#RESENHA: O Trono do Sol (Livro 1) – S. L. Farrell

O Trono do Sol: O Ciclo Nessântico – Livro um é do autor S. L. Farrell e foi lançado aqui no Brasil pela editora Leya. No ínicio desse ano o romance ficcional americano ganhou um grande destaque na comunidade literária pois foi bastante disseminado nos blogs e sites do gênero. A editora Leya também publica os livros do George R. R. Martin, As Cronicas de Gelo e Fogo, e devido a escolha da capa, nome e tamanho do livro, as comparações foram inevitáveis. E, o que para alguns foi motivo para ler o livro, também fez com que muitos desistissem da obra.

Após ler todos os livros já lançados da saga de Martin me senti um pouco órfã e resolvi dar uma chance ao Farrell. Acabei me surpreendendo com a complexidade imposta pelo autor para compreender o livro, criando novas nomenclaturas para palavras básicas do cotidiano, o autor apresenta uma forma bastante diferente de compor o romance.

O livro vem acompanhado de um mini dicionário em seu apêndice e um glossário para ser destacado e usado como marcador de página para auxiliar na leitura com os termos principais e mais usados.

No início tive muita dificuldade, pois precisava ler uma frase várias vezes e consultar o glossário e dicionário para poder compreender, mas assim que as palavras foram assimiladas e associadas a leitura correu muito bem e fiquei bastante impressionada com a história desenvolvida pelo autor.

Pensando nos diferenciais do livro fiz um vídeo um pouco diferente para o canal. Ao invés de uma simples resenha dividi o vídeo em três partes. Na primeira falo sobre as comparações entre o Ciclo Nessântico e As Cronicas de Gelo e Fogo, na segunda parte apresento o vocabulário, ligações e  explicações básicas para compreender o livro com mais facilidade ao iniciar a leitura e, na terceira parte apresento o livro e faço a resenha sobre a história principal e suas ramificações.Pra quem estiver interessado é só assistir o vídeo abaixo ou pular diretamente para a resenha escrita que vem a seguir!

O Trono do Sol é um livro que mistura magia, religião e política, apresentando a cidade de Nessântico como cenário principal. Nessântico nasce como uma cidade insular, as margens do rio A’Sele e cresce em poder e tamanho, conquistando cidades vizinhas e ampliando seus domínios. Hoje em regime de monarquia, Nessântico e seus domínios são regulados por uma rainha (Kraljica) Marquerite, que está a 50 anos no Trono do Sol e precisa preparar seu filho Justi (a’kralji) para assumir a posição e, essa missão começa fazendo com que ele se case novamente com alguém que possa trazer algum benefício ou vantagem.

Com uma religião chamada de Fé Concéziana e que adora um único deus chamado Cénzi, grande parte do poder está nas mãos da igreja que tem um lider central, o Archigos (Papa) Dhosti Ca’ Millac.

Nesse universo existe uma energia “mágica” chamada de Ilmodo. O ilmodo, segundo a fé concéziana é proveniente de Cénzi e somente aqueles que são devotos ao Deus podem manipulá-lo. Para treinar os chamados Acólitos existe uma escola, onde somente uma minoria recebe “a marca” e permissão para usar o poder em favor da igreja.

Porém, como toda religião, há sempre um lado aposto, esses são os Numetodos, pessoas que não crêem em Cénzi mas que conseguem manipular a mesma energia. Chamados pelo lado mais extremo na Fé Concéziana de hereges e ateus, os Numetodos estão sendo caçados em algumas partes dos Domínios de Nessântico e tentam, através da Kraljica e do Archigos uma aceitação junto a sociedade. Porém, ao longo do livro descobrimos que existem muitas outras “religiões” e usos dessa magia pelo mundo e que cada corrente tem seus próprios métodos e segredos.

Como uma das personagens centrais temos a jovem Ana Co’Seranta, uma acólita que está finalizando sua instrução no colégio téni e espera receber a marca, porém o próprio Archigos a procura e a oferece muito mais do que ela esperava, chamando a atenção de toda Nessântico e seus Domínios para ela, inclusive da Kraljica e dos inimigos do Archigos, que estão a espreita de um erro de Dhosti para tentar assumir o cargo.

Em uma história cheia de reviravoltas, o romance de S. L. Farrel se distancia em milhas e milhas de George R. R. Martin em termos de semelhanças e aponta um estilo bastante único de contar um história que não apresenta muitos personagens, mas que é complexa em sua estrutura e concepção. Talvez a grande e uma das poucas semelhanças entre ambos os autores é que Farrell também tende a matar seus personagens principais e coadjuvantes sem aviso prévio, deixando a trama ainda mais instigante. O Segundo livro já foi lançado aqui no Brasil pela mesma editora (:

thumb_livro

4estrelasb

O TRONO DO SOL

Autor: S. L. Farrell

Editora: Leya

Ano de publicação: 2012

Nessântico – terra de luxúria e perigos, que durante séculos influenciou povos além de suas fronteiras. Uma cidade forte, sedutora, e que mesmo sob o efeito do comércio e da guerra abriga intelectuais, ricos e poderosos de todo o país. Um lugar muito invejado, e por isso as coisas estão prestes a mudar. Governada por Marguerite ca’Ludovici, que agora prepara-se para celebrar seu Jubileu e passar o seu legado para seu filho Justi, enquanto Jan ca’Vörl, um poderoso nobre, tenta armar uma rebelião. Archigos Dhosti ca’Millac, líder da Fé de Concénzia e aliado de Marguerite, luta para controlar fundamentalistas como Orlandi ca’Cellibrecca , enquanto eles clamam por uma ação contra aqueles que insistem em afirmar que a magia não está ligada à fé em Cénzi. Presa no meio desta disputa por poder está a jovem sacerdotisa Ana co’Seranta, cuja impressionante habilidade com a magia a torna um peão na luta pelo poder. O trono do Sol é uma trama onde o elenco ativo é um fascínio imenso, muitos dos quais se alternam na narrativa. Leitores que apreciam a construção de um mundo de intriga e ação mergulharão nesta história rica e complexa.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.

  • Marcos Felipe

    Muito boa sua resenha, eu quando li o Prefácio do livro me interessei mais pela história em si, pois gosto de títulos que abordam temas voltados pra guerras, politica, religiao, magias e etc… E quase abandonei a leitura por causa da linguagem do livro, obrigando a ler um trecho e em seguida recorrer ao glossário pra ver o significado, porém a história é tão cativante que consegui aprender o idioma do livro rsrsrs e comecei recentemente a leitura do ultimo livro da trilogia.

  • Willyara Dos Santos Amorim

    Gostei muito da sua resenha. Vi que o post é de, mais ou menos, 3 anos atrás e só agora que estou lendo esse livro, e ainda bem que em seu vídeo você deu panorama da linguagem, por que eu já estava perdida rsrs. Gosto muito do seu canal e blog.