Quatro Soldados – Samir Machado de Machado

Quatro Soldados é um romance fantástico escrito pelo autor nacional Samir Machado de Machado e publicado em 2017 pela Editora Rocco.

SOBRE O LIVRO

Esta é a história de quatro soldados: o taciturno Antônio Coluna, o adorável mulherengo Andaluz, o jovem e ingênuo Licurgo e ainda, um outro soldado que talvez não seja apropriado revelar sua identidade ao leitor.

Os quatro soldados, assim como diz o título, são levados por aventuras por todo o Brasil em meio as missões jesuítas, as perseguições da Coroa Portuguesa e índios, conforme são ordenados pela própria narrativa. Em meio às aventuras eles encontraram seres mitológicos da cultura e folclore brasileiro, como a mula sem cabeça. Mas por trás de histórias fantásticas os personagens também são levados a presenciar terríveis acontecimentos reiais como o massacre indígena do século XVIII.

“Para sobreviver, a virtude precisa ser dissimulada, seu cordeiro em pelo de lobo, se for o caso. Mas, não te tornes algo que detestas para depois dizeres que não houve escolha, sempre há escolha.”

O livro é dividido em quatro partes e pode ser lido como quatro romances esparsos, mas cada história acaba por se conectar com a outra de uma forma surpreendente e cheia de aventuras.


MINHA OPINIÃO

De um modo geral, descrever esta história é uma tarefa difícil sem estragar a experiência de descobrir seus personagens e suas maravilhosas características, mas acredito que talvez, conhecê-los minimamente trará curiosidade para embarcar nesta aventura.

O livro nos apresenta quatro personagens principais, ou melhor dizendo, quatro livros independentes sobre cada um deles, mas que acabam se interligando de uma maneira sutil, que é, ao mesmo tempo, impressionante. Para começar, temos o jovem Licurgo de apenas dezesseis anos que acaba de entrar para o exército o que talvez pode parecer um pouco cedo, mas que é fundamental para o desenvolvimento do personagem ao desenrolar da trama.

“Ouve, que isso não digo a muitos: não faltarão aqueles que tentarão te esmagar embaixo das botas pelo simples prazer de eliminar em ti a virtude que neles falta.”

O segundo personagem é Andaluz, um personagem excêntrico e mulherengo que apesar de já ter sido um soldado, não está mais no exército e agora tem uma função um tanto quanto inusitada, ele é um contrabandista de livros. O terceiro é o capitão Antônio Coluna, que como o próprio nome diz, é um personagem sólido e equilibrado (um aspecto extremamente presente no livro). E, por fim, temos Silvério, o assassino profissional, porém nada comum que mata usando arco e flecha. Apesar de confiar na vontade Deus, sabe que não é um de seus homens.

Outro ponto interessante é a forma com que o autor insere seus elementos fantásticos na história, fazendo com que por mais que saibamos serem fantásticos, acabamos acreditando neles.  Cada personagem traz para a própria história, assim como para a dos demais, a representação de características chave que nos fazem compreender o porque de terem sido colocados em cada situação e como se encontram. Analisando a narrativa de forma crítica podemos encontrar aspectos como a religião e a dominação a qual estava presente no período em que o Brasil era apenas uma colônia e o quão preocupante era o conhecimento.

De longe, a parte mais interessante do enredo é a de Andaluz, afinal, ele é um contrabandista de livros e isso deveria ser maravilhoso… No entanto, naquela época o clero e o poder governante acreditavam que livros eram objetos extremamente perigosos que eram capazes de corromper a fé das pessoas e trazer  elas ideias realmente perigosas.

