Nevernight: A Sombra do Corvo – Jay Kristoff

Nevernight: A Sombra do Corvo é o primeiro livro das Crônicas da Quasinoite do autor Jay Kristoff, publicado no Brasil pela Plataforma 21.

Sobre o Livro

Mia Corvere viu seu pai ser morto em praça pública por ter traído a República de Itreya. Sua mãe e o irmão ainda bebê acabam sendo presos e, mesmo que seu destino também seja a morte, ela consegue escapar. Rondando as ruas de Godsgrave ela cruza caminho com o Velho Mercúrio e sua sede de vingança, mais o conhecimento que ele tem, selam seu caminho.

A garota então começa um treinamento com Mercúrio como seu shahiid, em busca de conhecimento suficiente para conseguir encontrar e entrar para a Igreja Vermelha, uma organização muito bem escondida que serve a Nossa Senhora do Bendito Assassinato.

“A última coisa que você virá a ser neste mundo, garota, é a heroína de alguém. Mas será uma garota que os heróis temem.”

Porém, por mais que ela encontre essa organização, a jornada é dura e o que ela precisará passar para se tornar uma lâmina pode ser cruel e romper vários limites da mortal. O que pode ajudar é que Mia não é uma garota comum, e sim uma sombria, capaz de manipular as sombras ao seu redor e usá-las a seu favor. Quem lhe acompanha é o Sr. Simpático, um gato de sombras muito bem humorado que sabe como atingir os pontos mais importantes da garota. Entretanto, o que Mia não sabe é que há muito mais envolto nessa história do que apenas seu plano de vingança e, quando menos esperar, estará no meio de uma trama de traição, assassinatos e muitos segredos.


Minha Opinião

Nevernight talvez seja uma das grandes surpresas de 2017, por ser um livro que me envolveu tanto e me proporcionou muitas etapas na leitura. Primeiro, ele talvez seja um pouco lento no começo, mas calma ai, vai melhorar. As primeiras 200 páginas foram complicadas, e não porque a história não estava boa, porque ela estava, mas porque a lógica do livro precisa ser assimilada e é uma imersão de mundo que demora um pouco mais.

E esse é um livro com muitas notas de rodapé, mas muitas mesmo. Porém, ao contrário de somente explicações, o que Jay Kristoff nos apresenta aqui é um segundo narrador, no melhor estilo Desventuras em Série. As informações que ele traz nem sempre são as mais relevantes, lembrando aquelas pessoas que divagam eternamente quando só queremos uma resposta direta. Mas, ele também faz bons adendos e, em alguns momentos, apenas acrescenta comentários maldosos ou hilários sobre o que se passa na “cena” em questão. E, é claro que por não ser algo comum e sair do fluxo de narrativa, vai atrapalhar um pouco até que você se acostume, porém achei o formato muito bacana.

“Quem invoca a escuridão, acabará invocado por ela.”

As primeiras páginas são ótimas e trazem dois momentos que diferem em muito, mas que com um jogo de palavras o autor consegue fazer quase uma união bizarra entre elas. Uma representa a perda da virgindade, enquanto a outra é um assassinato. E, sim, vamos ter algumas cenas bem descritivas de violência e também sexo. Então, mesmo que a protagonista aqui esteja na adolescência, o teor da trama passeia por um contexto mais adulto, o que ajuda a aproximar o livro dos dois públicos.

Algo que sempre me coloca de pé atrás e que eu costumo reclamar é a típica jornada onde um jovem vai participar de um treinamento. Já é clichê e o mau uso disso é o que acaba por me decepcionar em certas narrativas. Aqui, porém, o autor conseguiu incluir elementos muito particulares do seu contexto que deram o diferencial necessário para que esse arco não se tornasse chato. A Igreja Vermelha não é um lugar para os fracos e, para escolher os melhores entre os seus, até mesmo os professores vão estar dispostos a cortar eles mesmos alguns alunos da lista, sem dó nem piedade.

Outra particularidade sobre essa “fé” é que nem sempre as coisas são justas e isso vai bater de frente com o conceito de consciência. Mia quer sua vingança, ela tem um objetivo, uma motivação, mas até onde vai esse desejo e onde começa sua humanidade?

