O Ceifador – Neal Shusterman

O Ceifador é o primeiro livro da trilogia Scythe, do autor Neal Shusterman. A publicação é da editora Seguinte em 2017.

Sobre o Livro

Em um mundo utópico, onde a humanidade venceu todos os desafios graças a Nimbo Cúmulo, uma inteligência artificial que surgiu da nuvem, nem a morte nos assombra mais. Não existem mais doenças ou desigualdade, as pessoas são iguais e a sociedade é estruturada. Mas como manter o planeta viável quando não há mais mortes e a população só cresce?

“Primeiro mandamento: matarás.”

Para tal controle uma sociedade foi criada, à parte da Nimbo e com uma diretriz completamente separada. A Ceifa é responsável por treinar e gerenciar os Ceifadores, pessoas responsáveis pelo “controle populacional”. Mantendo algumas regras dentro dos parâmetros da era da mortalidade, esses Ceifadores escolhem aqueles que vão morrer e também são responsáveis por garantir imunidade a algumas pessoas em casos específicos.

De tempos em tempos, devido ao aumento populacional, os Ceifadores precisam recrutar, e é ai que conheceremos Citra Terranova e Rowan Damisch. Dois jovens que não tem desejo algum de se tornarem Ceifadores, mas que veem suas vidas mudarem completamente ao cruzarem seu caminho com um. Porém, ao fim, somente um deles poderá receber o anel e o manto da Ceifa. Em um treinamento para aprender as mais simples e complicadas formas de matar, ambos se confrontarão com a “arte da coleta” e terão que decidir em seus corações se desejam esse fardo em suas costas, enquanto também lidam com as intrigas dentro dessa poderosa organização, que pode ser a causa de uma grande ruptura nesse mundo.


Minha Opinião

Quanto mais eu lia esse livro, mais impressionada eu ficava. Neal Shusterman consolidou uma admiração que já tinha começado em Fragmentados, outro título dele que saiu no Brasil em 2015. O autor consegue fazer com que a distopia mantenha sua grande essência, que é o mundo distorcido, diferente, enquanto caminhamos por ele com os personagens, sejam eles quem for. O mais importante nas obras dele não são as histórias pessoais, mas o contexto maior, o mundo.

É claro que nos importamos com os personagens, mas a construção ao redor deles é tão mais ampla, que eles perdem o foco em um jogo de engrenagens que nunca para de girar. E são mundos inteligentes, bem pensados, críveis. Sociedades que se consideram evoluídas, mas onde há sempre algo a se questionar, algo que vai ir rachando, se quebrando e assim, trazendo o caos.

A proposta de utopia também é interessantíssima. Será que realmente algum dia ela existirá e conheceremos um mundo perfeito? Acho que não. A natureza do homem, gananciosa, parece sempre vencer, mesmo que nas entrelinhas. Esse futuro que temos em O Ceifador é perfeito. A nuvem ganhou consciência e através de sua vastidão e da forma ilimitada de seu conhecimento, consertou tudo o que havia de errado. As doenças foram curadas, o corpo humano foi melhorado, a fome foi erradicada e com ela as diferenças sociais. Ninguém mais vive na miséria, todos tem trabalho. É possível curar o corpo, rejuvenescer, ressuscitar. Não há mais guerra ou mortes. A única forma de uma pessoa deixar de existir é se um Ceifador bater à sua porta.

“A humanidade é inocente; a humanidade é culpada; ambas as afirmações são inegavelmente verdadeiras.”

Essa ordem é regida por mandamentos, cada Ceifador tem uma cota a ser cumprida e precisa estar dentro dos parâmetros geográficos, de sexo e raciais pré estabelecidos, caso contrário sua liberdade de escolher é retirada. Há conselhos periódicos onde as estatísticas são revisadas e novas posturas são debatidas. É uma organização mundial, a única restante além da Nimbo, poderosa de uma forma estranha e bizarra. Como alguém determina quem morre e quem vive? Qual o peso disso na consciência de um Ceifador? E a população aceita e entende, caso contrário toda a família é punida ao invés de receber a imunidade anual, que os manteria livre de outra colheita na família por 365 dias.

Acho que o que mais me faz pensar quando um mundo utópico é trazido em pauta é o que motivaria as pessoas. Hoje estudamos pra passar no vestibular, estudamos pra ter um bom emprego, corremos atrás de oportunidades para ter uma vida melhor, adquirir o que queremos, viajar, conquistar. Mas e se já tivermos tudo isso, o que vai nos motivar? O que fará com que saiamos da cama toda manhã, que tenhamos disposição de fazer mais e mais? Pelo que se luta em um mundo onde todos os problemas já foram resolvidos?

Achamos que com todos os problemas eliminados, a vida seria perfeita. Mas sem motivações, objetivos, será que não seremos mais tristes? Será que a depressão não será mais nossa amiga do que já é? O tédio, a ansiedade? Neal Shusterman apresenta isso aqui, e responde a pergunta com um simples nano. Será preciso nos medicar para que nossos níveis se mantenham em linha, pra que a proposta de salvação e imortalidade não nos consuma, não nos destrua na imensidão de não precisar mais correr atrás de nada. A Nimbo será responsável por nos deixar feliz, ela será nossa psicóloga, nosso controle.

