fbpx

Eu e Esse Meu Coração – C. C. Hunter

Eu e Esse Meu Coração é um romance young adult da autora C. C. Hunter, publicado em 2018 pelo selo Jangada do Grupo Pensamento.

SOBRE O LIVRO

Leah McKenzie está morrendo. Seu coração foi atacado violentamente pela bactéria miocardite e por isso ele precisou ser retirado. O que a mantém viva hoje é um coração artificial que ela precisa carregar em uma mochila o tempo inteiro. A única coisa capaz de salvar a sua vida é um transplante, porém Leah tem um tipo sanguíneo muito raro e, portanto, ela parou de frequentar a escola e de ver seus amigos na espera da morte ou de um milagre. Aos 17 anos ela não faz mais planos para seu futuro, mas mesmo assim, ainda tem uma lista de coisas que quer muito fazer antes de morrer.

“Solto uma risada, mas é forçada. Odeio pensar num transplante. Não apenas porque não acho que vá acontecer, mas porque alguém teria que morrer para que eu sobrevivesse, e acho isso muito errado.”

O lado bom de ter aulas em casa é pode ficar confortável em seu pijama e com suas pantufas de bichinhos. Mas não é o melhor look quando a professora de Leah não pode comparecer e manda um aluno para substituí-la.  E esse aluno é nada mais, nada menos que Matt, o garoto por quem Leah sempre foi apaixonada. E, de repente um milagre acontece. Leah conseguiu o transplante e tudo seria incrível se o seu doador não fosse Erick, gêmeo idêntico de Matt. Erick foi encontrado morto com um tiro na cabeça, na trilha do bosque da cidade. Ele carregava a arma do pai, uma cena perfeita de suicídio. Mas não é o que Matt acredita.

Essa nova tragédia na vida de Matt foi uma segunda chance na vida de Leah. Porém ela não pára de ter sonhos onde está sendo perseguida no meio do mato. Ela sabe que esses sonhos vem do seu coração, do coração de Erick. E são os mesmo sonhos que Matt também tem. Ambos querem descobrir o que aconteceu com Erick. Nessa busca pela verdade, Leah aprenderá que ela pode sim pensar no amanhã, fazer planos para o futuro.


MINHA OPINIÃO

C. C. Hunter é uma autora mundialmente conhecida por Acampamento Shadow Falls, uma série de fantasia young adult que eu gosto muito. Foi uma surpresa para mim quando vi um livro de romance contemporâneo escrito por ela. E que surpresa maior ainda foi gostar tanto dessa história. Me emocionei já no primeiro capítulo, e a emoção só se tornou maior quando descobri que este livro é inspirado na vida de seu marido. Pois é, o marido de C. C. Hunter tinha problemas nos rins e por isso também precisou fazer um transplante de coração, só que ele tinha um tipo sanguíneo raro, então foi uma luta até que tudo se resolveu. E foi com esse caso que ela teve a ideia para o livro. Um livro lindamente escrito.

Não há muitas quotes bonitas na leitura, porém toda a escrita é de uma delicadeza emocionante. E mesmo que o livro seja um pouco grande, tem uma leitura super fluida, causada por uma narrativa de duas maneiras. Uma em primeira pessoa do ponto de vista da Leah, e a outra em terceira pessoa do ponto de vista de Matt. Todo o enrendo tem um escoamento natural de acontecimentos, ou seja, nada de enrolação. Uma escrita que prende sua atenção em cada página e deixa uma saudade enorme logo que acaba.

Talvez Leah seja uma personagem um pouco clichê. Por conta de sua doença, ela já decidiu que não vai fazer planos para o futuro porque acredita que sua morte esteja mais perto que o amanhã. Por possuir um tipo sanguíneo raro, ela sabe que uma segunda chance de vida é praticamente impossível, sendo assim ela preferiu deixar de lado sua escola, seus amigos, e todas as coisas que gostava de fazer, exceto ler. Um hábito que ela não deixou para trás e que é a primeira meta de sua lista de coisas a fazer antes de morrer, ler 100 livros. Ou seja, ela não almeja muitas coisas em sua vida, está bem, mas não feliz. E quando as coisas ficam difíceis, ela opta por afastar todos que estão ao seu redor e escolhe a raiva ao invés de lutar para as coisas melhorarem.