Aliás, gostei muito da personalidade dela. Mia consegue ser marrenta e as vezes irracional, porém de uma forma que soa compreensível ao leitor por tudo o que ela perdeu. Quanto mais sabemos sobre ela, mais é possível se relacionar, por mais que desejemos que em alguns momentos ela deixe a marra de lado e aceite a ajuda que está na sua frente.

Seus poderes de controlar as sombras ainda não foram bem explicados, mas isso não acontece só em relação ao leitor, mas com a personagem também. Ela não sabe porque tem o dom ou tudo o que pode fazer com ele, e é ai que entra o Sr. Simpático. O gato sombrio tem uma missão muito especial ao caminhar ao lado de Mia, e achei a situação toda muito interessante, principalmente porque o humor desse acompanhante é bastante ácido e gera bons comentários ao longo da história.

Enquanto eu lia esse livro também estava lendo Mistborn – O Poço da Ascensão, e foi impossível não fazer um paralelo entre Mia e Vin, a protagonista da outra história. Ambas controlam algo que não é palpável e que não entendem completamente e, mesmo tendo história, backgrounds, motivações e cenários diferentes, há uma estranha conexão entre elas. Tenho certeza que se os mundos colidissem, ou seriam melhores amigas ou inimigas mortais. Mas, esse é apenas um comentário para quem já leu Mistborn talvez se relacionar.

Vale também a pena avisar que Jay Kristoff não é muito apegado aos personagens e muitas cabeças vão rolar. Eu realmente fiquei um pouco chocada, porque mesmo com um tom mais adulto, em livros com protagonistas mais jovens, pelo menos algumas peças chaves se mantém pra o autor poder usar com subterfúgio mais a frente, e aqui não. Mais alguns pontos que o autor ganhou comigo.

“Você começa do nada. Não possui nada. Não sabe de nada. É nada.”

E sim, teremos muito mais personagens aqui do que somente Mia, mas não quero estragar a experiência de ir conhecendo e desvendando cada um deles com a história. Há alguns bons “vilões” também, mas que vão acabar se revelando bem ao final, então fiquem de olhos abertos. Minhas menções honrosas de personagens que curti vão para Naev, Tric e Cassius, cada um a sua maneira.

Talvez a única reclamação dessa edição seja que o livro possui páginas brancas, o que como todo bom leitor nunca cansa de lembrar, é mais desconfortável que a folha mais amarelada. Porém, de resto está tudo muito bem alinhado. Adorei a capa, a lombada e os dois mapas super bonitos que complementam a história.

O segundo livro, Godsgrave – nome da cidade que adorei -, já saiu lá fora e mesmo o livro não fazendo um enorme cliff hanger, é impossível não ficar curioso sobre o que está por vir. Há muita coisa a ser explorada e muito a compreender sobre esse mundo e, principalmente, os poderes de Mia.

Tendo dito tudo isso, se você curte uma fantasia bem estruturada, que mistura tramas de religião, política e magia, Nevernight é uma ótima opção. O livro caminha por momentos mais leves a cenas bem descritivas e mais adultas e acho que isso ajuda a nivelar o preso da história. Então, deixo aqui a minha recomendação para conferir essa história e descobrir todos os segredos escondidos por baixo das pedras e de todo o sangue da República.

NEVERNIGHT: A SOMBRA DO CORVO

Autor: Jay Kristoff

Editora: Plataforma 21

Ano de publicação: 2017

Há histórias sobre Mia Corvere, nem todas verdadeiras. Alguns a chamam de Moça Branca. Ou a Faz-Rei. Ou o Corvo. A matadora de matadores. Mas, uma coisa é certa, você deveria temê-la.
Quando ela era criança, Darius Corvere – seu pai – foi acusado de insurreição contra a República de Itreya. Mia estava presente quando o carrasco puxou a alavanca, viu o rosto do pai se arroxeando e seus pés dançando à procura do chão, enquanto os cidadãos de Godsgrave gritavam “traidor, traidor, traidor”…
No mesmo dia, viu a mãe e o irmão caçula serem presos em nome de Aa, o Deus da Luz. E, embora os três sóis daquela terra não permitam que anoiteça por completo, uma escuridão digna de trevas tomou conta da menina. As sombras nunca mais a largaram.
Mia, agora com dezesseis anos, não se esqueceu daqueles que destruíram sua família. Deseja tirar a vida de todos eles. É por isso que ela quer se tornar uma serva da Igreja Vermelha – o mais mortal rebanho de assassinos de toda a República. O treinamento será árduo. Os professores não terão misericórdia. Não há espaço para amor ou amizade. Seus colegas e as provas poderão matá-la. Mas, se sobreviver até a iniciação, se for escolhida por Nossa Senhora do Bendito Assassinato… O maior massacre do qual se terá notícia poderá acontecer. Mia vai se vingar.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos. Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo. Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Camila Rezende

