Minha Vida Fora dos Trilhos – Clare Vanderpool

Minha Vida Fora dos Trilhos é da autora Clare Vanderpool, lançamento de 2017 da Darkside Books.

Sobre o Livro

Abilene Tucker tem 12 anos e viveu a vida toda com o pai. Porém, depois de um incidente com um machucado, que a deixou de cama por alguns dias, Gideon resolve que é hora da filha ter uma vida mais regulada e não ao lado dele em seu trabalho. Ele a manda então para Manifest, uma pequena cidade onde ele tem conhecidos, para que a garota passe o verão.

Abilene vai ficar na casa do Pastor Shady, que é uma mistura de igreja, local de reuniões e moradia, e também vai conhecer várias pessoas do local, como a adorável Hattie Mae, colunista do jornal com seu “suplemento de notícias, e duas meninas que vão se tornar suas amigas.

“Eles penam que escondem o ódio atrás de uma máscara (…) , mas está lá pra todo mundo ver.”

Porém, o que vai intrigar realmente a menina é uma caixa que ela encontra escondida no mezanino que virou seu quarto. Nela existem objetos e cartas trocadas por dois meninos, há 20 anos. Ned foi para a guerra e Jinx ficou em Manifest, mas o que realmente a intriga é um possível espião mencionado nas correspondências. Ela então parte com suas amigas para desvendar esse mistério, enquanto tenta também encontrar pistas de seu pai, que teoricamente viveu em Manifest. E, com dificuldade, aplacar aquela dúvida que mora em seu coração: será que o pai realmente virá buscá-la quando o verão acabar?


Minha Opinião

Minha Vida Fora dos Trilhos é o primeiro livro escrito por Clare Vanderpool, que já havia sido publicada em 2016 no Brasil com Em Algum Lugar nas Estrelas. Como eu não li o outro livro, mas ouvi coisas bem positivas, resolvi embarcar nessa viagem ao Kansas e acompanhar Abilene em sua aventura. A história não foi tudo o que eu esperava, mas também não vem para decepcionar.

Pense em uma boa garota, esperta, vivaz, inteligente e disposta. Essa é Abilene Tucker. Uma menina que sempre tenta tirar o lado bom das coisas, sem perder a sagacidade da idade. E por isso é fácil se apegar a ela e a compreender os seus anseios. Por mais que ela vivesse com o pai, ele não era exatamente aberto para contar muitas histórias. Então, quando ela é enviada a Manifest, duas coisas florescem nela: a primeira é que ela vai conhecer mais sobre Gideon, pois devem haver “pegadas” dele pelo lugar; e a segunda é que quanto mais procura e anseia por isso, mais descobre que sabe tão pouco sobre aquele que mais ama e é sua única família.

Mas o ponto de vista de Abilene é só um dos quatro que temos nessa narrativa. Em primeiro plano temos sim Abilene, em 1936, vivendo sua nova vida, mas intercalado a isso há a apresentação das cartas trocadas entre Ned e Jinx em 1917, recortes das colunas de jornal de anúncios e do suplemento de notícias de Hattie Mae e, por último, uma narrativa no passado, nos contando a história também dos garotos que Abilene fica tão fascinada. Esses quatro momentos vão se interligando e se fechando em volta de uma só história que envolve a todos eles.

Nesse passado, quem tem protagonismo é Jinx, um menino forasteiro que chegou a Manifest fugindo de algo e logo fez amizade com Ned, antes de ele partir para a guerra. Os dois então passam a trocar as correspondências, que 20 anos depois serão encontradas por Abilene. A questão é que Jinx tem um passado conturbado e, como forasteiro, não é bem visto na cidade, se envolvendo em algumas complicações.

Mas minha personagem favorita não é nem Abilene nem Jinx, e sim a “vidente” da cidade. Ela que sempre foi mal vista, é uma das responsáveis por posicionar as peças dessa história no lugar, e sua conclusão foi a que mais me tocou.

Algo que une essas duas épocas é o cenário de guerra e incerteza. Manifest é uma cidade pobre e todos os seus moradores dividem as dúvidas do que há por vir. Nessa situação há um sentimento de união e apoio que é necessário para a sobrevivência de todos. Esse ar de cidade pequena também é bem característico, já que mesmo os considerados “ricos” são na verdade pobres com um pouco mais. No fim do dia a falta de agua, a escassez de comida e o confronto que os cerca pode chegar para todos.

Porém, mesmo a história sendo bonitinha e com seus bons momentos, foi um daqueles casos onde eu não consegui me apegar ou achar um ponto de identificação que me afeiçoasse ao que estava lendo. A narrativa é fluída depois que você entra pra dentro da trama, mas ainda assim faltou algo pra mim dentro dessa história. As coisas caminham em uma direção e é pra lá que elas vão, não há uma grande surpresa ou reviravolta, é realmente uma história simples. E, vejam bem, esse não é um problema. Há várias nesse estilo que já me cativaram e viraram queridinhas pra mim, como por exemplo A Vida do Livreiro A. J. Ficky, que não tem absolutamente nada demais e mesmo assim conseguiu me inundar de sentimentos, coisa que aqui não acorreu. E, como já mencionei, o único momento que fui tocada, foi com o desfecho da vidente, que nem parecia estar tão centralizada na história, apensar de peça importante.

