Príncipe Cativo (Captive Prince) – C. S. Pacat

Príncipe Cativo ou Captive Prince, em seu título original, é o primeiro livro da trilogia de mesmo nome da autora C. S. Pacat, lançamento de 2017 da editora V&R.

Sobre o Livro

Damianos é o príncipe herdeiro de Akielos, mas seu reino acabou de sofrer um golpe quando o irmão bastardo mata o rei, diz a todos que ele é o culpado, lhe declara morto e toma o trono para si. Acuado, Damen acorda a caminho de Vere, o reino inimigo, em um carregamento de escravos que está sendo entregue como sinal de paz pelo usurpador Kastor. Por Akielos ser um reino escravista e com a melhor escola desse mundo, não há nada de estranho no presente, a não ser o fato de que Damen não pode cogitar contar quem é pois tem uma rixa de morte com aquele que será seu mestre, o príncipe de Vere, Laurent.

Kastor o enviou para o único lugar onde ele poderia esperar ser mais mal tratado como um príncipe do que como um escravo.”

Marcados pela discórdia e por batalhas sangrentas, ambos os reinos se mantém opostos desde sempre, e a rivalidade é muito vívida, principalmente por fatos do passado envolvendo as duas famílias reais. Laurent está há alguns meses de assumir o trono, e enquanto não atinge a idade necessária é seu tio quem dá as cartas, e ele pode não estar assim tão ansioso para deixar o poder.

Sem escapatória imediata, Damen terá que lidar com a situação e procurar uma solução ou oportunidade para sair do problema que se encontra, sem revelar sua verdadeira identidade, e retomar o que é seu. Mas, sendo ele apenas mais um escravo, o que poderá fazer?


Minha Opinião

Esse livro pode parecer uma história bem comum de fantasia, mas não é. A edição nacional com uma capa bem genérica e a sinopse também não serviram para explorar os principais pontos dessa história e avisar o leitor do que ele vai encontrar. Eu presenciei e participei de vários debates e pontos de vista sobre a necessidade ou não disso e sou defensora de que sim, a gente precisa conversar, porque além de sair da zona de conforto de muitos leitores tradicionais do gênero, também é um livro com gatilhos.

Primeiro de tudo estamos lidando com uma sociedade escravista. Akielos é famoso por seus preciosos e bem treinados escravos. Há uma “escola” dedicada a isso e hierarquias dentro dessa sociedade, sendo o mais precioso e bem sucedido aquele que é escolhido para servir os lordes como escravos de cama. Apesar de cercados de riquezas, a imagem que a autora quer passar com o livro não é de romantização e há algumas cenas fortes pra firmar isso na mente do leitor. Se você é escravo de alguém, esse alguém pode fazer o que quiser com você, inclusive cedê-lo para que seja “usado” por outra pessoa. E isso é uma qualificação para estupro.

Aprender a língua de um inimigo era tão importante quanto aprender a língua de um amigo.”

Agregado a isso temos uma sociedade estruturalmente homossexual (ou bi em alguns aspectos). Homens se relacionam com homens e as vezes com mulheres, e vice-versa. A forma como isso acontece em cada um dos reinos é diferente. Em Akielos tudo é mais centrado e contido, enquanto em Vere há mais abertura e relações públicas. Enquanto no primeiro bastardos são aceitos de bom grado, no segundo é algo inaceitável. Akielos baseia sua estrutura na Grécia antiga, tanto na aceitação quanto na forma de se vestir, enquanto Vere se espelha na corte francesa, com trajes laçados e pouco pudor.

Dai você vai me perguntar: temos escravos – sexuais – e um mundo homossexual, então este é um livro erótico? NÃO. Em toda a trilogia temos bem poucas cenas com apelo sexual, e elas cabem contadas em uma mão. O que temos aqui é uma construção de mundo baseada em pilares diferentes, que apresenta essa “inversão” das relações como algo natural e intrínseco nesse mundo. Não há debate sobre o assunto, porque não há estranheza.

Em contra partida, a escravidão não é algo que passa despercebido ou sem reflexão. Ela, assim como algumas cenas que envolvem abuso sexual e violência – e que podem gerar o gatilho que mencionei –  estão inseridas na primeira metade desse livro pra que o leitor compreenda a essência dessa sociedade e como as pessoas lidam com as coisas em cada um dos locais. Tendo feito isso, a autora mantém a temática viva na mente do leitor sem precisar ficar chocando a cada conjunto de páginas. Logo, o incomodo que essas cenas podem causar está ali significando algo e deve ficar marcada no leitor assim como fica marcada nos personagens que as presenciam ou participam delas, durante toda a trilogia.

“Você fala como um mestre. Mas é um escravo, como eu.”

Tendo trazido esses três aspectos que não constam num primeiro olhar ao livro, e que eu acho serem extremamente relevantes, é hora de debater sobre o que realmente temos enquanto história. A trama desenvolvida nesse primeiro livro envolvendo Damen e Laurent é bem básica. Damen é o típico personagem herói que foi injustiçado e que precisa lutar pelo seu trono de volta. Ele tem princípios, acredita no certo e no errado e foi criado para ver Vere como bárbaro e horrível. Enquanto Laurent é escorregadio, metódico, gelado e com um toque malévolo que a princípio o posiciona como vilão. Ele vai aprontar suas atrocidades e o leitor vai odiá-lo.

