Pecadora – Nana Pauvolih

Pecadora é um livro da autora Nana Pauvolih e foi publicado no Brasil em 2017 pela Essência, selo da editora Planeta.

Sobre o Livro

Pecadora conta a história de Isabel, uma jovem religiosa de 22 anos que mantém um relacionamento morno com o marido, Isaque. Criada obedecendo a princípios muito rígidos, impostos pelo pai pastor, Isabel abdicou de muitas coisas em sua vida em nome da religião. Isso sempre despertou diversas dúvidas, pois a necessidade de obedecer aos pais e de seguir as convicções da criação opressora com frequência batiam de frente com o desejo de ser uma jovem mais livre, e de experimentar os pequenos prazeres da vida, como ir ao cinema, por exemplo.

O relacionamento insatisfatório com o marido, um homem que foi escolhido para Isabel pelo próprio pai, e com quem casou muito cedo, fez com que a protagonista começasse a pensar em outras possibilidades para sua vida. Em determinado momento Isaque, um homem rígido, um tanto machista e que não se permite envolver inteiramente com a esposa, passa a jogar futebol e ali conhece pessoas com costumes muito diferentes dos seus. Uma dessas pessoas é Enrico, um publicitário que sabe aproveitar a vida e que não nega a fama de mulherengo. Gosta de sexo e conversa abertamente sobre isso com os amigos, de maneira que o assunto acaba chegando aos ouvidos de Isabel, e despertando assim seu interesse.

“Foi loucura. Foi insanidade. Mas digitei uma mensagem. E ali, por um momento, eu não parecia ser a Isabel de sempre. Era outra, adormecida, desconhecida. Ainda assim, era eu.”

Sabendo o quanto é errado sentir atração por alguém que não seja seu marido, um homem unido a ela por Deus e pela igreja, Isabel vive um dilema ao começar a trabalhar na agência de Enrico. A aproximação dos dois se dá através de mensagens anônimas que trocam, e é através dessas conversas que um mundo novo se abre para a protagonista. Com assuntos que transitam entre desejos e fantasias sexuais a concepções filosóficas e descobertas musicais, Pecadora fala de maneira muito sensível e ao mesmo tempo erótica sobre as descobertas de uma jovem mulher, seus dilemas, suas dores, seus sonhos e seus prazeres.


Minha Opinião

Pecadora foi o primeiro livro de Nana Pauvolih que eu li. A autora, que é referência em literatura erótica no país, me surpreendeu de maneira que jamais imaginei ser possível. Quando li a sinopse de Pecadora, confesso, imaginei que a história seguiria um caminho muito diferente. Primeiro pelo tom inovador e ao mesmo tempo delicado, pois falar em uma mesma narrativa sobre religião e sexo não é tarefa das mais simples. Mas ela conseguiu, e adianto que fez isso com maestria.

Isabel foi criada de maneira muito rígida. O pai era pastor e não aceitava diversas colocações da igreja que fazia parte, e isso o motivou a criar a sua própria, um lugar no qual poderia falar sobre os escritos da bíblia, mas fazendo a sua interpretação de tudo aquilo e vivendo de acordo com o que acreditava ser o correto. O resultado disso foi a construção de uma família sem abertura para conversas e sem acolhimento para dúvidas. Isabel era a mais nova das três irmãs, e uma espécie de misto das outras duas. Enquanto uma era a copia do pai, e levava uma vida totalmente voltada para a religião, a outra, Rebeca, era uma força da natureza, que foi contra as imposições da família e se rebelou, o que resultou na sua expulsão de casa após revelar uma gravidez precoce.

“Era por isso que eu entendia Rebeca. Não era apenas por amá-la muito que eu não conseguia me afastar. No fundo, eu sabia que a diferença entre nós duas era que ela, sempre feliz e expansiva, cheia de vida, questionava a religião abertamente enquanto eu fazia isso escondida”.

