Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven

Por Lugares Incríveis é da autora Jennifer Niven, e foi lançado no Brasil em 2015 pela editora Seguinte.

Sobre o Livro

Theodore Finch pensa muito sobre a morte e sobre formas de se matar. As estatísticas e dados sobre as várias formas rondam sua cabeça quando ele está lúcido, porque as vezes ele apaga e fica dias sem realmente saber o que acontece ao seu redor. Ele é o garoto problema do colégio, aquele que sempre tem a piada na ponta da língua, que falta as aulas e que enfrenta os professores. E ele é também o garoto que está no terraço da escola pensando em se jogar.

Mas, ele não está sozinho. Conforme divaga sobre as consequências do ato, alguém se aproxima e chama um nome, mas não é o dele. Violet Markey também está lá em cima prestes a pular, porém, não há praticamente nada em comum entre os dois, além do fato de estarem no mesmo lugar. Ela é popular, certinha, mas teve uma grande perda recentemente e é isso que há fez chegar lá em cima.

“Fecho os olhos e sinto tudo girar. Talvez dessa vez eu vá em frente. deixe o ar me levar pra longe. Será como flutuar em uma piscina, adormecendo até que não exista nada.”

20161023_171746

Quando seu nome é chamado, a menina entra em pânico e Theodore ao saber de sua presença, muda de foco. Ele começa a conversar com ela e tentar dissuadi-la de pular. Aos poucos a receptividade acontece e ambos vão saindo da zona de risco. Porém, quando questionados sobre o que aconteceu, na mente de todos a trama é simples: Violet, a boa menina, estava impedindo Finch de pular e, portanto, é uma heroína.

Entretanto, o que poucos parecem perceber é que a menina também está quebrada por dentro e, que será com a ajuda do estranho amigo que ela fez, em uma situação mais estranha ainda, que ela poderá ser capaz de achar novamente sua força.


Minha Opinião

Em 2016 eu li uma série de livros que eu estava protelando desde o outro ano. Eram lançamentos de 2015 que eu sabia que seriam bons, que eu iria gostar, mas por algum motivo ficava os protelando. Quando fui na Bienal do Livro em São Paulo e tive a oportunidade de conhecer a autora e autografar o livro, pus como uma meta fazer a leitura de Por Lugares Incríveis antes de dar adeus a 2016, e felizmente consegui.

Foi uma história tocante e emotiva, como haviam me avisado. O que eu não fui avisada (felizmente), era de alguns tiros que viriam durante a leitura. Pois digo a vocês, depois desse e de Juntando os Pedaços, se tem algo que posso falar sobre a autora, é que Jennifer Niven sabe transpor para o papel os sentimentos de forma maestral. Pois não há nada mais frustrante do que ler uma história sensível e não ser tocada por ela, pela falta de habilidade de quem escreve. Por vezes, a aproximação do leitor com a trama se deve muito ao autor e Niven sabe muito bem como se aproveitar disso.

“Aparentemente, sou trágico e perigoso. É isso ai, penso. Isso mesmo.”

20161023_171927

Mas, mesmo sendo um livro tocante e que me fez chorar em vários momentos, é preciso dizer que não há lá muita inovação na fórmula dos personagens. Theodore é o garoto problema e seus problemas não são novidade. A diferença aqui está em ele de forma alguma ser alguém mau. Muito pelo contrário, seu coração é cheio de bondade, e até de inocência pra algumas coisas. E, quando ele e Violet começam a se aproximar, devido ao que lhes aconteceu, o primeiro alerta que ele recebe é que ela é que pode ser perigosa, pois tem o poder de quebrar seu coração.

E, é claro que a aproximação dos dois vai acontecer. Primeiro de forma imposta por ele, já que ele guarda o segredo mais precioso de Violet, a verdade do porque ela estava lá em cima, e o fato de que não tinha absolutamente nada a ver com ele.

