Depois Daquela Montanha (2017) | Crítica

Adaptado do livro de Charles Martin, com o mesmo nome, Depois Daquela Montanha foi dirigido por Hany Abu-Assad (Omar, Paradise Now) e conta em seu elenco com Kate Winslet e Idris Elba. O drama traz a história de duas pessoas completamente diferentes, que por terem seu voo cancelado, acabam fretando um avião menor para que consigam chegar aos seus destinos.

Alex é uma foto jornalista que está com o casamento marcado para o dia seguinte. Ben é um médico cirurgião que tem uma operação importante o esperando pela manhã. Ela é questionadora e expansiva. Ele é quieto e fechado. E quando sobem aos céus e dão de frente com uma tempestade, o piloto – que havia levado seu cachorro à bordo – começa a ter um derrame, levando o avião a cair em meio a uma enorme cadeia de montanhas sem nenhum contato com a civilização.

Ambos, então, precisam encontrar formas de sobreviver à situação. Alex tem a perna machucada, mas quer ir em frente, enquanto Ben é mais racional e acha que eles deveriam apenas esperar por resgate. Porém, as condições vão exigir mais dos dois, que são apenas estranhos.

Acho que a primeira coisa que precisamos tirar logo do caminho é que como “adaptação”, o roteiro só utilizou os seguintes fatos: duas pessoas perdem um voo, fretam um avião e ele cai. Todo o resto do filme destoa completamente do que foi apresentado por Charles Martin em seu romance, portanto leitores, baixem as expectativas.

O que eu posso dizer sobre isso é que mesmo tendo apreciado o filme, é acabou por se tornar apenas mais uma história genérica, já que tudo de diferente que a trama original apresentava foi sugado da narrativa a descaracterizar completamente a história e os personagens. A profissão de Ben, sua relação com a esposa, sua relação com o trabalho, a trama do piloto, a trama do cachorro, a relação dos dois, e até os adereços do final foram modificados ou retirados, trocando até alguns fatores bem relevantes de lugar. No livro é Ben quem sugere fretar o avião e convida Ashley. Sim, até o nome da protagonista sofreu mudança. Esse fato por si só já faz com que uma cena importante de discussão entre os dois ganhe uma conotação completamente diferente.

Porém, isso usualmente acontece com “adaptações” e no fim do dia é preciso julgar cada formato pelos seus méritos. Idris Elba vive bem o personagem durão, mas introspectivo. Enquanto Winslet é mais descontraída. Porém, em algumas partes, parece haver um desconforto que não sei se deveria estar ali como parte do roteiro.

A situação em si é bem dramática, porém eu não cheguei a me emocionar com a história e só realmente temi pela vida dos protagonistas bem ao fim em um ou outro momento. Essa falta de conexão aponta um problema, pois em situações assim é muito importante que o espectador sinta um pouco do que está sendo passado em tela, se não o filme perde um pouco seu propósito.

Acho que um dos elos que funcionou no filme foi o do cachorro do piloto, que permanece com os personagens ao longo da trama. Ele também desencadeia algumas boas conversas ou cenas um pouco mais descontraídas, tirando um pouco do “peso” que deveria estar presente, mas que nem sempre está. A contagem de tempo também é confusa. Passam-se várias semanas, mas a sensação não é exatamente de ver o tempo correr e sim que se passou apenas alguns dias. Além do fato dos ferimentos cutâneos irem desaparecendo, há pouco ou quase nada de mudança que represente essa evolução temporal.

A ambientação do filme é muito boa e a fotografia está muito bonita devido às paisagens onde as cenas se passam, evidenciando a imensidão do lugar onde eles estão. Pela situação, temos uma paleta mais fria, e não há grandes destaques na trilha sonora.

Sinceramente, não sei se as escolhas feitas aqui foram um acerto, pois não há nada que faça o filme se sobressair e, como já mencionei, a palavra que mais se encaixa para Depois Daquela Montanha é genérico. O que, vamos combinar, é uma enorme pena. Esse era um elenco com peso e o livro emocionou muitas pessoas, sendo posicionado como um dos melhores dramas de 2017.

Se você leu o livro, vá com a situação bem clara em mente: há muitas e muitas diferenças. Se você não leu o romance, há uma chance maior de se relacionar com o longa, porém acho que é preciso ter afinidade com o gênero para que a história seja mais apelativa.

thumb_livro

4estrelasb

DEPOIS DAQUELA MONTANHA

Diretor:Hany Abu-Assad

Elenco: Kate Winslet, Idris Elba, Beau Bridges e mais

Ano de lançamento: 2017

Alex (Kate Winslet), uma jornalista que está indo preparar seu casamento, e Ben (Idris Elba), um doutor voltando de uma conferência médica, iriam pegar o mesmo avião, mas o voo é cancelado e os dois estranhos decidem fretar um jatinho. Durante a viagem o piloto sofre um ataque cardíaco e o avião cai em uma região montanhosa coberta por neve. Um romance começa a ganhar força enquanto eles tentam sobreviver, feridos e perdidos.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos. Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo. Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Camila Rezende

    Olá Tamirez,
    Eu já vi o trailer desse filme é não me motivou em assistir no cinema ( na verdade nem fiquei com vontade de assistir)
    Gosto muito dos atores escolhidos para o filme
    Mesmo sendo uma adaptação, pena que eles pegaram apenas algumas coisas do livro.
    Esse filme nos mostra que a Kate Winslet não é uma boa companhia para se viajar hahaha

  • Pedro, o Homem Sem Medo

    Pena que você não gostou, Tamirez. Pretendo assisti-lo no fim de semana.
    A sua decepção é a mesma que eu senti quando assisti as adaptações cinematográficas dos livros de Dan Brown. Só espero que acertem com O Símbolo Perdido, caso vire filme algum dia.

  • rudynalvacorreiasoares

    Tamirez!
    Não li o livro ainda e não assisti essa adaptação, mas confesso que apesar de suas ressalvas, tenho certeza que irei gostar, porque adoro filmes com dramas e romances clichês.
    “É prova de inteligência saber ocultar a nossa inteligência.” (François La Rochefoucauld)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

  • Carolina Santos

    Eu ate vi o trailer mas n me interessei muito em assistir o filme. Na verdade ate gostei do trailer mas realmente nao chamou minha atencao

  • Vitória Pantielly

    Oi Tamirez!
    Essa é uma adaptação que estou louca pra ver, imagino mesmo que comprado ao livro o filme foque somente no acidente e deixe de trabalhar o que o autor escreveu no livro, ainda assim quero tanto ler o livro, como assistir para formar uma opinião! Pena que não souberam escolher os pontos certos para o filme …
    Beijos