Não Vai Acontecer Aqui – Sinclair Lewis

Não Vai Acontecer Aqui é uma sátira política escrita por Sinclair Lewis e vencedora do prêmio Nobel de literatura em 1935. Foi relançada pelo selo Alfaguara, da Companhia das Letras.

SOBRE O LIVRO

Em 1935, os Estados Unidos estão a ponto de eleger um novo presidente, mas o debate entre os candidatos é altamente acirrado e polêmico. Entre os principais nomes ao cargo de comando do Estado, está Berzélius “Buzz” Windrip. Buzz possui uma postura crítica ao atual modelo político e apoia uma reforma imediata. Além disso, promete apoiar as minorias, resgatar a riqueza nacional e elevar a América ao status de Grande Nação. O seu discurso atraí milhares de apoiadores e, mesmo se tornando cada vez mais racista, antissemita e ditador, o candidato vence e assume à Casa Branca.

Porém, nem todo mundo está satisfeito com os rumos que a nação está seguindo. O jornalista Doremus Jussep, que já passa dos 60 anos, já viveu muita coisa para saber identificar discursos políticos carregados de ódio e repressão. E para ele, não demorará muito para a América viver os seus piores momentos, desde a grande guerra. E assim acontece. Poucos dias após assumir o cargo, Buzz passa por cima da constituição americana, introduz um governo totalitário, opressivo e sangrento, funda a força armada MM e traz o caos ao país.

“Não queremos todos esses intelectuais sabichões, todo esse saber livresco. Isso tudo é muito bom ao seu modo, mas acaso não passa, afinal de contas, de um brinquedinho de adultos? Não, o que todos precisamos, se este grande país pretende manter sua elevada posição entre o Congresso das Nações, é de Disciplina – Força de Vontade – Caráter!”

Diante de tanta dor e terror, Doremus é um dos poucos que ainda tem influência suficiente para convencer as pessoas próximas a se oporem ao atual governo e, juntos, conseguir criar um levante para derruba-lo, antes que seja tarde de mais. Mesmo correndo risco de vida e vendo amigos e parentes se rendendo ao Corpoísmo, Doremus decide usar a única arma que tem ao seu dispor para atacar Buzz e que ainda não fora controlada pelo governo: a imprensa. O jornalista sabe que a comunicação com o povo é a sua melhor ferramenta trazer a América de volta aos tempos de liberdade, justiça e democracia.


MINHA OPINIÃO

Em agosto deste ano, os Estados Unidos foi palco de um evento de muito mal gosto e altamente polêmico. Grupo de pessoas saíram às ruas com faixas, tochas acesas, depredando locais e gritando palavras de ordem de cunho racista. Entre outras coisas, gritavam “vidas brancas importam” e “fora judeus, homossexuais, negros e imigrantes”. E o pior de tudo, as declarações sobre o movimento dadas pelo presidente Donald Trump eram vagas, não condenando de forma enfática esses atos racistas e terroristas.

Mas o que isso tem a ver com o livro de Sinclair? Bom, tanto o movimento supremacista quanto o livro, que foi escrito em 1935, coloram em pauta a discussão de algo que já causou grande mal à humanidade e que aparentemente ameaça voltar: o apoio aos movimentos extremistas e fascistas (entre outros). Não é a toa que a obra, há muito esquecida, fora resgatada por críticos e intelectuais e republicada em um momento de grande conturbação política e social, seja na América ou mesmo no Brasil.

“Curar os males da Democracia com os males do Fascismo! Terapia mais esquisita. Já ouvi falar de curar sífilis deixando o paciente com malária, mas nunca ouvi falar de curar malária deixando o paciente com sífilis!”

A trama narrada no livro surgiu como resposta crítica e política ao que estava acontecendo na América naquele ano. Havia pequenos núcleos de pessoas apoiando cada vez mais a implantação de regimes fascistas como única solução de tornar o país grande e rico outra vez. Pra piorar, no ano seguinte ocorreriam eleições presidenciais e, entre os candidatos, havia um que adotava as mesmas ideias, e seu discurso era carregado por racismo, preconceito e medidas extremistas. Sinclair via a tragédia eminente: um país livre como a América estava se abrindo seus braços para abraçar o horror e a morte.

