A Leitora (Mar de Tinta e Ouro #1) – Traci Chee

A Leitora é o primeiro livro da série Mar de Tinta e Ouro, da autora Traci Chee. A publicação é de 2017 pela Plataforma 21.

Sobre o Livro

Sefia percorre Kelanna na companhia da velha Nin, desde muito pequena. Seus pais foram mortos e aqueles que o fizeram também estão atrás dela e de algo que ela carrega. Um objeto retangular que Sefia sequer mexeu em todos esses anos, mas que sabe que precisa proteger.

Em Kelanna as histórias não são registradas com palavras, e sim passadas de boca a boca, de geração pra geração, sem que nada seja escrito. Em uma dessas tantas histórias, um objeto misterioso e poderoso é mencionado. Algo capaz de conceder poder, se decifrado: um livro.

“Livros são objetos curiosos. Eles têm o poder de aprisionar, transportar e, se você tiver sorte, até transformá-lo.”

Mas o que será que esse objeto pode realmente fazer e porque ele é uma lenda, se parece algo tão simples que a jovem Sefia carrega há tanto anos. E, o mais importante, quem são as pessoas que a caçam insistentemente para por as mãos nesse livro?


Minha Opinião

Esse livro tem dois pontos fortes: o primeiro é que a premissa é sensacional. Pra nós que somos leitores ávidos e consumimos palavras não só nos livros, mas em nosso dia a dia, por ser algo intrínseco de nossa cultura há tantos anos, é fascinante pensar em um mundo sem palavras, sem registro. Tudo o que se sabe é passado de pessoa a pessoas, sem nada posto no papel, sem sequer um conjunto de elementos para que isso acontecesse.

Ainda dentro da premissa, imagine que mágico que um objeto que pra gente parece casual, fosse portador de um enorme poder, o conhecimento. E que nem todos talvez fossem capazes de lê-lo. Algo que a autora faz bem em seus questionamento é levantas a seguinte pergunta: será que somente aquele objeto é “livro”? Será que nós, pessoas com histórias, com desdobramentos, com conhecimento, portadores de tantas memórias não somos algo assim também dentro de nossa própria linguagem? Achei tudo isso extremamente instigante e interessante.

“Você é mesmo leitor, ou você é lido?”

A segunda coisa é a forma como pequenos enigmas são escondidos ao longo do livro. Não deixe nada passar batido, há mistérios em todo o lugar. Partes apagadas, manchas nas páginas, palavras que se formam através de destaques nas páginas e palavras escondidas junto a contagem de páginas. Pra isso, acho que vale a pena parabenizar a tradução e diagramação dessa edição, pois realmente um cuidado a mais foi necessário para que o sentido de tudo isso não se perdesse na hora de migrar o livro para o nosso idioma.

“Mas o livro era a chave, e ela sabia que, se conseguisse apenas descobrir como usá-lo, seria capaz de abrir a porte e ver – realmente ver – a magia que se agitava em correntes invisíveis, além do mundo que ela experimentava com os ouvidos, a língua e a ponta dos dedos.”

Já a história em si, pra mim, teve alguns problemas, mas nada que tirasse o brilho do foco central da trama. Sefia não tem nem sempre as mais inteligentes ideias, mas pelo menos não é a típica garota (ou garoto) dos livros de fantasia que quando descobre algo incrível automaticamente se torna a mais esperta e foda do livro. Seu crescimento é gradual nesse sentido e ela comete seus erros. Seu problema está em ter posturas que promete não ter e seguir por caminhos que não deveria, dando um tom de: é sério que ao invés de seguir os bandidos você vai seguir eles e ficar ainda mais fácil de ser capturada? Então.

O Arqueiro é um garoto “assassino” que surge logo no início do livro e acaba por conquistar nosso carisma, há algo nele de frágil que o deixa mais suscetível a ser adorado do que a própria protagonista. Ele tem uma leve evolução ao longo do livro, mas não sou a maior fã de como ele termina essa história. Aliás, achei bem sacana de todas as partes envolvidas e preferiria que algo que aconteceu na verdade perdurasse, pois faria até mais sentido ao personagem.

Outro nome que tem seu destaque é o do Capitão Reed. Ele navega o Corrente de Fé e é responsável por histórias muito legais dentro da narrativa. A forma como a sua trama se entrelaça com a principal também é interessantíssima e sequer parece algo possível num primeiro momento. Andamos em linhas temporais diferentes aqui, indo do presente para histórias do passado e isso ajuda a conduzir o peso da importância desse “livro” –  dentro do livro -, que nos conta outras histórias.

“Será que qualquer coisa poderia ser um livro, se você soubesse como lê-la?”

Eu acho que a história poderia ter acabado um pouco antes do ponto exato, para criar um pouco mais de clímax. Fiquei com a sensação que dar esse passo adiante não foi tão instigante quanto ter parado um pouco antes. Há certas incongruências na história, de posturas ou explicações que ainda não fazem completamente sentido, mas esperemos que sejam resolvidas com os próximos volumes.

Fiquei curiosa por desbravar um pouco mais desse mundo, porque ainda há muito o que ser explorado. São vários continentes e um dos principais deles ainda nem foi verdadeiramente desvendado ao leitor, mesmo que seu conflito já nos tenha sido apresentado. Com isso há muito o que ser trabalhado numa estrutura que parece bem ampla. O mapa de A Leitora é lindíssimo e só por ele já temos vontade de conhecer todos os lugares.

