Time Riders #2: O Dia do Predador – Alex Scarrow

O Dia do Predador é o segundo livro da série Time Riders, do autor Alex Scarrow. O lançamento é de 2017 pela editora Fundamento.

*Essa resenha contém spoilers do livro anterior

Sobre o Livro

Liam, Maddy e Sal foram resgatados alguns minutos antes do fim de suas vidas. A eles foi apresentada uma realidade difícil de compreender: uma agencia que fiscalizava o tempo, pois no futuro a viagem no tempo havia sido descoberta e sempre poderia haver alguém deturpando o passado e consequentemente modificando tudo o que já havia acontecido, tecendo novas realidades.

O que eles precisam fazer agora é aprender como viver em meio disso, já que seu recrutador se foi. Maddy é a nova líder e o primeiro passo e reconstruir sua unidade de inteligência artificial, afinal o corpo de Bob foi completamente comprometido na última missão. Porém, em meio a isso, uma mensagem chega com um alerta.

“E se você pudesse mudar a história?”

Edward Chan, o criador do primeiro estudo teórico sobre viagem no tempo sofrerá um atentado e eles precisam impedir que isso aconteça. Para tal, Liam embarcará desta vez para o futuro. Entretanto, nem tudo vai sair como planejado e em um pequeno desvio de trajeto, ele, sua unidade de inteligência e vários adolescentes vão ser levados há 65 milhões de anos atrás. Será que indo tão longe, há como voltar?


Minha Opinião

Eu li o primeiro volume de Time Riders ano passado e foi uma surpresa bem bacana. O livro é uma ficção científica sobre viagem no tempo, mas com uma pegada young adult, o que não chega a atrapalhar em nada o andamento da história. Enquanto isso poderia ser um ponto negativo pela idade dos personagens, acaba aqui concedendo uma certa leveza à trama, o que não costuma acontecer dentro do gênero. Sobre isso, vale também ressaltar que apesar de serem jovens, seus comportamentos são sempre bem medidos e não há drama desnecessário.

Todos eles foram resgatados da morte e dados a missão de conduzir o trabalho em andamento. Com a “aposentadoria” de Foster, quem mantém as rédeas do grupo e também os segredos é Maddy. Ela descobriu que a viagem no tempo cobrará de Liam um grande preço, pois ele envelhecerá rapidamente a cada nova partida. Ela ainda não sabe o que fazer com essa informação e o peso e responsabilidade de ter que liderar algo que desconhece não está realmente ajudando.

“Não era um preço alto a se pagar pelo futuro da humanidade, não era mesmo.”

No entanto, todos que estão ali também tem o mesmo escasso nível de conhecimento e tudo é uma questão de tentativa e erro. A primeira coisa que já vai precisar ser feita é cultivar um novo corpo para a unidade de inteligência, Bobo. Porém, na confusão e rapidez como tudo é feito, algo passa batido. A questão só é descoberta depois que o corpo já atingiu um certo amadurecimento e não é mais possível recuar, já que um novo problema bate à porta. A nova unidade é na verdade uma garota e Liam vai ter que se acostumar com isso.

Toda essa parte e a interação do garoto com a unidade vai ser engraçada. Ele tem muitos conflitos, afinal Bob havia virado seu amigo, e agora ele é uma garota. Uma garota da sua idade e bonita, já que ela não teve tempo de amadurecer completamente por terem que correr para uma nova missão. Liam também terá outra questão, ele vai ter que viajar novamente e dessa vez para o futuro a fim de impedir um assassinato e é no meio dessa viagem que tudo dá errado.

Imagine que louco voltar 65 milhões de anos e se ver em meio a uma selva com dinossauros. Isso mesmo, dinossauros! Pode até ser fascinante num primeiro momento, mas certamente passa a ser amedrontador em bem pouco tempo. Pior que tudo isso é saber que talvez Maddy e Sal jamais consigam descobrir onde eles foram parar e que ficarão presos para sempre até serem devorados por algo.

“A criatura mudou de posição lentamente, agachando-se para ter uma visão melhor do meio das folhas largas atrás das quais se escondia. Essas coisas pálidas e eretas, essas novas criaturas… ele ficou pensando se aquilo era todo o bando, ou se haveria mais delas em algum lugar.”

O legal sobre esse tema é que apesar dos estudos já realizados há vários anos sobre as descobertas de fósseis da época, ainda sabemos muito pouco e certamente desconhecemos várias espécies que existiram. Aqui o autor brinca com isso e traz um réptil com astúcia e inteligência que passa a observar os estranho seres que aparecem do nada. Aos poucos ele e seu bando vão aprendendo com os humanos e se desenvolvendo. Eles são meio humanoides, tendo uma cabeça alongada e ficando em duas patas. Todo esse aprendizado e fato de eles serem predadores pode ser o suficiente para que, mesmo a milhões de anos, isso possa causar um colapso no futuro da raça humana.

Quem ganhou um pouco mais de explicações aqui foi Sal, mas ela ainda é a personagem com menos destaque e a mais escusa, acrescentando pouco à trama. Acredito que o autor deva estar guardando algo para a menina mais a frente. O próximo livro se chama O Código do Apocalipse e certamente deve brincar com essa questão do fim do mundo.

A edição da editora Fundamento está bem espaçada e a letra está bem grande, o que faz com que mesmo com suas mais de 400 páginas a leitura não fique massante, pois as páginas passam rapidamente. No início de cada capítulo também há a data e local onde ele vai se passar, ajudando o leitor a se localizar melhor em que período aquela parte da história se passa.

Time Riders tem uma boa história que é conduzida de forma leve e com alguns alívios cômicos, sem perder também o tom sério que a situação necessita. Os protagonistas são relacionáveis e possuem conflitos próprios que dão mais vida à história, o que é sempre positivo. Então, pra quem curte o gênero mas não quer embarcar em algo muito complexo, ou quer uma opção pra começar, fica aqui a dica.

TIME RIDERS #2: O DIA DO PREDADOR

Autor: Alex Scarrow

Editora: Fundamento

Ano de publicação: 2017

Liam O’Connor, Maddy Carter e Sal Vikram são adolescentes de períodos diferentes da História,mas com algo em comum: todos deveriam ter morrido em grandes tragédias. No último momento de vida, um estranho os levou do local das catástrofes. Mas eles não foram salvos. Foram recrutados.
Os TimeRiders ainda não haviam se recuperado das consequências da batalha contra os nazistas quando receberam uma mensagem vinda do futuro. A Agência descobriu uma trana para matar Edward Chan antes que ele elaborasse a teoria da viagem no tempo. Se isso acontecer, não haverá máquina do tempo. Nem TimeRiders.
Assim, Liam é enviado para 2015, a fim de deter o assassino de Chan. Mas algo sai muito errado com a missão e Liam é transportado para 65 milhões de anos antes de Cristo. E, para piorar, um grupo de estudantes do ano de 2015 é levado com ele.
Enquanto Liam luta para manter o grupo vivo em plena era dos dinossauros, Maddy e Sal tentam localizar o amigo perdido. Mas como encontrar alguém que pode estar em qualquer período da História? E o que acontece com a linha do tempo quando dinossauros e humanos se encontram? Uma coisa é certa: a humanidade não será mais a mesma…
Quando se mexe com o passado que se conhece, cria-se um futuro desconhecido.

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.