Viva em seus próprios termos

sorria

Sempre me saí muito bem na minha independência, antes mesmo de a conseguir. Nunca me importei em não estar sempre rodeada de pessoas ou ter sempre um programa para sábado à noite. Gosto de ficar em casa, de ter tempo pra mim e para as minhas coisas. Gosto de ler, de ver séries e filmes ou de simplesmente não fazer nada.

Porém há uma coisa na sociedade chamada “convenção”, e essa “coisa” ainda causa muitos problemas na vida de quem, assim como eu, quer trilhar seu próprio caminho.

Tenho 24 anos e sou solteira. Não tenho pressa de casar. Trabalho pra viver e meus trocados são sempre contados. Não tenho dinheiro pra comprar um apartamento. Ando de ônibus, não tenho carro. Acredito em Deus da minha própria forma, que é cheia de desacreditar. Não sou religiosa. Não tenho religião. Não vou à academia, sou sedentária. Talvez esse último esteja errado, mas os outros não.

Vi um vídeo muito interessante semana passada sobre solidão e as convenções e junto com ele cheguei a conclusão que muita gente se sente só porque não se encaixa no que a sociedade espera, e acredite, a sociedade cobra, critica e oprime.

Às vezes eu sinto falta de ter mais amigos, ou de fazer algo diferente, mas isso nem de longe norteia quem eu sou ou o que eu quero pra mim. Fico muito feliz em ter pais que não me cobram o convencional, que não querem que eu me apresse em casar ou compre uma casa. Que me aceitam e aceitam o que escolhi pra mim como rumo de vida. Fico triste que nem todo mundo possa ter isso. Fico triste que haja tanta gente por ai se sentindo só porque não faz parte do comum, do “normal”.

Já escrevi um texto sobre a solidão aqui no blog ano passado e minha opinião não mudou. A solidão é minha amiga e eu aprendo muito com ela. Viver a vida também me ensina muita coisa e eu pretendo seguir vivendo, nas minhas próprias regras.

E eu espero, sinceramente, que todo mundo que passe por aqui também esteja ;)

 

É a criadora e autora do Resenhando Sonhos.
Gaúcha do interior do Rio Grande do Sul, hoje mora na capital Porto Alegre e quer conhecer o mundo.
Publicitária por formação, sonhadora por opção. É mal humorada e chata.

  • Jana

    nossa teu texto caiu como uma luva :3 eu tava me sentindo esses dias assim também, e o pior de tudo é que sendo mais velha ainda moro com meus pais, me sentia meio perdedora e tal, principalmente porque algumas pessoas intrometidas sempre acabam te botando pra baixo por alguma coisa que tu não faz do jeito “convencional” como se importasse.. acho que todo mundo tem seu tempo/escolhas pra fazer e o que pode ser um desastre pra uns é um alívio para os outros. Enfim, ótimo texto! :) beijos

    • Jana, obrigada! As pessoas são talvez mais cruéis que a própria sociedade na hora de julgar as pessoas por suas escolhas, principalmente se essas escolham vão contra o “certo” estabelecido por essa convenção. Acho que enquanto estivermos nos sentindo bem com nossa vida e conosco o resto deve ser descosiderado, afinal, só você pode viver sua própria vida :D

      Obrigada pela visita!
      Beijoos

  • Gabriela Erler

    Parece que você me escreveu. Gosto muito de sair, mas tenho meus momentos de querer ficar em casa. Sou independente de certa maneira e fico feliz por minha mãe não me cobrar tanto. Não tenho muitos amigos, e às vezes tenho vontade de tentar mais amizades, mas não sei realmente preciso disso. O meu problema é a pressão para casar. Não é só porque namoro a um tempo relativo que TENHO que casar e tudo mais. A sociedade nos impõe uma vida que nem sempre é a que queremos, mas nem sempre temos força para lutar contra isso. Enfim, falei demais kk Gostei muito do seu texto, na verdade adoro seu blog, você escreve de forma diferenciada, põe sentimento em tudo que escreve e acho isso incrível. É bom saber que existe pessoas que pensam como nós por aí. Beijos

    Gabi, http://www.reinodaloucura.blogspot.com.br

    • Obrigada Gabii! Fico super feliz que você goste do que aparece por aqui.

      Eu namorei 6 anos e depois do 3º ano já rolava uma pressão pra casar. A gente se separou e eu disse, olha só se eu tivesse casado, q q ia acontecer agora? Essas coisas de ficarem botando pressão na vida alheia é muito inconveniente :/

      Beijoos :D

  • Daisy NuvemdeLetras

    Oi Tamirez!

    Pra falar a verdade a sociedade impõe muita coisa!
    Às vezes é no jeito que temos que ser (extrovertida sempre, nunca tímida), o jeito como nosso cabelo tem que ser (liso de preferência)… Enfim a lista é enorme. E se estamos fora desse “padrão” pré-estabelecido sabe-se-lá por quem, somos consideradas feias, sem graça, etc, etc…
    Acho que a partir do momento em que decidimos não nos importar com isso, que a gente é feliz. Até porque duvido que alguém decidiu por todo mundo dar o poder para a sociedade decidir o que é bonito, o que é aceitável ou não. Eu pelo menos não dei.

    Ótimo texto.
    Bjs
    Daisy – nuvemdeletras.com

    • Concordo Daisy! só somos felizes de verdade quando paramos de nos importar e tomar decisões baseadas nas convenções alheias. Nem sempre o que é bom pra uma pessoa também vai ser pra outra e portando não deveríamos ter que seguir o mesmo padrão.

      Obrigada pela visita :D
      Bejo

  • A sociedade impõe coisas, que as pessoas acreditam ser o correto e criticam se você não o faz. Muitas coisas que você escreveu me defini, não curto balada, vou raramente porque as vezes me dá vontade e logo penso, não vou tão cedo. Se casar com 24 anos? Porque? Acho muito nova na verdade, mas ai estaria fazendo que nem as outras pessoas haha, mas é minha opinião! Tenho 23 e estou feliz morando sozinha, pensando que só quero ter filhos quando tiver mais velha, porque quero viajar muito! E fodasse que vou estar “velha” para sociedade em ter meus filhos hahah

    Beuijos, Love is Colorful

    • É verdade Bárbara. É muita imposição de coisas “certas” que não são mais certas pra todo mundo. Hoje cada um tem seus objetivos e é importante saber respeitar isso :D

      Beijoo :D

  • Está certíssima! Essa história de viver por aquilo que os outros acham que é certo não está com nada. Cada um tem seu tempo, seu ritmo e seu desejo, não adianta ficar pautando a vida por aquilo que a “sociedade” diz que deve ser. Prezo meu bem-estar e não são os outros que me dirão como viver minha vida. (:
    Um beijo!

    • Isso mesmo Thay! Temos que viver no nosso ritmo e segundo as coisas as quais acreditamos :D

      Beijo

  • Nina

    Tamirez, o importante MESMO é se sentir feliz e realizada com a sua vida. Os outros são só os outros, não é?!
    Que a alegria nunca falte. :)
    Beijos,
    http://www.ninaesuasletras.com.br

  • Manoel Alves

    Felicidade é a resposta para tudo, kkk adorei esse texto, muito espirador adoro texto nesse tipo

    Parabéns

    Dá Uma Passadinha Por Lá: http://ospapa-livros.blogsport.com.br/