A Melodia Feroz – Victoria Schwab

A Melodia Feroz é o primeiro livro da duologia Monstros da Violência, da autora Victoria Schwab. A publicação é de 2017 pela editora Seguinte.

Sobre o Livro

Na Cidade V os monstros andam entre os humanos. Em uma divisão entre Norte e Sul que delimita não só o local mas também duas facções, a paz reina de forma muito precária. Com a ameaça de que a trégua estabelecida há 6 anos possa se romper a qualquer momento, tanto Harker ao Norte, quanto Flynn ao Sul se prepararam para uma possível guerra, pois os monstros não tem sido fácil de controlar. Os Corsais e Malchais tem pressionado cada vez mais os limites, desafiando os seus líderes e colocando a suposta paz em risco.

Enquanto a cidade está no limite tudo o que Kate quer é voltar para casa e estar ao lado do pai, Collum Harker, o líder do Norte. Tendo sido afastada por ele ela deseja de toda forma conseguir a atenção e também conquistar o legado daquele que controla meia cidade. Sua volta, no entanto, não será a solução de seus anseios e ela terá que ir mais longe pra alcançar o reconhecimento que deseja.

“Muitos humanos são monstruosos, e muitos monstros sabem se fazer de humanos.”

Do outro lado está August Flynn, o filho mais novo do líder do Sul e também um monstro. Ele sempre foi mantido em segredo, para que os inimigos não conhecessem sua identidade. Com a chegada de Kate uma missão lhe é dada: ele deve ir a escola se passando por humano e ficar de olho nela, pois tê-la ao alcance pode ser útil caso a trégua venha a ser derrubada. O que ambos não sabem é que a trama que certa seus pais e os acordos firmados por eles vai muito além da superfície, assim como eles também podem não ser os únicos dando as cartas nesse jogo.


Minha Opinião

Depois de duas outras tentativas, finalmente com a terceira Victoria Schwab engatou um livro no meu hall de queridinhos. Minhas experiências prévias com A Guardiã de Histórias e Um Tom Mais Escuro de Magia não tinham sido tão positivas, mas A Melodia Feroz cumpriu muito bem o seu papel com um background diferenciado, uma premissa instigante e personagens que cativam e conduzem bem o leitor do início ao fim.

Sem dúvida o grande destaque aqui é para a construção do universo que a autora propôs. O mundo sucumbiu à violência e ela passou a cobrar o seu preço. A cada novo ato um monstro surge como resultado, e com ele um resquício do instinto que o criou. Com isso as coisas saem do controle, pois monstros e humanos entram em confronto e a humanidade passa a ser ameaçada pelas criaturas. O que a princípio poderia gerar confusão, que eram os tipos de monstros a serem apresentados e uma extensa explicação foi facilmente solucionado com as três espécies apresentadas.

“Bem ou mal eram palavras frágeis. Os monstros não ligavam para intenções ou ideais.”

Os Corsais vivem no submundo e se alimentam de carne e ossos, os Malchais andam pelas ruas atrás de sangue e o terceiro e mais raro dos tipos, os Sunais, se alimentam da alma daqueles que sua melodia toda. Sim, música. Outro elemento inserido aqui de forma muito positiva. Essa forma de arte é algo tão doce quando comparada a sua ligação dentro da história. Os monstros nascem da violência e até mesmo os Sunais que são criados em um tipo diferente, acabam por derivar dela, mas são ligados a algo tão importante como a música.

Essa ligação ou a forma como cada uma das raças reage é diferente de monstro para monstro, mas eles possuem suas características determinantes dentro de cada nicho, estabelecendo regras claras e não criando confusão.

Outra coisa que é interessante é que mesmo com o cenário inicial de escola, com Kate e August, a trama não se prende a isso, apenas introduzindo algo mais grandioso que está por vir. Se tivéssemos permanecido muito tempo na vibe “high school” tenho certeza que um pedaço da magia teria se perdido. Vale ressaltar também algo que pra mim é muito importante: a relação dos dois narradores não é de romance. Pelo menos não nesse primeiro livro. O vínculo que é criado primeiro surge das diferenças, dos lados opostos e depois parte de que ambos querem a mesma coisa, paz. Só isso também tira um grande peso da história, pois os dramas juvenis diminuem drasticamente com isso fora de cena.

“Não haviam regras, não havia limites; os culpados e os inocentes, os monstros e os humanos… todos pereciam.”

Apesar dos protagonistas jovens a pauta do livro é bem mais adulta, há uma rebelião se levantando e uma guerra prestes a estourar. Nenhum dos líderes sejam do lado bom – Sul, com Flynn – ou mal – Norte, com Harker, está dando conta de manter seus monstros sob controle. Aqueles que os cercam tem opiniões diferentes sobre conduzir isso e é muito interessante ver que enquanto olhamos para um ponto central há várias outras coisas se desenrolando.

Kate pode não ser a personagem mais fácil de se gostar em um primeiro momento. Ela quer chamar a atenção pois quer que o pai a note e voltar para a cidade dela é seu principal objetivo. Estando lá ela ainda precisa moldar o seu lugar e mesmo o pai não sendo flor que se cheire a garota não herdou isso ou o estômago frio de Callum Harker. Por mais que seja durona, aquilo que ela faz lhe custa um preço. Na outra ponta temos August, um personagem que parece ingênuo e inocente em um primeiro olhar mais que cresce consideravelmente a partir do momento em que pode sair do casulo onde é mantido. Ele é sem dúvidas o meu favorito nesse livro.