De forma parecida, no livro temos um candidato à presidência, Buzz Windrip, que prega medidas extremas, promete elevar os Estados Unidos á uma grande nação novamente e, que para isso, acha necessário expurgar algumas classes de pessoas da sociedade, entre elas, os judeus. Quando assume o poder, ele ponha em prática suas medidas extremistas, subjuga os não nativos americanos, e o caos começa a reinar. Similar à Hitler e Mussolini, Buzz funda o Corpoísmo, regime que seria o responsável pela morte de milhares de pessoas. À frente do Corpo, está Lee Sarason, o vice-presidente e braço direito de Buzz. Em poucos anos, os Estados Unidos adere aos ideais fascistas,  e milhares de pessoas são mortas.

Em contra partida, Doremus Jusep se vê em um poço sem fundo. Ele acompanha de perto a evolução e ascensão do Corpoísmo e, para seu desgosto, vê familiares seus apoiando e aderindo à mudança. Doremus, que já tinha vivido os horrores da Grande Guerra, não conseguia acreditar que novamente viveria em meio ao sofrimento e dor. Mas a realidade era cruel. A única coisa que podia continua fazendo era publicar o seu jornal e se opor ao atual presidente. Mas ele sabia que seria questão de tempo até a ditadura atingir também os meios de comunicação. Fora assim na Itália, fora assim na Alemanha. Também seria ali.

“Todo homem é rei contanto que tenha alguém a quem menosprezar.”

Algo que achei interessante nesse livro é mostrar como os meios de comunicação, mesmo diante da repressão, ainda podem servir de armas para a população. Um governo pode lutar com armas, facas e bombas, pode até mesmo controlar os meios de produção da informação, mas a comunicação, seja ela verbal ou impressa, e sendo verdadeira, sempre encontra um meio de se propagar. Impressa ou não, a informação tende a se espalhar rapidamente, e isso é algo muito difícil de impedir. Doremus ariscou a vida de sua família e a sua própria. Assumiu riscos que muita gente jamais assumiria. E mesmo assim, se manteve firme. Se havia alguma forma de ajudar a libertar a América, ele ajudaria.

Dessa forma, ele passa dia e noite conversando com outras pessoas, algumas que apoiam o comunismo, mas se opõem ao fascismo, outras que apoiam o fascismo, mas se sentem amedrontadas, e outras que só querem viver, independente de quem governa ou como governa. Reunindo dados sobre o presidente, sua milícia e estrutura, ele incentiva a população a criar uma frente reacionária, um movimento de oposição. Se o povo todo se unisse, o governo logo cairia. Interessante que a oposição usaria o mesmo lema usado pelos fascistas, a de que o povo unido consegue maiores mudanças do que apenas um indivíduo.

Outro ponto muito relevante do livro é mostrar como o regime fascista se transforma ao chegar ao poder. Como as medidas do governo vão se tornando cada vez mais perversas. Campos de concentração foram criados para “limpar” a sociedade, estabelecimentos comerciais foram tomados pelo governo. Uma milícia armada fora criada, a MM, abreviação de Minute Men, mais uma clara alusão à SS nazista e também aos Camisas Negras italianos. No livro, essa milícia no início serviria apenas para apaziguar o povo, mas com o tempo ganha treinamento e recursos militares. Escolas de formação são criadas e assim um novo exército. Ele seria muito útil para possíveis guerras que seriam desencadeadas, já que para Buzz, era direito dos Estados Unidos se tornar um imenso império e tomar para si as terras do México e também de toda a América do Sul.

“Ora, a América é a única nação livre da Terra. E digo mais! O país é grande demais para uma revolução. Não, não! Não poderia acontecer aqui!.”

O livro dá uma grande aula sobre regimes políticos e o quando eles podem ser prejudiciais à sociedade. O discurso de “elevar a nação”, “juntos somos invencíveis” e “limpar a sociedade” sempre permeiam os ditadores, adeptos do fascismo e extremistas. Além disso, para eles, o Estado também precisa ter o controle de tudo, pois o menor descuido pode significar a ruína desses reinos. O que dá para absorver com o livro, entre as várias lições, claro, é que a liberdade é suprimida diante desses governantes. Você como indivíduo não é importante. Você só deve compor a massa, e deixar que o Estado decida o que é melhor para você. E se você se opõem, bem, a chance de ser substituído (ou seja, morto) é grande.

