O Rei Corvo – Maggie Stiefvater

O Rei Corvo é o quarto e último livro da Saga dos Corvos da autora Maggie Stiefvater. A publicação no Brasil é de 2016 pela Verus Editora.

*Esta resenha contém spoiler dos livros anteriores

Sobre o Livro

Maura foi resgatada da caverna, porém algo muito perigoso acordou e com ele ficaram personagens inusitadas. Esse ser está aos poucos interferindo no poder das Linhas Ley e em Cabeswater. Artemus, o pai de Blue, também apareceu. E quais serão os mistérios que esse personagem que jamais esperávamos ver tem a revelar?

Gansey segue em sua busca por Glendower, e parece estar mais perto que nunca de encontrá-lo. Mas será que conseguirá o seu pedido quando isso acontecer? Enquanto isso Blue guarda dois grandes segredos, o da morte de Gansey e o de seu envolvimento com ele. Será que haverá uma forma de salvá-lo e mantê-lo por perto sem magoar os outros garotos destruindo a relação que eles possuem?

“Ele era um rei. Havia chegado o ano em que ele morreria.”

Picture_20170116_003133831

Enquanto a pilha de perguntas só aumenta, esses jovens caminham em direção ao seu destino. Ronan sonhando com coisas inimagináveis, Adam lutando contra seus próprios pesadelos e sua conexão com Cabeswater, E Noah cada vez mais próximo de se desvanecer para sempre.

Nessa trama cheia de magia, novos personagens serão convidados a entrar, e alguns dos velhos a sair. A Rua Fox, 300 nunca esteve tão quieta e atordoada ao mesmo tempo. Não há onde se esconder. Está na hora de enfrentar o desfecho dessa história.


Minha Opinião

É hora de dizer adeus. Dizer adeus a Gansey, Blue, Adam, Ronan, Noah, as médiuns da Rua Fox 300, a todos os seres sonhados, ao Sr. Cinzento, a Cabeswater. Mas, mais do que qualquer coisa, é hora de dar adeus a Glendower.

Se despedir de uma série que eu amo tanto não foi algo fácil. A ansiedade por esse livro e o medo dele eram coisas que andavam juntas. Vi tantas pessoas lidando com a decepção que a história trouxe que antes mesmo de tê-lo em mãos já havia feito minha paz que essa trama não teria todas as respostas que precisava. Mas, longe de ter me decepcionado, como achei que iria, o que mais me deixou triste foi chegar ao final e não encontrar o glorioso desfecho que eu estava esperando.

Picture_20170116_003357243

A trama que Maggie criou não tem nada de comum. Aliás, é uma das histórias mais únicas da fantasia contemporânea. Apesar de usar elementos conhecidos, como as Linhas Ley, que são aplicados em tantas outras histórias, a autora conseguiu distanciar sua narrativa, criando algo extraordinário. E, ao pensar sobre toda a história e o que ela precisava ainda oferecer, me dei por conta que não teria todas as respostas nem que a autora quisesse dar. Não havia espaço pra isso em apenas um livro.

Dentre as coisas que não gostei, quero pontuar o destaque dado aos comerciantes do elementos criados pelo Greywaren e o espaço que isso toma da história. Bem como as cenas das duas personagens que acompanham o demônio. Queria tanto mais dos outros, que não vi muito sentindo e perdemos o tempo precioso com essas personagens. Além disso, o final pra mim ficou faltando algo. Desde o começo sabemos o que o fim pode ser: a morte de Gansey. É um caminho que não queremos pensar muito, e ao mesmo tempo buscamos soluções para contornar isso. Mas o que realmente é melhor para a história?

O que aconteceu me deixou frustrada, pois pareceu simples demais frente a tudo o que a Saga dos Corvos representa, principalmente o último capítulo, completamente desnecessário. Porém, como falei no começo, o livro não foi uma decepção e há muita coisa legal aqui também para contornar todos os problemas presentes.

“O olhar de Ronan Lynch era a cobra na calçada onde você queria caminhar. Era o fósforo deixado sobre o seu travesseiro. Era premir os lábios e sentir o próprio sangue.”

Picture_20170116_003235341

Acho que uma das coisas mais legais que vi acontecer aqui teve a ver com a abertura de Ronan. Ele finalmente nos mostra muito mais de si e do que mantém preso em sua cabeça e seu coração. Um personagem que é um bad boy, que amamos e odiamos, que é descuidado, que não mede as consequências e que ao mesmo tempo sente tanto. Ama muito sua família e teme por ela. Ama seus irmãos e os odeia. Ama Gansey, ama Blue, ama Noah e ama Adam. Aliás, uma das cenas mais lindas de toda a Saga vem desses dois. Figuras opostas, controversas.

