgir. E surge: os nomeados Épicos não apenas se tornam poderosos, mas também ganham uma sede insaciável de poder e parecem perder toda sua humanidade no processo, deixando o resto da população à mercê de suas vontades e caprichos. Dentre eles o mais poderoso é Coração de Aço, um ser invulnerável a qualquer tipo de ataque e com capacidade de manipular e transformar objetos inorgânicos em metal, que decide tomar a cidade de Chicago e ali estabelecer seu império.
Dez anos se passam e os Épicos governam com poder absoluto, com todos os direitos e nenhum dever, se apossando de tudo o que querem a seu bel-prazer, e matando aqueles que ousam desafiá-los. Não existe nada e ninguém que possa impedi-los. A exceção a essa regra são os Executores, humanos normais, munidos de tecnologia de ponta que se utilizam de táticas de guerrilha para derrubar e matar o maior número possível de Épicos. O sonho de David, um jovem criado em um orfanato/fábrica de Nova Chicago é juntar-se aos Executores e destruir Coração de Aço, o homem que matou seu pai e mudou sua vida para sempre.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Samanta Samy

    Realmente não gosto de histórias ligadas a heróis. Seja em livros, séries ou filmes.
    Mas acho interessante que o enredo principal tragam os vilões.
    Ps. tenho uma amiga que vai ficar louca por esse livro, vou mandar a resenha para ela.

  • Thais M. Costa

    Nao sou chegada a histórias com herois assim , tipo super herois rs. Sobre esse livro ja ouvi falarem muito bem. Quem sabe um dia leio.

  • Samuel

    Já li Elantris do autor e curti bastante. Tenho mistborn na minha estante e pretendo começar em breve essa série tão aclamada pelos leitores.
    Esse foi um dos livros que menos me chamou atenção do autor.

  • Natália Costa

    Senti vontade nenhuma de ler Tami. Não me interessei pela história, e acrescido ao fato de ter um protagonista que só de ouvir vc comentando já achei chato, sinceramente!
    Enfim, adorei a resenha, apesar de não ter gostado da ideia do livro!
    Beijossss

  • Gabriela Souza

    Oi, Tami! Achei a premissa do livro super interessante e diferente. Realmente, quando pensamos em super poderes pensamos em heróis, e é legal um livro questionar a “bondade” das pessoas. Uma pena que o livro possui pontos negativos e clichês. Pretendo ler antes de qualquer outro livro do autor. Beijos

  • Michelli Santos Prado

    * Fofura de camiseta😍
    Ainda não conhecia o livro, e achei a proposta dele bem diferente, que remete a pessoas com poderes e tal. Achei bem claro os pontos que não te agradaram tanto a leitura, e talvez até se desenvolvam melhor nos outros livros.Mas interessante a historia, nunca li nada assim, mas irei aguardar o lançamento da continuação antes de definir se tenho interesse ou não por ele.

  • Camila Rezende

    Nao conheço o trabalho desse autor.
    Mesmo com todos os cliches que vc citou que estão presentes nesse livro, achei interessante a ideia do autor de criar apenas vilões. Geralmente em estórias desse gênero par todo vilão vai ter um super herói pra salvar o dia.
    Mesmo com as falhas que a personagem tem enquanto narra a estória, ainda fiquei curiosa pra ler.

  • Pamela Liu

    Oi Tamirez.
    Achei a premissa bem interessante.
    Super poderes para vilões. Algo bem diferente do que estamos acostumados.
    Poxa, o David parece ser bem infantil e chato. Acho que eu também iria me irritar com ele.
    Depois de ver a sua video resenha fiquei com receio de ler esse livro. Parece que tem várias coisas que iria me incomodar, como o fato dos executores não ter as informações sobre os pontos fracos dos vilões, mas o David sim. Isso não faz o menor sentido?!
    Talvez eu lia o livro mais para frente, mas com expectativas beeeem baixas rsrs
    Bjs

  • Leticia

    Oi! Ja quase comprei esse livro varias vezes porque gostei tanto da premissa. Vi tantos blogs e booktubers falando bem, mas os pontos que te incomodoram sao coisas que pra mim nao dá haha

  • Franciele Débora

    Olá! Gostei muito da premissa do livro e sobre essa nova Chicago sendo comandado pelo Coração de Aço, bem diferente do que estou costumada a ler. Não gosto de personagens infantis então acho que também não iria gostar de David. Alguns coisas que você disse no vídeo, como os executores não terem as informações sobre os pontos fracos e sim só o David teria, me incomodou um pouco. Mas acho que vou da ruma chance a essa série e ver no que dá.
    Adorei sua resenha-vídeo, beijos.