Valerian Vol. 1 – Jean Claude Mézières e Pierre Christin

Valerian Integral vol. 1 é um álbum de ficção científica que traz as 4 primeiras HQs escritas pelos franceses Jean Claude Mézières e Pierre Christin. É um lançamento de 2017 pela SESI-SP Editora.

SOBRE O ÁLBUM

Valerian é um dos principais expoentes de ficção científica já publicados na França até os dias atuais. Com as primeiras publicações sendo realizadas na revista Pilote em 1967, a HQ conquistou uma grande legião de fãs que viram nas aventuras dos agentes espaço-temporais Valerian e Laureline uma forma de sonhar com o futuro e conhecer outros mundos. A HQ influenciou muitos outros artistas, cineastas e escritores, e até hoje é possível encontrar referências da obra em vários locais. Mesmo assim, nunca havia sido publicada no Brasil. Com a chegada do filme Valerian and the City of a Thousand Planets, a editora SESI-SP assumiu a missão de apresentar ao público brasileiro esta incrível e divertida coletânea dos quadrinhos, sendo este o primeiro de uma série de 7 volumes a serem publicados. O álbum também trás entrevistas com o diretor Luc Besson, com os autores dos quadrinhos, artigos sobre a importância da HQ para o gênero e também levanta a polêmica de que Star Wars, famosa saga de aventura espacial criada por George Lucas, tenha copiado alguns de suas ideias, elementos e personagens.


SOBRE AS HQs

O álbum está dividido em quatro HQs. Na primeira HQ, denominada Os Maus Sonhos, somos apresentados a um futuro tecnológico e inovador, mais precisamente ao ano de 2720. A Terra já expandiu sua capacidade de viagens espaciais e construiu um grande império. A base e capital do império fica em Galaxity e é onde a aventura começa. Nela somos apresentados ao agente espaço-temporal Valerian, um homem inteligente, bem humorado e de ego inflado. Valerian tem uma missão: voltar à Idade Média e descobrir porque um sabotador de Galaxity está fazendo por lá. A partir daí, o agente embarca em uma aventura épica por castelos, magia e cavaleiros com espadas. É onde também ele conhecerá o seu par, Laureline, que o acompanhará nas missões seguintes.

A segunda e a terceira HQ são histórias conjuntas e se chamam A Cidade das Águas Movediças e Terras em Chamas. Na primeira parte, e agente Valerian é enviado para Nova York no ano de 1986, onde naquele ano a civilização humana atingiu o auge de sua ignorância e praticamente destruiu todo o planeta com bombas nucleares e guerras. Foi uma época conturbada, mas foi a partir desse passado que hoje a Terra conquistou o universo. A missão de Valerian é monitorar alguns eventos anormais que estão acontecendo por lá, que podem prejudicar o futuro como é conhecido, ou até mesmo, fazê-lo desaparecer. A trama é longa e continua na segunda parte, onde então temos o desfecho da história e a solução dos problemas.

Por fim, a última HQ deste álbum é O Império dos Mil Planetas. Nela é onde pode-se observar um crescimento no universo criado em Valerian, com tramas mais densas e ricas em detalhes. Esta se passa no tempo presente e os agentes Valerian e Laureline precisam investigar se o avanço tecnológico do planeta Syrte-a-magnífica, que oferece risco eminente aos domínios do planeta Terra e aliados. Os personagens passam por paisagens com características medievais, porém, altamente tecnológicas, com naves, satélites, alienígenas e também robôs.


MINHA OPINIÃO

Fazia muito tempo que eu não tinha contato com uma HQ. Ao que eu lembro, a última vez que li uma foi há pelo menos 6 ou 7 anos atrás. Mas desde o começo desse ano eu estava amadurecendo a ideia de começar a introduzir HQs nas minhas leituras semanais. E é assim que Valerian entra na história. Foi graças ao anúncio da adaptação cinematográfica que eu acabei conhecendo esse título para começar. O principal motivo para querer ler Valerian é que se trata de uma série de Ficção Científica, e eu amo esse gênero. No gênero, várias coisas podem acontecer, desde as mais prováveis até as inimagináveis. Entretanto, o bacana da ficção científica é que tudo tem uma base de realidade por trás, e ao meu ver torna as histórias mais familiares, mais próximas de serem compreendidas e aceitas. Também pela ficção científica, as metáforas com a realidade podem ser trabalhas de forma mais direta, despertando a atenção de quem lê.

