O Vale dos Mortos – Rodrigo de Oliveira

O Vale dos Mortos é o primeiro livro da série As Crônicas dos Mortos do autor brasileiro Rodrigo de Oliveira. Ele foi lançado em 2014 pela Faro Editorial.

Sobre a história

No ano de 2017 uma velha profecia retorna. Um planeta vinte vezes maior que o nosso está se aproximando da Terra e estamos com nossos dias contados. O pânico é geral, todo o mundo entra em colapso. As pessoas passam a esperar pelo seu fim. Eis que, para felicidade geral, houve um erro de cálculo e o planeta passa longe de nós. O mundo inteiro respira aliviado. Em São José dos Campos, o ex-militar Ivan, assim como os outros, fica aliviado ao descobrir que a humanidade poderá continuar com seu reinado. Juntamente com a esposa Estela e os dois filhos pequenos, eles aproveitam esse último momento de felicidade.

O dia que o planeta passará perto da Terra e ficará visível chega. Muitos param para observar essa atração. O clima geral é de alívio e felicidade. Rapidamente a temperatura aumenta e as pessoas começam a desmaiar aos montes. O chão fica tomado por elas e os poucos sobreviventes tentam reanimá-las. Após constatarem a sua morte, eles se espantam quando elas voltam a vida, com olhos brancos e com uma agressividade e fome gigantescas. Ivan e sua família conseguem escapar ilesos, mas até quando a sua sorte vai durar? Seria esse planeta o responsável pelo aparecimento desses demônios?

“Mas aquela criatura não entendia nada. Não havia nela nenhum sinal de humanidade. Nenhum sinal de sanidade. Apenas dois olhos brancos, leitosos e emoldurados por um rosto feroz, alucinado. Olhos vazios e mortos. E, acima de tudo, olhos famintos.”

A partir daí observamos uma corrida desesperada pela salvação. Um homem tentando proteger a sua família em meio a um mar de monstros irracionais e brutais. Cada vez mais pessoas estão se transformando depois de serem atacadas. O pobre homem não sabe para onde fugir. Então, ele tem a ideia de se esconder em um local seguro, lá ele encontra outros sobreviventes e juntos passam por diversas provações. Seriam essas pessoas confiáveis? Até quando eles ficarão escondidos? Será que eles vão encontrar mais pessoas? O que fazer quando os mantimentos acabarem?


Minha opinião

Originalidade é a palavra-chave dessa história. Eu, que sou acostumada a consumir tudo que envolve zumbis, pensei que encontraria aqui apenas mais do mesmo, com a diferença de se passar no Brasil, mas imaginem a minha surpresa ao ver algo completamente diferente de tudo que já li até hoje. Milhares são as teorias sobre o fim do mundo e nesse livro, e o autor conseguiu unir as minhas duas preferidas de uma maneira coesa e cheia de surpresas.

As pessoas estão sempre falando sobre o fim dos tempos, mas o que aconteceria se ele realmente chegasse? Como você se comportaria? E se ninguém da sua família sobrevivesse? Esses e tantos outros questionamentos assolam a minha mente que está sempre maquinando teorias sobre zumbis, planetas colidindo com a terra e demônios vindo nos assombrar. Apesar da fonte pequena, que dificulta a minha leitura, não levei mais que alguns dias para terminar essa história, tamanha a forma com que ela me prendeu. Essa trama possui diversos pontos que serviram para que eu ficasse completamente apaixonada. São eles: se passar no Brasil, envolver zumbis e mostrar a parte da sobrevivência das pessoas, como elas fazem para se reerguer.

Já estou saturada de só ouvir falar sobre o momento que a crise se instaura, como são os ataques e demais confrontos entre humanos e devoradores de cérebros. Eu quero saber sobre os conflitos internos das pessoas, sobre o limite que elas são levadas, sobre as desavenças e os percalços que eles encontram na busca desesperada pela sobrevivência. Eu quero saber quais os questionamentos, o que eles julgam ser melhor para sua jornada: se isolar e pensar apenas em si ou buscar mais sobreviventes para juntos reconstruirem o mundo. E para minha imensa alegria eu encontrei tudo isso em um único livro.