Quando eu vi a capa do livro, achei que ela fosse vazada, mas não. Apesar de uma possível confusão sobre todos os elementos nela expostos, acaba que faz sim bastante sentido como complemento à história. E, como já mencionei, há muito mais detalhes escolhidos nessa edição do que um primeiro olhar, então é um daqueles livros para ter em mãos.

A Leitora foi uma leitura instigante e diferenciada pela forma como apresenta algo que nos é tão comum, como algo verdadeiramente mágico, porque há magia incrustada em cada nova página virada do livro, seja o real ou o ficcional. Para um leitor, o mundo dos livros sempre possuiu essa magia, mas para aqueles que desconhecem isso, é muito interessante conhecer todo o processo de descoberta. Para fãs de fantasia e apaixonados por livros, eis aqui uma obra a ser lida.

A LEITORA

Autor: Traci Chee

Editora: Plataforma 21

Ano de publicação: 2017

Era uma vez um mundo chamado Kelanna. Um lugar tão maravilhoso quanto terrível, onde ninguém sabia ler. Lá, as histórias não eram registradas em papel como esta que você está prestes a ler, elas eram simplesmente transmitidas de geração a geração. Em uma dessas lendas, falava-se de um objeto misterioso que guardava a maior magia que o povo de Kelanna já conheceu: o livro. Quem soubesse interpretá-lo teria acesso a um poder inimaginável.
Após o assassinato de seu pai por uma organização misteriosa, a jovem Sefia recebe de herança um estranho objeto retangular, que pode ser a chave para desvendar seu passado. Para isso, ela precisará aprender a decifrá-lo para entender o que o torna tão valioso e se tornar uma leitora.
Magia e grandes perigos, como o terrível Flagelo do Leste e sua famosa frota de piratas, cruzarão seu caminho. Mas você se engana se acha que Sefia enfrentará tudo sozinha…

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Thais M. Costa

    Que tirooo de resenha, as fotos são linda. Eu tenho esse livro que veio na caixa do turista mas não acredito que ainda não li . Sua resenha me deu muita vontade de ler . Amei a premissa da história tbm Vou ler correndo. bjus

  • Carol Mendes

    Não conhecia o livro, mas essa premissa é bem interessante mesmo. Ultimamente não to na vibe de livros desse gênero, mas confesso que bateu uma curiosidade já que é algo que nós, leitores, nos identificamos.
    Espero poder conferir em breve, já que sua resenha foi bem positiva.
    E que edição maravilhosa é essa, gente? Amei!

  • Gabriela Souza

    Oi, Tami! Não sei se fui eu quem não entendeu, ou se a frase “é sério que ao invés de seguir os bandidos você vai seguir eles e ficar ainda mais fácil de ser capturada?” não fez muito sentido.
    Enfim, achei bem interessante a proposta do livro. Um lugar onde não existem histórias escritas é realmente bem diferente e instigante. A edição do livro ta maravilhosa! Beijoss

  • Samuel

    Olá, Tami. Eu vi sua resenha em vídeo e vim conferir a escrita. Gostei bastante da premissa. O tema e a história parassem bem interessantes, fora que essa capa é incrível. Já procurei adquirir por e-book, pois é a minha cara o livro. Xo

  • Amanda Barreiro

    Nossa que livro lindo! Fiquei bem curiosa com essa proposta “metalinguística” de um livro que fala sobre um livro, rs. Realmente, tudo contém uma história, logo, tudo poderia ser “lido”. É uma reflexão bem inteligente e interessante. Concordo que seria bem estranho viver em um mundo sem escrita, algo que estamos tão acostumados.
    Beijos!

  • Natália Costa

    Vi resenha no Estante Diagonal deste livro esta semana e achei interessantíssimo! Me deu muita vontade de ler, muita curiosidade mesmo. Espero ter a oportunidade em breve! :)
    Bjosss

  • Leticia

    Adorei a resenha! E essa capa ganhou meu coraçao <3

  • Camila Rezende

    Primeira coisa que chamou minha atenção foi a capa.
    Quando comecei a ler a sinopse e vi que se tratava de um livro sobre um livro fiquei super curiosa.
    Depois de ler a resenha minha curiosidade so aumentou. Uma das coisas que me chamou a atenção foi o fato da protagonista crescer no decorrer da estória.
    Mais um livro pra minha lista

  • Samanta Samy

    Quem está querendo esse livro com todas as forças?
    Eu mesma!
    Li uma resenha sobre ele tem um tempinho e fiquei super interessada, agora então…
    Vou dar uma olhada no Amazon.

  • Franciele Débora

    Eu não conhecia esse livro e achei bem interessante a premissa e a trilogia parece render uma ótima leitura. Adoro livros que contem mapas e ilustrações, é algo que me encanta! Adoro esse gênero e essa série promete, vou inserir na minha lista de desejos (que só cresce cada vez mais) e tentar lê-lo o mais rápido possível.
    Gostei de sua resenha, beijos.

  • Carolina Oliveira

    Interessante! Lendo sua resenha pensei que me apaixonaria pela história pois a premissa realmente é intrigante, mas nao sei se é pelo fato de ser trilogia, mas no final nao me senti cativada. Aguardarei as proximas resenhas pra ver se fico mais interessada.