#EspecialPoe – A Queda da Casa de Usher

A Queda da Casa de Usher é um conto de Edgar Allan Poe, publicado em 1839. Essa obra é referenciada com um exemplo da “totalidade” de Poe, pois expressa nos detalhes, os pontos mais relevantes que marcam o autor.

A história começa sendo contada pelo narrador Montresor, um homem que fora convidado pelo seu grande amigo da infância Roderick Usher à visitá-lo em sua casa. Usher está certo que uma grave doença o afeta e poderá ser fatal pelos próximos dias, e é por isso que convida o amigo para visitá-lo, como uma despedida. Ao chegar no local, Montresor fica verdadeiramente impressionado pelo jeito macabro que é aquela casa, que na verdade, mais parecia um local abandonado. Além de Roderick, sua irmã Lady Madeleine também reside nesta mansão peculiar.

Assim como os outros familiares, Lady Madeleine morre e seu irmão Roderick resolve não enterrá-la de imediato, pois a dama sofre de uma doença rara chamada catalepsia. Que é uma doença que faz a pessoa não conseguir movimentar seus braços/pernas, porém, todos os órgãos funcionem perfeitamente. Alguns destes distúrbios chegam à durar minutos, horas ou até mesmo dias. Por este motivo, ele resolve esperar mais de duas semanas até ter a certeza que a irmã está morta para então, enterrá-la.

Por ter sido meu primeiro conto lido do Poe senti um pouco de dificuldade, assim como do Lovecraft. A escrita é bem diferente para quem está acostumada com outro tipo de literatura, mas nada que algumas páginas adiantes não resolva o problema. Ainda comparando os dois contos, achei este mais interessante que o do Lovecraft, desde o começo, o clima de filme de terror está instalado naquela casa e o narrador consegue transmitir isso para nós leitores.

Após a morte de Madeleine, muitos acontecimentos sinistros começam a acontecer e ficamos angustiados para saber será que Montresor está ficando louco? Ele também vai descobrir algum segredos da Casa Usher. Segredos que podem fazer a casa desmoronar, literalmente. Muitos porquês assombram a cabeça do leitor durante a história, e ao chegar próximo ao desfecho, senti que o autor correu um pouco para terminar tudo, senti um pouco falta de algumas pontuações mais específicas. Por outro lado, pode ser uma estratégia do autor para fazermos nós leitores, usarmos a imaginação.

Vocês já leram o conto? O que acharam?

 

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Nascida no interior Paulista, futura cientista da computação, se apaixonou por literatura quando conheceu o bruxo Harry Potter e o vampiro Edward Cullen. Adora ir no cinema e assistir séries em dias chuvosos.