O alerta que a Sinclair faz é claro: abra os olhos, veja as evidências. Há muitos políticos por aí com discurso nacionalista, de enriquecer a nação, de que para chegar em X é preciso fazer Y, etc, e que estão conquistando o povo pelo simples fato de as pessoas não conseguem identificar os sinais negativos daqueles discursos. A eleição de Trump, por exemplo, apesar de todo o seu posicionamento anti imigrantes, “America first” entre outros, foi eleito com uma boa votação. Para muitos especialistas, Trump é um fascista mascarado. Para outros, é a salvação da nação.

“Sob uma tirania, a maioria dos amigos é um inconveniente. Um quarto deles ficam “razoáveis” e se tornam seus inimigos, um quarto fica com medo de abrir a boca e um quarto é morto e o leva junto. Mas o abençoado último quarto mantém você vivo.”

Sem dúvida não havia época melhor para a republicação desse livro quanto agora. Aqui mesmo no Brasil podemos identificar que os ideias fascistas ganham espaço entre a sociedade, e não é necessário pesquisar muito para ver entre nossos políticos aqueles que também usam desses argumentos para ganhar apoio popular. Porém, aviso de antemão que ler esse livro não será tarefa para qualquer um. Se você possui determinado posicionamento político e ideológico, ou mesmo não gosta de política, as chances de levar dias lendo ou de não gostar do que é apresentado é grande. Também é preciso ter em mente que o início da trama é super lenta, leva quase metade do livro pra ela adquirir um rítmo melhor.

Não Vai Acontecer Aqui funciona como importante retrato da realidade política e instabilidade social vivida em 1935, e novamente, em 2017. É uma grande ferramenta de estudo, conhecimento e compreensão sobre os malefícios que as ideologias fascistas e nacionalistas já causaram ao mundo e, ainda que tenha alguns pontos negativos, nos dá uma importante lição aos dias atuais: identifique os sinais, mantenha-se informado. Se todas as pessoas souberem o mínimo sobre fascismo e estiverem alertas, poderemos dizer com mais certeza que não vai acontecer por aqui.20

4estrelasb

NÃO VAI ACONTECER AQUI

Autor: Sinclair Lewis

Editora: Alfaguara

Ano de publicação: 2017

Um homem vaidoso, falastrão, anti-imigrantes e demagogo concorre à presidência dos Estados Unidos — e ganha. Buzz Windrip promete aos eleitores americanos que fará o país próspero e grande novamente, mas acaba trilhando um caminho sombrio. Ele declara o Congresso obsoleto, reescreve a Constituição e desencadeia uma onda fascista no país. O novo regime se torna cada vez mais autoritário, e o jornalista Doremus Jessop pensa que logo o presidente será derrubado, mas quanto tempo é possível esperar?
Escrito em 1935, “Não vai acontecer aqui” não poderia ser mais atual. Recuperado pela crítica e pelo público após as últimas eleições presidenciais dos Estados Unidos, o livro de Sinclair Lewis discute a fragilidade da democracia e o espectro fascista que ronda todo regime livre. Um livro de extrema força visionária, que mostra a maestria de Sinclair Lewis em construir uma fábula sobre como a complacência liberal pode se tornar vítima da tirania.

