Serafina e a Capa Preta – Robert Beatty

Serafina e a Capa Preta é o primeiro livro de uma série do autor Robert Beatty, lançado em 2018 pela editora Valentina.

Sobre o Livro

Serafina mora com o pai no porão da mansão Biltmore. Ele trabalha na manutenção das máquinas e deu à garota uma missão só dela, porém, ninguém sabe que Serafina existe. Durante todos os anos de sua vida seu único contato com o pai e ela perambula pela propriedade sempre sorrateiramente para não ser notada.

“Estava contando a ele a mais pura verdade, e ele não acreditava em uma só palavra.”

Tudo funcionou muito bem até que uma noite a garota vê algo muito estranho acontecendo. Um homem em uma capa preta passa por ela arrastando uma menina de vestido amarelo aos gritos e faz ela desaparecer. Tendo visto o que viu e vendo as crianças da propriedade desaparecer, Serafina sabe que precisa fazer algo. Mas o quê, há que não pode revelar a situação sem também entregar sua identidade?


Minha Opinião

Eu tenho tido uma quedinha por livros mais “lúdicos” que apresentem crianças como protagonistas e esse é exatamente o tipo de história que teremos aqui. Serafina e a capa preta é um livro de fantasia que brinca com a imaginação infantil e também ponto de magia que saem dos livros pra realmente habitar o mundo real.

Acho que o ponto forte da narrativa aqui nem é desvendar o mistério sobre quem é esse homem e porque e como ele faz o que faz. Há algo bacana ai, que conduz durante todo o livro, uma investigação infantil e ao mesmo tempo perigosa. Porém há algo que falou mais forte comigo durante a trama.

“Às vezes, mas só às vezes, desejava não apenas ouvir as pessoas ao redor em segredo, mas também falar com elas. Não apenas vê-las, mas também ser vista.”

Serafina é inteligente e astuta. Mas falta a ela algo que normalmente é construído lentamente de nossa vivência com as pessoas e até da maldade que enfrentamos: auto estima. Por ter sido isolada do convívio social e ter algumas “peculiaridades”, ela acredita haver algo errado consigo, talvez parecer estranha, uma aberração.

Será que o pai a esconde porque tem medo do que as pessoas vão achar? Será que ela é tão horrível assim que não pode ser vista? Quem é sua mãe e porque sua única família nunca quer falar sobre o assunto? Há um mar de perguntas na cabeça da garota e todas elas dependem da boa e velha aceitação. Dela de si, dela pelos outros. Com isso, a questão da família também é bem explorada aqui, tanto para Serafina como usando um outro personagem que vai servir como uma surpreendente aliado nessa aventura.

Aliás, é desse aspecto que sai a cereja no bolo do livro. A obra de Robert Beatty é para dizer o mínimo, despretensiosa. Não parece haver a intenção de contar uma história épica. É tipo um conto de fadas, mas com um toque assustador. Só que ai chegamos ao fim do livro onde descobrimos bem mais sobre a mitologia desse mundo e a real “fantasia” que há ao redor de tudo isso.

“Os caixões se mexiam na terra instável. Os corpos desapareciam.”

Eu não estava preparada pra isso, então demorei um pouquinho pra me acostumar com a ideia que havia sido inserida na trama e as implicações de tudo aquilo. Depois de ruminar um pouco a leitura, percebi o quanto isso abria um leque enorme de possibilidades a serem exploradas e fiquei menos relutante. Também notei que foi exatamente o fato de eu ter colocado a história como uma narrativa mais infantil e despretensiosa que fez com que eu me chocasse ao encontrar uma reviravolta. Mas porque não, não é?

Sendo assim, se você gosta de livros com essa pegada mais lúdica e que envolve crianças como narradoras, fica aqui a recomendação. O livro tem pouco mais de 200 páginas e é uma leitura super levinha. Vale a pena ressaltar também que mesmo sendo o primeiro livro de uma série, é uma história fechada. Então, você não precisa ficar desesperado que terá de ler outros livros depois, pois se quiser, pode aproveitar essa aventura e encerrar por aqui. Ou, caso goste de Serafina como eu acredito que você vai gostar, aproveitar para depois ler mais aventuras dessa garota.

Lá fora existem outros dois livros com a personagem e já não vejo a hora de ler mais histórias mágicas envolvendo ela e seus mistérios, pois mesmo com o fechamento, algumas coisinhas ficaram soltas para darem liga nos próximos volumes. Ah… e meu personagem preferido é o Gideão, que eu não vou contar quem é! :D

SERAFINA E A CAPA PRETA

Autor: Robert Beatty

Editora: Valentina

Ano de publicação: 2018

Serafina nunca teve motivos para desobedecer ao seu pai e se aventurar além da Mansão Biltmore. Há espaço de sobra para ser explorado naquela casa imensa, embora ela precise tomar cuidado para jamais ser vista. Nenhum dos ricaços lá de cima sabe da existência de Serafina; ela e o pai, o responsável pela manutenção das máquinas, moram secretamente no porão desde que a garota se entende por gente. Mas quando as crianças da propriedade começam a desaparecer, somente Serafina sabe quem é o culpado: um homem aterrorizante, vestido com uma capa preta, que espreita pelos corredores de Biltmore à noite. Após ela própria ter conseguido – depois de uma incrível disputa de habilidades – escapar do vilão, Serafina arriscará tudo ao unir forças com Braeden Vanderbilt, o jovem sobrinho dos donos de Biltmore. Braeden e Serafina deverão descobrir a verdadeira identidade do Homem da Capa Preta antes que todas as crianças… A busca de Serafina a levará ao interior da mesma floresta que tanto aprendeu a temer. Lá, descobrirá um esquecido legado de magia, que tem relação com a sua própria origem. Para salvar as crianças, Serafina deverá procurar as respostas que solucionarão o quebra-cabeça do seu passado.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.