A garota por sua vez também vive sob o estereótipo da menina popular, mas tem suas peculiaridades. Ela perdeu uma peça muito importante em sua vida e isso a devastou, fazendo com que ela passasse a olhar para várias coisas corriqueiras de sua vida de forma estranha. Ela não consegue mais escrever ou andar de carro, passou a ter uma medo maior do mundo. Mas ela tem uma penca de amigos e, ao não revelar realmente como se sente, para não parecer fraca, acaba por deixá-los no vácuo, ignorar. Por um lado parece bom, pois ela se redescobre sem os rótulos, mas por outro ela perde a oportunidade de se abrir, fechando-se por completo. E, é ai que Finch entra, aos poucos rompendo essa barreira.

Portanto, mesmo nos personagens convencionados, há também detalhes que os diferenciam, o que faz com que a história se sobressaia das tramas normais de young adult e destaque o fator que já mencionei, que é a beleza como a autora escreve.

20161023_171851

Mas, há algo na forma como eles se comportam ao final do livro que me deixou um pouco de pé atrás e que não fez com que Por Lugares Incríveis levasse minhas 5 estrelas redondinhas. Há uma pessoa que sofrerá mais que a outra, um fato que levanta um ponto que pra mim é muito importante e que sempre me incomoda em histórias sobre luto, que é o amor curar tudo. E ele não cura. Ele pode ajudar, pode medicar, mas a libertação do peso nas costas, a auto aceitação, ela vem de formas mais profundas do que simplesmente amar ao próximo. Ela vem de amar a si mesmo.

Talvez uma pessoa ache isso, mas pra mim não soou completamente real, principalmente vendo o antes e depois e as formas como a situação foi conduzida. Ao fim, pareceu fácil demais seguir em frente, superar, e sabemos que raramente é, principalmente quando já estamos machucados a um tempo. Essa posição rápida de “recuperação” me tirou um pouquinho só de dentro da realidade total do livro, mas não foi nada que tenha prejudicado minha experiência. É um detalhe que me chamou a atenção e que eu resolvi dar valor.

“Agora tudo o que vejo é uma garota morrendo de medo de viver.”

20161023_171825

Esse livro vai falar não só sobre suicídio, mas também sobre bipolaridade e a necessidade de dar atenção aos sintomas e, principalmente, medicar corretamente. A pessoa que vive com isso de forma descontrolada tem uma tendência muito maior de fazer algo contra si mesma ou contra outros e isso é muito perigoso. Por vezes brincamos sobre ser bipolar e esquecemos que isso é algo real e sério, muito sério. Assim como depressão e outras doenças que interferem com o humor ou como vemos o mundo, é necessário manter sob controle e prestar atenção. Os sinais estão sempre lá, só é necessário olhar.

Não foram muitos os livros que me fizeram chorar em 2016, mas três deles envolviam suicídio. É um tema complicado, sensível e tocante. Theodore fantasia sobre isso, romantiza até por vezes em sua cabeça as formas, as estatísticas e isso é sempre algo que preocupa na literatura e também na divulgação de livros com essa temática. A história tem que caminhar a levar o leitor a compreender a gravidade daquilo e também a importância que existe em escolher a vida, em melhorar.

Acho que apesar das coisinhas que me incomodaram levemente, a autora soube muito bem evoluir os personagens aos pontos onde cada um deveria chegar, para cumprir seus propósitos. Por Lugares Incríveis é certamente uma leitura recomendada pra qualquer leitor, não só para aqueles que curtem YA, mas também pra aqueles que eventualmente gostem de sair de seu gênero de conforto para experimentar uma leitura que é mais leve em vários aspectos, mas também está aqui pra debater algo sério e deixar um alerta.

POR LUGARES INCRÍVEIS

Autor: Jennifer Niven

Editora: Seguinte

Ano de publicação: 2015

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.
Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los..

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos. Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo. Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.
  • Daiele

    Oi Tami
    Primeiramente, é bom saber que vc gostou mais desse do que Juntando os Pedaços, assim eu posso descarta-lo da minha lista de desejados, ja que tive um pouco mais de problemas em aceitar as tramas de Por Lugares Incriveis.
    Para mim, ficou faltando motivos para o Finch ser quem ele é sabe. Não digo que ele não tinha motivos para ser problematico ou ter ideias de suicídio, so achei que a autora não me mostrou isso na historia, o que pra mim foi um ponto negativo, assim como tamb´m não entendi porque a Vaiolet é tão popular se tbm não vi isso na história…
    E o final tbm pra mim foi esquisito, percebi a mesma coisa que vc comentou, ao invés da pessoa “cair de vez no buraco” ela simplesmente se reergue….