É colaborador do Resenhando Sonhos. Catarinense, Publicitário formado pela UNOESC, apaixonado por sci-fi, distopias e suspense policial. Fã de Arquivo X e Supernatural, sonha um dia encontrar os aliens.
  • Lili Aragão

    Não vou dizer que sou uma grande conhecedora e que debato muito bem sobre politica mas acho importante nos mantermos atentos e ao menos tentar entender um pouco sobre ela já que ela tem grande impacto em nossas vidas, aqueles que colocamos no poder tomam todo tipo de decisão por nós e pra nós e ao vermos tantos casos de corrupção fica claro que as pessoas precisam se preocupar mais com a politica, e assim o livro ganha importância por permitir ao leitor conhecer um pouco mais sobre o fascismo e seus malefícios, é um meio de alertar as pessoas. Acho importante o fato de que tantos anos se passaram desde o lançamento desse livro até esse relançamento e é como se estivéssemos vivendo em círculos, voltamos aos mesmo problemas, e é triste isso. Curti a dica e a resenha ;)

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Lili
      pois é, tenho de concordar contigo, já vivemos tantas desgraças e parece que as pessoas não aprendem, ficando em loop …. triste mesmo

      Fico contente que tenha gostado da dica hehe

  • Júlia Assis

    Oi Reinaldo, é triste saber que esse livro escrito em 1935 tem chances de retratar um possível futuro, e a cada vez mais eu vejo o quanto algumas pessoas regridem nos pensamentos, ao invés de progredir (como foi o caso desses protestos racistas). Quando li essa resenha imediatamente me lembrei da ditadura (deve ser pq estou estudando isso na escola), não sou a melhor pessoa em história e conflitos, mas quanto mais eu lia, mais eu associava o buzz ao getulio e lembrava sobre o que eu estudei dessa época no nosso país, desculpe se eu estiver falando algo nada a ver rsrs. Enfim, adorei a resenha e nunca li nenhum livro ganhador do prêmio nobel e eu acho que isso seria uma experiencia interessante, talvez algum dia eu leia, quando me sentir mais madura (tenho a impressão de que esses livros dão mais certo com adultos, preconceito bobo que devo eliminar, rsrs)

  • Tais Burigo

    Oi tudo bem?

    É muito triste e ao mesmo tempo muito revoltante que um livro que foi escrito anos atrás traga muito bem a nossa realidade de hoje. Acredito que é um livro onde todos nos como sociedade deveríamos ler para abrir a nossa mente e não cometer os mesmos erros do passado.

    Beijos,

    http://www.leitorunicornio.blogspot.com

  • anne

    Mesmo não gostando de politica, acho que este livro é bem válido para conhecer um pouco. Como você disse, para poder identificar as pessoas que querem o poder. Acho que o momento politico tanto nacional, quanto internacional está passando por uma fase bem complicada e merece mais atenção de todos nós.

  • Daiane Araújo

    Apesar de não entender muito sobre o assunto e de eu ter dificuldade pra falar sobre o mesmo, acho que esse é um livro que serve para nos alertar e para que possamos dá atenção ao momento no qual estamos vivenciando em ‘nossa’ política.

  • Pamela Liu

    Oi Reinaldo.
    Ótimo momento para esse livro ser republicado.
    Infelizmente estamos caminhando para o que já aconteceu no passado. Regimes praticamente ditatoriais baseados em fazer uma limpeza étnica, ao considerar aquele que é diferente de você, seu inimigo, utilizando de discursos exaltando o patriotismo e que juntos somos fortes.
    A política nacional e internacional precisa de bastante atenção e a população não pode se descuidar e deixar um político fascista extremista chegar ao poder.

  • Carolina Santos

    Não me interessei nem um pouquinho e ler o livro sinto muito mas essa sinopse não conseguiu prender minha atenção vou deixar essa sugestão de lado por hora

  • rudynalvacorreiasoares

    Reinaldo!
    Gosto demais desses livros que trazem fatos históricos de uma época em que não vivemos, e esse parece trazer uma realidade bem próxima do que está vivendo o EUA durante esse ano.
    Abordar temas como os movimentos extremistas e fascistas, é o mesmo que estar falando do atual presidente dos Estados Unidos, né?
    Relevante demais sua resenha, obrigada.
    Uma semaninha abençoada na paz do Senhor e FELIZ NATAL!
    “Celebrar o Natal é crer na força do amor, é isto que transforma o homem e o mundo. Feliz Natal!” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

  • verônica medeiros horn

    Um livro escrito a anos atras mas tão atual ao mesmo tempo, é interessante ver como que mesmo passando os anos o ser humano continua o mesmo, não evolui, é até mesmo triste perceber isso mas ao mesmo tempo muito importante.