Porém, apesar de tudo isso, Leah é uma personagem cativante, e quando Matt entra em sua vida é perceptível a mudança em sua maneira de ser e ver as coisas. E não que precisemos de um garoto para nos completar, mas Leah está morrendo, e durante toda sua vida ela foi apaixonada por um único cara que finalmente está em sua vida, ela merece ao menos esse impulso.

Por outro lado, Matt é um garoto sonhador, mesmo que tenha perdido seu pai a pouco tempo, seu irmão há menos tempo ainda, e que sua mãe esteja quase em depressão, ele não desiste da vida. Ele usa a raiva por tudo que aconteceu como um impulso para seguir em frente. Acredita que seu irmão jamais se mataria, e é com essa crença que ela vai atrás da verdade e jura que nunca vai parar de procurar o que realmente aconteceu a Erick. Ao se aproximar de Leah, ele tem medo. Não quer perder mais ninguém em sua vida, mas ao mesmo tempo ele prefere estar ao lado dela poucos dias do que não estar nenhum. E juntos eles formam um casal que se completa em cada detalhe, e é o amor que eles tem um pelo outro que vai dar forças para os dois quererem continuar vivendo.

Eu me apaixonei por esse história porque sou bastante sensível quando se fala em família. E a autora trabalha muito bem todos os aspectos. Desde os momentos de luto, até os momentos de altas emoções. Não há cenas forçadas, vimos coisas como o amor, a amizade, o perdão, a superação, acontecer. Não é como se esses sentimentos surgissem do nada, tem todo um desenvolvimento e eu gosto muito disso. Não há leitura melhor, mesmo que um livro jovem, quando se é bem trabalhado toda o trama que o autor decide criar, e em Eu e Esse Meu coração a autora foi incrível em sua escrita, não deixando nenhuma ponta de fora.

“Então, por favor, prove que a minha médica está certa. Prove que se preocupar é uma condição humana. Inscreva-se para ser doador, de modo que outros lá fora possam experimentar a arte de fazer o amanhã. E, enquanto você estiver vivo, seja criativo com sua própria vida. Você só tem uma. Faça com que ela seja importante. Viva, não como se você fosse morrer amanhã, mas como se o amanhã fosse uma promessa.”

Uma mensagem muita bonita que o livro nos traz é sobre ser doador. Dar a chance de outros poderem viver, mesmo que seja difícil, às vezes, para algumas pessoas saberem que os órgãos de seus entes queridos estão em outras pessoas, é importante saber que a morte de alguém que você tanto ama, pode salvar a vida de muitos outros. Esse é um grande problema para a mãe de Matt, ela sempre foi contra a doação de órgãos, mas é emocionante ver ela aprendendo o quanto isso é especial. É sempre bom deixar as pessoas que estão em sua volta cientes de que você é um doador. Eu sou, e acredito que depois que eu morrer, não vou levar nada comigo, então porque não ajudar quem precisa?! Essa foi a melhor mensagem que C. C. Hunter deixa para nós, seja doador, salve vidas.

EU E ESSE MEU CORAÇÃO

Autor: C. C. Hunter

Tradução: Denise de Carvalho Rocha

Editora: Pensamento

Ano de publicação: 2018

Leah MacKenzie, de 17 anos, não tem coração. O que a mantém viva é um coração artificial que ela carrega dentro de uma mochila. Com seu tipo sanguíneo raro, um transplante é como um sonho distante. Conformada, ela tenta se esquecer de que está com os dias contados, criando uma lista de “coisas para fazer antes de morrer”. De repente, Leah recebe uma segunda chance: há um coração disponível! O problema é quando ela descobre que o doador é um garoto da sua escola – e que supostamente se matou! Matt, o irmão gêmeo do doador, se recusa a acreditar que Eric se suicidou. Quando Leah o procura, eles descobrem que ambos têm sonhos semelhantes que podem ter pistas do que realmente aconteceu a Eric. Enquanto tentam desvendar esse mistério, Matt e Leah se apaixonam e não querem correr o risco de perder um ao outro. Mas nem a vida nem um coração transplantado vem com garantias. Quem diria que viver exige mais coragem do que morrer?

Colaboradora do Resenhando Sonhos.

25 anos, Técnica em Química e apaixonada por livros desde que me conheço por gente!