A Prisão do Rei – Victoria Aveyard

A Prisão do Rei é o terceiro livro da série A Rainha Vermelha, da autora Victoria Aveyard. O lançamento é de 2017 pela editora Seguinte.

*Esta resenha contém spoilers dos livros anteriores

Sobre o Livro

Mare Barrow se entregou a Maven e agora é sua prisioneira em Archeon. A garota elétrica tem seus poderes controlados pelo uso constante das pedras silenciosas e está a mercê do menino rei. Cercada por inimigos e com a morte a rondando, sua única esperança é escapar e, até lá, que o desejo (ou amor) de Maven a mantenha viva e longe de todos aqueles que já teriam arrancado sua cabeça.

Para se vangloriar ainda mais, Maven vai usar Mare como uma arma contra a Guarda Escarlate. A colocando como a líder da organização e agora cativa, a jovem será obrigada a falar e fazer exatamente o que ele desejar, podendo colocar a organização pela qual lutou e seus amigos em perigo frente a uma possível mudança na opinião pública.

“É engraçado, mas antes eu achava que meu maior medo era ficar sozinha. Agora nunca fico só e nunca estive tão aterrorizada.”

Porém, agora quem traça as estratégias ao lado do General é Cal, que se viu sem outra opção a não ser finalmente abraçar a causa, já que é através dela que provavelmente terá sua chance de salvar Mare. Enquanto essas duas frentes parecem cuidar uma da outra, tramas políticas envolvendo esses elementos e os reinos vizinhos se formam, traçando uma linha mais nítida sobre quem é amigo ou inimigo.


Minha Opinião

Eu estava com altas expectativas pra esse livro devido aos fatos que tinham acontecido em Espada de Vidro. Eu gostei muito da dinâmica do segundo e de como a história pareceu encorpar, mesmo tendo me decepcionado com o final e a completa semelhança à trilogia a qual essa história já foi inúmeras vezes comparada desde o seu livro inicial. Em A Prisão do Rei meus medos eram: ter uma Mare Barrow muito mimizenta e ter capítulos narrados pelo Cal.

Nenhum desses ponto aconteceu, mas outras coisas acabaram por se tornar aspectos negativos. A primeira delas é a demora de mais de 300 páginas para algo finalmente acontecer. Há uma longa espera aqui pra que a ação nos alcance e o livro realmente engrene. Felizmente algumas coisas se salvam desse período e é possível conhecer bem mais sobre o desenvolvimento político aqui. Temos pela primeira vez uma visão mais ampla dos reinos e da posição de seus governantes sobre o que está acontecendo em Norta e a Guarda Escarlate.

“Somos fios desencapados e máquinas defeituosas, ainda aprendendo sobre nós mesmos e nossas habilidades. Quem sabe o que pode acontecer?”

Isso é muito importante para que a história ganhe mais corpo e não sobreviva apenas dos conflitos pessoais dos três personagens que tomam o centro da trama. Saber o porquê das coisas e os motivos ocultos das coisas que nos foram apresentadas como verdade desde o começo da história. Lakeland, Monfort e Piedmont tem seus papeis um pouco mais explícitos e algumas cartas acabam também por ser expostas na mesa.

O personagem que mais nos ajuda a entender certas coisas é Maven, sendo também aquele que possui mais profundidade e entendimento aqui. Em A Prisão do Rei conseguimos entender melhor o que aconteceu com ele e o que Elara fez em sua cabeça, arrancando lembranças e sentimentos até que moldasse o jovem a ser o que é hoje. Porém, parece que nem ele compreende direito e apesar de entender, não é capaz de saber ao certo o que lhe pertence e o que foi plantado ali pela Rainha mãe. Uma das poucas coisas que o prende e ele sente como real é a ligação com Mare, algo que Elara não conseguiu exterminar.

“Sem querer, sinto saudades de alguém que não existe.”

É essa ligação que vai manter Mare viva e também nos possibilitar ver através dos olhos dela algumas coisas explicativas para a história. Ele a leva para vários lugares, pois não quer perdê-la e não arrisca entregá-la a supervisão total de outra pessoa pois sabe que os prateados estão atrás de sua cabeça.

Outra grande surpresa do livro é Evangeline. Ela e Maven, aliás, são os meus personagens favoritos nesse livro, pra vocês terem uma noção. Ela tem alguns capítulos e é muito interessante conhecer seu ponto de vista. Ela está prometida ao Rei, como exige sua posição, mas há um desconforto palpável em toda a cena em que está, e a curiosidade do leitor em direção à personagem se aguça muito por causa disso.

Mare não teve grande crescimento aqui, mas também não foi a chata que eu achei que seria. Ela se comportou muito bem na posição que lhe foi imposta e tentou o tempo todo buscar opções e se manter lúcida. Outro que se firmou um pouco mais foi Cal, agora como parte real da Guarda Escarlate. Ele foi treinado para ser um estrategista e agora está usando isso em favor da organização, o que está rendendo frutos em manobras bem realizadas e vitórias. Porém, seu potencial ainda é muito desperdiçado e ele soa sempre muito fraco na história. E o desfecho dado ao livro não colaborou nem um pouco pra uma mudança nessa imagem.

O fim chegou já antecipado. Há uma cena específica umas 100/70 páginas antes que alerta o leitor e faz com que já saibamos o que está por vir. Ai, quando acontece, não há surpresa alguma e, como os personagens envolvidos são bem previsíveis, nada do que é imaginado deixa de se concretizar, trazendo um final sem grandes surpresas. Em um livro que demorou 300 páginas pra engrenar e começar a acontecer, isso não é algo positivo.