Imaginando que Isabel poderia seguir os exemplos da irmã do meio, seus pais incentivaram o casamento com Isaque, um membro da igreja. Agora com 22 dois anos e casada há 4, Isabel começa a refletir sobre diversas questões e insatisfações da sua vida, principalmente no que envolve seu relacionamento com o marido. Ela é jovem, tem vontades e desejos que são vistos pela igreja como pecado e restringidos pelo marido. Esse, por sua vez, não aceita que a esposa deixe de ser a mulher submissa que sempre foi, e estranha quando Isabel começa a questionar a falta de carinho e prazer na relação. Essas negativas do marido, seu machismo e a necessidade de mantê-la nos moldes de esposa perfeita aos olhos de Deus, faz com que Isabel fortaleça a necessidade de repensar suas escolhas. E quando Enrico surge na história, essa necessidade toma uma proporção que ela não imaginava.

Enrico é aquele tipo de personagem sem vergonha. Bem sucedido, mantém com muita clareza seus desejos, seus objetivos, e faz de tudo para alcançar aquilo que quer. É aquele paradoxo entre um cara que se autodenomina um pegador, mas que no fundo sente e espera que a pessoa ideal para ele chegue a sua vida e ajude a preencher os espaços da casa vazia e do coração que já foi partido. Quando conhece Isabel a atração por ela é imediata e avassaladora, mas colocada de lado quando descobre que ela é esposa de seu amigo. Ao mesmo tempo em que tenta lidar com esses sentimentos, que passam a ficar mais evidentes quando os dois começam a trabalhar no mesmo ambiente, Enrico se envolve com Pecadora, uma pessoa anônima com quem passa a trocar mensagens pelo celular. Surge uma desconfiança de que aquela pessoa do outro lado da tela seja Isabel, mas esse sentimento é confundido com uma vontade de que tanto a pecadora quanto a recatada sejam a mesma pessoa. E a partir daí a história de amor e descoberta começa.

“E eu, que continuo agnóstico, que ainda acredito que nosso maior pilar na vida deve ser a nossa consciência, comecei a achar que Deus existe mesmo. Ele é o amor.”

Este é um romance erótico e como tal, as cenas de sexo estão ali. Mas diferente de diversos livros no estilo, aqui a relação sexual não é o foco, mas sim um meio para um fim. A autora fala sobre uma personagem que sente uma dor existencial imensa, porque luta contra sentimentos e sensações que foram desde cedo condenados por conta da religião. Coisas muito simples e para muitos corriqueiras, não fazem parte da vida de Isabel. Por isso ouvir rock ou MPB, cortar os cabelos, usar uma roupa mais sensual, receber carinho do marido, ou simplesmente questionar seu papel e posicionamento na relação, são atitudes inaceitáveis. Então a narrativa mostra a jornada de auto descoberta e transformação de uma menina em uma mulher. E é lindo ver Isabel desabrochar e tomar as rédeas da própria vida.

Uma das maiores dúvidas que tive ao iniciar esta leitura, foi relacionada a como a autora iria conciliar a religião de Isabel e sua necessidade de mudança. Ela se voltaria contra Deus e contra a igreja? Deixaria de acreditar em tudo aquilo que a guiou durante sua existência? Abriria mão do amor por conta da culpa? E essa dúvida foi se dissolvendo durante a narrativa, e a cada página que eu virava mais percebia que Nana Pauvolih conseguiu sublimar todos os sentimentos ruins que haviam ali. Com muita sutileza e assertividade, transformou um romance erótico em um livro que fala sobre sexo e sobre Deus de maneira sensível. Aqui não há vulgaridade, aqui não existe a relação sexual usada como artifício para preencher espaços vazios na página.

Pecadora é uma história sobre amor, sobre descoberta, sobre perdão e aceitação. É um livro que prende o leitor com uma escrita fluida e envolvente, com diálogos que são ao mesmo tempo quentes e encantadores. É um livro que promete agradar aos fãs do gênero e que pode também servir como porta de entrada para aqueles leitores que não conhecem o trabalho da autora, mas que preferem iniciar com um erótico mais leve, por assim dizer. Minha única ressalva é que eu queria mais do casal como casal. Digo isso porque o livro mantém uma atenção maior à jornada de Isabel enquanto pessoa, enquanto mulher, e quando ela finalmente se encontra e descobre maneiras de viver em paz sem abrir mão de suas paixões, o livro acaba. Ficou aquele gostinho de quero mais, seja esse mais em forma de epílogo do epílogo, em forma de conto, em forma de continuação… Cabe a autora decidir.