  • Lili Aragão

    Oi Tamirez, ainda não tinha lido uma resenha desse livro que me deixasse tão tocada, parabéns, não conhecia a autora, mas desde o lançamento do livro Juntando os Pedaços, tenho lido muitos elogios a sua escrita e tô curiosa pra ler um de seus livros. Contudo tenho que me preparar emocionalmente, não costumo fugir de livros emocionais, mas protelo alguns rsrs. A protagonista feminina tem um problema que deve existir muito, ter amigos mas não conseguir dividir tudo e mesmo cercada se sentir sozinha, gostei muito e tô curiosa pra ver como a autora aborda essa parte, no geral o livro parece ser muito bom e gostei demais da dica ;)
    Ah! gostei da capa, depois que lemos a sinopse e a resenha, ela ganha um ar sensível ao tema :)

  • Marta Izabel

    Oi, Tamirez!
    Gostei bastante da resenha do livro. Ainda não li esse livro. O único motivo e porque não tive coragem de ler Por lugares Incríveis!! Acho que por hora ainda não estou no momento certo para ler!!
    Beijos

  • Bruna Prata

    Os melhores livros para mim, sem sombra de dúvidas, são os que envolve uma carga emocional reflexiva, onde os acontecimentos arranca da pessoa sentimentos que não podem ficar enclausurados (lê-se aqui, o choro). Temas “pesados” são os meus favoritos, porque de uma maneira ou outra vai mostrar uma nova perspectiva sobre o que foi abordado, é um sentimento incrível de descoberta.
    A única coisa que me impedia de ler Por Lugares Incríveis, era um outro livro que continha como trama central o suicídio, mas como eu já o li recentemente, estou “livre” para realizar essa leitura.

  • rudynalvacorreiasoares

    Tami!
    Desde o lançamento do livro desejo fazer a leitura, embora ache um tanto triste o assunto suicídio.
    Nossa! Violet chega a salvá-lo, embora tenham pensamentos suicidas parecidos e que ambos vão se apoiar e tentar a superar seus medos e desafios interiores.
    É verdade, ninguém consegue consertar ninguém, mas podemos observar os sintomas das pessoas problemáticas e tentar ajudá-los de alguma forma profissional.
    Pena que o final faltou alguma coisa…
    Boa renha.
    cheirinhos
    Rudy

  • Rita de Cássia

    Vi muitas pessoas falando bem sobre o livro.
    E parece ser mesmo.
    Ainda não tive a oportunidade de compra-lo, mas vou ver se resolvo isso.
    Gosto de Jovens Adultos Maduros.
    Que traga um assunto mais pesado.

  • Pamela Liu

    Oi Tami.
    Li recentemente Juntando os pedaços e amei! Já tenho “Por lugares incríveis” na minha estante e espero gostar tanto quanto.
    Gostei bastante da temática abordada, bipolaridade e suicídio, e fiquei feliz em saber que a autora conseguiu novamente transcrever emoções e sentimentos de forma que toca o leitor.
    Parece ser uma leitura bem sensível e espero gostar bastante dela.

  • Thaynara Ribeiro

    Tudo que tem a ver com o psicológico mexe comigo e me atrai demais. Gostei muito mesmo desse livro. Bipolaridade e suicídio são temas que devem ser tratados com cuidado para não ficar clichê ou não aproximar o leitor. Não conheço a autora e estou bem curiosa para ler. Não acho que vá me incomodar a rápida recuperação pq vou considerar como sendo o começo rs

  • Gabriela Souza

    OI Tami.
    Acho que não tenho psicológico para ler um livro de suicídio, e achei estranho a rápida recuperação como tu mesma falou. Mas acredito que apesar disso, a história deve ser bem bonita e chocante..
    Beijos