fbpx

Cretino Abusado – Vi Keeland & Penelope Ward

Cretino Abusado foi escrito através de parceria entre as autoras Vi Keeland e Penelope Ward. Sua publicação no Brasil é de 2017 pela Essência, selo da editora Planeta.

Sobre o Livro

Aubrey é uma mulher que tinha uma vida bem resolvida; namorava um advogado – que era seu chefe no escritório em que trabalhava – não gostava exatamente da sua profissão, mas se esforçava e tentava galgar uma posição na qual pudesse ser reconhecida pelo seu empenho e talento. Bonita, satisfeita com sua rotina e planejando o futuro, ela é uma típica mulher que mantém uma linha ascendente nos quesitos profissionais e românticos. Tudo muda quando ela descobre que está sendo traída, ela junta sua vida dentro do porta malas do seu carro e sai em busca de uma mudança radical.

“É bem surpreendente o que a esperança pode fazer quando se está disposto a encontrá-la.”

O que ela encontra é um motoqueiro australiano com um sotaque de derreter até o mais gelado dos corações. Por um acaso do destino, eles se tornam companheiros de viagem, e durante uma semana muitas coisas podem acontecer. Se preparem para embarcar em uma jornada quente, divertida e surpreendente, que envolve os prazeres oferecidos em Las Vegas, um cabrito com tendência a desmaiar quando fica nervoso e comentários a respeito de vibradores femininos, que se mostram muito úteis quando uma mulher como Aubrey precisa dar conta do recado sozinha.


Minha Opinião

Você gosta de história clichê? Eu, dependendo do caso, gosto bastante. Isso porque de vez em quando curto embarcar em uma narrativa que me permita pensar pouco, refletir sem excessos e me divertir sem limites; uma história clichê geralmente proporciona isso e foi pensando assim que embarquei na leitura deste livro. Ah, mas confesso desde já: me enganei um pouco quanto a isso.

A história é dividida em duas partes e a primeira gira em torno do encontro casual entre Andrey e Chance, no momento em que ambos estavam mudando a direção de suas vidas. O insta love está presente, como acontece com frequência em livros deste gênero, então não me surpreendi quando a atração entre eles começou a ser descrita repetitivamente; o que me surpreendeu e, confesso, desagradou um pouco, foi o excesso de confiança que eles demonstraram um pelo outro. Mal haviam se visto e já partiram juntos em uma viagem de carro, sozinhos,  para atravessar o estado dividindo as horas de sono e as despesas. Fiquei com isso na cabeça e por mais que entenda que é apenas ficção, é difícil para mim, enquanto mulher, aceitar que uma pessoa derruba suas barreiras e oferece um voto de confiança desses a um desconhecido simplesmente porque ele tem um bumbum bonito e um sorriso sedutor.

“A única coisa que parecia certa era: ao final desta viagem, eu ia acabar machucada.”

Essa primeira parte segue em um ritmo adequado, contanto ao leitor através do pronto de vista da mocinha tudo de interessante, curioso, divertido e carnal que pode acontecer durante uma semana. Acompanhamos o dia a dia do casal e percebemos que o insta love vai dando lugar a uma atração mais fortalecida que pode até ser traduzida como paixão. Há aqui diálogos cheios de conotação sexual  que são responsáveis por deixar um clima de tensão no início, levando o leitor a se compadecer do casal que ao mesmo que quer ficar perto mantém certa distância segura, por motivos que são explicados conforme a narrativa avança. O que mais me agradou neste primeiro momento e quem roubou totalmente a cena foi o carneiro. Um pequeno ser peludo com tendência a desmaiar quando está com crise nervosa, e o personagem responsável por dar um tom cômico à obra.

A segunda parte da história, contada sob a perspectiva de Chance, tem um avanço de dois anos e aborda os desdobramentos de tudo o que aconteceu naquela fatídica semana. De que maneira o encontro entre ele Audrey mudou a vida de cada um? Como lidar com os sentimentos que tomaram uma direção diferente da que eles haviam planejado? O que fazer com relação a um futuro já estabelecido quando o passado chega para atormentar e promete virar a vida de ponta cabeça? Essas perguntas vão sendo respondidas aos poucos sempre com um toque de humor e erotismo que tende a agradar muitos leitores, eu inclusive, mas confesso que neste livro – ao invés de agradar – este toque me fez sentir com uma pulga atrás da orelha;  finalizei a leitura sem saber exatamente o que pensar, o que sentir.

Isso aconteceu porque, em minha opinião, comportamentos, diálogos e atitudes que foram colocados na obra justamente com essa intenção – de nos fazer rir e suspirar com o toque romântico – me fizeram repensar a minha ideia particular de romantismo; me fizeram chegar a conclusão de que é comum encontrarmos personagens com atitudes machistas, sexistas e opressoras representados por caras lindos, fortes, inteligentes e cheios de atitude; um fato que pode transformar um comportamento totalmente ‘stalker’ em uma demonstração de carinho, por exemplo. Digo isso de maneira bem pessoal, porque eu, particularmente, não acharia nada engraçado um cara reformar meu jardim sem meu consentimento, assim como não acharia romântico se esse mesmo cara me seguisse todos os dias e ficasse parado em frente ao meu trabalho simplesmente para mostrar o quanto me ama. Isso, para mim, não é amor. Mas será que é para outras pessoas que leem romances deste tipo?

Acredito que sim, o que pode justificar a alta avaliação deste livro e a quantidade de fãs do australiano gostosão protagonista desta história. Basta entrar no Skoob, no Goodreads ou até mesmo nas redes sociais de colegas que leram e aplicaram seu selo de satisfação. O que eu achei? É um livro que cumpre seu papel no que diz respeito a entreter e divertir quem gosta de uma história desse estilo, mas que corre o risco de desagradar mulheres que, assim como eu,  já não toleram determinados comportamentos de marmanjões cheios de testosterona, histórias que nos são apresentadas com o objetivo de romantizar situações que se forem bem analisadas não são saudáveis, não são bonitas, não são românticas. Seja na vida real ou nas preciosas páginas  dos livros.

CRETINO ABUSADO

Autor: Vi Keeland & Penelope Ward

Editora:Essência

Ano de publicação: 2017

Após ser traída pelo ex-namorado – chefe da firma de advocacia em que trabalhava – Aubrey decide que precisa de um recomeço. Deixa tudo para trás e aceita um emprego em uma startup na Califórnia, Estados Unidos, e parte em uma viagem de carro que mudará toda a sua vida.
Em uma parada na estrada, Aubrey conhece Chance, um homem atraente que viajava de moto. Com o corpo perfeito e sotaque australiano, o ex-jogador de futebol era bem convencido e arrogante. Quando sua moto quebra, Chance precisa da ajuda de Aubrey. Ele promete levá-la em segurança até seu destino em troca de uma carona, e os dois decidem seguir viagem juntos.
Aubrey está traumatizada após seu último relacionamento, mas sente uma atração incontrolável por aquele cretino abusado. Apesar da ligação cada vez mais forte entre os dois, Chance guarda um segredo que poderá separá-los para sempre.

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.