“Aqueles desgraçados tinham sido rebaixados a um patamar inferior ao dos animais mais atrasados de toda a criação, e daquele dia em diante vagariam pela Terra com o único propósito de caçar os seres humanos.”

Aqui temos uma aula sobre o fim do mundo e teoria de planetas assassinos. Catástrofes, mortes e traições. Teorias contidas no livro do Apocalipse. Questionamentos sobre fé e religião. Que Deus é esse que vê tudo isso acontecer e não faz nada? Qual o padrão utilizado por esse planeta para transformar as pessoas? Isso se realmente é ele que está provocando isso. Nossa teoria de que os maus vão embora e os bons ficam cai por terra ao percebermos que pessoas ruins continuaram entre nós, que os bons estão passando por diversas dificuldades contra essas coisas brutais que só pensam em estraçalhar quem aparecer na sua frente. Se a teoria era de que os bons ficaram, eles não veriam isso como um prêmio, mas sim como um castigo por não terem sido eles a serem levados.

Se você já achava complicada a vida dos sobreviventes das histórias de zumbis que continham apenas um paciente zero, que depois ia se propagando até tomar conta do mundo, imagine MILHÕES de pessoas se transformando em todo o mundo, ao mesmo tempo. Quanto mais rápido eles tomam conta do mundo, mais rápido morre a nossa esperança. Outro ponto interessantíssimo é a transformação que ocorre com os sobreviventes que vivem em estado de alerta e despertam seus instintos mais agressivos. Eles mostram a verdadeira face do homem. Um lado violento e brutal, aquela raiva que se esconde, por vivemos em sociedade e termos normas a seguir. Eles matam os zumbis com crueldade e extrema violência. Um pouco por todo o ódio que nutrem por eles e também por despertarem sentidos que estão adormecidos dentro de nós.

Diversas figuras conhecidas são citadas e isso foi simplesmente magnífico. Como na época o autor não podia prever o que aconteceria agora, temos outras pessoas no poder de grandes nações, e ficamos chocados com o que acontece com elas. É interessante pensar no que aconteceria com figuras conhecidas, porque esse caos não escolhe raça, credo ou condição financeira. O mundo está à deriva. As grandes nações foram destruídas. Não existe um herói chegando para salvá-los, eles precisam ser os seus próprios salvadores. Poucos sobreviventes, humanidade sem esperança, muito sangue derramado e cidades dizimadas. Será que ainda existe uma saída para essas pessoas? Dizem que o ser humano sempre encontra formas de se reerguer, mas quanto mais lemos, mais percebemos que não existe mais salvação. As opções são muito parcas.

“Por semanas ele viu aquele lugar como um lar, mas agora enxergava a verdade. Aquilo não era um lar. Era, na melhor das hipóteses uma célula de sobrevivência; e, na pior, um mausoléu. Ivan viu as coisas com uma clareza assustadora, percebeu que esteve cego aquele tempo todo.”

Os sobreviventes não têm noção da extensão dos estragos. Eles não conseguem comunicação com ninguém e isso acaba por gerar muito desconforto e tristeza. E é em meio a tanto sofrimento que alguns personagens se destacam. Ah, os personagens! Ivan e Estela roubam toda a cena. Por ser um ex-militar, o homem será de grande importância e assumirá um papel de liderança como poucos fizeram, além de ser responsável pelas sacadas mais engraçadas da história (e ser um perigo com um martelo nas mãos!). Já sua esposa é muito astuta e destemida. Juntos eles vão dar uma nova esperança àqueles que sobreviveram. Além de serem o meu casal favorito desse mundo de zumbis.

