Transformers 5: o Último Cavaleiro (2017) | Crítica

Este é o último filme da franquia de “Transformers” dirigido por Michael Bay e com Mark Wahlberg no elenco – ambos declararam que não participarão mais da série.

É uma piada pronta saber que Michael Bay e Mark Wahlberg não querem mais participar das sequências de Transformers para o cinema. Significa que nem mais o diretor, nem mais o protagonista as aguentam. Os críticos também já não as aguentam mais, só que já era assim desde sua estreia. Os fãs, contudo, são os únicos que ainda acompanham a saga – e é pra eles que a série bilionária é feita. Os “cinéfilos” que avaliam os Transformers como se fossem assistir a um filme do Fellini não estão inclusos no segmento o qual o filme busca agradar. Não é arte. É entretenimento – e a própria obra não quer ser mais nada senão isso. Por que então não a avaliar como tal?

Admito que fui ao cinema com as pedras na mão, mas bastaram as primeiras explosões e piadas forçadas para eu lembrar que estava a ver um filme que não está lá para se levar excessivamente a sério, que sabe que é uma porcaria e que os críticos o acham um lixo e que se permite ser nada mais do que algo que se propõe a entreter jovens. Transformers é, portanto, uma porcaria sincera, e eu acho isso ótimo. Acho até que é uma porcaria muito bem-feita (é necessário muito talento, aliás, para se fazer uma porcaria que se preze).

Eu não estava afim de refletir sobre a existência. Eu não estava afim de me envolver em experiências cinematográficas transcendentais. Eu não estava afim de sair da sessão a elucubrar inúmeros questionamentos sobre a condição humana. Apenas assisti a um filme, entreti-me (mesmo que parcialmente porque não achei o filme lá grande coisa) pelas 2h30 de projeção e depois fui embora. Pronto. Eu esperava algo mais além disso? Não. Então por que eu deveria criticar o filme por querer ser uma simples peça de entretenimento e deleite para os fãs de HQs e desenhos?

Parte do charme de Transformers é que seus filmes são clichês paradigmáticos. Você vê ali todo o beabá hollywoodiano de produção de blockbusters engendrada – e são bons clichês porque não subestimam a audiência. A barra não é forçada além do razoável e as informações necessárias para o espectador são sempre entregues com competência. Michael Bay tem muito cuidado em criar imagens com muito movimento e informação – é possível perceber uma lógica coesa e pensada em seu trabalho. Assim, julgo este filme uma produção honesta. Vale mais, pra mim, que a obra cinematográfica pretensiosa e, às vezes, arrogante.

O diferencial do roteiro de O Último Cavaleiro é o background histórico que o envolve, o que incluiu uma sacada que achei bem interessante. A premissa aqui é a de que há uma relação entre as lendas arturianas, isto é, o mito de Lancelot, do Rei Artur, Merlín, Cavaleiros da Tábula Redonda e tudo o mais, com o passado dos autobots na Terra. A partir daí, a história envolve todos os pontos de sempre, forma-se um branquíssimo par romântico, tem aquele personagem que ajuda o protagonista e morre emocionalmente no fim, sentimentalismos em relação ao passado, malvados que viram bons, etc. Tudo engendrado bonitinho em termos da estrutura clássica de um roteiro de blockbuster.

Pode-se fazer críticas em relação ao branquíssimo casal principal, contudo, a reclamação de falta de diversidade geralmente não é feita de volta para obras que não são condenadas à lata do lixo pela crítica. Não vejo ninguém reclamar da falta de negros em filmes do Stephen Spielberg, do Alejandro Iñarritu, ou sei lá quem conceituado seja. Transformers, inclusive, esforça-se até demais em manter seu elenco etnicamente diversificado, ao menos entre seus coadjuvantes, tanto é que há personagens negros comandando uma batalha medieval na Inglaterra do século V, o que não faz nenhum sentido.

Entre os inúmeros clichês, as piadas são pastelonas, poucas são boas, todas despretensiosas e diversas delas são sobre sexo, e, às vezes, flertam com o machismo (contudo, o filme trata com respeito sua personagem feminina, o que, infelizmente, ainda é incomum para um blockbuster). Aliás, nenhum ator se destaca: Mark Wahlberg atua mal como de costume, a jovem Isabela Moner demonstra potencial e Anthony Hopkins faz o café com leite. A parte técnica do filme é muito boa, os efeitos todos são profissionalíssimos e a fotografia é saturada, realçando cores, principalmente as mais quentes.