Adam mantém suas características, mas está um pouco mais solto. Ele é, sem dúvidas, o personagem mais estereotipado entre os garotos. O menino pobre que vive entre os ricos e quer provar o seu valor. Porém, em algum momento no terceiro livro isso ficou pra trás, e a frente só as sombras dessa época e o peso de Cabeswater. Ao fim de tudo, foi ótimo ver Adam crescer e se encontrar.

Noah está indo embora. Tudo o que acontece o enfraquece e sua missão está chegando ao fim. É difícil se despedir de um personagem que é ao mesmo tempo querido e creepy. Já Blue, que teve protagonismo no terceiro livro, aqui está um pouco apagada, mais indo com a maré do que tomando a frente. Porém, em algum ponto da história, quando seu pai é trazido em foco, descobrimos que sua ligação com tudo o que aconteceu pode ir um pouco além de um golpe de sorte. Existe conexão, propósito.

E como as mulheres desse livro são legais. Blue é apenas uma delas. Cada uma do seu jeito, cada uma com sua faceta. Loucas, céticas, estranhas, extremamente bem construídas. Genuínas em sua natureza. Todas as presenças da Rua Fox 300 ganham nossa atenção e admiração ao longo da história.

Já Gansey tem mais “tempo em cena” e há um conflito persistente em sua mente. Mesmo que ele não saiba realmente, sabe que seu tempo está acabando. É hora de dar um fim a tudo. É hora de encontrar Glendower. Porém, tudo é tão difícil. As pessoas ao seu redor estão sofrendo, sua família deseja atenção, e sua mente é uma confusão. Ele não sabe como fazer as coisas acontecerem. Até que descobre.

“A questão era que todos estavam próximos demais da situação. Eles haviam estado próximos demais da situação durante meses. Estavam tão próximos que era difícil dizer se eles eram ou não a situação em si.”

Picture_20170116_003502913

Essa é uma série fora da casa que exige do leitor uma mente aberta e imaginativa. Parte disso justifica não termos respostas para tudo. Fica aberto para que coisas sejam discutidas e teorias formadas. Houve uma certa frustração com isso? Sim. Mas não termino essa história decepcionada. Termino com um sentimento de perda gigantesco, por ter de dar adeus a personagens tão queridos, a uma narrativa cativante e a uma história sensacional.

A história não é realismo mágico, mas em vários aspectos se apropria de características do estilo para confundir o leitor. Trazer com naturalidade algo mágico e não necessitar dar explicações. O ir e vir desses elementos suscita as perguntas e isso é normal, porém também merece ser compreendido. E, tendo dito tudo isso, a impressão que fica é que se esse não fosse o último livro, seria um ótimo quarto. Mas ao fim, a falta de algo também pesou.

Maggie sabe muito bem como envolver o leitor, sabe conduzir a história soltando bombas em lugares inesperados, posicionando seus plot twists em momentos que você já deu tudo por encerrado. Depois que você entra pra dentro do primeiro livro e se familiariza com a história, há uma sede por descoberta, uma ânsia por conhecer mais. Esse foi meu primeiro e único contato com ela, e sei que ela nem sempre é assim, mas aqui, certamente o tom foi acertado.

A Saga dos Corvos é uma das minhas séries de fantasia contemporânea favoritas. Independente de tudo o que esse último livro pode ter deixado em aberto ou a desejar, isso não mudou. Os personagens me cativaram de uma forma como poucos jovens ficcionais conseguem, há uma conexão entre o leitor e eles. São reais, palpáveis. Cabeswater é mágico, um lugar que todos gostaríamos de conhecer, e essa, por mais dura jornada que tenha sido, certamente despertou o instinto de aventura e de descoberta. Maggie Stiefvater ganhou meu coração com essa história e a ela eu agradeço.

thumb_livro

4estrelasb

O REI CORVO

Autor: Maggie Stiefvater

Editora: Verus

Ano de publicação: 2016

Nada que está vivo é seguro. Nada que está morto é confiável. Há anos Gansey iniciou uma jornada para encontrar um rei perdido. Um a um, ele atraiu seus amigos para essa missão: Ronan, que rouba coisas de sonhos; Adam, cuja vida já não é sua; Noah, cuja vida não é mais vida; e Blue, que ama Gansey… e tem certeza de que está destinada a matá-lo. O fim já começou. Sonhos e pesadelos estão convergindo. Amor e perda são coisas inseparáveis. E a busca pelo rei se recusa a ser fixada em um caminho. A busca pelo rei adormecido vai chegar ao fim em Henrietta — mas não sem perdas, desejos, revelações e uma verdade brutal.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos. Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo. Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • rudynalvacorreiasoares