Senti algumas referências aos filmes Madrugada dos Mortos e Guerra Mundial Z. Posso dizer que a história é uma mistura dos dois, só que melhorada, com muito mais detalhes. E aproveito para deixar um questionamento: o que o confinamento pode fazer com desconhecidos em um momento de perigo? Diversas pessoas vão aparecer nessa história. Algumas simpatizaremos logo de cara, outras serão alvo da nossa abominação. Vários assumirão um lugar de destaque, outros não serão tão lembrados. Mas juntos, todos terão um papel importante nos eventos que irão se desenrolar e nos acontecimentos finais da trama.

Amo histórias assim! Em como as pessoas se levantam, esse recomeço. É isso que eu gosto de observar. Eu imagino como seria esse cenário. Se isso acontecesse comigo, como eu agiria? Muitos zumbis, muito sangue e vísceras espalhados. Mas também, a cooperação, a gratidão das pessoas quando alguém estende a mão em um momento de dificuldade. A união que nasce quando a única vontade é de sobreviver e salvar quem se ama. A empatia que brota quando as dificuldades aumentam. Mas é claro que sempre existem aqueles que não seguem esse caminho.

Esse livro é minha grande recomendação do ano. Se você ama terror, zumbis e muita ação, não deixe de ler! A história é ainda muito maior de tudo o que eu pude descrever. É muito difícil criar algo original, principalmente com um tema que envolve zumbis onde tudo, ou quase tudo, já foi explorado. Aqui o autor conseguiu me surpreender de uma maneira muito positiva e com certeza esse livro vai para os meus favoritos. Essa é daquelas histórias que já deixamos um lugar especial separado na estante e no coração. Essa trama está me causando diversos sentimentos. Ao mesmo tempo que estou muito empolgada com a história, também fico muito apreensiva pelo final, em como será fechado algo tão maravilhoso. Por favor, não me decepcione! Você vai se apaixonar pelos personagens, sofrer junto com eles e desejar ardentemente, assim como, a continuação que promete ser ainda melhor. PODE VIR A BATALHA DOS MORTOS!

 

5estrelasB

O VALE DOS MORTOS

Autor: Rodrigo de Oliveira

Editora: Faro Editorial

Ano de publicação: 2014

2017… Uma profecia esquecida do Livro do Apocalipse, reiterada por outros profetas modernos, ressurge… Cientistas descobrem um planeta vermelho em rota de colisão com a Terra. Depois de muito pânico nos quatro cantos do mundo, eles asseguram que o astro passaria a uma distância segura de nós. E todos ficam tranquilos acreditando que nada iria acontecer… Então 2/3 de todas as pessoas no Planeta caem desmaiadas, vítimas de um estranho surto… “E abriu-se o poço do abismo, de onde saíram seres como gafanhotos com poderes de escorpiões. E os homens buscarão a morte e a morte fugirá deles.” Apocalipse 9,2-6. E um grupo luta para sobreviver num mundo dominado pelo mal. Com passagens por São Paulo, Brasília, Estados Unidos, China e França, “O Vale dos Mortos” baseia-se na profecia de que um planeta intruso ao sistema solar, ao raspar por nossa orbita, fatalmente desencadearia uma transformação de grande parte da humanidade, não havendo lugar seguro e ambientes sem infecção, pois ela ocorreria simplesmente pela aproximação do astro. Pegos de surpresa, e tentando entender o que acontecia enquanto buscavam se salvar, um casal e seus filhos iniciam uma jornada para restabelecer alguma condição de vida no que restou de seu próprio mundo. Uma história com muita ação e suspense, que vai deixar você eletrizado.

 

É colaboradora do Resenhando Sonhos. Natural de São Sepé, atualmente morando em Santa Maria. Formada em Gestão da TI pela URCAMP e cursando Produção Editorial na UFSM. Apaixonada por livros, Johnny Cash e cachorros.
  • Thais M. Costa

    Amo livros assim. Com terror, zumbi etc. Amei a resenha e ja vai pra minha lista de desejados .

