O Prisioneiro do Céu – Carlos Ruiz Zafón

O Prisioneiro do Céu é o terceiro volume da série do Cemitério dos Livros Esquecidos, de Carlos Ruiz Zafón. O livro é relançamento da Suma em 2017.

Sobre o Livro

Fermin Romero de Torres apareceu na vida dos Sempere e se tornou um grande amigo de Daniel. Porém, sabemos muito pouco sobre a jornada dele e pelas coisas que ele passou. Estando nervoso à dias com a aproximação de seu casamento com Bernarda, a coisa sai do controle quando um estranho entra na livraria e compra um dos mais caros volumes de O Conde de Monte Cristo e o deixa em cima do balcão com uma dedicatória a Fermin.

“No fundo ninguém é meu, apenas tem medo.”

Assombrado pelo passado, ele começa finalmente a contar para Daniel dos tempos em que ficou encarcerado, e aos poucos vemos seu destino cruzando com outros personagens importantes, como nosso adorado David Martin.

Porém, não só Fermin está na corda bamba. Daniel encontrou uma carta do ex de Bea pedindo que ela o encontrasse em um hotel em alguns dias e ainda não sabe como lidar com isso, já que ela não lhe disse nada. Assim, conforme descobre mais sobre seu amigo, também percebe que há muito mais sobre sua própria família que desconhece.


Minha Opinião

O Prisioneiro do Céu é o livro mais diferente entre os quatro que compõem essa série. Contado por Fermín, um personagem descontraído e que possui o melhor vocabulário para trocadilhos já existente, não havia como ser diferente. Ele também não mantém o tom de mistério que tenta se entrelaçar com o sobrenatural que é característico de Zafón e presença marcante em A Sombra do Vento e O Jogo do Anjo.

O que encontramos aqui é um forte elo de ligação para vincular as história dos dois primeiros livros de forma ainda mais forte do que só a presença da família Sempere. Muito mais aconteceu que não nos foi contado e é através do conhecimento de Fermín que passaremos a olhar muito da trama de O Jogo do Anjo com outros olhos. É quase como se fôssemos capaz de pôr a trama sobre uma nova perspectiva, e compreender várias das coisas que podem ter passado despercebido.

“No fundo nunca fomos o que éramos antes, que só lembramos o que nunca aconteceu…”

E, apesar de termos o toque de suspense, sabemos que a pessoa em questão está viva e aquele senso de que algo horrível pode acontecer a qualquer momento também fica mais quieto. Tudo isso é ressaltado pelo já mencionado bom humor do personagem. Fermín tem uma forma muito peculiar de se expressar e, para quem, assim como eu, curte ele, o livro é um prato cheio para se aproximar um pouco mais de sua história.

Eu vejo como algo sensacional a forma como a escrita diferenciada do autor dá espaço para a personalidade desse personagem e o mix das duas coisas unidas resulta em frases que sempre me fazem sorrir, por mais caótica que seja a situação.

“Os homens são como as castanhas que vendem na rua: quando você compra estão quentinhas e cheiram bem, mas esfriam assim que saem do saquinho e você logo descobre que a maioria está podre por dentro.”

Uma das coisas que achei interessante foi ver as mudanças em Daniel. Aquele garoto iluminado ainda está ali, mas não parece mais andar sozinho. Há uma sombra que se aproxima dele e que se amplia ao encontrar o bilhete do ex-noivo de Bea. A dúvida sobre como seu futuro será o corroem e as descobertas que ele vai aos poucos fazendo sobre sua própria história, ajudam a moldar um personagem bem mais denso e profundo do que o jovem esfuziante que acompanhamos em A Sombra do Vento. O que permanece é a o desejo pela descoberta, por chegar ao fim do mistério, por compreender tudo até o fim. Ele agora também é pai e há mais em jogo do que havia antes.

Além dos conflitos pessoais, mais uma vez teremos ressaltadas as questões que envolvem a política local e a forma como essas autoridade usavam o poder em benefício próprio, visando o ganho pessoal sem escrúpulos. Enquanto o autor parece nos querer apresentar um bela Barcelona, também esforça-se a criticar essas vertentes com o sentimento de que a justiça raramente é feita.

O Prisioneiro do Céu também é o mais curto dos livros, mas mesmo assim teremos a inserção de novos personagens que serão muito importante para o contexto geral dessa trama e peça chave em O Labirinto dos Espíritos, volume final da série. Como eu já mencionei, a diagramação dessas novas edições está bem mais confortável por trazer uma fonte e espaçamento maiores. A única coisa que posso ressaltar é como acho que as capas não valorizam a história em geral. Já houveram muitas mudanças, mas a capa sempre se manteve, mudando levemente a posição dos textos. Por mais que de certa forma a primeira representa a trama, as outras são bem mais genéricas e não tem tanto apelo de venda.

Esse terceiro livro é, portanto, uma leitura diferente, mas muito recomendada para quem está acompanhando a narrativa. Porém, diferente dos outros dois que se sustentam como história separadas e únicas, O Prisioneiro do Céu fará bem pouco sentido no âmbito geral, se lido isoladamente. Então, mantenho minha indicação de sempre ler essa série pela sua ordem de publicação e aproveitar a história e suas conexões da melhor forma possível.

35estrelasb

O PRISIONEIRO DO CÉU

Autor: Carlos Ruiz Zafón

Editora: Suma

Ano de publicação: 2017

Barcelona, 1957. É natal e os clientes são escassos na livraria Sempere & Filhos; as contas vêm se acumulando. É quando um homem com mão de porcelana visita a loja e compra o item mais caro: um exemplar raríssimo de O conde de Monte Cristo, onde deixa a dedicatória “Para Fermín Romero de Torres, que retornou de entre os mortos e tem a chave do futuro”.
Este é o ponto de partida para que conheçamos mais da história de Fermín, incluindo seus anos no Castelo Montjuic, a prisão do governo Franco, na época gerenciada pelo nefasto Mauricio Valls. Com medo de que um segredo enterrado há vinte anos finalmente venha à tona, ele narra a Daniel suas tentativas de fuga da prisão, junto a um companheiro de cárcere.
O prisioneiro do céu é uma história sobre prisão, tortura, inveja, traição e assassinato, onde as tramas de A sombra do vento e O jogo do anjo convergem para a resolução do enigma escondido no coração do Cemitério dos livros esquecidos.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.