Porém, esse é um personagem que tem muito a nos ensinar, assim como Damen. É muito interessante acompanhar o desenvolvimento dele, afinal agora que pode ver as coisas com seus próprios olhos, nem tudo vai soar tão ruim como era antes se referindo a Vere, e Akielos pode não parecer mais tão intocável como era quando vista de dentro. Há um amadurecimento de ambos os personagens ao longo do livro, mas Damen é aquele que nos conduz pela história, logo é nele que temos os olhos e nele também que acompanhamos melhor a evolução. Laurent será um personagem cinzento por um longo tempo, o que não tira dele o brilho próprio.

Príncipe Cativo é um livro de apresentação de universo e dos personagens. Ele é o mais curto entre os três e acho que a autora o usou realmente pra tentar inserir o leitor da melhor forma possível nesse contexto diferente. Esse também é o mais fraco dos volumes e eu espero que a editora não demore a lançar os outros, porque certamente ficará um gostinho de quero mais e o segundo levanta muito o nível da história.

Como já mencionei, a capa passou longe de me agradar e também não apoio o uso do subtítulo, pois novamente direciona a história pra algo que não realmente é o real. Minhas capas preferidas são as australianas, mais minimalistas. As orientais também são boas porque trazem ilustrações únicas que se encaixam melhor na proposta do livro. Não é necessário estar gritante na capa sobre o que é o livro, o que não pode acontecer é apresentar algo que não é o verdadeiro. Quando essa capa saiu eu parei por um tempo para pensar se havia algum conflito armado que envolvesse pessoas de armadura, e não. Logo, essa escolha faz ainda menos sentido.

Desde que eu li o livro em inglês e advoguei pela publicação no Brasil, duas coisas me deixavam temerosa. A primeira era que o livro não fosse vendido da forma correta, induzindo um leitor desinformado a consumir um livro que ele não se sentiria confortável. Não é mistério pra ninguém, acredito, que o público mais tradicional do gênero de fantasia medieval é masculino e heterossexual. Assim, essas pessoas se forem munidas de preconceito – o que é algo muito comum, infelizmente -, tem a faca e o queijo na mão para adquirir esse livro sem saber o que realmente vai encontrar e esquincalhar a história por não ser a tradicional jornada do herói machão que derrota mortais e dragões. A segunda coisa diz respeito a tradução. Essa é uma história que possui termos que funcionam muito bem no inglês, mas que podem soar vulgares no português se tratados de forma incorreta. Dessa forma, espero que Príncipe Cativo tenha realmente ganhado atenção em sua terminologia e revisão, pois o limite entre uma coisa soando como outra é bem complicado em casos assim.

Enquanto eu escrevo essa resenha eu ainda não tive contato físico com a edição nacional e portanto não posso afirmar como ela está, apesar do livro já estar disponível. Agora, estou ansiosa para começar a receber os feedbacks e ver o que os leitores de interesse estão achando dessa história que em sua totalidade virou uma das minhas queridinhas. Eu já li a trilogia completa, então em breve sairá a resenha do segundo, Prince’s Gambit.

Príncipe Cativo se destaca por seu diferencial ao construir uma sociedade baseada em outros princípios e não tratar o tema com estranheza, afinal é ai que reside a magia da fantasia. Se há algo que me deixa irritada é ver autores justificando certos comportamentos “porque naquela época…”. Se o livro é uma fantasia, o mundo desenvolvido pode brincar com qualquer realidade e a escassez de novas propostas visando manter antigos preceitos e preconceitos é assustadora se olharmos por esse lado. Por causa disso, saldo Pacat pela “ousadia” de ousar e apresentar algo único e que certamente vai dar representatividade a leitores que não se encaixam no “padrão” do gênero.

Se você se sente confortável com os aspectos ressaltados, dê uma chance a essa história e tenha a minha palavra – se ela lhe valer –  de que a trama melhora a cada livro, proporcionando uma boa experiência do início ao fim. Preconceitos deixados de lado, de coração aberto, Captive Prince é um ponto fora da curva.

PRÍNCIPE CATIVO

Autor: C. S. Pacat

Editora: V&R

Ano de publicação: 2017

Damianos é um herói para o seu povo e o legítimo herdeiro do trono de Akielos. Mas, depois da morte do pai, seu meio-irmão toma o poder e o captura, vendendo-o como escravo. O guerreiro é obrigado então a servir a Laurent, o príncipe de Vere, a poderosa nação inimiga.
Para manter em segredo sua verdadeira identidade e as marcas que escondem seu passado, Damen – como também é conhecido – aceita a condição submissa.
Mas Laurent é o que há de pior na corte de Vere. E, como nos meios políticos nada é o que parece ser, Damen é obrigado a estar ao lado do tirano manipulador, ainda que ele o odeie mais do que a qualquer pessoa. Laurent e Damen têm consciência de que não são sentimentos nobres que os aproximam, mas o desejo de supremacia que está na origem da discórdia entre as duas nações.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.