Não há espaço para dúvidas, toda vez que uma delas surge em nossa cabeça o autor logo a responde algumas páginas a frente, e isso é genial. A confusão de perguntas que vão surgindo: como, o que aconteceu com a religião, não há quem se oponha a Nimbo, aos Ceifadores, e se a pessoa se matar, o que realmente é a Nimbo. Tudo é explanado, tudo é trabalhado. Inclusive o impacto da ceifa, a resistência a ser coletado, as consequências.

“Apesar dos ideais grandiosos e das muitas defesas para proteger a Ceifa da corrupção e perversão, devemos estar sempre atentos, pois o poder vem infectado coma única doença que nos resta: a natureza humana.”

O ano do livro é 2042, não tão longe do ponto em que vivemos. Não é assustador pensar que talvez até lá a consciência cibernética seja uma realidade? Pra mim é. Eu já tinha visto vários filmes que traziam essa proposta, mas a inteligência virtual era sempre apresentada como algo que se corrompia e se tornava mau. Aqui não. A Nimbo é como um Deus, “alguém” que só quer o nosso bem, que olha por nós e faz o que é necessário para que estejamos felizes em um mundo equilibrado. Ela não é o inimigo aqui e quando isso fica claro, voltamos nosso olhos para a Ceifa.

Citra e Rowan são dois jovens muito diferentes, de locais distintos. Sua vida provavelmente nunca teria se cruzado se o Ceifador Faraday não tivesse feito coletas perto de ambos, sendo confrontado e notando algo de especial, uma resiliência, um ardor pela vida. Para os grandes Ceifadores o ato de matar tem que ser algo estritamente profissional. A partir do momento que a pessoa adquire o gosto pela morte ou deseja infringi-la de forma deliberada, algo se rompeu. E, grande parte do treinamento dos jovens vai ser exatamente aprender como lidar com isso.

Os Ceifadores não podem ser ricos, mas há sempre uma ou outra pessoa que está sempre aos seus pés concedendo seus bens ou benefícios em nome da tentativa de imunidade. Eles são os humanos mais poderosos a andar sobre a Terra. A simples presença de um Ceifador em um recinto é capaz de atormentar a todos. Afinal, ele está ali para buscar alguém. Alguém que nunca mais vai voltar. Como é possível se manter correto tendo tanto poder ao seu dispor? E, mesmo sentindo repulsa contra o ato de matar, a promessa desse status e da imunidade até a sua morte para a sua família, não seriam motivos suficiente pra sobrepor a qualquer conflito interno? Os dois protagonistas não querem duelar, não querem ser adversários, não querem aprender a matar. Porém, há algo a mais em jogo. Uma vitória, poder, a vida de seus entes queridos. Matar talvez se torne um preço baixo a pagar por tudo isso, quando a hora chegar.

“A imortalidade nos transformou em personagens de desenho animado.”

Citra e Rowan são adolescentes e estando em sua cabeça, com pontos de vista diferentes, é possível saber o que cada um está pensando e como suas personalidades, desejos e motivações vão mudando ao longo do livro. Eles são diferentes, mas possuem uma inocência e bondade que é muito semelhante e que pode sim ser corrompida pela grandiosidade dos desafios que terão que passar. O treinamento de um Ceifador não é fácil. Haverão testes, provas, desafios. E, no fim, apenas um deles vai realmente alcançar o objetivo que nenhum deles queria pra começar.

Também conheceremos outros Ceifadores mais velhos, membros da Ceifa, sua elite e todo o mundo que certa essa comunidade diferenciada e regida em suas próprias leis. Como falei no começo, a história dos dois é um start para algo muito maior se desenvolver.

A escrita é super fluída e mesmo o livro sendo grande, a leitura não é demorada. Eu devorei o livro, pois a cada capítulo precisava saber o que viria depois e há vários plot twists que mudam a trama de tempos em tempos, concedendo um novo olhar e uma renovação. Não há como começar a ler, prever um fim e ao passar por todas as mudanças não questionar cada passo a frente. Com isso fui me surpreendendo a cada 100 páginas, e isso manteve a trama ativa e interessante.

O Ceifador me deixou empolgada como há muito tempo eu não ficava com um primeiro livro de distopia. Depois da enorme onda que o gênero teve, tudo virou mais do mesmo e houve uma decadência por falta de novidades. Mas aqui leitores, há novidade, além de um mundo incrível, com personagens instigantes e um milhão de perguntas que não vão sair da sua cabeça. O primeiro volume da trilogia Scythe é um livro pra você questionar a sua visão de mundo, de perfeição e de futuro.

