O Encantador de Corvos – Jacob Grey

O Encantador de Corvos é o primeiro livro da série Ferinos, no autor Jacob Grey. O lançamento é de 2017 pela Galera Record.

Sobre o Livro

Aos cinco anos Caw foi abandonado pelos pais em circunstâncias que até hoje são confusas. Eles estão mortos? Estão vivos e não querem o filho por perto? Perseguido por essas dúvidas o garoto, que agora tem 13 anos, vive na companhia de seus amigos corvos, e sobrevive da maneira que dá: se escondendo das autoridades, se alimentando de restos de comida que encontra no lixo ou da solidariedade de estranhos, já que Caw não tem ninguém com quem pode realmente contar.

“Abandonado pelos pais. Criados por corvos. Caçado pela escuridão.”

Uma noite, após ter sido atacado por pessoas um tanto estranhas e ter sido salvo por uma figura que não fica muito atrás, o jovem se vê envolvido em uma briga entre presidiários fugitivos e agentes da lei. Entretanto, no meio da confusão, ele encontra Lydia. A filha do diretor do presídio, uma menina mais ou menos da sua idade, sua mais nova amiga. Juntos eles tentam descobrir quem são as criaturas estranhas que fugiram da prisão, afinal, como são capazes de controlar cobras, aranhas e cachorros? O que eles pretendem fazer, com tamanha violência? E porque eles despertam em Caw um sentimento estranho e uma sensação de que estão todos envolvidos de alguma maneira?


Minha Opinião

Neste primeiro livro da série o autor nos apresenta os Ferinos, pessoas que têm o dom de controlar animais de todas as espécies e que não pensam duas vezes antes de utilizar essa característica, seja para o bem ou para o mal. Nosso protagonista leva a vida nas sombras se escondendo de humanos e se mantendo o mais invisível possível. Ele teme muitas coisas e uma delas é ser separado de seus companheiros corvos, que são a única família que ele tem. Algo interessante aqui é que cada um dos animais apresenta uma personalidade diferente, que vai da mais tagarela até a mais sábia (ou louca, dependendo do momento), principalmente em se tratando de Alvo, o corvo cego, calado e albino. Tendo essa ideia em mente, me preparei para embarcar em uma leitura curiosa, divertida e cheia de aventura. Posso dizer que, dentro das possibilidades, não me enganei.

No começo da história ele conhece Lydia, a primeira amiga humana que se aproxima o suficiente para enxergar quem ele realmente é.  Ela é curiosa, aventureira e não pensa duas vezes quando precisa desafiar os pais e sair em busca da verdade, mesmo que isso signifique correr os mais diversos riscos. Já Caw é um garoto solitário, meio arisco e bastante desconfiado,  características de alguém que vive há tempos demais nas ruas.  É justamente por ser assim e por ter um histórico de abandono que, no começo, não leva a aproximação de Lydia muito à sério; essa resistência aumenta por causa dos conselhos dos amigos corvos, que não acreditam que se aproximar de humanos fará bem ao garoto.

Felizmente vemos essas características de Caw se transformarem em  autoaceitação, na necessidade de descobrir sua força e em um abertura para receber ajuda de outras pessoas, na medida em que sua relação com Lydia se fortalece. A resistência dos corvos é explicada conforme a leitura avança, e aos poucos eles também se apegam à garota; transformando essa dupla de adolescentes em um grupo formado por humanos e pássaros prontos para enfrentarem o que vier pela frente. Acontece que, em determinado momento, os problemas crescem de maneira que a única opção é  sair em busca de mais ajuda. É neste ponto que conhecemos outros personagens que, sem dúvidas, acompanharão Caw e Lydia nos próximos livros.

“Muitas linhagens de Ferinos foram… extirpadas. Depois disso, os sobreviventes aprenderam a manter os poderem em segredo. O dom se transformou em maldição.”

Como ponto de partida de uma série temos os dois jovens saindo em busca de aliados, ao mesmo tempo em que tentam se preparar para o que está por vir. Descobrir mais sobre quem são, de onde vieram e do que são capazes é o primeiro passo, e o ponto principal deste livro.

Ferinos ainda tem muito para oferecer e amadurecer, e entendo que ele propõe uma contextualização do leitor na história, apresentando uma situação que é resolvida ainda neste livro, mas que deixa pontas soltas que provavelmente serão amarradas nos livros seguintes. Porém, ainda é, de certa forma, uma trama bem básica.

Com um misto de aventura e magia, é uma história que tende a agradar  leitores mais jovens que estão em busca de uma série para chamar de sua, ou que estão descobrindo o gênero fantástico agora. Para quem já mergulhou fundo em histórias assim, o livro tende a ser um pouco raso e infantil, mas ainda assim tem sua graça. Acredito que esta seja uma daquelas histórias com potencial para se tornar queridinha de muita gente conforme a narrativa comprove ser capaz de ganhar corpo e força.

O ENCANTADOR DE CORVOS

Autor: Jacob Grey

Editora: Galera Record

Ano de publicação: 2017

Abandonado pelos pais. Criado por corvos. Caçado pela escuridão. Caw, abandonado pelos pais quando tinha apenas 5 anos, sobrevive sozinho numa cidade governada pelo crime. Mas ele não está desamparado- é o último representante da linhagem dos ferinos de corvos e tem o poder de comandar e conversar com as soturnas aves. Caw vive escondido em um ninho, no alto de uma árvore, no parque da cidade de Blackstone, até que uma fuga na prisão local o força a se revelar aos humanos… E à Lydia, a filha do diretor do presídio. Juntos descobrem que os fugitivos também são ferinos que planejam trazer seu temido líder, o Mestre da Seda, de volta da Terra dos Mortos. Para impedi-los, Caw e Lydia precisam encontrar os ferinos que se escondem pela cidade e convencê-los a mais uma vez lutar pelas forças do bem.

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.