PECADORA

Autor: Nana Pauvolih

Editora: Essência

Ano de publicação: 2017

Todos nós éramos pecadores. Somente uma coisa diferenciava um pecador: as escolhas. Saber o certo e escolher seguir pelo caminho errado em vez de fazer o que era correto. Fechei os olhos. Apesar de tudo que tinha feito naquela noite, não me arrependi. Era pecado, era perdição, mas também era mais do que eu já tinha sonhado em ter. ––– Entre a rígida criação religiosa e o desejo que sempre a consumiu, Isabel precisa se encontrar. Casada há quatro anos com Isaque, seu namorado de adolescência, a jovem sabe que a relação está longe de ser satisfatória. Mas é só quando Isaque fica amigo de Enrico, um publicitário solteiro e bem-sucedido, que a situação começa a ficar insustentável. Agnóstico, sem amarras e cheio de mulheres, Enrico é tudo o que Isabel acredita rejeitar, mas ela não consegue deixar de se sentir interessada pelas histórias que o marido conta dele. Para piorar, ela consegue um emprego na agência dele, e agora terá de passar os dias ao lado do homem que traz à tona seus sentimentos mais proibidos.

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.

  • Lara Caroline

    Oi Krisna tudo bem?
    Nossaa a princípio achei que este livro seria bem diferente do que eu imaginava, mas ainda bem me surpreendeu. Gostei da autora abordar esse lado de descoberta da Isabel e de como ela se libertou e não como o mocinho libertou ela. Mesmo não sendo o tipo de leitura que eu curta, eu leria este livro.
    Beijos

    • Krisnamara Alencar

      Lara, tudo bem?

      De fato essa é uma questão que me agradou bastante: A protagonista é sua própria salvadora. O mocinho exerce sim um papel importante, o amor deles tem sua vez, mas o desabrochar da Isabel é que vem em primeiro lugar. Super indico a leitura.

      Beijo

  • Nayane Evylle

    Oi Krisna.
    Eu julguei o livro pela capa e julguei mal. Não esperava que seria assim. Super gostei da história. O autodescobrimento da Isabel, como pessoa e mulher, ficou muito bem elaborado pelo que pude perceber na descrição do livro. Acho que o mercado precisa de mais livros assim. Acabar com aquele tabu eterno que é a sexualidade da mulher como mulher. Acabar com aquela objetificação do corpo e etc. Religiosidade, como alguns podem achar, não atrapalhou, em vez disso criou um dilema que gostei muito e achei interessante a autora trabalhar com isso. Com certeza irei ler!
    Até mais

    • Krisnamara Alencar

      Nayane, super concordo com o seu comentário. Acho sim que o mercado precisa de obras assim, são livros que ajudam a empoderar e a desmistificar muita coisa com relação à sexualidade da mulher. Você tem dicas de outras obras com essa pegada?

      Beijo

  • Isabela Carvalho

    Oi Krisna ;)
    Já conheço a Nana pela série Segredos e adoro a escrita dela, e acho que vou gostar de Pecadora.
    Já vi muitas resenhas positivas do livro, e pela capa e nome deve ser um livro bem hot, como as outras séries dela, mas que bom saber que não é apenas focado nisso!
    Adorei o contexto do livro, que fala sobre a religião, o fanatismo e tal… acho que vou amar a leitura!
    Bjos

    • Krisnamara Alencar

      Isabela, tudo bem?

      A série Segredos ainda não conheço, mas já está na minha lista de leitura. Pelo que pude observar após ler outras obras da Nana, o Pecadora é bem mais light com relação à parte hot.

      Beijo

  • Aline M. Oliveira

    A Nana não decepciona, mesmo quando coloca a mão no vespeiro! Que história! Uma personagem muito forte! A resenha tá bem escrita, deixando ter um relance da história! Quero poder ler em breve!

