#EspecialPoe – Assassinatos na Rua Morgue

Assassinatos na Rua Morgue é um conto de suspense escrito por Edgar Allan Poe em 1841. É um dos mais famosos do autor e é considerado o pai dos romances policiais.

Andavam pela rua o prodigioso Auguste Dupin e seu amigo, conversando sobre assuntos cultos, quando então se depararam com um jornal onde relatava dois macabros assassinatos ocorridos na noite anteiror, na rua Morgue. Segundo as testemunhas, as duas mulheres, uma de idade já avançada e outra jovem, foram mutiladas e, por mais estranho que pareça, nenhuma pista do assassino fora encontrado no local. A polícia coletou depoimentos de todas as pessoas que disseram ter ouvido os gritos das mulheres e até mesmo das pessoas que encontram elas mortas, porém, nenhuma informação ajudou no caso. Entretanto, Dupin estava convencido que visitando o local do crime, conseguiria resolver o mistério em poucos passos, sendo que ele já possuia uma pequena pista do que poderia ter ocorrido, pista esta que ele encontrara nos depoimentos apresentados pelas testemunhas e que passara despercebido pela polícia.

Hoje em dia o romance policial assume diversas formas e cenários, e muitos personagens clássicos são conhecidos, como Hercule Poirot, de Agatha Christie, e Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle. Porém, todos eles “descendem” do brilhante Auguste Dupin. Esse personagem, que no conto nem mesmo era um detetive ou policial, era um magnífico observador e detinha de uma mente aguçada capaz de traçar padrões psicológicos e físicos onde ninguém achava possível. Tamanha era sua inteligência que, até mesmo seu amigo, que o acompanha pelo mistério da rua Morgue, fica impressionado com tamanha percepção e determinação que Dupim possuia.

O bacana do conto é que o autor nos entrega todas as pistas, como um convite a descobrir o que de fato ocorreu. O conto possui cerca de 40 páginas, snedo que a maioria delas narra os relatos das testemunhas do caso. Em todos os testemunhos, obtemos o nome da pessoa, o que testemunhou, como ela estava vestida no dia, e também dados adicionais do personagem. Depois de relatar todas as “provas”, entra então em ação o personagem Dupim, que vai até o local do crime e ali consegue obter mais algumas provas. Interessante, porém, que mesmo com todas as pistas nos dada nas mão, torna-se difícil imaginar ou mesmo teorizar o que tenha ocorrido. Por vezes, inclusive, cheguei a suspeitar de todas as testemunhas. Mas a solução para o caso fora outra, e foi bem interessante como tudo se resolveu.

Eu li esse conto em uma coletânea que fora recentemente publicada pela Folha de São Paulo, em capa dura, onde há também os contos O Demônio da Perversidade e O Gato Preto, que já teve resenha aqui no blog. Um fato interessante também sobre esse conto é que ele já teve quatro adaptações televisivas, sem contar que inspirou a música Murder in the Rue Morgue, do Iron Maiden e alguns versos de Little Disfunk You, da banda The Ark. O conto também inspirou a série de quadrinhos A Liga dos Cavaleiros Extraordinários e outro conto chamado Os Novos Assassinatos na Rua Morgue, escrito por Clive Barker (escritor e diretor de Hellraiser).

E você, o que achou deste conto? Sabia que ele fora o avô dos romances policiais? Conte para mim aqui em baixo nos comentários :)

É colaborador do Resenhando Sonhos.
Catarinense, Publicitário formado pela UNOESC, apaixonado por sci-fi, distopias e suspense policial. Fã de Arquivo X e Supernatural, sonha um dia encontrar os aliens.

  • Camila Rezende

    Olá Reinaldo,
    Não sou fã do gênero policial, mas pela sua resenha fiquei curiosa em saber que o autor mostrou todos os depoimentos dos suspeitos e ele te faz pensar que é uma pessoa e no final te surpreende.
    Eu nunca tinha ouvido falar desse detetive e que ele foi meio que inspiração para dois detetives famosos da atualidade.
    Interessante saber que o conto foi inspiração para uma música.

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Camila
      eu gosto bastante do gênero policial, mas não leio com frequência (rsrs)
      Esse Dupim aparece pouco na literatura, até porque Poe só escreveu contos durante sua carreira :/
      Mas o conto vale a pena, é bem instigante hehe :D

  • Nathi

    Eu adoro esse conto, bem inusitado! Na verdade, todos os contos que eu li do Poe, eu adorei hahaha #fã. No entanto não sabia dessas curiosidades relativas a adaptações televisivas, música e série de quadrinhos, muito interessante!

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Nathi
      hehe verdade, esse é bem inesperado hehe
      apesar de não ter gostado tanto de outros contos, ainda quero ler mais alguns do autor :D

  • Thais M. Costa

    Esse mes de Poe esta sento muito bom. Estou podendo conhecer contos que eu ninca li desse autor muito bem falado. amei a resenha e vou ler em breve.

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Thais, que bom que gostou, esse conto eu li numa coletânea de outros cinco contos, foi bem interessante :D
      beijos

  • Karina Rocha

    Sempre ouço falar desse conto, é um dos preferidos do pessoal que curte o Poe!! Pela resenha achei bem interessante e envolvente, estou louca para ler.

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Karina, de fato, esse conto é bem famosinho hehe, e difere um pouco do comum que o Poe escrevia, que era mais voltado ao medo e mórbido.

      Boa leitura :D

  • Thaynara Ribeiro

    Não tinha nem ideia do vovô dos romances policiais rsrs sei que Poe influenciou muita coisa mas não imaginava tanto
    Por gostar de Sherlock fiquei curiosa para ler esse conto

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Thaynara, um dos motivos que fizeram com que eu quisesse ler esse conto foi pelo fato de ser um dos primeiros do gênero policial.
      É bem bacana voltar às origens * -*

  • Kristine Albuquerque

    Ainda não li esse conto, mas achei super interessante, sobretudo pelo caráter de suspense policial. Irei ler em breve :)

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Kristine, é um conto bem bacana, e considerando que é o primeiro do tipo (policial), foi uma experiência bem legal :D

  • Gabriela Souza

    Oi! Esse é um conto que possui um macaco? (não vou falar mais pra não ter perigo de soltar spoiler aqui haha). Acho que já li esse conto, e se não me engano, gostei bastante dele apesar de ter criado diversas teorias (que nem tu) e ter errado feio hahah Beijos

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Gabriela
      sim, esse mesmo haha
      Beijos