O que eu li em 2014

lidos2014

Tá, eu sei que deveria ter feito esse post lá no início de janeiro, mas por algum motivo, razão ou circunstância, ele ficou morgando na pasta rascunhos até hoje, quando entrei lá e vi que ele vagava solitário a quase dois meses!

2014 foi um ano ótimo pra mim em termos literários. Li 56 livros e, além da quantidade que foi bastante satisfatória, o mais legal, é que li livros bons e ótimos em sua maioria.

Descobri universos maravilhosos na Saga Trono de Vidro e na Saga dos Corvos. Me apaixonei loucamente e ainda mais pelo universo das Crônicas de Gelo e Fogo. Sofri e ri com o John Green e seus under dogs. Firmei a fantasia como um dos meus gêneros favoritos com a Saga do Assassino, as Crônicas do Matador de Rei e O Trono do Sol. Me emocionei com a Anne Frank e com As Vantagens de Ser Invisível. Me irritei muuuito com o comportamento de alguns personagens. Enquanto me decepcionei com Fênix – A Ilha e Mentirosos, fui espetacularmente surpreendida pela Sally Gardner e pela R. J. Palacio. Chorei com a Valerie da Lista Negra e vi quanto o mundo pode ser cruel.

Amei-os por me deixarem feliz, odiei-os me fazerem sofrer. Amaldiçoei uma dúzia de livros por me impedirem de ir dormir na hora certa e, ao alcançar a cama, não tirar suas histórias da cabeça. Sonhei e viajei para os mais diversos lugares. Fui e voltei num virar de páginas. Perdi horas e horas da minha vida, pois não as vi passar. Percebi que as horas que perdia, na verdade me davam mais do que me tiravam.

Revivi nas páginas de Sábado à Noite um pouquinho da minha adolescência e vi um duelo de princesas na Trilogia A Seleção. Descobri que autores brasileiros podem ser surpreendentes e que a Princesa Adormecida na verdade está bem acordada pra vida. Quis poder viver um dia na pele da Tris, da Alina, da Celaena. Mergulhei nos livros, em universos de livros e amei pela segunda vez A Sombra do Vento, exatamente como na primeira. Percebi com A Vida do Livreiro A. J. Fikry que a leitura não precisa ser fantástica e cheia de reviravoltas. No fim, o que realmente importa, é que ela nos deixe mais felizes. Mais completos.

divisoria

2015 começou com objetivos mais ousados, com parcerias e compromissos. Mesmo assim quero que meu maior comprometimento seja em ler BONS livros. Livros que me façam gritar aos sete ventos “I’m going on a adventure!”.

adventure

 

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.