“Nossos primeiros álbuns dão a impressão de uma hesitação no momento de alçar voo. Como se quiséssemos primeiro garantir nossos fundamentos, para saber de onde vínhamos.”

Apesar de conter, tais críticas sociais podem não ser tão claras nessas quatro primeiras histórias, já que elas ainda estavam em um processo de assimilação por parte do público. Entretanto, mesmo que de forma embrionária, os autores buscaram retratar alguns aspecto da sociedade real e apontar os defeitos e/ou incoerências delas. Antes de mais nada, é preciso olhar para o álbum não com os olhos de quem vive no ano de 2017, mas tentar ver com os olhos de quem viveu nos anos 70-80.

Em Os Maus Sonhos, por exemplo, logo que a futurística Galaxity é apresentada, há uma menção de que grande parte dos humanos são mantidos em contínuo estado de sonhos, que os mantém entretidos e alheios aos problemas que os cercam. Há, inclusive, um departamento especializado em produzir sonhos bons para manter a população feliz e estável. Tal descrição hoje pode ser entendida como metáfora aos diversos meios de entretenimento online que temos, onde estamos conectados 24 horas por dia.

Já nas histórias seguintes, A Cidade das Águas Movediças e Terra em Chamas, vemos os personagens debatendo sobre os males causados pelas guerras nucleares e como a raça humana quase se extinguiu por sua própria ignorância. O mundo apresentado nessas duas HQs explora a ruína do que um dia foi uma bela e crescente civizilização, no auge de sua evolução. Além disso, a própria personagem Laureline já confronta alguns estereótipos daquela época, como por exemplo, a personagem mulher que sempre precisa do homem para se defender ou que não tem destaque. Aqui em Valerian, Laureline rouba a cena e se destaca como heroína.

“Ah! antigamente vivíamos tranquilos em nosso século… tirando os lobos, ratos, feiticeiros e umas chuvas de sapos… eu fui é bem louco de me associar a eles para ganhar!”

A respeito dos personagens, é interessante observar a sua construção e evolução no álbum. Valerian é um homem, acredito que já de boa idade, algo entre 28 e 30 anos, com senso de humor aguçado e um certo jingado de galã. Logo a primeira vista, me lembrou o personagem de John Travolta no filme Saturday Night Fever. O protagonista ostenta toda a graça e beleza da moda masculina dos anos 80, sendo a única diferença de que é agente de um tempo futuro. Durante as narrativas, ele vive suas aventuras de forma empolgante e, mesmo quando surge os problemas, que não são poucos, ele tenta encontrar uma solução da forma mais simples e inteligente possível, sem perder, claro, o momento de fazer piadinhas.

Já Laureline, sofre uma evolução enorme do primeiro quadrinho para o segundo. Ela não pertence ao mesmo mundo do qual Valerian veio, mas se tornou uma personagem extremamente importante para as demais aventuras. Ela possui cabelos ruivos, é jovial (suponho eu que entre 25 – 30 anos), ágil e bela. Não demorou muito a se tornar a minha personagem preferida. Pode parecer uma personagem frágil, mas não se engane, pois várias vezes é ela em que vai resolver os problemas e enfrentar os vilões. A partir da segunda HQ, a adaptação da protagonista à sua nova realidade também é surpreendentemente rápida, como se o tempo todo ela já tivesse nascido em Galaxity.

“Acredite, a raça humana do século XVIII não vale mais nada. Fora o pequeno grupo de agentes espaço-temporais do qual você faz parte, os terráqueos não servem para mais nada, a não ser dormir e sonhar…”

Ainda que a série seja apresentada como um marco da ficção científica, nas três primeiras histórias não fica evidente os motivos que a tornaram. Basicamente, a primeira HQ assume um lado fantasia, com seres místicos, cavalos alados, fadas, etc. Nas duas seguintes, as principais características da histórias são as descrições de robôs, naves controladas por inteligência artificial e viagem no tempo. Nada muito inovador, digamos, e bastante superficial.

