A Identidade Secreta dos Super-Heróis – Brian J. Robb

A Identidade Secreta dos Super-Heróis, de Brian J. Robb, explora o fenômeno dos maiores protagonistas de histórias em quadrinhos passando por suas origens, diversas quedas e ascensões e até o seu grande “boom” de adaptações cinematográficas do século XXI. A obra foi trazida ao Brasil pela editora Valentina em 2017.

SOBRE O LIVRO

O universo fantástico dos super-heróis passou por momentos de crises, quedas e ascensões desde a primeira aparição do Super-Homem em 1938. Períodos históricos importantes como a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria foram realidades tanto para os leitores quanto para o universo dos quadrinhos, trazendo em sua bagagem heróis que representam tanto a vida mundana quanto sátiras e críticas em um mundo caótico, cada qual a seu tempo.

Desde as primeiras aparições, centenas deles foram criados, desconstruídos e reinventados para novas gerações dos fãs, desde aqueles trazidos por pequenas editoras independentes até os mais famosos heróis das gigantes Marvel e DC Comics.

“Olha, eu mal posso esperar até termos nosso próximo caso. Aposto que será fantástico!”

Além de alimentar a curiosidade dos fãs a cada capítulo, a obra proporciona milhares de novas descobertas, desde as origens de diversos heróis, à apresentação daqueles esquecidos, e que não foram contemplados por algumas gerações. O apanhado histórico da evolução destas figuras foi organizado e dividido em cinco partes: 1) Origens: o início de tudo; 2) Crise: o excesso de gibis lançados ao mesmo tempo de forma caótica e a restrição devido ao Comics Code Authority; 3) Excelsior: O “boom” da Era Marvel; 4) Confusão: “super-heróis ou anti-heróis” e, por último, 5) Dominação: a expansão para as telas.


MINHA OPINIÃO

Vale destacar desde o início que um dos pontos mais bem explorados pela obra se baseia nos ingredientes que compõem os super-heróis dos quadrinhos americanos. Um exemplo seria o fato de a maioria deles ter um começo de vida fora do comum, ou são atingidos por tragédias pessoais ou até mesmo como uma fuga de sua própria realidade; a ligação entre estes aspectos é contada como um paralelo a tempos de economia turbulenta que a América enfrentava.

No entanto, é curioso destacar o fato de que houve uma “pré-história” para os super-heróis, vindos dos “penny dreadfuls”, uma literatura barata da era vitoriana que era vendida a um centavo de dólar (penny), com histórias contadas semanalmente sobre aventuras e casos policiais violentos. Outro ponto interessante seria o paralelo traçado entre os super-heróis e suas supostas origens em Deuses Gregos e Romanos, derivando seus poderes, nomes e habilidades, bem como suas funções sociais.

“Com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades…”

Além de tratar dos aspectos fantásticos o autor relata fatos acontecidos no mundo real, concomitantemente às aventuras dos heróis. Algumas delas revelando explicações para alguns pontos interessantes a leitores e colecionadores, como por exemplo o que tornou alguns dos títulos tão raros? Em suma, o autor atribui como explicação a economia de papel durante a Segunda Guerra, fazendo com que vários dos exemplares fossem reciclados e eliminados. Durante esse mesmo período, tem-se destaque para humanização dos heróis, trazendo ao seu universo perdas, conflitos internos e o patriotismo, sendo o maior exemplo destes, a criação do Capitão América.

Outra curiosidade sobre a época foi o Comics Code Authority, responsável por impor regras e censura aos temas dos quadrinho, o que trouxe uma era onde os super heróis já não eram bem vistos e assim abrindo espaço para uma nova cultura de gibis de temas variados, como o terror e até mesmo personagens já tão conhecidos como Mickey, Pato Donald e demais personagens da Walt Disney.

Além destes, outros diversos fatos contam ao leitor uma história construída ao longo de centenas de anos: a troca de editores, a luta pelos direitos autorais, os relatos sobre o preconceito e até mesmo o espaço da mulher no mundo, o que cria a discussão sobre o papel dos heróis e da ficção como um todo na sociedade e até mesmo na economia, trazendo sua linha histórica como um relato fiel de tempos adversos.

Para os fãs de quadrinhos a obra é uma espécie de compilado essencial para que vários aspectos sejam compreendidos de forma clara e a relação com seus personagens favoritos se torne ainda mais íntima. A leitura é bem fluída e a edição está muito bonita. Mesmo sendo um texto informativo e não ficcional, não há grande dificuldade na hora de navegar pelas páginas. Mas, já aviso pra vocês, mantenham muitos post its a mão, pois há muita coisa legal a ser marcada e ressaltada na obra.

Mas, é melhor pararmos por aqui, antes que os maiores mistérios da história sejam revelados sem o consentimento de seus donos, afinal, todo mundo adora um bom disfarce ;)

thumb_livro

4estrelasb

A IDENTIDADE SECRETA DOS SUPER-HERÓIS

Autor: Brian J. Robb

Editora: Valentina

Ano de publicação: 2017

Do Super-Homem aos Vingadores, a evolução das lendas dos quadrinhos. A primeira aparição do Super-Homem em 1938 foi um momento sísmico na cultura pop mundial. Desde então, centenas de super-heróis foram criados, desconstruídos e reinventados para novas gerações de fãs de revistas em quadrinhos, especialmente os ícones da DC, Batman e Mulher-Maravilha, e os X-Men e Vingadores, do Universo Marvel. Você sabia que o Capitão América surgiu socando Adolph Hitler em sua revista de estreia? Que vários elementos da mitologia do Super-Homem, como a kriptonita — seu ponto fraco — e o amigo Jimmy Olsen, vieram do seriado de rádio e só depois foram incorporados aos gibis? Que a famosa minissérie Guerras Secretas, da Marvel, foi criada por encomenda para lançar uma linha de brinquedos e que foi publicada no Brasil completamente adulterada e mutilada? Esses e outros segredos guardados a sete chaves pelos personagens das HQs estão em A Identidade Secreta dos Super-Heróis. Nesta ampla e fascinante exploração do fenômeno dos heróis dos quadrinhos, Brian J. Robb mapeia a ascensão dos super-heróis americanos, do auge inicial na era da Grande Depressão em gibis descartáveis ao renascimento brilhante nos blockbusters mais populares do cinema do século XXI.

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Estudante de Direito, 20 anos, mineira, mora em Belo Horizonte e ama o universo literário.