#EspecialLovecraft – Os Gatos de Ulthar

Os Gatos de Ulthar é um conto de H.P. Lovecraft publicado em 1920. E, se afasta do tom de terror ou de trabalhar com o psicológico, para ter um ar quase de fábula.

Aqui conhecemos Ulthar, uma cidade onde ninguém pode matar um gato. Porém, nem todos respeitam essa regra e, de tempos em tempos um deles desaparece. Um casal idoso que mora um pouco mais afastado desenvolve o hábito de acabar com os animais, e mesmo despertando o desgosto dos demais moradores, acaba por não ser confrontado.

Entretanto isso pode mudar quando uma caravana chega a cidade e entre eles está um garoto com um gatinho. Não muitos dias depois o animal também desaparece e com o desespero do menino, a caravana vai embora, porém não sem antes deixar algo para trás.

Se tem uma coisa que eu fico enfezada é com mal trato aos animais, principalmente com gatos, que são os meus xodós. É claro que já me incomodei com a situação do conto logo no começo, quando a proposta foi apresentada e estava claro que ninguém no local confrontaria o casal de idoso. Mas, conforme a trama se desenvolve, vemos que precisará algo a mais para movimentar essa história.

O legal aqui é que há sim um ar sombrio, mas entendemos desde o começo que o propósito da trama não é assustar e sim passar algo a frente. Com o desenrolar e o desfecho, fica fácil ver a inclinação diferenciada do conto, que, como mencionei, não é tão voltado ao terror.

Até hoje a gente ainda tem leis muito vagas sobre mals tratos e é bacana ver que mesmo em um texto com quase 100 anos, já havia uma certa preocupação em levantar a questão, ou de pelo menos “suscitar” um castigo a ser empregado aqueles que praticam tamanha barbaridade.

E ai, você já leu algo de Lovecraft? Conta ai nos comentários :)

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.