“Eu achava que sabia algumas coisas sobre as pessoas. Tinha até a minha lista de universais. Mas agora estava em dúvida. Talvez o mundo não fosse feito de universais que podiam ser arrumados em pacotinhos perfeitos. Talvez só tivesse pessoas. Pessoas que estavam cansadas, magoadas e sozinhas, da sua própria maneira e no seu próprio tempo.”

A edição, no entanto, está bem bonita como sempre. Ela trabalha essa coisa do antigo e também dos trilhos de trem que são uma parte relevante dentro da narrativa. Gostei bastante da vibe de recortes e também dentro, quando os personagens são presentados, que normalmente é um lista com o papel de cada um, aqui há uma diagramação diferenciada que deixa a experiência mais legal.

Mesmo assim não desanimei e ainda quero ler Em Algum Lugar nas Estrelas, que teve uma receptividade bem bacana e sei que tocou muitas pessoas. Minha Vida Fora dos Trilhos é uma leitura agradável, mas que não foi muito além disso pra mim e que passou sem deixar aquela marca que nós leitores tanto ansiamos.

MINHA VIDA FORA DOS TRILHOS

Autor: Clare Vanderpool

Editora: Darkside Books

Ano de publicação: 2017

Abilene Tucker, tem apenas 12 anos, mas é corajosa e impetuosa o suficiente para encontrar aventuras na pequena cidade de Manifest, Kansas, um fim de mundo para onde seu pai a enviou de trem a fim de passar o verão sob a tutela de um velho conhecido enquanto ele trabalha em uma ferrovia.
O que parecia ser o período mais solitário e entediante de sua vida ganha um novo e surpreendente rumo quando Abilene encontra uma velha caixa de charutos com cartas antigas e pequenas lembranças de outros tempos. Aos olhos curiosos da menina, a caixa se torna uma verdadeira arca do tesouro, onde segredos enterrados conectam dois momentos da cidade. A partir de então, o livro se divide em duas narrativas cronológicas: passado e presente se misturam, daquela maneira mágica que só um bom livro consegue contar.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Samuel

    A Darkside, como sempre, fazendo edições fantásticas. O livro não me parece ter muitas surpresas ou uma grande história, com grandes reviravoltas. Me parece um livro para passar o tempo. Ele parece ser bastante fraco. Pela história, não me interessei, mas essa capa me atrai.

  • Camila Rezende

    Eu tenho o livro Em Algum Lugar nas Estrelas, mas ainda não li.
    Lendo a sinopse desse livro não me animei muito com essa estória.
    Depois de ler a resenha não me animei muito. Não conhecia sobre esse livro e não planejo ler.

  • Leticia

    Nossa, quero tanto todos os lançamentos da Darkside <3 pena que voce nao teve uma experiencia tao boa com esse, que eu sempre achei super amorzinho :/

  • Franciele Débora

    Nossa, adorei a premissa deste livro. Fiquei curiosa pra saber sobre estas cartas e o que elas revelam ao longo da historia, e também saber sobre esse de tal espião. Gostaria de saber sobre esse tal padre que faz bebidas clandestinas e saber se o seu pai vai vim buscar ela ou se abandonou. Realmente gostei, quero ler logo haha
    Beijos.

  • Amanda Barreiro

    Oi Tudo! É incrível como alguns livros simplesmente não nos tocam né? Aí ficamos com essa sensação de que faltou algo mesmo sem nenhum problema aparente com a história. Uma pena que tenha acontecido isso com você. Quero ler esse livro, espero que ele consiga me transmitir algo. Beijos.

  • Samanta Samy

    Você disse Darkside Books?!
    Quero!!!
    Esteticamente falando, com,o todos os livros dessa editora, é lindo!
    Essas questões que você apontou, como estar faltando algo, entendo bem.
    Senti o mesmo ao ler “O Demonologista” .

  • Thais M. Costa

    Essa edicao da Dark é sensacional. Ja faz tempo que esse lovo ta na minha lista , mas to esperando una boa promoção dele rs.Uma pena que ele nao tw tocou tanto. espero ler ele em breve .

  • Carol Mendes

    Poxa, que pena que não curtiu tanto essa história, mas que bom que ainda pretende ler o outro livro da autora. Eu não conhecia esse, só o outro dela, mas fiquei curiosa pra ler esse, mais até que o Em algum lugar nas estrelas e espero poder fazer a leitura em breve!

    Virando Amor

  • Gabriela Souza

    Oi, Tami! Eu sou apaixonada pelas edições da Darkside, mas ainda não li um livro da editora que eu realmente gostasse da história. Provavelmente com esse livro não seria diferente, já que tu também não se apegou ao livro. Vou deixar essa passar, apesar de ter ficado curiosa em saber o que tinha escrito nas cartas. Beijoss

  • Natália Costa

    Eu não li o Em algum lugar nas estrelas ainda, mas a louca aqui comprou os dois da autora, só pelas resenhas positivas! kkkk
    As edições são lindas, dos dois livros. A darkside arrasa!