Crash – Nicole Williams

Crash é o primeiro livro da trilogia escrita pela autora Nicole Williams, lançado aqui no Brasil em 2017 pela editora Planeta com o selo Essência.

MINHA OPINIÃO

Lucy Larson é uma jovem de 17 anos que tem uma grande paixão na vida: o ballet. Durante suas férias de verão no lago Saphire ela está ansiosa pelo inicio do ano, pois por conta de alguns problemas na sua vida, ela terá que ir para uma nova escola bem inferior a que ela estava acostumada a estudar. Na verdade, sua vida toda praticamente mudou de um tempo pra cá, não só pra ela, e sim para toda sua família. Após a empresa do seu pai ter decretado falência, todo conforto que eles possuíam antes, teve que ser substituído por uma vida mais simples. Sua família que antes era unida e muito fiel, se tornou um verdadeiro grupo de estranhos morando juntos, e ela e sua mãe vivem brigando por diversos motivos, enquanto o pai é leviano pra tudo, aparentemente ele vive num mundo próprio.

Nessa nova realidade, ela conhece Jude Ryder, um garoto misterioso mas que logo chamou a sua atenção. Ela não sabe nada sobre ele, apenas que é bastante temido por todos em seu novo colégio e, por conta disto, Lucy sente uma vontade enorme de conhecer mais sobre aquele jovem. Talvez seja o instinto protetor que ela possui.

“Eu sou um câncer, Lucy. E não sou nem do tipo que dá para curar com radiação. Sou o câncer que mata.”

Jude é um verdadeiro garoto problema. Ele é bastante conhecido por todos por causa de tudo de ruim que ocorreu em sua vida. Mas desde o encontro entre os dois, algo diferente nasce, principalmente da parte de Lucy, que deseja demais se aproximar de Jude. Já ele a avisa desde o começo que não é uma boa pessoa, ainda mais pra alguém do nível de Lucy. Será que Lucy irá ignorar todas as dicas do destino, e enfrentar tudo para encarar um grande amor?


MINHA OPINIÃO

A primeira vez que vi sobre esse livro foi no site Goodreads, e como curto demais o gênero, o adicionei na minha lista de possíveis leituras de livros ainda não lançados aqui no Brasil. Mas confesso que de início achei que quebraria a cara com esse livro.

A autora começa a desenrolar a história muito rápido, com picos de brigas ou declarações de amor, o livro segue bem morno até sua metade, sem me animar muito para continuá-lo. Pensei que seria mais um daqueles livros “mais do mesmo” que às vezes lemos e nos desanimam tanto por aí, mas é então que a ação volta às páginas e tudo começa a melhorar bastante.

Lucy é uma protagonista fácil de gostar, apesar dela cometer muitos erros, mas quem não comete? Ela possui uma vontade natural dentro de si de ajudar o próximo, seja uma pessoa ou um animalzinho. Talvez seja por isso que ela sente-se tão atraída pelo Jude, há alguém pedindo ajuda desesperadamente. Ele poderia ser um clássico bad boy, mas possui seu diferencial. Ele em momento nenhum destrata Lucy, até mesmo quando percebe que ficar longe seria melhor pra ela. Apesar do seu comportamento agressivo com as outras pessoas, ele se controla ao máximo e a respeita sempre. Me irrito demais quando leio um livro desse tipo, e a mocinha fica sendo uma verdadeira submissa ao protagonista com temperamento explosivo.

“Jude era uma doença da qual eu nao queria me curar. Era uma droga da qual eu não queria me livrar.”

Quanto aos personagens secundários, eles não são explorados na história. Senti bastante dó do pai de Lucy por tudo o que eles passaram, e me coloquei no lugar dele, sofrendo por ver a vida de sua família mudar tanto por “sua culpa”. A mãe por outro lado, é realmente uma personagem bem fácil de detestar.

Achei uma excelente escolha da editora de permanecer com a mesma versão da capa americana. A edição está muito bonita e sem nenhum erro de diagramação. Ele é todo narrado em primeira pessoa, sob o ponto de vista de Lucy. Há alguns trechos que citam as músicas da famosa banda britânica Beatles, pois o pai da protagonista ama a banda, e é daí que vem seu nome, referente à música Lucy in the sky with diamonds. Além do protagonista chamar Jude (Hey Jude...).

No final do livro uma verdadeira bomba cai em cima do colo de nós leitores, e me fez ficar chocada. Às vezes eu consigo pegar alguns plost twists, mas dessa vez, a surpresa foi enorme. Deve ser por isso que de três estrelas que eu estava dando pra história, por causa do seu começo ameno, pulou para quatro.

Apesar de terminar de forma “fechada”, a trama não terminou. Ainda vamos acompanhar a vida de Lucy e Jude por mais dois livros, que chamam-se Clash e Crush. Eu realmente espero que os próximos livros explorem mais a paixão de Lucy pela dança, pois a capa e o começo da história vemos bastante sobre isso, mas depois parece que a autora esqueceu dessa parte da vida da protagonista.

Recomendo a leitura para os fãs do gênero New e Young Adult, pois esse realmente não é “mais do mesmo”. Vale a pena acompanhar a história desses dois jovens com um passado quebrado, que tentam se reconstruir em meio ao caos de suas vidas.

CRASH

Autor: Nicole Williams

Editora: Essencia

Ano de publicação: 2017

Para a adolescente Lucy, nada é mais importante que o balé. A dança a transporta para um mundo onde a dor, as lembranças ruins e a violência não existem. Um mundo só dela. Um dia, porém, aquela garota certinha é obrigada a mudar de escola. E é nesse novo ambiente, repleto de descobertas e
Inseguranças, que conhece um garoto que só usa cinza e vive com uma toca de lã na cabeça. Jude, o maior bad boy da escola, é lindo e seria o sonho de toda garota, e talvez até o genro que todo pai pediu a Deus… se não tivesse sido preso várias vezes e não morasse num abrigo para garotos desajustados. Lucy não liga para a opinião dos outros: o mais importante é o que Jude sente por ela. E o rapaz parece disposto a abrir seu coração, ainda que um segredo que assombra o passado e o presente dos dois esteja prestes a estraçalhar essa paixão.

 

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Nascida no interior Paulista, futura cientista da computação, se apaixonou por literatura quando conheceu o bruxo Harry Potter e o vampiro Edward Cullen. Adora ir no cinema e assistir séries em dias chuvosos.