    • Geórgea Teixeira Morais

      E o melhor é que o autor é brasileiro! <3

  • Natália Costa

    Nunca li nada sobre zimbis por não achar que seja original. Que bom que este parece diferente!
    PS.: Quero este action figure de zumbi! PRECISO de um deste! hahahaha

    • Geórgea Teixeira Morais

      Então essa é uma excelente sugestão para começar, Nat! Beijo

  • Karina Rocha

    Adorei conhecer esse livro, a história deve ser bem envolvente e que prende o leitor do inicio ao fim. Adorei saber que o autor é brasileiro, só me fez querer ter muita vontade de ler o livro, gosto muito de histórias sobre o fim do mundo.

    • Geórgea Teixeira Morais

      Oi, Karina! Eu também adoro <3 E encontrei diálogos bem construídos e personagens muito bem explorados aqui!

  • Kristine Albuquerque

    Nunca li nem de interessei por histórias sobre zumbis, mas tua resenha apresentou o livro tão bem que a curiosidade cedeu. O cenário da luta pela sobrevivência após grandes tragédias sempre me prenderam a atenção. Muito legal também ver escritores/as nacionais se destacando com obras de qualidade, e sendo reconhecidos por isso.

    • Geórgea Teixeira Morais

      Olá, Kristine! Quem sabe você não dá uma chance pra esse livro? =)

  • Vitória Pantielly

    Oi Geórgea
    Não sou fã de zumbis, mas como TODAS (sim, nunca ouvi um comentário ruim sobre o livro do autor) as críticas são incriveis eu decidi dar uma chance a O vale dos mortos, pretendo comprá-lo logo.
    Interessante a jogada do autor de transformar a história não só em um ataque de zumbis, mas mostrar a mente dos que passam por isso, é como você disse, isso fez toda a diferença e acredito que é o que vem conquistando os leitores. E que orgulho por ser um autor brasileiro, nossa literatura tem se destacado bastante. Algo que não posso deixar passar é a capa, eu adorei.
    Bjs

    • Geórgea Teixeira Morais

      Oi, Vitória! Sim, o Rodrigo arrasou com essa série! Fico feliz em saber que você vai começar a ler, depois volta aqui e me conta quais foram as tuas impressões! :) Beijão

  • Gabriela Souza

    Oi! Tu respondeu a minha pergunta logo de cara no inicio da resenha hahah Fiquei me perguntando se esse não seria só mais um livro de zumbis (coisa que todos estão saturados).Que ótimo saber que o livro possui originalidade, e foca bastante nos questionamentos internos de cada um em relação ao cenário apocalíptico. Quando comecei a ler a resenha logo pensei em Guerra Mundial Z, e parece que não errei, já que o livro possui referencias hahah Pretendo muito ler! Beijos

    • Geórgea Teixeira Morais

      Oi, Gabi! Que bom! hehehe =) E mesmo sendo parecido, é totalmente diferente! Vai entender, né? Mas não deixe de ler! É maravilhoso! Muito mais que uma simples história de zumbis.

  • Nathi

    Confesso que não costumo buscar livros desse estilo (de zumbis), não é muito a minha vibe, mas, pela sua resenha (ótima, por sinal), fiquei muito curiosa com essa história. Também adoro quando abordam questões e conflitos internos das pessoas envolvidas e não só aquele clichêzão de histórias de zumbis. Seu texto me remeteu constantemente à série The Walking Dead, que amo. Colocarei na minha lista de futuras leituras!

    • Geórgea Teixeira Morais

      Fico muito feliz em saber e obrigada pelo elogio, Nathi! Espero que você tenha uma excelente experiência com ele, quando for ler. Tenho certeza que você não vai se arrepender, justamente por ele fugir desse clichê. Beijos

  • Tiago Sturridge

    Já li várias séries de zumbis tais como The Walking Dead, Resident Evil, Apocalipse Z e pra mim essa Saga do Rodrigo é a melhor de todas..