Porém, na quarta história, A Cidade dos Mil Planetas – trama que o filme estrelado por Dane DeHaen e Cara Delevingne toma a referência para se desenvolver-, Valerian faz um salto gigante em sua própria narrativa e já nos apresenta um futuro tecnológico muito criativo e diferente do imaginado para os anos 80. Naves espaciais, diferentes raças alienígenas em harmonia, universos paralelos, planetas artificiais e natureza sensitiva marcam algumas das descrições. Todos esses conceitos juntos em uma mesma narrativa ajudaram a mudar a visão dos franceses sobre a ficção científica e então Valerian começou a construir os pilares do seu sucesso.

Inclusive, esse é outro ponto apresentado nos materiais adicionais do álbum. Valerian é um clássico entre jovens e adultos, e influenciou diversos outros artistas e obras, e há, entre essas, uma obra em especial que chama muito atenção: Star Wars. Essa série de space opera (que para mim tem pouco de ficção científica e muito de fantasia), criada por George Lucas, se tornou um grande sucesso no final dos anos 80 e tirou o cinema americano da letargia. Porém, muitas das ideias inovadoras de Lucas podem ser encontradas em Valerian, que já havia sido publicada há 10 anos. Ainda que Lucas nunca tenha admitido diretamente que se baseou em Valerian, uma série de imagens apresentadas pelos autores evidenciam coincidências muito significativas entre as duas obras. Alguns até dizem se tratar de plagio, mas acredito que nem toda inspiração é plagio (fosse assim, Avatar também seria cópia de Valerian, já que possuem algumas semelhanças, e essa hipótese nunca foi apresentada).

“Olhe essas velhas imagens que ainda conservamos para não esquecer nosso passado…. nossa astronave reunia os maiores sábios da época. Ela deveria procurar novos mundos para a Terra, que morria com seu solo devastado por explosões atômicas… Eu era o capitão.”

Acredito que a principal questão é que Star Wars se tornou sucesso em todo o mundo, enquanto Valerian acabou ficando restrito à França e países próximos. Logo, a obra por mais influente que tenha sido, ou teve muita dificuldade para adentrar culturas fora da Europa, ou chegou muito tarde, e assim encontrando pouco espaço para se destacar, quando tantas outras já estavam a meio caminho.

Vejamos o exemplo daqui do Brasil. Essa é a primeira vez que a HQ chega ao nosso país, em publicação integral, segundo as fontes que encontrei. E isso só se tornou possível graças ao filme, suponho. Isso me despertou outra questão, o qual busco resposta: seríamos um país culturalmente colônia norte-americana? Se observarmos bem, grande parte do conteúdo de entretenimento consumido hoje por nós vem de lá (filmes, séries, livros, música, etc).

No geral, eu gostei bastante das HQs e estou ansioso para poder continuar lendo elas. Apesar da rapidez com que a trama nos é apresentada, ela nos entretém e nos faz torcer pelos protagonistas. A edição gráfica também está impecável, linda e bem produzida. Os extras adicionados ao álbum enriquecem o contato com essa série que agora em agosto chega aos cinemas com grande potencial de se tornar uma franquia de sucesso.

4estrelasb

VALERIAN INTEGRAL VOL. 1

Autor: Pierre Christin e Jean-Claude Mézières

Editora: SESI-SP editora

Ano de publicação: 2017

Fruto da imaginação transbordante de Pierre Christin e Jean-Claude Mézières, os personagens de Valerian e Laureline surgiram pela primeira vez nas páginas de PILOTE, em 1967. Por sua inventividade e audácia, a série rapidamente se tornou referência absoluta para os leitores de histórias em quadrinhos de ficção científica.

É colaborador do Resenhando Sonhos. Catarinense, Publicitário formado pela UNOESC, apaixonado por sci-fi, distopias e suspense policial. Fã de Arquivo X e Supernatural, sonha um dia encontrar os aliens.
  • Camila Rezende

    Não sabia da existência da HQ mas gostei da sinopse. Quando fiquei sabendo do filme não sabia que era uma adaptação de uma HQ.
    Quero assistir o filme.
    Como não sabia das HQs tbm não sabia dos fãs que falavam que Star Wars era plágio de Valerian.

