Romancista como Vocação – Haruki Murakami

Romancista como Vocação é um livro do autor Haruki Murakami. A publicação é de 2017 pela Alfaguara, selo da editora Companhia das Letras.

Sobre o Livro

Há mais de 30 anos um jovem empreendedor tocava um negócio que lhe causava mais trabalho e despesas do que ele gostaria. Um bar que tocava Jazz parecia ser a ideia de espaço perfeito para se trabalhar, principalmente porque esse jovem queria ser seu próprio patrão. Ele trabalhava noite após noite dando sempre o seu melhor, mas lá no fundo ele queria algo mais, embora se mostrasse satisfeito com o que tinha conquistado até então.

Eis que, acompanhando de uma cerveja enquanto assistia a um jogo, ele teve um insight do tipo raro: decidiu que escreveria um romance, e assim o fez. Após meses de tentativas, algumas frustradas e outras melhores sucedidas, nasceu ‘Ouça a Canção do Vento; primeiro romance do autor que viria a se tornar referência no Japão. O que aconteceu até este momento e toda a repercussão disso na vida de Murakami é o que direciona a narrativa desta autobiografia que, embora não pretenda fazer isso cem por cento, acaba servindo como uma espécie de ‘manual’ para pessoas comuns que têm vontade de trilhar um caminho profissional semelhante.

“Ao escrever com persistência e de forma contínua, acontece algo dentro de mim. mas isso leva tempo. Você precisa aguardar com paciência. Um dia será sempre um dia. Não podemos viver dois ou três dias de uma só vez.”

Além disso, o livro detalha todo o processo criativo do autor, que conta de maneira concisa e ao mesmo tempo cheia de analogias as diversas facetas do que significa  tornar-se um romancista de sucesso e ainda assim lutar para preservar o comportamento reservado, peculiar e muito simples. Neste livro conhecemos mais sobre a vida, as obras e a personalidade deste ícone da literatura japonesa.


Minha Opinião

Haruki Murakami é conhecido por escrever livros que contam histórias incríveis utilizando uma linguagem que de tão simplista, se torna acessível para diversos tipos de leitores; desde aqueles mais cabeçudos que prezam principalmente pela qualidade literária e por textos premiados, até aqueles que estão tentando descobrir que tipo de leitor realmente é ou quais seus gêneros favoritos. Neste livro, que narra basicamente sua trajetória e que vez ou outra se permite aconselhar quem deseja iniciar um processo de escrita, não podia ser diferente. Aqui a conversa é simples, clara e direta.

Preciso dizer que em alguns momentos esse tipo de escrita, principalmente para quem tem neste livro o primeiro contato com as obras do autor, pode parecer um tanto seca ou rude; mas no fundo não é isso. É apenas a simplicidade que o Murakami carrega que escorre para as páginas, e assim mostra ao leitor que, como o próprio autor diz, não é necessário escrever muito difícil, de maneira extremamente rebuscada ou com floreios desnecessários para tornar o texto atrativo. Na verdade ele mostra que vai no sentido contrário disso e do que os grandes nomes costumam fazer: costuma manter sua vida tranquila, transformando-se em um senhorzinho que prefere ficar em casa, cuidando do corpo com caminhadas e do espírito com leituras agradáveis do que frequentar ambientes abarrotados de outros escritores e intelectuais. Curioso, no mínimo.

“(…) se você deseja escrever um romance, observe atentamente seu entorno. O mundo pode parecer monótono, mas está cheio de diamantes brutos, atraentes e misteriosos. Romancistas são aqueles que conseguem identificá-los. E, ainda melhor, eles são oferecidos quase gratuitamente. Se você tiver um bom par de olhos, conseguirá escolher e coletar livremente essas pedras preciosas brutas. Existe uma profissão mais fascinante do que essa?”

A fama de antissocial é explicada aqui, e fica claro para o leitor que este japonês não se importa nem um pouco com o que falam dele, ou pelo menos ele trabalha bastante seu autocontrole e auto aceitação para não deixar que comentários de qualquer tipo tenham sobre ele um poder maior do que devem. A verdade é que o mundo exterior, com seus clubes literários e premiações que ganham cada vez mais destaque – mas que nem sempre são justas – não fazem a cabeça deste escritor tão estrategista, metódico, disciplinado e muitas vezes cabeça dura assumido.

É neste tom, de que ‘a minha verdade faz sentido para mim e talvez não sirva para você’ que o autor conta como se dá seu processo de escrita, seus hábitos e o que acredita que contribui para que seus livros sejam lidos por tantos leitores, e traduzidos para diversos idiomas. Muito centrado e seguro de si, Murakami transformou este livro numa espécie de conversa íntima, cheia de contação de histórias e conselhos daqueles que a gente dá para quem gosta. Claro, ele não se segura e critica tudo aquilo que lhe incomoda, mesmo que seja ele mesmo ao ter um comportamento que foi contra seus valores ou que considerou inadequado. Mas, acima de tudo, neste livro conhecemos a figura por trás de tantas histórias incríveis, que há décadas vêm conquistando leitores fieis ao redor do mundo.

“Quando escrevo um romance (quero deixar bem claro que vou falar de mim), sento-me sozinho à mesa do meu escritório e trabalho no manuscrito por mais de um ano (às vezes dois ou até três). Levanto-me de manhã cedo e escrevo durante cinco ou seis horas por dia, concentrado.”

Discursando sobre técnicas de escrita, explicando como se prepara (ou não) para produzir um livro, falando sobre suas experiências acadêmicas, com a música e com as pessoas, o autor, de forma humilde e gentil,  prende o leitor nas páginas do início ao fim. O livro é curtinho, o texto enxuto e a mensagem é tão simples que chega a impressionar como ainda tem gente que acredita que é preciso muito para cativar um leitor. Não, a gente não precisa de muito. É necessário apenas o suficiente para tocar nosso coração e manter nossos olhos grudados nas páginas, e isso o Haruki sabe muito bem como fazer. Então, para quem já acompanha os trabalhos do autor, quero deixar claro: este livro não pode ficar fora da estante. E para aqueles que ainda não conhecem nenhuma de suas obras, mas tem curiosidade, Romancista como vocação pode ser uma ótima porta de entrada, e, espero, que a partir daí vocês o leiam muito mais.

ROMANCISTA COMO VOCAÇÃO

Autor: Haruki Murakami

Editora: Alfaguara

Ano de publicação: 2017

Haruki Murakami é um dos mais conhecidos autores contemporâneos do Japão. Quando seus livros são lançados, a imprensa noticia filas enormes nas livrarias de Tóquio e traduções para mais de quarenta idiomas. Ícone da escrita fluida, Murakami transita bem em diversos estilos narrativos: ficção, ensaio, reportagem, nada parece estar fora de seu talento literário. Para abarcar toda essa multiplicidade, chega agora Romancista como vocação, uma série de proposições sobre a escrita, a literatura e a vida pessoal do recluso escritor. Escrito na linguagem acessível típica de Murakami, este livro é um convite a todos que desejam habitar o mundo dos romancistas, bem como uma declaração de amor ao ato da escrita.

Uma leitora frenética e inquieta, apaixonada por histórias fantásticas e com uma tendência a se deliciar com romances água com açúcar. Viciada em fotografias e gatos, é uma apreciadora das pequenas coisas e costuma ver beleza até onde não há.