Encruzilhada – Kasie West

Encruzilhada é da autora Kasie West, lançado em 2015 pela editora Seguinte.

Sobre o Livro

Addison Coleman consegue vislumbrar o futuro e os seus desdobramentos, investigar o futuro é o seu dom dentro da “paracomunidade”. Esse grupo específico de pessoas, com tantas outras habilidade, se esconde das pessoas normais em um complexo fechado, onde uma estrutura própria funciona. Apesar de parecer algo ótimo, Addison não usa vislumbra tanto o seu futuro, pois guarda cada memória de cada dia que adiantar em sua vida.

Porém, ela será obrigada a investigar seu destino quando os pais anunciam o divórcio e a garota terá que escolher com quem vai ficar. A mãe permanecerá no complexo, enquanto o pai vai abandonar a comunidade para ir viver no mundo normal.

“Conhecer o futuro nem sempre torna a escolha mais fácil.”

Enquanto caminha pelo seu futuro, as opções de Addison se ampliam e ela começa a perceber que a motivação de com quem ela quer viver pode não ser mais o fator determinante para sua escolha e que mesmo com dois futuros que parecem ser muito diferentes, algo neles existirá sempre em semelhança, sempre a conduzindo a um destino que pode não ser o que ela deseja.


Minha Opinião

Desde que eu ouvi falar sobre esse livro eu fiquei muito curiosa, mesmo ele tendo vários elementos que bateriam com coisas que eu sempre questiono nos livros. Algo na trama me intrigou e eu resolvi dar uma chance à leitura para tirar minhas próprias conclusões e, digo a vocês, foi a escolha acertada.

A narrativa de Kasie West é simples e fluída, a trama que ela desenvolve parece ter muito ainda a ser explorada, mas mesmo assim é super acessível sem grandes explicações ou complexidade. Dentro dessa comunidade todos tem alguma habilidade mental e a da protagonista é investigar o futuro. Devido a separação dos pais ela se vê encurralada e precisa investigar seu destino mais a fundo e descobrir qual será a melhor escolha. Porém, ela sempre se lembra de tudo, é como se já tivesse vivido aquilo e é por isso que ela evita usar o seu dom com mais frequência, mesmo que sua melhor amiga Laila tenha a habilidade de apagar memórias e poder assim resolver esse problema.

“In.jus.tó.po.lis: s. terra governada por meus pais”

Addison é uma garota certinha, mas que foi moldada assim pelo seu berço. Sua mãe tem o poder de persuasão, enquanto o pai é um detector de mentiras. Quem conseguiria ser rebelde no meio dessa situação? Ela é bonita, inteligente, mas não se sobressai na escola e nem faz parte da turma do bullying. É apenas uma garota comum. Pela sua descrição e ações eu realmente consegui enxergá-la e compreender muitas das decisões que ela toma. Quem influencia muito em sua personalidade é Laila, que é bem mais descolada do que ela. Apesar das duas terem uma amizade forte, Laila é sempre a dominadora e coloca Addison em situações que qualificariam essa relação em alguns momentos como não tão saudável assim. Isso me deu uma leve incomodada, pois a autora trata com naturalidade, o que pode ser proposital devido a alguns desdobramentos.

Sendo um young adult, o que se espera? Sim, romance. Em cada um dos destinos de Addison haverá um interesse amoroso. Quando esse desdobramento começa a se desenvolver é possível pensar que sua escolha deixará de ser pautada pelos pais, para ser pautada pelo amor. Mesmo assim, ainda não é esse o caminho que a autora resolveu dar para sua trama e foi provavelmente esse fato que me fisgou.

Apesar de Duke e Trevor parecerem ambos fofos e um problema difícil de resolver, as coisas começam a mudar do meio pro fim da trama e o que Encruzilhada esconde é um desenvolvimento que vai além da premissa inicial. Há um leve suspense, pois um “vilão” é apresentado junto com outras questões que tomam centro na história. E é por causa dessas coisas que a decisão de Addison não será assim tão óbvia ou fácil. Afinal, sempre que há poder envolvido há também ganância e é preciso ficar com os olhos bem abertos.

“Ele é o rei da escola. Não quero ser a rainha.”

Eu gosto muito dessa capa e acho que ela reflete bem o que a trama quer passar. Dois caminhos e uma mesma pessoa. A princípio parece algo bom né, poder ver nosso futuro, mas da forma como a personagem vivencia isso, fica claro que não seria tão legar assim viver em um deja vu constante. A escrita da autora é muito fluída e eu devorei o livro em apenas algumas horas.

Quando o final chegou, houve um baque e um sentimento de “não pode acabar agora, não assim”. Não sei ainda se concordo com o que aconteceu, mas certamente me perdi um pouco na rapidez com que tudo se desenvolveu. Fração de Segundo, a continuação desse primeiro volume já foi lançado e não vejo a hora de dar continuidade a essa história. A autora também tem livros publicados em um outro gênero e já resenhamos por aqui Namorado de Aluguel, lançamento de 2016.

Tinha ouvido de tudo um pouco sobre essa história e confesso que me surpreendi. Kasie West conseguiu me conduzir de forma rápida e leve sobre uma narrativa que tinha muito mais do que um breve olhar poderia prever. Não há nada de sensacional aqui, mas há uma construção envolvente e um apelo muito forte dos personagens, criando um laço com o leitor. Certamente quero ler mais coisas da autora e recomendo o livro pra quem curte fantasias contemporâneas simples, com um toque de romance e personagens apaixonantes.

ENCRUZILHADA

Autor: Kasie West

Editora: Seguinte

Ano de publicação: 2015

A vida de Addison Coleman é um grande “e se…?”, graças à sua habilidade especial: Investigar Destinos. Addie é capaz de prever duas possibilidades de seu futuro toda vez que precisa tomar uma decisão. Quando os pais dela anunciam o divórcio, a garota deve escolher se vai morar com o pai entre os Normais ou se prefere ficar com a mãe no Complexo Paranormal. Para ter certeza do que a espera, Addie resolve Investigar. Em uma alternativa, ela conhece Trevor, um Normal sensível com quem logo sente uma conexão. Na outra, se envolve com Duke, o garoto mais popular da escola Paranormal. E agora, em qual futuro Addison estará disposta a viver?

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.