    Essa capa me assustou um pouco hahaha.
    Não sou muito fã de livros com muitas notas de rodapé, mas gostei do jeito que vc descreveu o livro na resenha e fiquei curiosa.
    Pena que as paginas são brancas.

  • Natália Costa

    Muito me interessou, principalmente pelo fato de estar no início ainda! Amei a edição, a capa, o mapa, os inícios de capítulos! Só não gostei das rodas de rodapé…kkkk
    Fiquei curiosa e colocarei na minha whishlist!

  • Samuel

    Com certeza, uma das suas melhores resenhas no blog e no canal. O mundo criado nesse livro me faz lembrar as crônicas de gelo e fogo. Também curti o fato de não focar no treinamento dos personagens. Gostei da premissa e da construção dos personagens. As mortes são marcantes, a forma como tudo se fecha bem, tudo é tão bem construído e tudo se liga deixando uma curiosidade imensa para o próximo livro. Sério, amei, amei. A forma sombria em que as coisas ocorrem, ainda mais em personagens tão jovens. É horrível pegar um livro de personagens jovens bobos, vivendo coisas bobas em um universo de fantasia.
    Esse é um clássico livro de fantasia. Excelente resenha. Excelente explicação. Excelente livro. Vai ficar guardado comigo para sempre. Parabéns. A resenha serviu para eu perceber o quanto esse livro é bom e quão boas são suas indicações. Beijo.

  • Thais M. Costa

    Gosto muito desse estilo de fantasia . Gostei muito da sua resenha do canal e do blog. esse livro já estava na minha lista de desejados. Quero muito ler. Esse mundo que autora criou parece ser incrível.

  • Amanda Barreiro

    Ahhh eu ainda não tinha lido nenhuma resenha ou comentário sobre esse livro e tenho visto bastante ele por aí nos grupos e nas sugestões de compra. Confesso que só a capa já me deixou bem curiosa, adoro esse estilo sombrio, rs, mas agora sabendo melhor do que se trata fiquei super empolgada pra ler. Tava com medo que fosse um YA bobinho e sei que sua opinião é confiável nesse sentido, rs. Comprarei assim que der!
    Beijos!

  • Leticia

    Nao conhecia essa serie nem o autor, mas sua resenha ja me fez querer lê-lo. Adorei, parabens!

  • Gabriela Souza

    Oi, Tami! Gostei bastante da proposta do livro. Nunca li uma fantasia que misture religião, política e magia, mas fiquei curiosa para saber a experiencia que o livro vai me proporcionar. Que bom que o autor teve um diferencial na parte do treinamento. Beijoss

  • Carol Mendes

    Parece ser um livro bem bacana, mas fantasia não é bem meu forte, e acho que apesar de ter sido uma surpresa pra você, não vai ser tão bom pra mim, então nem pretendo ler.
    Mas sua resenha ficou ótima!

    Virando Amor

  • Franciele Débora

    Livros de fantasia sempre conquista o meu coração, ai ai …
    Fiquei curiosa com a historia do livro e pra saber mais sobre o assunto. Vou adicionar na minha lista, beijos.
    Valeu pela dica, hein ♥

  • Samanta Samy

    Que estética show!
    Não conhecia esse livro. Adoro literatura fantástica, se chegar com “tramas de religião, política e magia” então…
    Tenho um amigo que também adora, vou ver se ele já conhece essa obra.

  • Carolina Oliveira

    Livros de fantasia e trilogias sao os que costumo fugir heheheh
    Mas que bom q vc gostou da leitura e a resenha ficou ótima!