    Oi Tamirez!
    Não li os livros, mas não me importo com os spoilers, porque minha memória é péssima e tenho certeza que se um dia conseguir ler, já nem me lembrarei mais…kkkk
    Mesmo com suas ressalvas, bom saber que de certa forma ele deu um desfecho favorável ou razoável.
    É tem coisas que podem mesmo ser mais bem desenvolvidas e outras nem precisavam estar no livro, só enchendo linguiça…
    Gostei da resenha.
    cheirinhos
    Rudy

  • Bruna Prata

    Sempre que me vem na cabeça comprar esse livro (que quero muito), surge que$tõe$ que me impede, nunca o encontro em promoção e o seu preço é um pouco salgado. Mas, tenho uma enorme vontade de ler, tanto que tive que ser cuidadosa ao ler a resenha.

  • Daiele

    Aiaiai Tami, como ler uma resenha de uma série que eu sou apaixonada mas que ainda não li nem o primeiro livro? pode isso?! hahaha
    Pois é, eu gosto muito dos titulos dessa série, as capas são divinas, e por se tratar de fantias ja tem alguns anos que quero ler, mas são sempre tão caros esses livro que vou deixando e deixando…
    Mas desse ano não passa, nem que eu tenha que juntar minhas moedinhas e comprar pelo menos o primeiro livro da série.
    É uma pena quando o final não tem o desfecho que gostariamos, ainda mais se tratando de uma série nao é?!
    Mas, quando a historia é inteiramente boa, e somente por um final um pouco ruim para nós, vale apena dar uma conferida!
    Ansiosa para começarr

    beijos

  • Lili Aragão

    Oi Tamirez, não acompanhei todas as resenhas dessa série, mas já tinha ouvido superficialmente sobre ela e pelo que li aqui nessa resenha acho que ela é diferente e até original, onde a autora imprimiu muita criatividade em sua criação e envolveu os leitores, pois o que ouço sobre ela são sempre elogios. É bom chegar ao fim de uma série e que mesmo quando deixa a desejar em alguns pontos, consegue deixar saudades. Quero ler com certeza ;)

  • Pamela Liu

    Oi Tami.
    Eu tenho o primeiro livro da série, mas ainda não li.
    É bom saber que a série toda tem 4 livros. Mas ao mesmo tempo, parece que terminou com muitas pontas soltas e questões sem serem respondidas =/ Agora fiquei um pouco receosa de começar a ler a série.
    Tentei ler uma outra série da autora, Calafrio – os lobos de Mercy Falls, mas algo na escrita dela, me incomodou um pouco. Então não li a continuação. Não sei se será assim com Os garotos corvos.
    bjs

  • Marta Izabel

    Oi, Tamirez!!
    Não li essa série Saga dos Corvos, mas recentemente coloquei o primeiro livro no meu kindle. Espero gostar dessa série tanto quanto você gostou!! Toda vez que termino uma série também acabo sentido saudades dos personagens favoritos mas também penso que como é bom terminar os livros é ver como tudo foi resolvido. Adorei a resenha, ela ficou maravilhosa como as fotos também ficaram lindas!!
    Beijoss

  • Thaynara Ribeiro

    Da Maggie a série que quero ler é Os Lobos de Mercy falls. Amo muito sobrenatural, mas essa série não me chamou tanto a atenção. Vou buscar as resenhas anteriores. Gostei muito das capas dos livros. Todos os personagens parecem cativantes e bem diferentes um do outro, pela resenha um que não vou ter muito paciência é o Adam

  • Gabriela Souza

    Oi Tami! Ainda não li Os Garotos Corvos, apesar de ele estar na minha lista de desejados a um bom tempo. Sou apaixonada por livros sobre histórias sobrenaturais, e to MUITO ansiosa pra conhecer melhor a história e a escrita da autora! Beijos

  • Viviane Baptista

    Eu queria tanto terminar a serie mas o livro esta tao caro :(

  • Anne

    Tami, não li a resenha porque eu ainda não li os livros. Tô com inveja da sua coleção! Kkkkkk! Sério, porque é uma série que eu quero muuuuuuuuuito, mas os livros são tão caros. Eles não abaixam d preço e eu previiiiiiiiiiso lê-los! E eu amo suas resenhas porque você posta muitas fotos dos livros, dentro do livro. Isso faz a diferença. Enfim, é uma série que eu quero muuuuuuito ler. Esperando uma promo daqueeeeeelas!!!