Escrito em um português arcaico, mas de fácil compreensão, Quatro Soldados traz a ideia de ser um livro antigo e cheio de mistérios que cabem a cada leitor, desvendar.

thumb_livro

4estrelasb

Quatro Soldados

Autor: Samir Machado de Machado

Editora: Rocco

Ano de publicação: 2017

Uma das vozes mais originais e instigantes da nova literatura brasileira, Samir Machado de Machado mescla referências que vão de Shakespeare a Thomas Pynchon, passando por filmes de aventura como Indiana Jones e videogames como Uncharted. Não por acaso, sua obra cruza fronteiras de gênero, flertando com a aventura, o romance histórico e a fantasia, e se situando na fronteira, cada vez mais tênue, entre alta literatura e entretenimento. Primeiro livro do autor, agora publicado pela Rocco, Quatro soldados narra as peripécias de quatro jovens que têm seus destinos entrelaçados no Brasil de 1754, nos últimos anos da guerra contra as Missões Jesuítas: um alferes que ainda adolescente recebe seu primeiro comando, um rígido e melancólico capitão de cavalaria, um desertor que vive do contrabando de livros e um tenente de motivações ambíguas. Através da imaginação fabulosa de um narrador de memória e intenções duvidosas, os quatro passam por longas viagens, batalhas e todo tipo de aventura pelo vasto território brasileiro do século XVIII, das quais nenhum deles sairá incólume.

É resenhista do Resenhando Sonhos.
Estudante de Direito, 20 anos, mineira, mora em Belo Horizonte e ama o universo literário.

  • Lili Aragão

    Oi Ana. pelas fotos deu pra perceber que essa edição está linda, curti muito e achei a capa belíssima e até meio mágica. Ainda não conhecia o livro e achei a resenha muito boa e interessante e a parte que me chamou mais a atenção também foi a história de Andaluz, acho tão triste quando vejo passagens da história onde os livros eram queimados e considerados como objetos que corrompiam as pessoas, quando isso é e sempre foi tão contrário, ainda bem que isso já não existe rsr. Ótima resenha ;)

  • Carolina Santos

    Me apaixonei pela premissa do livro que me lembrou um livro que eu li antigamente mas não me recordo o nome. quando eu vi esse livro pela primeira vez achei que se tratasse de algo baseado em conto de fadas livro de fantasia

  • verônica medeiros horn

    Não sou muito de ler livros nacionais, mas curto baste as historias que trazem verosimilhança com o fantástico misturado, a capacidade de misturar os dois temas me encanta. A parte que fala da historia do Andaluz chama a atenção sobre a censura em relação ao saber, o que ocorre até hoje, pois conhecimento é poder e quem tem acesso a informação tornasse perigoso (falou agora a estudante de biblioteconomia hahahahah)

  • Pamela Liu

    Oi Ana.
    Achei bacana a ideia de 4 contos que se interligam no final. Gostei bastante da ideia de um personagem contrabandista de livros rs
    Mesmo assim, acho que não lerei esse livro. Não é meu tipo de leitura.
    Bjs

  • anne

    Achei muito interessante a escolha de personagens, todos bem diferente… E gostei muito do fato de se passar no Brasil e das ilustrações, espero ter a oportunidade de ler.

  • rudynalvacorreiasoares

    Luiza!
    Gosto quando vejo resenhas de livros que nunca tinha ouvido falar.
    Achei interessante a escrita ser em português arcaico principalmente porque é um livro de fantasia, fiquei tão curiosa para ver como ficou…
    E saber que uma das protagonistas é contrabandista de livros, já me deixou fã da Andaluz, porque está indo contra as regras do governo …
    Amei!
    “A melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham em nossa caminhada pela vida.” (Desconhecido)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

  • Daiane Araújo

    Deixo ‘passar’, não é o tipo de leitura que me atrai!

  • Júlia Assis

    Ler livros nacionais é sempre muito bom, e conhecer nacionais do qual eu nunca tinha ouvido falar é melhor ainda. Nunca li um livro nacional que se passasse nessa época, e fiquei interessada na história, principalmente no andaluz, pelo mesmo motivo que você, imagina que massa seria contrabandear livros ainda mais sabendo que isso era proibido, ja que ele levaria cultura mesmo sendo proibido pelo estado. Achei a premissa muito incrível.