Stranger Things – 2ª Temporada | Crítica

A série, que virou febre após a sua exibição ano passado, conta a história de um grupo de crianças dos anos 80, na pequena cidade de Hawkis, nos Estados Unidos, onde coisas muito estranhas estão ocorrendo. Depois dos fatídicos eventos do final da última temporada, eles continuam sem saber o que de fato aconteceu com Eleven, Will continua tendo algumas visões peculiares e a vida de todos segue normal, na medida do possível. Acontece que a figura de um novo monstro pode estar tomando posse dessa pequena cidade e da vida de seus moradores.

Infelizmente essa temporada não me agradou tanto quanto o esperado. Achei que alguns personagens não tiveram o devido destaque, enquanto outros tiveram mais que o necessário. Em certas partes a história correu rápido demais e de uma hora para outra a trama desacelerava, enrolado tanto que dava até sono. A série, que sempre foi tão original, acabou tomando caminhos que a deixaram beirando o clichê e, portanto, se assemelhando a tantas outras. Mas, mesmo com a previsibilidade, não perdeu o seu lado bom. Vamos aos fatos.

Dos pontos negativos estão a pouca relevância dada a Mike, que na primeira obteve maior e merecido destaque, nessa acabou ficando em segundo plano e foi muito pouco lembrado. Também ocorreram algumas situações que me deixaram chateada, principalmente por afetarem pessoas que eu gostava. Não entendi até agora a relevância dada no episódio 7, “A irmã perdida”, que serviu apenas para nada. Pensei que a partir dali a trama tomaria novos rumos, mas para minha surpresa tudo voltou ao que já estava. Na verdade, a única utilidade desse episódio foi me deixar mais ansiosa esperando o número oito, que foi um episódio que mexeu, e muito, com os meus sentimentos.

Outros personagens que achei um estorvo foram os irmãos Max (Sadie Sink) e Billy (Dacre Montgomery). Espero que na próxima temporada eles tenham alguma relevância. Nessa, serviram apenas como tapa buraco. Max tinha tudo para ser uma boa personagem, mas acabou sendo apenas uma menina chata e intrometida. O seu irmão não vou nem comentar, personagem mal aproveitado e extremamente irritante. Max surgiu como a figura feminina que ficou faltando no grupo, mas acredito que não existiu um entrosamento adequado. E o Billy tem pinta de que será o próximo vilão humano da série.

Mas é claro que a série não me decepcionou completamente. Eleven continua maravilhosa, Will está cada vez com mais destaque (e sofrendo!) e Steve, depois de ter todo o meu ódio na primeira temporada, passou a ter todo o meu amor nessa. Te amo, Steve! Todo aquele ranço que eu tinha por ele passou, depois de ver a transformação na babá oficial do grupo, além da bela amizade que ele deu início com Dustin.

Nessa temporada temos as mesmas sacadas inteligentes e engraçadas, unidas a excelente atuação dos atores mirins. Conhecemos um pouco mais da família deles e já amo a menina Erica (Priah Ferguson), irmã mais nova do Lucas. Essa rainha rouba a cena sempre que aparece.

Outro personagem que me cativou foi Bob (Sean Astin), que só percebi que era o nosso Sam do filme Senhor dos Anéis após terminar a temporada (DING, DING, SHAME!). O namorado de Joyce é um nerd muito querido e que tenta de todas as formas agradar os filhos de sua amada. No começo, pensei que ele não teria tanta importância, e já achava que ele acabaria sendo um estorvo para o xerife Hopper e a senhora Byers, já que shippo muito JOPPER, mas ele me conquistou muito com suas piadinhas ruins e seu coração gigantesco. E é claro que o xerife está ainda melhor nessa temporada e veremos um lado mais paizão e sentimental nele.

Essa temporada acabou não me agradando tanto, mas tenho certeza que todos esses pontos que foram deixados em aberto, serão respondidos futuramente. Para nossa tristeza só em 2019, quando as crianças já estarão na faculdade. (Brincadeira!). A temporada, em geral, foi boa, mas com algumas ressalvas. O que achou dessa temporada? :)

 

3estrelasB

STRANGER THINGS 2

Diretores: Matt Duffer e Ross Duffer

Elenco: Winona Ryder, David Harbour, Finn Wolfhard e mais

Ano de lançamento: 2017

Um ano após a volta de Will, tudo parece ter voltado ao normal… Mas a escuridão espreita sob a superfície, ameaçando toda a cidade de Hawkins.

 

É colaboradora do Resenhando Sonhos.
Natural de São Sepé, atualmente morando em Santa Maria.
Formada em Gestão da TI pela URCAMP e cursando Produção Editorial na UFSM.
Apaixonada por livros, Johnny Cash e cachorros.