#EspecialLovecraft – Nas Montanhas da Loucura

Nas Montanhas da Loucura é um conto de 1936 escrito por H. P. Lovecraft, e que serviu de inspiração para diversas outras obras, inclusive cinematográficas. Isso foi o que me motivou a iniciar a leitura desta história, meu primeiro contato com a escrita do autor.

Quem narra a história é Willian Dayer, um professor universitário e geólogo que inicia este conto como se escrevesse uma carta contando uma experiência bizarra que teve durante uma expedição à Antártida. A intensão era explorar o solo do local, utilizando as ferramentas mais modernas da época, mas o que o grupo de exploradores encontrou foi algo aterrorizante. Portanto, com a pretensão de impedir que algo semelhante se repita, ele narra ao leitor – de maneira bastante descritiva – o que aconteceu antes, durante e depois dessa jornada que mudou a vida de todos que fizeram parte da equipe.

Conforme a história avança e as descobertas vão sendo relevadas, o leitor entra em contato com um mistério que mescla ciência, biologia, civilizações ancestrais e seres jamais vistos por aqui. A ideia de terror está presente na narrativa desde a descrição dos problemas técnicos enfrentados até o momento em que narrador amarra as pontas soltas e informa o que aconteceu, deixando lacunas para que o leitor preencha com todas as possibilidades capazes de lhe causar arrepios.

Infelizmente, para mim, o terror não passou de apenas uma ideia. Achei forçada a tentativa de impor medo utilizando superlativos em excesso na narrativa, o fato das frases que abordavam os acontecimentos serem compostas sempre por ‘aterrorizante’, ‘medonho’, ‘indescritível’ e tantas outras palavras nesse sentido deixaram a sensação de que o autor queria chocar e causar um temor maior do que o necessário. Maior do que a própria história em si era capaz de proporcionar.

De qualquer maneira, o é fato que este conto é muito significativo. Não só nas obras do autor, mas principalmente porque abriu portas para que outras histórias semelhantes surgissem. Algumas delas – no meu ponto de vista –  mais aterrorizantes e impressionantes do que esta. Sabem aqueles filmes sobre aliens cheio de um terror cósmico que nos faz querer fechar os olhos e correr de medo? Então, é disso que estou falando. E foi disso que senti falta nessa narrativa.

Vocês já leram? O que acharam? Caso alguém tenha alguma sugestão de outros contos do autor que possam me ajudar a dar uma segunda chance às suas obras, por favor, deixe aí nos comentários ;)

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.
  • Kristine Albuquerque

    A ideia é boa, deixar um ar de terror através do medo do desconhecido e sobrenatural. Pena que parece não ter sido bem desenvolvida, ou mesmo forçada, durante a narrativa. Não conheço muitas histórias que abordam o cenário extraterrestre, inclusive comecei a procurar sobre isso essa semana para dar uma oportunidade. Sobre Lovecraft, é uma pena que tua primeira experiência tenha sido um pouco decepcionante, talvez em uma nova oportunidade tu possa apreciar mais a escrita do autor (não tenho propriedade para te fazer tais indicações, estou conhecendo-o através do especial aqui do blog, rs). :)

  • Natália Costa

    Não conheço as obras do Lovecraft, estou conhecendo aqui no especial. Acho que este foi o que menos me interessou. Concordo com vc que quando se é usado superlativos para passar medo não rola, é meio forçar a barra! hahahaha

  • Karina Rocha

    Fiquei curiosa para saber o que os geológicos encontraram na expedição. O conto relata uma aventura, apesar dos mistérios. Nunca li, mas com certeza entrou para minha lista de leituras!!

  • Thais M. Costa

    Mas um conto de indicação aquo que quero muito ler. Nunca li nada do autor e esse me deixou muito curiosa

  • Nathi

    Achei muito interessante um conto que envolve terror, ciência, ancestrais e seres diferentes. Mas, ao ler a sua resenha, confesso que fiquei com o pé atrás em ler esse conto. São poucos os livros/contos de terror que realmente me deixam assustada, então, provavelmente eu não irei sentir medo (também não gosto quando forçam muito com palavras “medonho”, “assustador”, etc). Porém, acho que talvez eu dê uma chance à leitura pelas outras temáticas que são abordadas :)

  • Gabriela Souza

    Oi! Que pena que o autor tentou nos vender um conto de terror, mas no fim não foi esse o resultado. Apesar disso, quero saber o que os exploradores encontraram de tão aterrorizante. Beijos