O CEIFADOR

Autor: Neal Shusterman

Editora: Seguinte

Ano de publicação: 2017

A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria… Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador – papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Desencaixados

    Olá, Tamirez

    Estou acompanhando esse lançamento da Seguinte e fiquei interessado pela sinopse, e como amo as suas resenhas não pude deixar conferir sua experiência e opinião sobre a obra. O cenário e a proposta do livro é muito interessante, sua resenha me animou bastante para fazer a leitura da obra e, além disso, essa distopia parece ser muito diferente das outras que já fiz a leitura, amei!
    A Esther Lya, autora de É Proibido Sorrir e A Marcha dos Javalis, também escreve distopia e procura ignorar o romance e foca na crítica social, e isso é bem retratado nas obras dela. Achei essa semelhança entre os autores (não tornar a distopia um romance) muito legal. É como eu disse, adorei a dica e te indico essa autora! ♥

  • Lili Aragão

    Oi Tamirez, inicialmente não tinha curtido a capa desse livro, mas ai li a sinopse e pensei, quero acompanhar as resenhas e agora, penso que quero muito ler… A distopia parece ser muito interessante, diferente e pra um primeiro livro muito boa, já coloquei nos livros que quero ler e espero que seja logo ;)

  • rudynalvacorreiasoares

    Tamirez!
    Achei a distopia bem elaborada, toda ideia de ter uma
    sociedade saudável, sem doença e sem mortes é um tanto utópico, mas
    quando chega os ceifadores, contrabalanceia isso.
    Pois é, o maior
    defeito de uma sociedade tão perfeita, é não ter a ambição, no sentido
    bom da palavra, não haverá mais crescimento, nem estímulo para fazer
    nada de útil.
    Deve mesmo ser um ótimo livro.
    cheirinhos
    Rudy

  • Nathallia dos santos

    Oi Tamirez, que distopia hein, uma historia de um futuro estranho e bizarro, gostei da resenha, muito explicativa, cheia de detalhes importantes, mas apesar de me interessar por distopias, essa não gostei muito, pois essa temática de matar as pessoas que não se enquadram, não faz muito o meu estilo de leitura, mas mesmo assim a resenha foi ótima e muito bem escrita. Beijos.

  • Bruna Prata

    Já fui amando o que lia logo nas primeiras linhas. Matar pessoas para controlar o crescimento populacional? Ideia muito original.
    Sem sombra de dúvidas fiquei embasbacada com essa resenha, a li em um fôlego só.
    Todas as obras escritas por esse autor são para lá de bem recomendadas. Estou muito curiosa e intrigada com esse mundo incrível.

  • Marta Izabel

    Oi, Tamirez!!
    Adorei a premissa desse livro. Já tem um bom tempo que não fico tão entusiasmada com uma distopia!! Amei a resenha e sem dúvida quero muito!!

  • Gislaine Lopes

    Oi Tamirez,
    A ideia de um mundo perfeito é desejo de muitos, mas algo inalcançável na nossa realidade. O que eu gosto ou gostava (já que não tenho lido muitos livros do gênero) das distopias é essa exploração de um mundo que se tornou corruptível em algum momento da história e, a partir daí, a sociedade precisa descobrir uma nova dinâmica de convívio e funcionamento deste mundo. Falando sobre o tema desta trama a minha ideia de ceifadores sempre esteve relacionada a algo ruim que vinha com a morte de um indivíduo, pois foi o que aprendi em outras leituras (e aí me vem aquela imagem do barquinho com um ceifador vindo em busca da alma da pessoa que acabou de morrer), mas Neal Shusterman explorou uma outra maneira de aplicar este “conceito” e achei isso muito interessante. Ainda não conheço a escrita do autor, mas mais uma vez fiquei bem interessada em ler sua obra.

  • Uma distopia diferente e interessante,eu realmente me interessei e gostei do que eu ouvi.
    A ideia é tão diferente,mas parece tão legal,eu vou com certeza ler ele.Eu pude perceber que pelo que você disse,que ele mostra um pouco sobre como o ser humano é corrompível.
    Nunca li nenhum livro do autor,mas já ouvi falar sobre,é realmente parece ser incrível,esse livro já entrou na minha lista.

  • suzana cariri

    Oi!
    Gostei muito dessa resenha, achei bem interessante esse distopia que o autor cria e que acaba nos fazendo refletir muito, acho bem valido essa consideração do que motiva os personagens em uma distopia, fiquei curiosa sobre todas essas perguntas que a historia acaba nos fazendo e também para conhecer um ceifador, se tiver oportunidade quero muito ler !!

  • Concordei muito com sua review, sobre como é renovador nesse gênero de distopia adolescente rs
    Acho que o romance leve entre os protagonistas, longe de ser o foco da história, é em parte responsável pelo aspecto.

    Só estou meio chateada pois não sabia que era uma trilogia, para mim acabou de um jeito perfeito. Não acho que precisa ficar super explícito o que acontecerá com a ceita e com os personagens, mas espero que os próximos volumes sejam tão bons quanto esse. :)