Além da visão de Mare, os capítulos também são guiados por Cameron, uma sanguenovo que conhecemos no segundo livro e que eu tive que puxar bastante na memória pra me lembrar quem ela era. Por ela não ser muito ativa dentro da Guarda Escarlate perdemos de enxergar melhor dentro da organização. Preferiria muito mais que a Farley tivesse conduzido e que tivéssemos em algum momento algumas visões de Maven também. Iria ser incrível habitar a cabeça perturbada do personagem.

A Prisão do Rei foi o livro mais fraco até o momento na minha opinião. Há muita lentidão, podia certamente ser mais dinâmico, há pouco desenvolvimento de história – apesar de ampliar o mundo e nossa visão -, e não se mantém um clima durante a leitura. Há picos e momentos onde a trama é simplesmente atirada no leitor sem um escalonamento de tensão, fazendo certas coisas soarem bem abruptas, como o ato final.

Confesso pra vocês que para o livro final as expectativas baixaram um pouco, o que parece aumentar o peso que a conclusão da série vai ter. A Rainha Vermelha e Espada de Vidro foram livros que eu defendi fortemente e também combati as comparações, mesmo tendo lido a trilogia Grisha e encontrando algumas coisas (principalmente a cena final do segundo). Mas agora o que eu realmente preciso, e acho que todos os leitores aqui, é um final fantástico, para apagar todos os altos e baixos e termos mais um motivo para defender a história de Victoria Aveyard.

A PRISÃO DO REI

Autor: Victoria Aveyard

Editora: Seguinte

Ano de publicação: 2017

Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros. Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira. Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo. Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.

  • Natália Costa

    Não li esta série, mas ouço tantos elogios sobre a A Rainha Vermelha que tenho ela na minha wishlist.
    Não irei ler agora por falta de tempo, mas ainda me aconselharia a iniciar ela?

  • Lili Aragão

    Oi Tamirez, e eu achando que seria uma trilogia, mas ainda falta um livro pra terminar a história pelo que entendi e esse parece ter tido uma queda de ritmo em relação aos outros, mas acho que isso acaba acontecendo em algum momento de trilogias ou séries. Não consegui resolver se quero ou não ler essa série, mas sigo acompanhando as resenhas e a depender do desfecho pode até ser que eu me anime :)

  • Bruna Prata

    Cá estou eu lendo mais uma resenha sobre o mundo de A Rainha Vermelha e, ainda nem comecei a lê-lo. Apesar de ser esperado que no meio de uma série ou trilogia, haverá um livro fraco, é sempre decepcionante encará-lo.

  • Amanda Barreiro

    Poxa, eu não leio uma resenha positiva dessa série. 300 páginas para um clímax? Solução previsível? Acho que não é pra mim. Gostei muito da sua resenha, que foi bem honesta e detalhada, sem entregar muito da história.

    Beijos!

  • Lais Luz

    Não li a série, mas todo mundo recomenda esses livros, tenho curiosidade, mas com um pé atrás, pq algumas pessoas tbm dizem que é mais do mesmo,sabe, uma mistura de outros. Eu vou ler ainda esse ano e tirar minhas próprias conclusões haha

  • Gabriela Souza

    Oi Tami! Eu comprei A rainha vermelha com muita expectativa sobre o livro e me decepcionei um pouco. Achei o livro meio parado. Comprei Espada de livro (mas ainda não li) e pretendo começar logo pra tentar entender como as pessoas conseguem gostar do Maven hahahah E que triste ler que demora para acontecer algo interessante em A prisão do rei :( Beijoss

  • Lara Caroline

    Oi Tami, tudo bem?
    Não li a trilogia ainda e por este motivo fiquei completamente perdida mesmo tendo assistido as outras resenhas dos livros anteriores. É uma pena que o livro não continuou com a mesma qualidade, não sei como alguns autores conseguem perder a mão da própria história, é uma pena.
    Beijos

  • Isabela Carvalho

    Olá Tamirez ;)
    Sempre quis ler a série, mas nunca tive a chance!
    Queria tanto ler quando lançou o 1, mas me desmotivei porque vi umas resenhas falando meio mal, ai as expectativas baixaram.
    Mas sua resenha me deu vontade de começar a ler! Estava na lista de leitura, mas vou ver se adianto!
    Bjos

  • Eu acho simplesmente lindas as capas e a diagramação dos livros desta série, tenho o primeiro livro, mas ainda não li, agora lendo sua resenha sobre o terceiro livro da série fiquei bem curiosa para ler a série A Rainha Vermelha.

  • Carol

    Olá! Já tinha ouvido falar desta trilogia, mas näo tinha lido muito a respeito, entao fiquei um pouco perdida na resenha. Mas é uma pena que a qualidade tenha caido neste livro!

  • Marta Izabel

    Oi, Tamirez!!
    Conheço essa série mais infelizmente ainda não tive oportunidade de ler nenhum livro da A Rainha Vermelha. Mas sem dúvida quero muito!!
    Beijoss

  • Vitória Silva

    Achei esse livro bom e ruim, eu esperava mais ação depois do final de espada de vidro, aí a história melhorou um pouco e o final (pelo menos eu achei péssimo) esse livro não foi oque eu esperava ainda mas que eu li achando que era uma trilogia, espero que o próximo seja melhor