De Volta Para Casa – Seanan McGuire

De Volta Para Casa é o primeiro livro dentro dessa série de novelas da autora Seanan McGuire. O lançamento é da editora Morro Branco em 2018.

Sobre o Livro

Ao redor do mundo muitas crianças desaparecem, e algumas delas vão parar em um lugar diferente. A entrar em baixo da cama, ao encontrar uma porta que não deveria estar lá, ao atravessar um local inusitado. E depois elas voltam para casa. Mas qual será a sua casa agora?

“Ela era uma história, não um epílogo.E, se optasse por narrar sua própria vida uma palavra por vez, [..] não estaria fazendo mal a ninguém. Afinal de contas, é difícil perder o hábito da narração.”

Em uma mansão isolada, Eleanor West coordena um local que recebe esses jovens e tenta fazer com que a experiência seja superada ou a porta reencontrada. Ali, todos sentem falta do lugar que deixaram pra trás, de uma oportunidade que pode nunca mais acontecer em suas vidas. E é assim, com essas desesperança, que Nancy chega até eles.

A jovem “voltou” tem alguns meses e seus pais não sabem como lidar com sua nova personalidade. Então a enviam a Eleanor. Enquanto ela vai faz amigos e descobre que compartilha muito de seus sentimentos, coisas estranhas começam a acontecer, que colocam não são sua chegada ali em cheque, mas também a segurança de todos os outros jovens.


Minha Opinião

Eu estava aguardando esse livro já fazia um bom tempo. De Volta Para Casa é uma novela, e portanto uma história mais curta, porém não tão curta como um conto. Aqui vamos encontrar uma narrativa de realismo mágico e, se você conhece o gênero (ou não), deve ir sabendo que não teremos todas as explicações sobre como essas portas aparecem ou o que é esse lugar para onde as crianças vão. Recebemos, logicamente, algumas informações, mas o bêabá fica de fora e é preciso fazer a paz com isso para aproveitar a história.

Há toda a uma separação em categorias desses locais, já que cada jovem vai para um diferente. De acordo com as características que eles relatam, Eleanor categoriza e distribui, para que eles fiquem juntos de pessoas que dividem experiências parecidas. Esses locais parecem, de certa forma, serem reflexos de coisas que essas crianças precisam ou sentem, e que nem sabiam necessitar. Ao chegar lá, se tiverem uma experiência positiva, vão se completar, e a tarefa de “voltar para casa” vai ser na verdade o oposto disso, já que sentirão que estão deixando sua verdadeira casa para trás.

Eu gostei muito desse ponto interpretativo e consegui ver várias metáforas pra isso no nosso mundo real. O normal, o que temos como certo, nem sempre funciona ou deixa todo mundo confortável. Cada um, a sua maneira, precisa encontrar o seu local no mundo e a sua verdadeira “casa”. E, às vezes, são pequenas portas que se abrem pra gente, ao invés de apenas uma ao longo da vida. É um livro que lemos e que nos apresenta um novo mundo, é aquele seu hobby que te desconecta da realidade e faz você ter um momento completo de flow.

“A esperança machuca. É isso que você precisa aprender, e rápido, se não quiser que a esperança corte você de dentro para fora.”

E, apesar de estarmos lidando com “crianças”, os adolescentes tem uma linguagem que não incomoda ou infantiliza a narrativa. Nancy está muito segura de si e vivendo uma época em que é difícil conviver com os pais sem que nada fantástico tenha acontecido, com esse fator então, missão impossível. E cada um dos jovens possui uma personalidade bem diferente, dando mais vivacidade a eles. Meus favoritos são Sumi e sua irreverência e Kade com o ar misterioso.

A casa de Eleanor, porém, não é a única no mundo, e não é todo mundo que tem uma experiência bacana. Há quem volte completamente desestabilizado ou em pânico e há outros lugares escondidos pelo mundo para ajudar esses jovens.

O bacana de uma novela é que tudo precisa acontecer de forma dinâmica, já que são menos de 200 páginas de história. Assim, logo no começo já somos apresentados ao real problema, tornando a trama acelerada. Não vou mentir e dizer que o desfecho foi uma grande surpresa. Há pistas suficientes ao longo das páginas para que você descubra quem é o responsável pela situação muito antes de ser realmente revelado.

Entretanto, acredito que o diferencial da obra não está nesse desfecho e sim em instigar o leitor a tentar desvendar todos os mistérios desse universo e das possibilidades que se abrem sempre que uma nova porta surge. E, há uma surpresinha no final que fez com que a jornada valesse ainda mais a pena!

“A morte era preciosa. Isso não mudava o fato de que a vida era limitada.”

Vale a pena também mencionar que esse é um livro com bastante representatividade e trabalhada aqui de forma bem “leve”. A autora escolhe nos contar sobre certos personagens e suas identidades de gênero como parte da apresentação deles ao leitor. Conforme outros personagens confrontam eles, temos um leve desenvolvimento do assunto, mas nunca se torna o foco ou vemos aquilo ser forçado dentro da história.

De Volta Para Casa foi um livro que atendeu as minhas expectativas e me mostrou como uma história pode ter muitas histórias para contar. É um daqueles livros que faz a gente se perguntar qual é o nosso real papel nesse mundo sem precisar falar sobre isso de forma direta, e que usa a famigerada metáfora da “porta” para nos conectar com esses questionamentos que fazem parte da vida real (ou deveriam). E ai, você já encontrou a sua casa?

DE VOLTA PARA CASA

Autor: Seanan McGuire

Editora: Morro Branco

Ano de publicação: 2018

Crianças sempre desapareceram nas condições certas: escorregando pelas sombras debaixo da cama, atrás de um guarda-roupa ou caindo em buracos de coelhos e em poços velhos, para emergir em algum lugar… diferente.
Nancy viajou para um desses lugares, e agora está de volta. As coisas que ela viu… mudam uma pessoa para sempre. E as crianças sob os cuidados de Eleanor West compreendem isso muito bem: cada uma delas procura a porta de volta ao seu próprio universo fantástico, mas poucas conseguem encontrá-la. Afinal, mundos mágicos têm pouca utilidade para crianças cujos milagres já foram usados.
A chegada de Nancy marca também uma terrível mudança no internato. Há uma escuridão pairando à cada esquina, e quando a tragédia ataca, Nancy e seus colegas precisam desvendar o mistério.
Não importa o custo.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.