    • Krisnamara Alencar

      Aline,
      Fico feliz que você tenha gostado da resenha, foi escrita com muito carinho. Leia sim, se puder depois volta aqui pra compartilhar sua opinião ;)

      Beijo

  • Márcia Saltão

    Oi.
    Não conheço a escrita da autora, mas pelos seus comentários, deve ser bem interessante, para quem curte esse estilo de leitura. Dessa vez, deixo passar a dica.
    Ótima resenha.
    Abraços.

    • Krisnamara Alencar

      Márcia, obrigada pela visita e comentário ;)
      Abraço

  • rudynalvacorreiasoares

    Krisna!
    Gosto muito de livros eróticos e gostei ainda mais de ver que aqui o questionamento vai além, porque traz o questionamento religioso e a busca da protagonista em procurar sua própria felicidade, mesmo que tenha que quebrar todos seus paradigmas e recomeçar, inclusive enfrentando a família.
    Maravilha!
    “A única sabedoria que uma pessoa pode esperar adquirir é a sabedoria da humildade.” (T. S. Eliot)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JUNHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

    • Krisnamara Alencar

      Rudy, tudo bem?

      Também adorei esse diferencial do livro, é o tipo de obra que se destaca por não ser ‘mais do mesmo’. Vale a pena a leitura.

      Beijo

  • Marta Izabel

    Oi, Krisna!!!
    Já li outros livros da Nana e simplesmente adorei!! E estou doida para ler essa história e conhecer mais sobre esses protagonistas!!
    Bjoss

    • Krisnamara Alencar

      Marta, essa mulher tem o dom de prender o leitor, né? Gente, que escrita gostosa. Virei nanete! rs

      Beijo

  • Natália Costa

    É brasileira a autora? Não conhecia :/
    Até gosto de romances com toques eróticos, gostei bastante da ideia, parece levar a reflexões interessantes sobre a influência da religião na vida das pessoas, principalmente em questões sexuais.

    • Krisnamara Alencar

      Natália, tudo bem?

      Menina, ela é brasileira sim! E um amor de pessoa, tive oportunidade de conhecê-la num evento aqui na cidade. Se você estiver afim de conhecer a escrita dela, recomendo que comece por este livro ;)

      Beijo

      • Natália Costa

        Obrigada! :)

  • Micheli Pegoraro

    Oi Krisna,
    Tenho curiosidades de ler algum livro dessa autora, até porque faz tempo que não leio livros desse gênero, então seria uma boa oportunidade ao dar uma chance a autora nacional.
    Já li algumas resenhas desse livro e estou cada vez mais interessada em ler essa história. Gostei da forma como a Nana conduziu a trama, com a protagonista na sua própria jornada de conhecimento, aceitação e libertação, uma mulher desabrochando e aprendendo a dar valor ao que ela realmente gosta. Adorei a mensagem que o livro passa, pois há muitas mulheres que se escondem, sempre buscando seguir as regras impostas pela família e religião, vivendo sem muitas expectativas e emoções.
    Vou anotar a dica e ler assim que tiver uma chance.
    Beijos

    • Krisnamara Alencar

      Micheli, que bom que você curtiu a dica. Isso que você falou é bem verdade, essa questão de muitas mulheres se escondem/anulamou simplesmente não se permitem viver algo que desejam (desde coisas simples até as mais complexas) por conta da imposição de algo ou alguém. Acredita que num evento que teve em Campinas, com a autora, conversamos justamente sobre isso? Com depoimentos de leitoras que se identificaram com muitas situações relatadas no livro… Ou seja, é uma realidade que tá bem aqui, se não conosco com alguém que conhecemos. Gosto de livros que permitem esse tipo de reflexão, principalmente quando a obra é gostosa de ler – caso de Pecadora ;)

      Beijo

  • Leitura Organizada

    Não conhecia essa autora, adoro o gênero hot mas é tão dificil encontrar algo que saia do padrão mocinha besta+ Ceo safadão que se apaixona pela mocinha boba kkkk.
    O fato de incluir religião e essas amarras sociais com as quais a maioria (com mais de 25) foram criadas, despertou completamente meu interesse.