  • Lili Aragão

    Oi Tamirez, gostei da resenha e de saber que o livro tem mais do que a capa e a sinopse nos levam a crer, sendo um livro que levanta alguns debates importantes na criação de uma sociedade escravista e homossexual ou bi. Ainda não sei como me sinto em relação a trilogia e vou aguardar e ver como a editora segue com os lançamentos já que esse é o mais fraco dos três e um livro introdutório. Contudo fiquei curiosa e achei a resenha bem interessante ;)

  • Nayane Evylle

    Oi Tamirez. Não sabia que o livro abordava esses temas bem complexos. Gosto quando aborda escravidão, ainda mais escravos sexuais. Realmente o gênero de fantasia medieval agrada mais os homens heterossexuais, e existe um preconceito quando mulher ler o gênero. Gostei muito da premissa e da ousadia na história.
    Obg pela indicação ;)

  • Natalí Marques

    Olá!
    Ainda não conhecia o livro e gostei muito da premissa e dos temas que o livro aborda. Nunca li nada sobre esse tema, mas tenho vários títulos anotados e pelo jeito vou anotar mais um hahaha
    Beijos

  • Manu Cardoso

    Fiquei bem interessada em ver como essa sociedade homossexual é construída, mas acho que eu precisaria fazer um esforço para passar pelas cenas de violência no início.
    Em geral, eu gosto das capas que você não gosta! =D. No entanto, super concordo que capas e sinopses devem sinalizar parte do conteúdo, permitindo ao leitor escolher melhor.
    =)
    Bjs

  • Rafaela Saturnino

    Eu já li os dois primeiros livros antes de serem lançados aqui, e amei eles! Achei tudo muito maquiavélico, não se sabe de onde virá próximo tiro hahaha… Achei a história bem diferente, e muito bem escrita. Laurent é simplesmente divino e que mente afiada, e o Damien é lindo também, e que choque de realidade que ele teve… Agora estou super ansiosa pelo próximo livro.

    Beijos!

  • Desde que você disse que tinha começado a ler, Tami, eu fiquei muito interessado nele. Acho essa parada escravista e td mais mto interessante e espero poder pegar pra lê-lo em breve. Amo livros de fantasia, mas, né? As fórmulas as vezes me saturam!
    AMEI a resenha! <3

  • Gislaine Lopes

    Oi Tamirez,
    Então, finalmente, de tanto ouvir os gringos e alguns brasileiros falarem sobre este livro, ele foi publicado no Brasil. Amo livros de fantasia, mas não tenho lido tantos do gênero, por estar um pouco saturada das história, por isso que Príncipe Cativo, com sua trama um tanto diferente, chamou minha atenção. As tramas e guerras entre reinos não são os elementos que fazem esta série se destacar, mas sim as abordagens sobre relacionamentos e funcionamento dos reinos. As cenas pesadas sempre mexem comigo em qualquer livro, mas dá para notar que a autora não as inseriu só para chocar os leitores, mas sim trazer os elementos necessários para direcionar a o enredo para seu propósito real. Quero, sim, ler este livro e espero gostar e me surpreender com esta história.

  • Vitória Silva

    Livros de fantasia são os meus tiposonhos preferidos de livros, mas pela sua resenha parece ser bem diferente do que eu costumo ler, mas achei muito interessante (principalmente a parte de ser inspirado na Grécia e na França)

  • Gabriela Souza

    Oi, Tami! Com certeza vamos ver pessoas que vão se decepcionar ao ver que o livro não se trata de uma “tradicional jornada do herói machão que derrota mortais e dragões”. O que é triste. Não me interessei pelo livro, apesar de ser livro de fantasia (gênero que eu amo). A capa também não ajudou em nada né hahaha Mas que bom que tu gostou da leitura. Beijoss

  • Camila Rezende

    Nao tinha ouvido falar desse livro mas gostei da sinopse e da resenha e estou pensando em colocar na minha lista.
    Essa capa brasileira nao parece ter relação nenhuma com a estaria, parece mais que se trata de uma estaria com um cavaleiro medieval do que com a explicação que vc deu na resenha.

  • Micheli Pegoraro

    Oi Tamirez,
    Confesso que quando me deparei com essa capa quando vi a divulgação do lançamento eu não dei atenção, pois ela induz a pensar que a história é totalmente diferente da encontrada durante a leitura. Mas acabei me surpreendendo positivamente com essa trama tão distinta ao ler a sua resenha. Adoro histórias sobre guerras e rivalidades dos reinos, mas o que mais destaca mesmo nessa trilogia é o funcionamento da sociedade sendo abordado de uma forma nada tradicional a que estamos acostumados a encontrar em livros desse gênero. Gostei disso, ainda mais que a condução da narrativa não trata essa abordagem com estranheza.
    Beijos