O mundo não precisa de mais uma sequência de Velozes e Furiosos, nem de outro Piratas do Caribe, nem de mais Transformers e muito menos de outro filme de super-herói. Mas e daí? O mundo também não precisa de mais críticos de cinema…

thumb_livro

25estrelasb

TRANSFORMERS 5: O ÚLTIMO CAVALEIRO

Diretor:Michael Bay

Elenco: Mark Wahlberg, Laura Haddock, Anthony Hopkins e mais

Ano de lançamento: 2017

O gigante Optimus Prime embarcou em sua missão de encontrar, no espaço sideral, os Quintessons, os possíveis seres criadores da raça Transformers. O problema é que, enquanto isso, uma nova ameaça alienígena resolveu destruir a Terra.

É colaborador do Resenhando Sonhos.
Cético, é daqueles que precisam ver para crer.
Pedro é estudante de Jornalismo na UFRGS, cinéfilo e meio míope.
  • Natália Costa

    Nunca acompanhei transformers. Só vi o primeiro e não senti vontade de continuar. E já está no 5º filme? hahahahaha
    Pareço et falando que nem sabe por onde anda a franquia ou é normal? :P

    • Pedro Nakamura

      Não perdeste nada demais em não acompanhar, Natália, hehehe!

  • Lili Aragão

    Oi Pedro, então temos mais um Transformer que é o que tem que ser, ou seja entretenimento, é bem verdade que quem vai assistir Transformer não vai em busca de grandes mensagens e interpretações e sim vai pra rir, pra ver os efeitos especiais cheios de explosões, perseguições, lutas e carros gigantes e nesse quesito o filme é bom sim se não fosse assim não teria tantos fãs. Dito isso e já tendo assistido 3 filmes da franquia, meio que cansei, ainda nem assisti o penúltimo com Mark, mas quando eu tiver com vontade de assistir a um filme sem grandes pretensões ainda acho legal tê-los como opção ;) Curti a critica.

  • Natalí Marques

    Olá!
    Gostei muito do primeiro filme de transformers, mas não gostei das continuações. Algumas eu nem me lembro se assisti. ahahha
    Já não estava animada pra assistir o filme, depois ler seus comentários então, desanimei mesmo hahaha
    Beijos

  • Nayane Evylle

    Oi Pedro :)
    Eu assisti até o terceiro filme e é bacaninha. Filme pra passar o tempo. O filme realmente parece ser ruim pq a crítica tá pesada, principalmente no YT ( que coisa, né). Situação que eu não vi acontecer nos outros filmes da franquia, pq as pessoas não falavam sobre. O que eu gosto são as cenas de ação que são massa, mas só isso. Acho que o objetivo é não ter um enredo profundo e, sim, fornecer cenas de ação e luta com a velha dicotomia do bem x mal.

  • Camila Rezende

    Nao assisti esse filme e não tenho previsão de quando vou.
    Nao gostei muito do quarto filme e o primeiro trailer que eu vi foi o que focava na personagem de Isabela Moner o que me deu a ideia de ser mais focado pra crianças. Depois de ver os outros trailers eu acabei não ficando empolgada pra assistir esse filme. O dia que passar na tv eu assisto.

  • Rafaela Saturnino

    Eu não gosto muito dos filmes de Transformers, até assisti os primeiros, mas realmente não é o tipo de filme que eu gosto (e eu achava que os filmes dessa série já tinham até acabado). Eu realmente já vi bastante crítica negativa desse filme, ele parece bem clichê mesmo, e é uma pena que nenhum ator se destaca :/

  • Micheli Pegoraro

    Olá Pedro,
    Pois é, mais uma franquia que poderia ter acabado muito antes, já estamos ficando saturados de tantas continuações. Gosto de Transformers, mas já perdi aquela empolgação de assistir mais um filme, então nem vou ir conferir esse filme no cinema, deixar para me “entreter” em casa mesmo haha

  • Manu Cardoso

    Nunca assisti nenhum filme da franquia Transformers! Às vezes eu me pergunto em que mundo eu vivo? Mas tem tanto filme, tanto livro… Não dou conta!
    Considerando a sua crítica e os comentários, um dia eu assisto o primeiro!
    =)

  • Gabriela Souza

    Oi, Pedro! Todas as críticas que vejo sobre esse filme são negativas (risos). Só assisti o primeiro filme (e só assisti pq tava passando na Globo e eu não tinha mais nada pra fazer). Esse tipo de filme não chama minha atenção. Nunca assisti nenhum filme de Velozes e furiosos também. Que pena que tu perdeu mais de 2h assistindo uma porcaria haha Beijos