Daytripper – Fábio Moon & Gabriel Bá

Daytripper é dos irmãos brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá. Com cores de Dave Stewart, a história em quadrinhos foi vencedora do prêmio Eisner que pode ser considerado o Oscar das HQ’s. Seu lançamento foi pela Panini Books em 2011.

Sobre a história

Brás de Oliva Domingos é um homem que segue rotinas. Ele sempre começa seu dia lendo um jornal antes de encaminhar-se para seu trabalho como escritor de obituários. No auge dos seus 32 anos ele tem um emprego mediano, a vontade de escrever um livro, um relacionamento tranquilo com sua esposa Ana, mas também um relacionamento conturbado com seu pai Benedito, famoso escritor.

Ele não deixa de compartilhar seu desgosto com o amigo Jorge sobre a vontade de escrever sobre a vida das pessoas, mas que acabou por escrever apenas sobre suas mortes. Com esse amigo ele tem as maiores divagações sobre a vida e a exploração dos “e se”.

No dia do seu aniversário ele é convidado pela mãe a comparecer a um evento de gala para homenagear os 40 anos de carreira do pai e é nesse dia que Brás vê sua vida mudar completamente. Nesse momento temos uma ruptura na história que passa a desenrolar e nos mostrar as infinitas possibilidades contidas nas nossas vidas.


Minha opinião

Logo que começamos a ler essa incrível história nos deparamos com a seguinte frase: Daytripper é uma reflexão sobre a efemeridade da vida. Essa frase não poderia ser mais acertada para descrever essa obra que é simplesmente sensacional e que mereceu todos os elogios e o prêmio recebido. Cheia de divagações sobre a vida e reflexões sobre os nosso laços familiares, encontramos aqui uma história extremamente original e emocionante. A paleta de cores é forte e marcante. As histórias são diferentes, mas é como se essa paleta as unisse, passando ainda mais emoção à leitura.

Nossa vida é um sopro, morremos um pouco a cada dia que passa. Nessa história acompanhamos com Brás essa fragilidade da vida humana o no quanto estamos sempre beirando o nosso derradeiro fim. A cada escolha que fazemos, abrimos mão de diversas outras possibilidades. Passamos pela nossa vida muito rapidamente, sem ver nada realmente com clareza. Esquecemos de olhar para o lado e perdemos oportunidades que poderíamos não ter novamente. Em Daytripper questionamos sobre o que é realmente a felicidade e onde ela se encontra nas nossas vidas. 

Brás é um personagem extremamente cativante e representa uma pessoa comum. Esqueça essas histórias de heróis e seus poderes, aqui temos uma cidadão comum que vive seus dias como qualquer um de nós. É quase impossível não nos identificarmos com pelo menos uma das suas frases e dúvidas. Me vi nele por diversas vezes. Nessa encruzilhada de escolhas, nessa vontade de fazer mais e de explorar as mais infinitas possibilidades que nos são apresentadas a cada dia. Não temos apenas uma história aqui, temos diversas que se encontram e formam uma narrativa final. Pois essa é uma da verdades da vida: todos nós estamos nos encaminhando para um final.

O ponto alto dessa trama é justamente a incerteza sobre o que nos espera ao virarmos cada página, ao virarmos uma esquina, ao tomarmos a decisão de seguir uma rota diferente para o nosso trabalho. Não sabemos o que nos espera a cada dia e essas incerteza que nos move e serve para procurarmos sempre fazer o melhor. A estarmos satisfeitos com nossas escolhas, lembrando de falar para aquela pessoa o quanto ela é importante e perdoando aqueles que nos fazem algum mal.

É aquele clássico de não deixar para amanhã o que você pode fazer hoje. Além de focar em um ponto que acaba sendo um mal que nos acomete: por muitas vezes nos sentimos sozinhos, mesmo rodeados de gente. Estamos nos isolando cada vez mais, focados em trabalhar e provermos nosso sustento e acabamos deixando “a vida levar” conforme for mais fácil e menos trabalhoso.

Mas a nossa vida é feita de momentos. Buscamos sempre “o momento”. Mas o que de fato seria o momento que tanto buscamos? O que move o ser humano? Acredito que a vida é feita de mais que um único momento, são vários. E cabe a nós buscarmos a melhor forma de aproveitá-los. Nessa história vemos isso e a morte sob outra perspectiva. Questionamos mais, buscamos explicações e ficamos ponderando sobre o que foi feito, se estamos satisfeitos, se devemos mudar e buscar novos rumos para nossas vidas.

Refletimos sobre a nossa infância e no que imaginamos para a gente hoje, como adultos, e nos perguntamos se alcançamos tudo aquilo ou se nossas escolhas acabaram mudando. Refletimos sobre onde estamos agora e para onde estamos nos encaminhando. Buscamos um propósito maior, assim como nosso protagonista Brás. Essa história é intrincada dos maiores detalhes e creio que sua interpretação maior vai de cada um que a lê. Podemos tirar dela diversas dúvidas e ensinamentos. Encontramos nela mais que uma história sobre uma pessoa comum, encontramos nela a nossa própria história.

 

5estrelasB

DAYTRIPPER

Autor: Fábio Moon & Gabriel Bá

Editora: Panini Books

Ano de publicação: 2011

QUAIS SÃO OS DIAS MAIS IMPORTANTES DA SUA VIDA? Conheça Brás de Oliva Domingos. Milagroso filho de um mundialmente famoso escritor brasileiro, Brás passa os dias escrevendo obituários e as noites sonhando em se tornar um autor de sucesso – ele escreve o fim da história de outras pessoas enquanto a sua própria mal começou. Mas, no dia que sua vida começar, ele será capaz de perceber? Ela começará aos 21, quando ele conhece a garota dos seus sonhos? Ou aos 11, quando dá seu primeiro beijo? É mais adiante na vida quando seu primeiro filho nasce? Ou antes, quando pode ter encontrado sua voz como escritor? Cada dia na vida de Brás é como a página de um livro. Cada um deles revela as pessoas e coisas que o fizeram ser quem é: sua mãe e seu pai, seu filho e seu melhor amigo, seu primeiro amor e o amor de sua vida. E, como em todas as grandes histórias, seus dias tem uma reviravolta que ele nunca antecipou… Em DAYTRIPPER, os ganhadores dos Prêmios Eisner e Jabuti Fábio Moon e Gabriel Bá contam uma história mágica, misteriosa e tocante sobre a vida – uma jornada lírica que usa os momentos silenciosos para fazer as grandes perguntas.

É colaboradora do Resenhando Sonhos.
Natural de São Sepé, atualmente morando em Santa Maria.
Formada em Gestão da TI pela URCAMP e cursando Produção Editorial na UFSM.
Apaixonada por livros, Johnny Cash e cachorros.