fbpx

A Solução Final – Michael Chabon

Publicado em 200solfinal4 no auge do sucesso do autor Michael Chabon após o prêmio Pulitzer de 2001 por “As Incríveis Aventuras de Kavalier e Clay” (2000, 658 páginas e esgotado no Brasil já faz algum tempo), o livro que se passa na Inglaterra da Segunda Guerra Mundial é bastante charmoso é uma boa introdução para o estilo peculiar narrativo de Chabon.

A Solução Final (112 páginas, Companhia das Letras, a paritr de ‘The Final Solution’ de 2004), começa com um garoto órfão percorrendo uma cidadezinha com seu papagaio de estimação até encontrar abrigo na missão de um padre (temeroso por escapadelas da esposa e da má conduta do filho), e termina com um mistério envolvendo o assassinato de um vendedor de produtos laticínios e sequestro de uma ave que traz da aposentadoria um detetive famoso que estava por criar abelhas. Ah, e no meio do caminho tem um capítulo sob a perspectiva do papagaio!

O esmero de Chabon em nunca mencionar, sequer uma única vez, a identidade do famoso detetive (por isso faço enorme esforço para manter a mesma condição) ou citar mais que algumas peculiaridades de suas aventuras pregressas é notável, e, sem dúvidas uma empreitada de bem maior sucesso que um recente livro de Mitch Cullin… Digo, talvez alguns discordem, é claro, mas esse é um mistério mais divertido e a solução se parece bem mais com as histórias originais.

Só que, vale destacar, para aqueles que não são fãs deste notório personagem da literatura que inspirou tantas e tamanhas adaptações para cinema e televisão, a leitura não é particularmente marcante. Sim, há um mistério intrigante e um capítulo sob a perspectiva do papagaio, mas o grande charme deste livro é servir como o último capítulo do maior detetive de todos os tempos (que não mora em Gotham City ou faz tricô), afinal são as pequenas piscadelas e notas sobre aventuras pregressas, sobre uma certa nostalgia das histórias do personagem e de sua inserção nesse contexto (a cena em que ele retorna à Londres para ver sua cidade devastada pela guerra é de trazer lágrimas aos fãs de suas histórias).

É curto e divertido, ainda que dificilmente memorável.

É colaborador do Resenhando Sonhos.
Mestrando em ciências ambientais, pós graduado em geoprocessamento. Apaixonado por quadrinhos e literatura desde pequeno, escritor ocasional além de um INTJ em tempo integral.