Quarto – Emma Donoghue

Quarto é da autora Emma Donoghue e foi lançado em 2011 pela Verus Editora. O livro recentemente ganhou uma adaptação para o cinema que rendeu a Brie Larson o Oscar de melhor atriz.

Sobre o Livro

Em Quarto, Jack acabou de completar 5 anos e vive com sua mãe em um cubículo. Ele cresceu acreditando que aquele lugar, onde há somente um cama, uma mesa, duas cadeiras, um armário, uma banheira, um fogão e uma pia era todo o espaço do mundo. Sua mãe  explicou que o “lá fora”, que ele vê pela claraboia no teto não é habitado e que eles estão sozinhos, com a exceção do Velho Nick.

Esse homem que toda noite vem visitar sua mãe e, que ele apenas ouve conversar de dentro do armário onde se esconde, é quem busca a comida no espaço lá fora e os mantém alimentados. Mesmo tendo acesso a televisão, ele foi ensinado pela mãe que aquilo que vê só está acontecendo dentro daquela caixa mágica e que nada além do Quarto é real. Cachorros, árvores, outras pessoas, nada disso existe no mundo de Jack.

“Pensei em todas as crianças do mundo, em como elas não são da televisão, são reais, elas comem e dormem e fazem xixi e cocô feito eu. Se eu tivesse uma coisa afiada e espetasse elas, elas sangravam, se eu fizesse cócegas, elas riam. Eu queria ver as crianças, mas fico tonto por elas serem tantas, e eu um só.”

Porém, sua mãe, que está a 7 anos presa, elabora um plano para tentar escapar do Quarto, e começa a contar para o garoto que o mundo é muito maior do que ela previamente lhe falou já que Jack é peça fundamental para que ela e ele possam escapar do cativeiro. Mas tudo é muito assustador, e esse menino de 5 anos vai ter que superar medos que ele sequer sabia existirem.

Minha opinião

20160315_205832

20160315_205756

Quarto vai ser narrado pela perspectiva do Jack e ele só tem 5 anos, vivendo num mundo recluso que ele acredita ser tudo o que existe. É muito interessante o olhar dele sobre as coisas, a forma como tudo parece vivo e único e, ao mesmo tempo em que por vezes nos irritamos com a forma que ele lida com situações que são corriqueiras, mas vão contra a realidade em que o garoto está inserido.

Inocência é a palavra que definiria esse menino que vive nesse cubículo isolado. Ele não faz ideia do que está acontecendo ao seu redor e do quanto é uma vítima da situação. Ele não compreende que está preso, ele não compreende que existe mais e ele não compreende o que acontece toda vez que o Velho Nick vem visitar sua mãe ao anoitecer.

Ele conta os rangidos da cama como se fossem tiques do relógio, como se fosse normal, como se não fosse uma atrocidade acontecendo do lado de fora do armário onde eles está dormindo. Pra ele não é, ele não sabe o que é e o que a presença daquele homem representa: prisão, estupro, medo.

Conforme caminhamos pela rotina criada pela mãe, vemos o quanto ela se esforçou em tentar dar uma vida “normal e saudável” pro menino, e ao mesmo tempo, o quanto o Jack é provavelmente a única coisa que a mantém lúcida e viva. Porém, no momento em que ela toma a decisão de bolar um plano, de que eles precisam sair dali, algo muda. Ela se lembra que existe um mundo lá fora e quer que Jack, o menino que não sabe nada, compreenda todas as coisas que ela escondeu dele. É sufocante e aterrorizante ver essas coisas flutuando na cabeça desse menino e no coração de Jack. É tudo novo, tudo o que ele acreditava ser mentira, fantasia, vai se tornando verdade pelas palavras da única pessoa que ele conhece e acredita.

Vendo o filme, e podendo ter mais da perspectiva da mãe, foi ainda mais angustiante tudo o que estava acontecendo. E acho que aqui temos um caso onde ambas as obras são excelentes, apesar de terem um tom diferente entre si. No livro temos muito mais Jack, mas no filme conseguimos enxergar além dele e alcançar também o sofrimento dessa mulher que ficou enclausurada por tanto tempo, que criou um filho, o filho do seu agressor e fez dele sua fonte de vida. Criou um mundo pra ele e transformou ele no seu mundo.

Enfim, acho que todo mundo deveria entrar em contato com essa obra, seja o livro ou o filme, caso você não seja um adepto da leitura. Emma Donoghue trouxe uma história incrível, sensível e cheia de pontos importantes e emocionantes.

4estrelas

20160315_205715

Para Jack, um esperto menino de 5 anos, o quarto é o único mundo que conhece. É onde ele nasceu e cresceu, e onde vive com sua mãe, enquanto eles aprendem, leem, comem, dormem e brincam. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la.

O quarto é a casa de Jack, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém há sete anos. Com determinação, criatividade e um imenso amor maternal, a mãe criou ali uma vida para Jack. Mas ela sabe que isso não é suficiente, para nenhum dos dois. Então, ela elabora um ousado plano de fuga, que conta com a bravura de seu filho e com uma boa dose de sorte. O que ela não percebe, porém, é como está despreparada para fazer o plano funcionar.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.