As únicas duas coisas que me impediram de dar cinco estrelas pra essa história foi, em primeiro lugar, a forma como ela termina em relação aos dois protagonistas, pois se assemelha muito com a mesma fórmula já usada em Um Tom Mais Escuro de Magia, dadas as devidas proporções já que os mundos e a história é diferente. E em segundo é a já clichê metáfora do cigarro. Isso já foi tão usado e batido desde seu mais conhecido uso recentemente em A culpa é das estrelas e tantos outros que vieram depois que já é um estraga prazer ver isso inserido nas histórias. É um detalhe mínimo que não chega a atrapalhar o andamento da história, mas assim como não faz diferença estando ali, porque a necessidade então?

“Não fomos feitos para querer. Isso não está em nossas mãos.”

A narrativa em terceira pessoa da autora aqui, assim como também encontrei nos outros livros é leve e muito fácil de ler. O mundo e as regras que ela cria em sua história são facilmente apresentadas ao leitor sem confusão e de forma leve, fazendo com que estejamos contextualizados em sua trama facilmente. Apesar das quase 400 páginas o livro foi muito rápido de ser lido e essa capa está muito bonita. Por essa história ser uma duologia já ficamos ansioso com o desfecho que já se encerra no próximo livro e estou muito empolgada para conferir.

A Melodia Feroz apresenta um mundo diferente e original, com pitadas na medida certa de ação e mistério. A violência e a música, uma combinação a princípio estranha, se encaixa perfeitamente e nos proporciona um livro instigante e surpreendente. A duologia Monstros e violência certamente tem tudo pra entrar na lista dos favoritos.

A MELODIA FEROZ

Autor: Victoria Schwab

Editora: Seguinte

Ano de publicação: 2017

Kate Harker e August Flynn vivem em lados opostos de uma cidade dividida entre Norte e Sul, onde a violência começou a gerar monstros de verdade. Eles são filhos dos líderes desses territórios inimigos e seus objetivos não poderiam ser mais diferentes. Kate sonha em ser tão cruel e impiedosa quanto o pai, que deixa os monstros livres e vende proteção aos humanos. August também quer ser como seu pai: um homem bondoso que defende os inocentes. O problema é que ele é um dos monstros, capaz de roubar a alma das vítimas com apenas uma nota musical. Quando Kate volta à cidade depois de um longo período, August recebe a missão de ficar de olho nela, disfarçado de um garoto comum. Não vai ser fácil para ele esconder sua verdadeira identidade, ainda mais quando uma revolução entre os monstros está prestes a eclodir, obrigando os dois a se unir para conseguir sobreviver.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Isabela Carvalho

    Oi Tamirez :)
    Estou tão doida ora ler esse livro, desde que a Ed. Seguinte anunciou o lançamento!
    Acho essa capa magnífica, e pelo que li parece ser uma história diferente. Adoro quando tem protagonistas jovens mas com temática mais adulta.
    Acho que vou gostar bastante *-*
    Bjos

  • Natália Costa

    Monstros, como não amar? hahahaha
    Gostei muito da resenha, e acho muito legal livros que os autores criam um mundo totalmente novo, cheio de seres e história própria!

  • Ramon Barbosa

    Muito boa a resenha. Admiro muito autores com essa capacidade de criar mundos, raças e espécies, tipo Jk Rowling e J R R Tolkien.

    Simplesmente genial !

  • Gabriela Souza

    Oi Tami! Como fã de fantasia, já amei o livro! To louca pra conhecer mais o mundo que a autora criou e ajuda bastante saber que não tem romance. To curiosa pra saber se vai acontecer a rebelião. E que bom saber que é um livro rápido de ler. Beijos

  • Lara Caroline

    Oi Tami, tudo bem?
    Eu adoro fantasia, mas nunca li uma contemporânea e morro de vontade. Que pena que você não curtiu os primeiros livros da autora, eu tenho muita vontade de ler Um Tom Mais Escuro de Magia, e este já entrou para a minha lista de desejados também.
    Beijos

  • Bruna Prata

    Minha lista dessa autora só aumenta, mas, tenho uma vontade absurda de ler Um Tom Mais Escuro de Magia, tudo naquela ambientação me encanta.
    A capa desse livro está arrasadora, sem falar nesse conflito de “bondoso e maldoso”, super interessante.

  • rudynalvacorreiasoares

    Oi Tamirez!
    Achei que o enredo de fantasia foi bem construído, atrave´s de seus monttros e da tecnologia utilizada.
    Ver monstros bem distintos e de fácil identificação ajuda na trama.
    E ver que eles tem tipo uma ‘arma secreta’ caso tudo dê errado, é genial.
    Fiquei bem interessada e cheguei a ler o primeiro capítulo disponibilizado pela editora e quero concluir a leitura.
    cheirinhos
    Rudy

  • Para começar a capa deste livro me chamou a atenção, achei bem bonita, e depois por ser uma duologia, o que facilita a leitura, sem duvidas pretendo ler a duologia Monstros e violência, adicionei Melodia Feroz em minha lista de leituras.