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Camila :D
      Pois é, também só fiquei sabendo dela por conta do filme.
      Creio que seja por isso que essa história de Star Wars ser ou não ser cópia de Valerian não tenha dado as caras tão cedo por aqui… praticamente ninguém conhecia a HQ.. haha

  • Natália Costa

    Tô por fora mesmo, não sabia nem do filme nem da HQ nem de nada…kkkkkkk
    Vi ele no outro post sobre filmes para 2017, mas não me chamou tanta atenção quanto com este post. A HQ (que achei linda) e este trailer (que achei mais chamativo) foram responsáveis pela minha mudança de opinião! kkkkkkk
    Valeu pela informação, quero muito ver/ler !!!
    Abraços

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Natália, que bom que mudou de ideia hehe
      Bjos

  • Samuel

    Sempre ouço falar desses HQs e sempre tenho interesse pois a sinopse é muito interessante.

    • Reinaldo José Nunes

      E aí Samuel, bora ler ela então:? heheh o Sesi-SP tá lançando esse mes o segundo volume ja :D

  • Thais M. Costa

    Não sou muito de ler HQ, mas confesso que amei ser de FC e tbm não sabia que a adaptação era dessa HQ. Vou ter que ver correndo rs. amei a resenha. bjus

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Thais, pois é, essa foi a minha primeira leitura de HQ em anos .. hahha mas pretendo ler outras com mais frequencia de agora em diante :D

      Fico feliz por ter gostado da resenha * – * beeijos

  • Carol Mendes

    Não costumo ler HQs e não sabia que o filme era baseado em uma, mas como o filme também não me chamou atenção, não pretendo nem ler nem assistir, mas adorei a dica.
    Sua resenha ficou muito rica, adorei!

    Virando Amor

    • Reinaldo José Nunes

      OI Carol
      recentemente eu li a novelização do filme, foi bacana, mas baixou um pouco as minhas expectativas para o filme :s

  • Amanda Barreiro

    Oi Reinaldo! Que legal, não sabia que o filme vinha daí, rs. Não curto muito ficção científica, aliás, tenho tentado ler mais desse gênero ultimamente, mas não é algo que me conquiste muito. E HQ eu realmente não tenho nenhum contato também, apesar de acreditar totalmente nas HQs como forma de literatura. Acho super válido pra quem curte. Sua resenha está ótima! Beijos.

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Amanda
      pois é, quase ninguém sabe a respeito da HQ ( nem eu sabia da existência dela antes do filme haha).
      De fato, há muito essa visão de que HQ não seja literatura, até mesmo o gênero de ficção científica ainda não é bem encarado como literatura.. (só se tornou mais “sério” a partir dos anos 50-60) o bom é que ess visão esteja sendo mudada no decorrer dos anos :D

      Beijos

  • Leticia

    Ficçao cientifica+HQ=💖

    • Reinaldo José Nunes

      Combinação mais que perfeita né? :D

  • Samanta Samy

    Realmente não gosto de HQs. Muitas vezes a história até me interessa, mas acabo desistindo.

    • Reinaldo José Nunes

      Poxa, que pena Samanta :/
      Eu cresci lendo HQs (aquelas educativas do SESI [que ironia do destino haha])

      Esse ano to tentando voltar ao hábito * – *

      • Samanta Samy

        Estou relançado vários. A Darkside mesmo laçou um que me deixou tentada, rs…

  • Franciele Débora

    Gostei muito do trailer filme e a HQ não me interessou muito. Mas me parece ser uma HQ bem interessante, quem sabe um dia eu leio ele, né? Agora o filme, certeza que vou ver! Beijos.

    • Reinaldo José Nunes

      Oi Franciele, pois é a HQ é bacana, mas as quatro primeiras não mostram muito potencial… bom, pra época acho que sim, para os padrões de hoje não muito hehe

      Beijos

  • Carolina Oliveira

    Que ótima dica! Faz um tempo também que planejo incluir HQs nas minhas leituras. E gosto bastante de ficcao cientifica, acho que esse é um bom início para tornar hábito a leitura de HQ!

  • Gabriela Souza

    Oi! Não costumo ler HQs, mas adorei esse tema espacial. Deve ser bem gostoso de ler para passar o tempo. Pretendo ler para em seguida assistir o filme. Beijos