    • Krisnamara Alencar

      Olá, tudo bem?

      Esse padrão que você citou pelo que percebo vem marcando presença em diversas vertentes do romance, não só nos eróticos. Aqui a mocinha é bem ingênua de certa forma, mas tem todo um porquê por trás. E o desenvolvimento, amadurecimento, o desabrochar dessa personagem acaba sendo o ponto principal do livro. É lindo de ver!

      beijo

  • Bruna Prata

    Já li um livro dessa autora, no tempo em que ela estava começando a bombar no Wattpad. Tive uma experiência desagradável com os “mocinhos” dessa autora, todos seguem a mesma linha, ricos, bonitos, sedutores, mulherengos…
    Com o tempo cultivei curiosidades sobre como a Nana vai desenrolar a trama desse livro e, agora estou mais curiosa ainda.

    • Krisnamara Alencar

      Bruna, tudo bem?

      Confesso que conheci a escrita da Nana através do Pecadora, ou seja, recentemente. Como esse livro (pelo que percebi) vai meio que na contramão dos outros, foi uma grata surpresa e penso que não tinha como ingressar melhor na escrita dela. Desde então já li umas 6 obras da Nana. Meu favorito é o De volta ao prazer, já leu? Os personagens saem totalmente desse estereótipo que você mencionou, vale demais a pena.

  • Daniel Igor

    Boa noite!
    Nunca li nada da autora, pois não sou fã de livros eróticos, mas essa sua obra está causando tanto polêmica que sempre dá aquela curiosidade de criança na gente, né?
    Achei interessante ela tratar de tabus tão grandes com sensibilidade maior ainda.
    Abraços.

    • Krisnamara Alencar

      Daniel, como vai?

      Também achei que ela foi muito sensível e assertiva com esse livro. E de fato dá curiosidade mesmo rs

      beijo

  • camila rosa

    Oi Krisna, tudo bom?
    Eu não conhecia o livro ainda, e nem a autora, gostei da resenha, eu tenho fugido um pouco dos eróticos ultimamente, mas esse parece ser bem interessante, porque a autora conseguiu abordar dois temas que juntos se complicam, e confesso que estou curiosa para saber no que essa historia vai dar, essa coisa de se sentir atraído pela mulher do amigo vai dar hein kkkk. Acredito que darei uma chance ao livro.
    Beijos *-*

  • Andressa Alves

    Não achei um dos melhores livros da Nana, mas a história é boa. Esse vai ou não vai dos personagens ficou um pouco entediante. Não me conquistou, mas vale a pena ler e fazer sua própria avaliação.

  • Natalí Marques

    Olá!
    Não conhecia esse livro e não costumo ler livros desse gênero. A premissa é muito interessante e por eu ser religiosa, talvez a leitura seja mais difícil e eu não aproveite tanto assim. Mas esse livro parece trazer questionamentos religiosos válidos e interessantes.
    Adorei a resenha
    Beijos

  • Carol

    Olá! N conhecia o livro nem a autora pq confesso que n costumo ler livros do genero, tenho até um certo preconceito em relacao hehehe, n pelo fato de serem eroticos, mas pq a maioria dos autores do gênero se utilizam de meios futeis pra prender o leitor e se analisarmos de fato a obra n possuem grande qualidade.

  • Nara Brasil do Amaral

    Ainda não li nada dessa autora, achei a sinopse um tanto perturbadora, pois assim como você, estava temendo que por ser um livro erótico, a autora talvez não soubesse retratar bem a parte que fala sobre religião. Mas como você disse que ela realizou isso com grande maestria, fiquei mais animada para ler. Achei interessante o tema retratar uma mulher amadurecendo, desabrochando, descobrindo seus desejos e se tornando dona da sua própria vida. Imagino que devia ser um saco a vida morgada que a pobre da Isabel devia levar, casada por um arranjo do pai, com um marido que a limita e presa com as próprias dúvidas. Realmente interessante, gostei bastante mesmo!